A fada e o mito

Juan Gris (1887–1927), Violino de cartas de jogar sobre a mesa, 1913.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por THIAGO BLOSS DE ARAÚJO*

A identificação coletiva com a vitória da cultuada Rayssa não aponta para a esperança, mas para a resignação de uma população que se acostumou com a imediatez da morte de milhares, da fome e do autoritarismo social

“Obrigado por reacender a nossa esperança em um Brasil melhor”. Esta foi uma frase, dentre tantas outras semelhantes, escrita por um internauta após a conquista da medalha de prata pela jovem skatista Rayssa Leal (a chamada “fadinha”) nas Olimpíadas do Japão. Sua vitória, para além de ser o resultado de uma redenção individual, tornou-se uma espécie de redenção coletiva (de outra natureza) para os telespectadores.

Não há qualquer dúvida sobre a importância de tamanha conquista, sobretudo por ser o resultado do esforço de uma jovem brasileira preta, pobre e periférica que, certamente, enfrentou muito mais obstáculos que as demais atletas representantes dos países do centro do capitalismo.

Por outro lado, a comoção idólatra por sua vitória, impulsionada pelos veículos de comunicação de massa, carrega muito mais um potencial de resignação do que de crítica. Já em meados do século passado, Adorno e Horkheimer sinalizaram como o esporte, quando associado à indústria cultural, tornou-se pura ideologia ao ser utilizado como instrumento de identificação das massas com o socialmente dado, com a realidade administrada tal como é apresentada diante de nossos olhos. A função da ideologia não seria mais simplesmente a ocultação da verdade, que resultaria em uma falsa consciência. Pelo contrário, hoje a indústria cultural explicita a sua mentira, não escondendo nada do consumidor, exceto o fato de que ele vive em um mundo imutável e sempre igual. Por isso, de forma muito precisa os frankfurtianos sintetizaram essa nova faceta da ideologia em uma frase: “converte-te naquilo que és”.

Com efeito, o espetáculo em torno da vitória da fadinha nas Olimpíadas, ao mesmo tempo em que projeta sobre sua figura o imaginário do “mito” responsável pela reconciliação das contradições que operam na sociedade brasileira, também reforça o cinismo de que não há nada a ser mudado, de que “as coisas são o que são” e que tudo depende do esforço individual. Basta refletirmos que essa dura medalha é conquistada no contexto de um país cujo governo, do nomeado “mito”, foi diretamente responsável pela morte de mais de meio milhão de pessoas e que, sem qualquer culpa, extinguiu o Ministério do Esporte.

Em tal conjuntura, Rayssa teve a “sorte” de ter um vídeo seu viralizado na internet, que lhe ofereceu oportunidades para superar algumas das desvantagens estruturais que enfrentaria até a conquista da medalha. O mesmo ocorreu com o surfista Ítalo Ferreira, medalhista de ouro, que aprendeu a surfar em uma tampa de isopor no início de sua carreira. É evidente que tais desvantagens poderiam ter sido evitadas (ou minimamente amenizadas) em um país mais justo e menos autoritário. É por isso que suas vitórias, apesar de merecidas, apresentam-se aos telespectadores como mentira manifesta.

Nesse sentido, a identificação coletiva com a vitória da cultuada Rayssa não aponta para a esperança, mas para a resignação de uma população que se acostumou com a imediatez da morte de milhares, da fome e do autoritarismo social. A resiliência, neste contexto, é apenas expressão da mutilação e não da redenção ou da superação individual. Se há algo a ser escancarado na conquista da skatista, não é a esperança, mas o desespero. Afinal, a vitória espetacular da fada se dá infelizmente sob a desgraça real do mito.

*Thiago Bloss de Araújo é doutorando na Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da UNIFESP.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Bento Prado Jr. José Raimundo Trindade Daniel Costa Vladimir Safatle José Dirceu Jorge Luiz Souto Maior Paulo Nogueira Batista Jr Renato Dagnino Luiz Bernardo Pericás José Machado Moita Neto Henry Burnett Remy José Fontana Celso Frederico Marjorie C. Marona Lucas Fiaschetti Estevez Elias Jabbour Michael Löwy Andrés del Río Francisco Pereira de Farias João Carlos Loebens Milton Pinheiro Gilberto Maringoni Mariarosaria Fabris Michael Roberts Plínio de Arruda Sampaio Jr. Kátia Gerab Baggio Alexandre Aragão de Albuquerque Gerson Almeida Fernão Pessoa Ramos Ronald León Núñez Gabriel Cohn João Feres Júnior Matheus Silveira de Souza Antonino Infranca Yuri Martins-Fontes Marcelo Guimarães Lima Henri Acselrad Leda Maria Paulani Anderson Alves Esteves Vinício Carrilho Martinez Igor Felippe Santos Marcelo Módolo Marcos Aurélio da Silva Daniel Brazil Heraldo Campos Valerio Arcary Antônio Sales Rios Neto Jorge Branco Jean Pierre Chauvin Sandra Bitencourt Luiz Roberto Alves Claudio Katz Leonardo Boff Antonio Martins Atilio A. Boron Fernando Nogueira da Costa Alysson Leandro Mascaro Tales Ab'Sáber Rafael R. Ioris Andrew Korybko Manuel Domingos Neto André Márcio Neves Soares Bruno Fabricio Alcebino da Silva Boaventura de Sousa Santos João Sette Whitaker Ferreira Priscila Figueiredo Luiz Carlos Bresser-Pereira Paulo Sérgio Pinheiro Flávio R. Kothe Gilberto Lopes Marilena Chauí Rodrigo de Faria José Costa Júnior Anselm Jappe Sergio Amadeu da Silveira Flávio Aguiar Dênis de Moraes José Geraldo Couto Airton Paschoa Michel Goulart da Silva Érico Andrade Samuel Kilsztajn Ricardo Fabbrini Chico Alencar Manchetômetro Tarso Genro Walnice Nogueira Galvão Leonardo Avritzer Francisco Fernandes Ladeira Francisco de Oliveira Barros Júnior Chico Whitaker André Singer Marcus Ianoni Luiz Renato Martins João Lanari Bo Eliziário Andrade Daniel Afonso da Silva Ladislau Dowbor Julian Rodrigues Eugênio Trivinho Ronald Rocha Leonardo Sacramento Liszt Vieira Alexandre de Lima Castro Tranjan Ricardo Abramovay Luiz Werneck Vianna Vanderlei Tenório Celso Favaretto Ricardo Antunes José Luís Fiori Eduardo Borges Bernardo Ricupero Eugênio Bucci Dennis Oliveira Lorenzo Vitral Berenice Bento Luís Fernando Vitagliano Carla Teixeira João Adolfo Hansen Thomas Piketty Slavoj Žižek Luciano Nascimento Bruno Machado Juarez Guimarães Everaldo de Oliveira Andrade Otaviano Helene Salem Nasser Caio Bugiato Lincoln Secco Benicio Viero Schmidt Rubens Pinto Lyra Paulo Martins Paulo Capel Narvai Carlos Tautz Marilia Pacheco Fiorillo Jean Marc Von Der Weid Alexandre de Freitas Barbosa Maria Rita Kehl Ronaldo Tadeu de Souza José Micaelson Lacerda Morais Ari Marcelo Solon Fábio Konder Comparato Luiz Eduardo Soares Annateresa Fabris João Paulo Ayub Fonseca Denilson Cordeiro Osvaldo Coggiola Mário Maestri Luis Felipe Miguel Tadeu Valadares Ricardo Musse Marcos Silva Afrânio Catani Eleutério F. S. Prado Eleonora Albano Valerio Arcary Paulo Fernandes Silveira Armando Boito Luiz Marques João Carlos Salles

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada