Jacarezinho

Edwin Sánchez. Torcido (Foto Laura Imery-IDARTES), Colômbia.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RENATO DA SILVA QUEIROZ*

Os capitães do mato caçam, pisoteiam e exterminam enfavelados naquele quilombo urbano

Os homens são muitos. Um pelotão. Mascarados, uniformizados, empunhando fuzis, metralhadoras e pistolas. Descem de viaturas camufladas, blindadas. Desfilam ao som de uma marcha fúnebre acelerada. Disparam suas armas.

Botas polidas derrubam portas de barracos barrocos, eternizados em quadros naif. Crianças em pânico, garotos em disparada, mulheres protegendo seus bebês, refugiadas nos cantos dos barracos. Homens indefesos estraçalhados.

Os capitães do mato caçam, pisoteiam e exterminam enfavelados naquele quilombo urbano. “Tudo bandido”. Pretos e quase pretos. Que não se emanciparam. Que não se libertaram. Por onde andará a princesa Isabel?

Eviscerados tentam escapar, segurando suas tripas explícitas. Escorregam no sangue corrente das vielas estreitas e mal traçadas. Estampidos, gritos, dor, pavor. Fogo. CPFs cancelados. “Tudo bandido”. “Atira na cabecinha!”.

Camburões fúnebres enfileirados, prontos para o desfile triunfal. Cadáveres não-reconhecíveis. “Tudo bandido”. Falta-lhes rosto, falta-lhes identidade, falta-lhes dignidade, falta-lhes humanidade.

O ataque prossegue. Mais sangue para saciar a sede dos que ordenaram o extermínio. Mais sangue! Mais sangue! Mais sangue! Densa fumaça deixa os canos das armas. Bebês crianças moleques mulheres homens indiferenciados – “tudo bandido”.

Barracos não são casas, não são lares, enfavelados não são gente. Derruba! Põe fogo! Mata! Mata! Sem clemência, sem piedade. “Tudo bandido”.  O fedor da morte não se dissipa.

Cães farejadores, os capitães do mato vasculham os barracos. Põem abaixo portas e janelas e móveis e tudo o que estiver em pé. Nada poderá permanecer em pé. A verticalidade do morro dá lugar à horizontalidade da morte.

Encerrada a matança os capitães do mato retornam às delegacias. Botas ensanguentadas. Confraternizações. Aclamados. Reverenciados. Condecorados. Cumpriram ordens. Com o prazer dos sádicos, com o olhar dos loucos.

Os que sobreviveram à matança buscam seus mortos. Sem abraço derradeiro, sem despedida derradeira. As lágrimas já foram todas vertidas. Essa gente não se apega mesmo à vida. “Tudo bandido”.

*Renato da Silva Queiroz é professor titular do Departamento de Antropologia da USP. Autor, entre outros livros, de Um mito bem brasileiro (Polis).

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • O negacionismo ambiental e a inundação de Porto Alegreporto alegre aeroporto alagado 14/05/2024 Por CARLOS ATÍLIO TODESCHINI: Porto Alegre tem o melhor sistema de proteção contra cheias do Brasil. É considerado um “minissistema holandês”. Por que esse sistema falhou em sua função de evitar que a cidade fosse alagada?
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A mão de OzaJoao_Carlos_Salles 14/05/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: O dever do Estado brasileiro e a universidade contratada
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES