As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Marcos Costa Lima (1951-2022)

Cathy Wilkes, Papai descansando, 2009
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RUBENS PINTO LYRA*

Homenagem ao professor da Universidade Federal de Pernambuco, recém-falecido

Marcos Costa Lima, no dia 29 de junho passado, despediu-se de nós, seus admiradores, profundamente consternados, especialmente colegas, alunos e ex-alunos que com ele tiveram o privilégio de conviver e dentre os quais fez sólidas amizades. Não são poucos, felizmente, os que, nas universidades, também partiram deixando lembranças, não só dos seus predicados intelectuais, mas também de suas qualidades como cidadão e ser humano.

Porém, o que há de peculiar na trajetória luminosa desse grande colega e amigo, que contribuiu sobremaneira para que seu brilho acadêmico se irradiasse mais amplamente, contagiando os que o conheceram, foi seu “seu trato gentil e generoso”, conforme se expressou, em “Nota de Pesar”, a diretoria do Centro Celso Furtado, onde teve atuação marcante. Ela destaca ainda, que Marcos deixou “não somente um patrimônio intelectual, mas também afetivo”.

Não se trata de confetes lançados, muitas vezes, por mera formalidade, aos que morrem. As opiniões sobre Marcos a não deixam dúvidas, por serem unânimes e enfáticas. Ele era, com efeito, “uma pessoa cativante, fora de série, que sempre procurava conciliar”, conforme frisou nota da Universidade Federal de Pernambuco. Já para a Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Sociais (ANPOCS), da qual foi presidente entre 2011 e 2012, “foi uma personalidade agregadora e uma liderança gentil e alegre”.

Os aspectos de sua personalidade, aqui ressaltados, foram fortemente influenciados pelo seu ilustre genitor, Osvaldo Lima Filho, ministro da Agricultura do governo João Goulart e ex-vice-presidente da Câmara dos Deputados, na década de sessenta do século passado. Ele também atuou, de forma marcante, na Constituinte de1988, como importante liderança do PMDB. Em 1991, filou-se ao PT.

Pai e filho foram espíritos conciliadores e tolerantes. Mas essas características não se confundem com leniência, pois os seus posicionamentos políticos e ideológicos sempre foram firmes e claros, comprometidos com a busca de mais igualdade e justiça social. Destarte, a sua gentileza nunca foi expressão de sociabilidade alienada, mas sim, reflexo de uma práxis humana impregnada de virtù.

Marcos Costa Lima, este “ser humano fantástico, autor de vastíssima obra, foi uma figura ímpar, que deixa grandioso legado acadêmico” conforme divulgado na “Nota de Pesar” emitida pela coordenadoria dos Estudos da Ásia da UFPE. Transitou por múltiplas esquinas das ciências sociais, tendo publicado trabalhos em temas tão diversos como desenvolvimento, meio ambiente, política internacional, Mercosul, globalização, pensamento social brasileiro e sobre a China, Coréia do Sul e a América Latina.

Sua reconhecida competência o fez, desde 2015, Coordenador dos Estudos da Ásia, além de professor visitante de várias instituições internacionais, como as universidades de Leiden, de Walles-Swamsea, a Sorbonne Nouvelle e a Sciences Politiques de Lille. Foi, também, membro do Conselho Científico do Centro Internacional Celso Furtado de Estudos para o Desenvolvimento (2013-2017).

Fui um dos muitos beneficiários de sua atuação, voltada para criar pontes e estabelecer os mais diversos intercâmbios. Ele levou-me a participar, como colunista, da revista eletrônica Jornalismo e cidadania, do PPGCOM da UFPE e a figurar como membro do Conselho editorial da Revista de Estudos da Ásia. Marcos também prefaciou o meu livro sobre o bolsonarismo e escreveu a contracapa da minha última obra que versa sobre teoria política, transcrita em forma de apresentação no site A terra é redonda, tendo sido este seu derradeiro texto publicado.

O legado de Marcos Costa Lima vai muito além da obra que produziu pois não poucos, como eu próprio, ampliaram, ainda que modestamente, sua contribuição às ciências sociais e à ciência política graças à sua estimulante mediação, que descortinou novos horizontes para meus trabalhos.

Assim, as referências aparentemente superlativas a esse extraordinário colega são apenas a expressão fiel da fecundidade de sua atuação voltada para o engrandecimento das ciências sociais e para o seu aprimoramento como instrumento de transformação. Seu comovente exemplo de vida e de trabalho continuará a inspirar a todos que comungam de seus ideais.

*Rubens Pinto Lyra, doutor em direito (área de Política e Estado), é Professor Emérito da UFPB. Autor, entre outros livros, de Bolsonarismo: ideologia, psicologia, política e temas afins (Ed. do CCTA/UFPB).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Airton Paschoa Flávio Aguiar Berenice Bento Denilson Cordeiro Claudio Katz Francisco de Oliveira Barros Júnior José Machado Moita Neto Dennis Oliveira Marjorie C. Marona Renato Dagnino Leonardo Sacramento Gerson Almeida Gilberto Lopes Carla Teixeira Ari Marcelo Solon Roberto Bueno Alexandre de Freitas Barbosa Francisco Fernandes Ladeira André Singer Eleonora Albano André Márcio Neves Soares Milton Pinheiro João Adolfo Hansen Luiz Bernardo Pericás Luis Felipe Miguel Flávio R. Kothe Celso Favaretto Leonardo Avritzer Mariarosaria Fabris Afrânio Catani Gabriel Cohn Rubens Pinto Lyra Annateresa Fabris Slavoj Žižek Paulo Nogueira Batista Jr Antônio Sales Rios Neto Fábio Konder Comparato Ronaldo Tadeu de Souza Marcelo Módolo João Sette Whitaker Ferreira Everaldo de Oliveira Andrade Julian Rodrigues Manuel Domingos Neto Remy José Fontana Érico Andrade Osvaldo Coggiola Rafael R. Ioris Bernardo Ricupero Eleutério F. S. Prado Ronald Rocha Bruno Machado Benicio Viero Schmidt Fernando Nogueira da Costa Marilia Pacheco Fiorillo José Costa Júnior Vladimir Safatle Alysson Leandro Mascaro Michael Löwy Henri Acselrad Paulo Fernandes Silveira Ricardo Musse Samuel Kilsztajn Eduardo Borges Marcus Ianoni Antonio Martins Chico Alencar Caio Bugiato Mário Maestri Jean Marc Von Der Weid Anselm Jappe Antonino Infranca Luiz Eduardo Soares Vanderlei Tenório Juarez Guimarães Jorge Branco Gilberto Maringoni Anderson Alves Esteves Roberto Noritomi Plínio de Arruda Sampaio Jr. Daniel Costa Kátia Gerab Baggio Elias Jabbour Jorge Luiz Souto Maior Ladislau Dowbor Tarso Genro Paulo Sérgio Pinheiro José Geraldo Couto Francisco Pereira de Farias Lorenzo Vitral João Feres Júnior Tadeu Valadares Eugênio Bucci Lincoln Secco Liszt Vieira Vinício Carrilho Martinez José Raimundo Trindade João Paulo Ayub Fonseca Sergio Amadeu da Silveira Ricardo Antunes Luiz Roberto Alves Chico Whitaker Celso Frederico Luiz Marques Alexandre Aragão de Albuquerque Marcos Silva Valério Arcary Heraldo Campos Thomas Piketty Fernão Pessoa Ramos Bento Prado Jr. Leda Maria Paulani Ricardo Fabbrini Tales Ab'Sáber Manchetômetro Lucas Fiaschetti Estevez Jean Pierre Chauvin Maria Rita Kehl Marcos Aurélio da Silva Marilena Chauí Eliziário Andrade Carlos Tautz Boaventura de Sousa Santos João Carlos Loebens Daniel Afonso da Silva Bruno Fabricio Alcebino da Silva Henry Burnett Priscila Figueiredo Alexandre de Lima Castro Tranjan Ricardo Abramovay José Dirceu Atilio A. Boron Paulo Martins Sandra Bitencourt João Lanari Bo Rodrigo de Faria Valerio Arcary Luiz Costa Lima Eugênio Trivinho Luciano Nascimento Daniel Brazil Marcelo Guimarães Lima Luiz Carlos Bresser-Pereira Yuri Martins-Fontes Igor Felippe Santos Dênis de Moraes Luiz Werneck Vianna Luiz Renato Martins João Carlos Salles Paulo Capel Narvai Armando Boito Andrew Korybko Ronald León Núñez José Micaelson Lacerda Morais Michael Roberts Walnice Nogueira Galvão Luís Fernando Vitagliano Salem Nasser Leonardo Boff José Luís Fiori Otaviano Helene

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada