As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A PEC das verbas secretas

Imagem: Luiz Armando Bagolin
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARSO GENRO*

O sucateamento da democracia e os demônios de cada um

A aprovação da “PEC do Calote” foi uma barbárie cometida dentro do Estado de Direito, que assim se afasta de uma Democracia Constitucional, para ser uma democracia de contingência, em crise política, moral e institucional, por três motivos principais: seus métodos de formação de uma maioria qualificada, não foram somente fisiológicos, mas criminosos; seus objetivos são espúrios, colocando em planos iguais créditos do capital, devidos pelo Estado, créditos alimentares da Previdência e valores salariais de trabalhadores do setor público-estatal; finalmente, foi usado para obter a dita maioria um “orçamento secreto” da União, instrumento que viola o princípio da publicidade e da moralidade pública, para  a compra e venda dos votos na Câmara de Deputados.

Os credores da União, assim, foram tratados como “bárbaros”, inimigos externos, combatidos com o uso de “verbas secretas, cortados nos seus direitos líquidos e certos, por formas de “exceção” criminosas, sem proporcionar responsabilidades e equalização de deveres: descumprindo, contratos, corrompendo ainda mais o Poder Legislativo e ainda agravando a situação social dos mais pobres, porque dentro dos seus objetivos também esteve, ainda, a eliminação da bolsa-família.

Cícero, Hitler e Bolsonaro têm algo em comum. O primeiro, Cícero, no debate sobre os bárbaros que “ameaçavam” o Império Romano e se negavam como escravos – para a glória da Cidade – admitia que às vezes, seria certo “exterminá-los”; o segundo, Hitler, via a racionalidade técnica da modernidade, como autorizativa do sentido bárbaro do extermínio (do estranho não-nacional); e o terceiro, Bolsonaro – com a sua “imunidade de rebanho” – fulmina todos os dias, publicamente, a compaixão e assim estimula – não a imunidade – mas a morte dos que ele pensa serem, o “rebanho” humano de compatriotas que tem o dever do sofrimento, para a sua Roma medieval.

O desencadeamento da Primeira Grande Guerra foi o ponto de partida de um conjunto de reflexões dos intelectuais de esquerda e do campo democrático pacifista da Europa, sobre o futuro da “civilização” europeia. Os grandes terremotos históricos sempre movimentaram as placas tectônicas sobre as quais se assentam as filosofias em voga que, no plano específico da política – reestruturam as relações afetivas, alianças, concepções  que passam a se movimentar em torno dos interesses das classes em luta.

Nestes tempos, novas questões de fundo que, de repente, tornam-se nítidas reposicionam, no espaço social, os sujeitos políticos em torno de novas questões-chaves. Naquele contexto preparatório da disputa entre imperialismos no Continente, tratava-se de paz ou guerra, acordo ou violência bélica, conciliação entre Estados ou violência bárbara. A vida ou a morte, luz ou sombras dos delírios do mal, ar fresco ou asfixia, que sempre estão presentes para as escolhas dos humanos que, ao fim e ao cabo, produzem o seu destino.

O esboço do estudo que gerou o pequeno (grande) ensaio Teoria do romance, de Lukács, foi gestado em 1914, embora só tenha sido publicado em forma de livro em 1920, Berlim. Seu ponto axial era o repúdio moral à Guerra. E, mais ainda, a aversão ao que ele chamava de “entusiasmo belicoso”, no ambiente político violento, em que ele travava o seu diálogo com a amiga Marianne Weber, que queria vencer a resistência do jovem filósofo, hábil em usar argumentos épicos para seduzi-lo.

A História – no momento- para o jovem Lukács, prefigurava, não atos heroicos mas dilemas morais, dos quais Marianne gostaria de extrair “feitos de heroísmo”, em situações de defesa nacional, acima das questões políticas e de classe.. A resposta de Lukács, cuja moralidade refletia o que de melhor as políticas de esquerda tinham gerado até ali, foi cristalina: “Quanto maiores são esses feitos de armas, pior é a guerra”. Ou seja, nenhum feito heroico dentro da barbárie é maior do que a dignidade humana, brandida para evitá-la.

A base parlamentar de Governo, com raras exceções, deixou de ser uma base meramente fisiológica, originária do nosso distorcido presidencialismo de coalizão, e atravessou o rubicão: provavelmente seja hoje, mais do que ontem, uma base simplesmente criminosa, uma extensão política controlada pelos milicianos disseminados nos porões do crime organizado e dentro Estado.

Vivemos sim uma tragédia, mais do que um drama ou uma peça épica: O mesmo Lukács diz que “a tragédia elimina a hierarquia dos mundos superiores. Para ela, não existe nem deus nem demônio, porque o mundo exterior nada mais é do que uma ocasião dada à alma de tornar-se (falsamente) heróica. E o faz como mito, que impede problemas de consciência e arguição de relevância para os sentimentos de dignidade humana e de compaixão com quem sofre. O demônio, aliás, não se extingue, mas torna-se – daí em diante – o demônio de cada um, na espreita do próximo ato para a oportunidade de uma sobrevida.

*Tarso Genro foi governador do Estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil. Autor, entre outros livros, de O futuro por armar (Vozes).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marcus Ianoni Leonardo Boff Luiz Carlos Bresser-Pereira Daniel Brazil João Paulo Ayub Fonseca Eleonora Albano Bento Prado Jr. Julian Rodrigues Jorge Branco Heraldo Campos Afrânio Catani Bruno Fabricio Alcebino da Silva Celso Favaretto Sergio Amadeu da Silveira Roberto Noritomi Daniel Costa Marjorie C. Marona Eugênio Bucci José Micaelson Lacerda Morais João Adolfo Hansen Alysson Leandro Mascaro Bernardo Ricupero Antônio Sales Rios Neto Rodrigo de Faria João Carlos Loebens Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Marques Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tales Ab'Sáber Slavoj Žižek Dennis Oliveira Airton Paschoa Henri Acselrad Luís Fernando Vitagliano Eduardo Borges Ari Marcelo Solon Michael Löwy Ladislau Dowbor Francisco de Oliveira Barros Júnior Mariarosaria Fabris Benicio Viero Schmidt Luis Felipe Miguel Luiz Werneck Vianna Everaldo de Oliveira Andrade Andrew Korybko Gilberto Lopes Claudio Katz Rafael R. Ioris Henry Burnett Chico Whitaker João Carlos Salles Thomas Piketty Alexandre Aragão de Albuquerque Armando Boito Roberto Bueno Ricardo Abramovay Luiz Eduardo Soares Osvaldo Coggiola André Márcio Neves Soares Gerson Almeida Liszt Vieira Fernando Nogueira da Costa Walnice Nogueira Galvão Paulo Sérgio Pinheiro Berenice Bento Ronald Rocha Jorge Luiz Souto Maior Carla Teixeira Leonardo Sacramento Juarez Guimarães Rubens Pinto Lyra Tadeu Valadares João Lanari Bo Ricardo Fabbrini Luiz Bernardo Pericás Carlos Tautz Ronald León Núñez Anderson Alves Esteves Marcelo Guimarães Lima Paulo Fernandes Silveira Remy José Fontana Marcos Aurélio da Silva Annateresa Fabris Igor Felippe Santos Luiz Roberto Alves Caio Bugiato Eliziário Andrade Tarso Genro André Singer Salem Nasser Leda Maria Paulani Mário Maestri Manchetômetro Flávio R. Kothe José Machado Moita Neto Ricardo Musse Boaventura de Sousa Santos Fernão Pessoa Ramos Gilberto Maringoni Francisco Pereira de Farias Paulo Martins Antonino Infranca Luciano Nascimento João Feres Júnior Marcelo Módolo Paulo Nogueira Batista Jr Ricardo Antunes José Dirceu Sandra Bitencourt Fábio Konder Comparato Paulo Capel Narvai Kátia Gerab Baggio Marilena Chauí Vanderlei Tenório Vladimir Safatle Denilson Cordeiro Milton Pinheiro Celso Frederico José Raimundo Trindade Flávio Aguiar Chico Alencar Luiz Costa Lima Vinício Carrilho Martinez Marilia Pacheco Fiorillo Marcos Silva Maria Rita Kehl Renato Dagnino Michael Roberts Ronaldo Tadeu de Souza Alexandre de Lima Castro Tranjan Manuel Domingos Neto Samuel Kilsztajn Lincoln Secco Lorenzo Vitral Francisco Fernandes Ladeira Yuri Martins-Fontes José Luís Fiori Valério Arcary José Geraldo Couto Daniel Afonso da Silva Antonio Martins Lucas Fiaschetti Estevez Elias Jabbour Valerio Arcary José Costa Júnior Atilio A. Boron Jean Marc Von Der Weid Leonardo Avritzer Dênis de Moraes Eleutério F. S. Prado Luiz Renato Martins Bruno Machado Anselm Jappe Jean Pierre Chauvin Priscila Figueiredo Otaviano Helene Gabriel Cohn Érico Andrade Eugênio Trivinho João Sette Whitaker Ferreira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada