As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Jean-Paul Sartre em São Paulo

Imagem: Marlon Griffith
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BENTO PRADO JR.*

Reminiscência da visita do filósofo francês à capital paulista em 1960

Quando Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir estavam para chegar a São Paulo, acompanhados por Jorge Amado, o hoje psicanalista Luís Meyer me procurou para ver se era possível fazer uma entrevista com os dois escritores na televisão. Procurou-me porque sabia de minha amizade com Manoel Carlos, que então estava trabalhando na TV Excelsior.

Após contato com Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir, que concordaram com a idéia, nos encontramos pela primeira vez na televisão na hora da entrevista. Além de mim, entre os entrevistadores estavam presentes Ruy Coelho, Fernando Henrique Cardoso e o próprio Luís Meyer.

Depois desse primeiro contato passamos a nos ver praticamente durante todos os dias em que durou a estadia do casal em São Paulo. No mais das vezes, na casa do Fernando Henrique, onde quase sempre estavam presentes os membros do seminário sobre o capital: Ruth Cardoso, José Arthur Giannotti, Paul Singer, Roberto Schwarz e outros.

Jean-Paul Sartre era sempre extremamente simpático e generoso. Chegou a nos oferecer todos os textos da revista Temps modernes, que poderíamos republicá-los livremente numa revista que cogitávamos e que nunca se tornou realidade.

Simone era obrigada a controlar um pouco Sartre, desde o consumo de álcool até o tempo gasto conosco. Lembro-me de Sartre pedindo um terceiro uísque e da intervenção em contrário de Simone. Sartre dizia: “Só mais um!”. Ela respondia: “Não”. Mas ele chegava a um acordo, pedindo: “Só meia dose?”. Do mesmo modo, ao fim da noite, ele nos perguntava a que horas nos encontraríamos no dia seguinte e sugeria “nove horas”. Simone dizia: “Dez horas”. O mesmo esquema do uísque funcionava: “Nove e meia?”.

Em suas memórias, Simone de Beauvoir lembra-se de nossos encontros numa frase rápida, quando fala de “jovens universitários muito cultos”. Jovens, pois tudo isso se passou em meados de 1960.

São Paulo, à época, foi tomada por uma “epidemia Sartre”. Houve várias conferências, todas elas com um público enorme. Lembro-me, para dar um exemplo, de que estava entre nós o filósofo Gilles-Gaston Granger, dedicado à epistemologia e muito distante do universo intelectual de Jean-Paul Sartre. Pois bem, até ele me disse: “Acho que Sartre é o maior filósofo contemporâneo, pois as últimas coisas do Heidegger…”.

Se não me falha a memória, o poeta Mário Chamie (que, no entanto, apreciava desde meados da década de 1950 o livro O que é a literatura?) passou, justamente por ocasião da presença de Jean-Paul Sartre, do estrito concretismo à sua “poesia práxis”.

O que aconteceu na TV Excelsior, na verdade foi uma pseudo-entrevista. Antes de entrarmos no palco, Sartre e Simone nos comunicaram as perguntas que gostariam de responder. Todas eram orientadas na direção da defesa da Argélia (em guerra com a França) e de Cuba.

Lembro que foi aqui no Brasil, por essa ocasião, que Jean-Paul Sartre assinou o famoso Manifesto dos 121, em defesa dos rebeldes argelinos, que tanto ruído provocou na França (de retorno à França, Jean-Paul Sartre não foi preso porque, segundo o general Charles de Gaulle, “não se prende Voltaire”).

O divertido é que me coube a seguinte pergunta, endereçada a Simone de Beauvoir: “Cuba é uma ditadura?”. Ela respondeu pela negativa e com tanta violência que fez um espectador na platéia perguntar a meu amigo Jorge da Cunha Lima: “Quem é esse rapazinho reacionário?”. Meu amigo teve de explicar-lhe o contexto, livrando-me da desagradável qualificação.

A entrevista teve três horas de duração, para espanto de Jean-Paul Sartre, que perguntava como era possível que uma empresa capitalista perdesse tanto dinheiro (suspendendo seus programas durante esse horário) para dar lugar a uma pura propaganda do socialismo.

Sartre filósofo midiático? Sim e não. Não, porque antes de se empenhar no seu “engajamento” político, sua obra extraordinária (filosofia e literatura) atingia apenas o público diretamente interessado, mais ou menos cinco mil pessoas na França, segundo o próprio Jean-Paul Sartre. Logo no imediato pós-guerra, tudo mudou. Jean-Paul Sartre começou a escrever para jornais (Heidegger, com inveja de tanto sucesso, chamou-o de mero jornalista, depois de tê-lo qualificado de extraordinário) e mesmo a agir por meio de um programa radiofônico.

Mas Jean-Paul Sartre viveu essa metamorfose como uma catástrofe. Dizia ser muito penoso conviver e dividir sua intimidade com esse outro insuportável – o Jean-Paul Sartre famoso. De resto, sua entrevista na televisão em São Paulo foi a primeira que aceitou fazer. Até então, sempre recusava convites dessa natureza. Mais que midiático, Jean-Paul Sartre era um filósofo essencialmente ativo politicamente. O filósofo midiático posterior é aquele que se identifica narcisicamente com esse outro produzido socialmente, “como uma mercadoria”.

De Jean-Paul Sartre ficou o exemplo de um grande filósofo, tão raro em nossos dias, em que predomina a filosofia escolar. Hoje, até mesmo no campo extremamente técnico das ciências cognitivas, há uma espécie de retorno generalizado à fenomenologia em geral e até mesmo aos escritos de Jean-Paul Sartre. Seguramente sua obra não é “coisa do passado”.

Sua obra literária é desigual. Para mim, Os caminhos da liberdade parecem pouco interessantes. Muito mais significativo é A náusea e, sobretudo, os contos reunidos em O muro, que são extraordinários. Além, é claro, de sua grande obra teatral.

*Bento Prado Jr. (1937-2007) foi professor titular de filosofia na Universidade Federal de São Carlos. Autor, entre outros livros, de Erro, ilusão, loucura: ensaios (Editora 34).

Publicado originalmente no jornal Folha de S. Paulo, em 12 de junho de 2005.

 

⇒O site A Terra é redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.⇐
Clique aqui e veja como.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Costa Lima João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Abramovay Ronaldo Tadeu de Souza Boaventura de Sousa Santos Rafael R. Ioris Otaviano Helene Daniel Brazil Ronald Rocha Airton Paschoa Bernardo Ricupero Samuel Kilsztajn Leonardo Boff Elias Jabbour Kátia Gerab Baggio Rubens Pinto Lyra Michael Löwy João Carlos Loebens Remy José Fontana Ari Marcelo Solon Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eleonora Albano Vladimir Safatle Sergio Amadeu da Silveira Chico Alencar José Dirceu Gilberto Lopes Juarez Guimarães Francisco de Oliveira Barros Júnior José Luís Fiori Luiz Renato Martins Dênis de Moraes José Machado Moita Neto Luiz Eduardo Soares João Adolfo Hansen Jean Marc Von Der Weid Paulo Sérgio Pinheiro Henri Acselrad José Micaelson Lacerda Morais Marjorie C. Marona Ronald León Núñez Afrânio Catani Celso Frederico Renato Dagnino Mário Maestri Luis Felipe Miguel Marcus Ianoni José Raimundo Trindade Luiz Marques Berenice Bento Luciano Nascimento Milton Pinheiro Walnice Nogueira Galvão Thomas Piketty Paulo Fernandes Silveira Eduardo Borges Slavoj Žižek André Márcio Neves Soares Michael Roberts Tales Ab'Sáber Celso Favaretto Liszt Vieira Vanderlei Tenório José Costa Júnior Annateresa Fabris Érico Andrade João Sette Whitaker Ferreira Carla Teixeira Fernão Pessoa Ramos Anderson Alves Esteves Claudio Katz João Feres Júnior Denilson Cordeiro Yuri Martins-Fontes Eugênio Trivinho Eleutério F. S. Prado Leda Maria Paulani Alysson Leandro Mascaro Benicio Viero Schmidt Marcelo Módolo Flávio R. Kothe Luiz Werneck Vianna Priscila Figueiredo Paulo Martins Tarso Genro Gabriel Cohn Manuel Domingos Neto Maria Rita Kehl Atilio A. Boron Ricardo Antunes Jorge Luiz Souto Maior Julian Rodrigues Antônio Sales Rios Neto Marcos Aurélio da Silva Marilena Chauí Jorge Branco Anselm Jappe Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Bernardo Pericás Marilia Pacheco Fiorillo Alexandre de Freitas Barbosa Osvaldo Coggiola Gilberto Maringoni Leonardo Sacramento Carlos Tautz José Geraldo Couto Manchetômetro Fábio Konder Comparato Fernando Nogueira da Costa Antonino Infranca Armando Boito Ladislau Dowbor Ricardo Musse João Carlos Salles Eugênio Bucci Eliziário Andrade Sandra Bitencourt Henry Burnett Plínio de Arruda Sampaio Jr. Igor Felippe Santos Alexandre Aragão de Albuquerque Ricardo Fabbrini Mariarosaria Fabris André Singer Valério Arcary Daniel Costa Everaldo de Oliveira Andrade Dennis Oliveira Luiz Carlos Bresser-Pereira Lorenzo Vitral Gerson Almeida Paulo Capel Narvai Luiz Roberto Alves Vinício Carrilho Martinez Heraldo Campos Jean Pierre Chauvin Valerio Arcary Antonio Martins Lucas Fiaschetti Estevez Tadeu Valadares Andrew Korybko Alexandre de Lima Castro Tranjan Marcos Silva Roberto Bueno Marcelo Guimarães Lima Francisco Fernandes Ladeira Bruno Machado Francisco Pereira de Farias Rodrigo de Faria Caio Bugiato Daniel Afonso da Silva Luís Fernando Vitagliano Chico Whitaker Flávio Aguiar Leonardo Avritzer João Lanari Bo Lincoln Secco Bento Prado Jr. Roberto Noritomi Salem Nasser

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada