As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O amor necessário

Carlos Zilio, ESTUDO, 1970, caneta hidrográfica sobre papel, 47x32,5 (3)
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

O que nos está salvando neste momento de intrusão do Covid-19 são exatamente os valores que o capitalismo nega

Vivemos atualmente tempos sombrios de muito ódio, ausência de refinamento e especialmente falta de amor.

A história não é retilínea nem a própria evolução do universo. Passa-se da ordem (cosmos) para a desordem (caos), do sim-bólico (o que une) para do dia-bólico (o que separa), das sombras para a luz, do thánatos (as negatividades da vida) para o eros (as excelências da vida) e do Cristo para o Anti-Cristo.

Tais antíteses não são deformações da realidade, mas a condição de todas as coisas. No âmbito humano dizemos que assim é a condition humaine.

Quer dizer, há momentos de predominância da ordem, da harmonia social, da convivência inclusiva que representam o eros.Em outros predomina o thánatos, a dimensão de morte, de ódio e de dilaceração.

Observe-se que os dois momentos sempre vêm juntos e estão simultaneamente presentes em todos os momentos e circunstâncias.

Atualmente em nível mundial e nacional vivemos pesadamente a dimensão do thánatos, do dia-bólico e da sombra. Há guerras no mundo, racismo, fundamentalismo fazendo incontáveis vítimas, ascensão do autoritarismo, do populismo, que são disfarces do despotismo. Como se tudo isso não bastasse estamos sob a intrusão do Covid-19, fruto da sistemática agressão humana contra a natureza (antropoceno) e do contra-ataque que ela nos está movendo, pondo especialmente o capitalismo e os países militaristas com sua máquina de matar, de joelhos.

Todos os caminhos religiosos e espirituais conferem centralidade ao amor. Nem precisamos referir-nos a Jesus para quem o amor é tudo ou ao texto de iniqualável beleza e verdade de São Paulo na primeira Carta aos Coríntios, no capítulo 13:”o amor nunca acabará..no presente permanecem estas três, a fé, a esperança e o amor, porém o mais excelente é o (amor(13.8.13).

Não me contenho sem citar o texto sobre o amor da “Imitação de Cristo”, de 1441, o livro mais lido na cristandade depois da Bíblia. Como canto de cisne de minha atividade teológica por mais de 50 anos, o retraduzi do latim medieval, superando-lhe, contudo, os dualismos típicos da época. Leiamo-lo:

“Grande coisa é o amor. É um bem verdadeiramente inestimável que por si só torna suave o que é penoso e suporta sereno toda a adversidade. Porque leva a carga sem sentir o peso, torna o amargo doce e saboroso…O amor deseja ser livre e isento de amarras que lhe impedem amar com inteireza. Nada mais doce do que o amor, nada mais forte, nada mais sublime, nada mais profundo, nada mais delicioso, nada mais perfeito ou melhor no céu e na terra…Quem ama, voa, corre, vive alegre, sente-se libertado de todas as amarras. Dá tudo para todos e possui tudo em todas as coisas, porque para além de todas as coisas, descansa no Sumo Bem do qual se derivam e procedem todos os bens. Não olha para as dádivas, mas eleva-se acima de todos os bens até aquele que os concede. O amor muitas vezes não conhece limites pois seu fogo interior supera toda a medida.De tudo é capaz e realiza coisas que quem não ama não compreende, quem não ama se enfraquece e acaba caindo. O amor vigia sempre e até dorme sem dormir…Só quem ama compreende o amor”(livro III capítulo 5)

Em momentos dolorosos em que vivemos e sofremos, precisamos resgatar o mais importante e que verdadeiramente nos humaniza: o simples amor. Ele está em grande falta em todas as partes e relações. Mas sem ele nada de grande, de memorável e de heroico foi construído na história. É o amor que faz com que tantos médicos e médicas, enfermeiros e enfermeiras e todos os que trabalham contra o Covid-19, sacrifiquem suas vidas para salvar vidas, sendo que muitos deles por isso são vitimados. Eles nos confirmam a excelência do amor incondicional

Testemunhos das ciências da vida, da arte e da poesia reforçam o que proclamam as religiões.

Convincentes são as palavras do genial pintor Vincent van Goog, em carta ao seu irmão Théo:”É preciso amar para trabalhar e para se tornar um artista, um artista que procura colocar sentimento em sua obra: é preciso primeiro sentir-se a si próprio e viver com seu coração..É o amor que qualifica nosso sentimento de dever e define claramente nosso papel… o amor é a mais poderosa de todas as forças”(Lettres à son frère Théo, Galimard 1988, 138, 144). A. Artaud que fez a introdução às cartas de van Goog diz que ele se recusou a entrar nessa sociedade sem amor: “ele foi um suicida da sociedade”.

Consideremos o que testemunham os estudos sobre o processo cosmogênico e da nova biologia. Mais e mais fica claro que o amor é um dado objetivo da realidade global e cósmica, um evento bem-aventurado do próprio ser das coisas, nas quais nós estamos incluídos.

Exemplo disso é o que escreveu James Watson que junto com Francis Crick em 1953 descodificou a dupla hélice do código genético em:

“O amor pertence à essência de nossa humanidade. O amor, esse impulso que nos faz ter cuidado com o outro foi o que permitiu a nossa sobrevivência e sucesso no planeta. É esse impulso, creio, que salvaguardará nosso futuro…Tão fundamental é o amor à natureza humana que estou certo de que a capacidade de amar está inscrita em nosso DNA; um São Paulo (que tão excelentemente escreveu sobre o amor) secular diria que o amor é a maior dádiva de nossos genes à humanidade”(J.Watson, DNA: o segredo da vida,Companhia das Letras, São Paulo 2005 p. 433-434).

Os biólogos chilenos Humberto Maturana e Francisco Varela mostraram a presença cósmica do amor. Os seres, mesmo os mais originários como os topquarks, dizem eles, se relacionam e interagem entre eles espontaneamente, por pura gratuidade e alegria de conviver. Tal relação não responde a uma necessidade de sobrevivência. Ela se instaura por um impulso de criar laços novos, pela afinidade que emerge espontaneamente e que produz o deleite. É o advento do amor.

Desta forma, a força do amor atravessa todos os estágios da evolução e enlaça todos os seres dando-lhes irradiação e beleza.

O amor cósmico realiza o que a mística sempre intuiu acerca da gratuidade da beleza:“a rosa não tem por quê. Ela floresce por florescer. Ela não cuida dela mesma nem se preocupa se a admiram ou não”(Angelus Silesius). Assim o amor, como a flor, ama por amar e floresce como fruto de uma relação livre, como entre duas pessoas enamoradas e apaixonadas.

Bem expressou esta experiência Fernando Pessoa, em Poemas de Alberto Caieiro:”Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,/Mas porque a amo, e amo-a por isso,/Porque quem ama nunca sabe o que ama/Nem sabe porque ama, nem o que é amar/Amar é a eterna inocência”(Obra poética,Aguilar 1974,p.205)

Pelo fato de sermos humanos e autoconscientes, podemos fazer do amor um projeto pessoal e civilizatório: vive-lo conscientemente, criar condições para que a amorização aconteça entre os seres humanos e com todos os demais seres da natureza,até com alguma estrela do universo.

O amor é urgente no Brasil e no mundo. Com realismo nos deixou Paulo Freire, tão caluniado pelos propulsores do ódio e da ignorância, esta missão: forjar uma sociedade onde não seja tão difícil o amor. Educar, dizia ele, é um ato de amor.

Digamo-lo com todas as palavras: o sistema mundial capitalista e neoliberal não ama as pessoas. Ele ama o dinheiro e os bens materiais; ele ama a força de trabalho do operário, seus músculos, seu saber, sua produção e sua capacidade de consumir. Mas ele não ama gratuitamente as pessoas como pessoas, portadoras de dignidade e de valor. O que nos está salvando neste momento de intrusão do Covid-19 são exatamente os valores que o capitalismo nega.

Pregar o amor e dizer: “amemo-nos uns aos outros como nós mesmos nos amamos”, é revolucionário. É ser anti-cultura dominante e contra o ódio imperante.

Há de se fazer do amor aquilo que o grande florentino, Dante Alignieri, escreveu no final de cada cântico da Divina Comédia: “o amor que move o céu e todas as estrelas”; e eu acrescentaria, amor que move nossas vidas, amor que é o nome sacrossanto do Ser que faz ser tudo o que é e que é a Energia sagrada que faz pulsar de amor os nossos corações.

*Leonardo Boff é ecoteólogo. Autor, entre outros livros de Meditação da luz: o caminho da simplicidade (Vozes).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Leonardo Boff Celso Favaretto Liszt Vieira Alexandre de Freitas Barbosa Alexandre Aragão de Albuquerque Antonino Infranca Luiz Renato Martins Luis Felipe Miguel José Geraldo Couto Jean Marc Von Der Weid Eduardo Borges André Márcio Neves Soares Walnice Nogueira Galvão Paulo Martins Francisco Pereira de Farias João Feres Júnior Antônio Sales Rios Neto José Micaelson Lacerda Morais Lucas Fiaschetti Estevez Mário Maestri Annateresa Fabris Alysson Leandro Mascaro Bento Prado Jr. Elias Jabbour Marcelo Módolo Érico Andrade Salem Nasser Atilio A. Boron Jorge Branco Luiz Werneck Vianna Andrew Korybko Chico Alencar Otaviano Helene Benicio Viero Schmidt Denilson Cordeiro Paulo Sérgio Pinheiro Ronaldo Tadeu de Souza Alexandre de Lima Castro Tranjan Dennis Oliveira Kátia Gerab Baggio Manchetômetro Lincoln Secco Armando Boito João Sette Whitaker Ferreira Juarez Guimarães João Paulo Ayub Fonseca Ladislau Dowbor Valerio Arcary Berenice Bento Marcos Aurélio da Silva Bruno Machado Marcus Ianoni Ronald León Núñez Luiz Marques Ronald Rocha Eleutério F. S. Prado Airton Paschoa Jean Pierre Chauvin Gerson Almeida Luiz Roberto Alves Paulo Nogueira Batista Jr Eugênio Trivinho Mariarosaria Fabris Julian Rodrigues Henri Acselrad Daniel Afonso da Silva João Carlos Salles Ricardo Antunes Renato Dagnino Eleonora Albano Anderson Alves Esteves Claudio Katz José Dirceu Yuri Martins-Fontes Vanderlei Tenório Paulo Fernandes Silveira Luiz Bernardo Pericás Francisco de Oliveira Barros Júnior Chico Whitaker José Raimundo Trindade Michael Löwy Marcos Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Daniel Brazil Luciano Nascimento Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Machado Moita Neto Maria Rita Kehl Fernando Nogueira da Costa Gilberto Lopes Sergio Amadeu da Silveira Marilia Pacheco Fiorillo Leonardo Sacramento Osvaldo Coggiola Valério Arcary Gabriel Cohn Ricardo Fabbrini Rodrigo de Faria Boaventura de Sousa Santos Luís Fernando Vitagliano Celso Frederico Samuel Kilsztajn Remy José Fontana Marcelo Guimarães Lima Manuel Domingos Neto Leda Maria Paulani Ricardo Abramovay Sandra Bitencourt Heraldo Campos Eugênio Bucci Gilberto Maringoni Carla Teixeira Afrânio Catani Jorge Luiz Souto Maior Flávio R. Kothe João Adolfo Hansen Tadeu Valadares Antonio Martins Milton Pinheiro Priscila Figueiredo Dênis de Moraes Slavoj Žižek Everaldo de Oliveira Andrade Thomas Piketty Eliziário Andrade Caio Bugiato Ari Marcelo Solon Francisco Fernandes Ladeira Luiz Costa Lima Bernardo Ricupero Daniel Costa Ricardo Musse Michael Roberts José Costa Júnior Roberto Noritomi Fernão Pessoa Ramos Tales Ab'Sáber Carlos Tautz Leonardo Avritzer José Luís Fiori Rafael R. Ioris Luiz Eduardo Soares João Carlos Loebens Lorenzo Vitral Igor Felippe Santos Roberto Bueno Vladimir Safatle Flávio Aguiar Henry Burnett Vinício Carrilho Martinez Marilena Chauí André Singer Paulo Capel Narvai Tarso Genro Marjorie C. Marona Anselm Jappe João Lanari Bo Luiz Carlos Bresser-Pereira Fábio Konder Comparato Rubens Pinto Lyra

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada