As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

MEC – um escândalo histórico

Imagem: Luis Quintero
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FERNANDO BONADIA DE OLIVEIRA*

O atual Ministério da Educação não é pioneiro na prática de projetos que flertam com a corrupção transparente ou oculta

Quando a Saúde ganhou ministério próprio, em 1953, a sigla MEC foi inventada: formava-se o Ministério da Educação e Cultura. Era o momento de uma reformulação ministerial no governo de Getúlio Vargas, ele que no primeiro instante de seu governo provisório, em 1930, havia criado o Ministério dos Negócios da Educação e Saúde Pública. Antes de Getúlio Vargas, algo parecido com um ministério de educação vinha do efêmero Ministério da Instrução Pública, Correios e Telégrafos, formado logo depois do golpe da República, em abril de 1890 e desfeito em setembro de 1892.

Para explicar o MEC atual não é preciso, porém, regredir a 1953, afinal só mais tarde ele ganhou as feições exatas de hoje, operando como balcão de contratos e negócios que constrange a educação brasileira a permanecer, tanto quanto possível, imobilizada ou incapaz de atender as necessidades sociais mínimas. Nos períodos melhores, o ministério manteve a estrutura institucional desigual da educação com mudanças comedidas e paliativas, bem refreadas, que beiravam as melhores intenções do princípio desenvolvimentista e militar com suas políticas compensatórias; nos períodos piores, como agora, ele reforça a desigualdade educacional com retrocessos robustos, que beiram o primitivismo mais perverso da sociedade escravocrata.

Para chegar rapidamente ao MEC atual, devemos reencontrar a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 4.024 de 20 de dezembro de 1961) que deu autonomia aos órgãos estaduais e municipais de educação, descentralizando as atividades da pasta. O resultado direto da descentralização parece ter sido a centralização do MEC nas mãos de mediadores malandros do serviço militar brasileiro que, desde 1964, travaram pactos anormais com a USAID (Agência Estadunidense para o Desenvolvimento Internacional).

A primeira assinatura que comprometeu o MEC com a USAID foi feita no dia 26 de junho de 1964. O pacto prometia uma quantia “não superior a 375 mil dólares” para sustentar, “por dois anos”, “um grupo de seis especialistas em educação que auxiliariam o Ministério em seu programa de aperfeiçoamento do ensino primário no Brasil”.[i] O primeiro acordo foi celebrado no dia 23 de junho de 1965, mas “as primeiras informações oficiais” sobre ele “só vieram a furo em novembro de 1966, assim mesmo de forma fragmentária e imprecisa”.[ii] A transparência jamais foi o forte dos acordos MEC-USAID. Lauro de Oliveira Lima, aliás, afirmou em 1968: “É a primeira vez, ao que se saiba, que o planejamento educacional de um país é objeto de sigilo para o próprio povo que o utilizará…”.[iii]

A verdade é que, na formulação felicíssima de Márcio Alves, o que se desejava com a USAID era “implantar no sistema educacional brasileiro (…) a privatização, a melhor forma de desacelerar o desenvolvimento”.[iv] Em 1976, a própria USAID passou a ver problemas no financiamento de projetos educacionais no país, pois o governo brasileiro estava direcionando os investimentos preponderantemente aos setores privados da educação. Entre estas e outras informações, o pesquisador José Wellington Germano relembra que tais “privilégios e incentivos concedidos ao setor privado” terminaram por “degenerar em abusos e corrupção, atingindo 18 bilhões só em 1982”.[v] São consequências inevitáveis que advêm da transformação do Ministério da Educação em um balcão de negócios destinado a favorecer o privatismo.

Mesmo nas melhores fases, cabe assinalar, o MEC não parou de servir aos interesses dos grupos privados de educação. Fernando Haddad, que pela primeira vez propôs uma reforma de conjunto para a educação brasileira, da pré-escola à pós-graduação (o Plano de Desenvolvimento da Educação), assumiu a gestão do MEC – conforme ele mesmo declarou[vi] – depois de seus méritos em fazer nascer o PROUNI. O PROUNI, como se sabe, funcionou como uma máquina de transposição de verbas públicas que acabou impulsionando, apesar da transparência orçamentária, a rede privada de ensino.

O atual ministério não é, pois, pioneiro na prática de projetos que flertam com a corrupção transparente ou oculta (pública ou sigilosa) dos contratos com iniciativas privadas de toda ordem. A novidade trazida pela acusação atual é que, além da atuação sempre constante dos interesses internacionais na imobilidade da estrutura educacional brasileira, o balcão de negócios do MEC teria contado com o protagonismo de dois pastores evangélicos que, a pedido do presidente da República, regulavam – junto ao ministro da Educação, Milton Ribeiro – as verbas do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) por meio do pedido de propinas. A escandalosa acusação, assim como se deu com os acordos MEC-USAID, foi revelada pela imprensa e, depois, pouco a pouco, acabou sendo confirmada por inúmeros outros depoimentos.

Aos que não entendem o porquê da presença de pastores evangélicos no MEC (ou que se surpreendem com isso), basta lembrar a primeira impressão que o professor Luiz Carlos de Freitas registrou em seu site, Avaliação Educacional, no dia 3 de janeiro de 2019, quando o governo Bolsonaro não havia completado nem uma semana de gestão. Segundo ele, depois do empresarialismo reformista que ocupara o ministério com espaços cada vez maiores desde 2016, havia chegado a vez dos “novos evangelizadores”. Ao se referir à geringonça ministerial criada pelo MEC de Bolsonaro no primeiro segundo da posse, ele observou: “A geringonça bolsonarista reuniu conservadores, que poderíamos chamar de ‘novos evangelizadores’, associados a um punhado de engenheiros”; a equipe estava empenhada em “desmanchar o ministério e não, como seria de se esperar, administrar a educação”.[vii]

Por isso, não há nenhuma surpresa efetiva em constatar que o balcão histórico de negócios do MEC tenha agora se dobrado a interesses evangélicos, respaldando a destinação de recursos e esforços da pasta para a confecção e distribuição de bíblias ou atividades afins. Quem conhece a história do MEC não tem, de fato, como se espantar quando descobre a existência de pagamento de propina para financiamento da educação em municípios; não se admira em nada ao saber que a atenção do ministro Milton Ribeiro tenha se centrado (segundo ele mesmo disse[viii]) antes de tudo nos municípios que “mais precisam” e só depois nos “amigos do pastor Gilmar”, este último amigo do próprio presidente.

Antes mesmo do primeiro mês do governo Bolsonaro já era possível antever a redução ainda maior dos poderes do Estado na condução dos destinos da educação brasileira. Via-se que à nova equipe ministerial caberia zelar pela “evangelização”, ou seja, defender uma estratégia ideológica pela qual a pasta estaria totalmente dedicada “a umas poucas atividades com vistas a um cenário em que o governo sai do processo de gerenciamento da educação em todos os níveis, ficando como indutor/regulador da privatização (vouchers, terceirização, homeschooling)”.[ix]

O que não se podia imaginar era que com a disseminação do novo coronavírus (e o consequente estado de pandemia) estaria formado o palco perfeito para que muitas boiadas passassem por vários ministérios, inclusive o da Educação. Com escolas fechadas e igrejas abertas, o contexto favoreceu ainda mais a ação malandra que sempre foi praxe das ditaduras: corromper política e administrativamente as instituições educacionais, e acusar de corrupção política e administrativa todos os que se erguem para defender a educação pública, gratuita e democrática.

O que torna ainda mais desastrosa a trama do mais recente escândalo é que a situação de termos uma corrupção assim tão vil, descoberta em plena agitação eleitoral, acaba por encobrir a realidade: não foram os atuais gestores que inventaram a corrupção no MEC. Onde quer que venha a existir um ministério operando como balcão de negócios entre as verbas públicas e a iniciativa privada, a corrupção continuará a desfilar, de forma mais ou menos aparente. Não é, pois, o caso de um problema pontual de gestão do MEC, mas de se pensar a refundação do MEC, que possui – vale dizer – um respeitável quadro técnico para isso.

*Fernando Bonadia de Oliveira é professor de filosofia da educação na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).

 

Notas


[i] Alves, Márcio Moreira. O beabá dos MEC-USAID. Rio de Janeiro: Gernasa, 1968, p 79.

[ii] Lima, Lauro de Oliveira. Prefácio. In: Alves, Márcio Moreira. O beabá dos MEC-USAID. Rio de Janeiro: Gernasa, 1968, p 7.

[iii] Idem, p. 8.

[iv] Alves, op. cit., p. 14.

[v] Germano, José Wellington. Estado militar e educação no Brasil (1964-1985). São Paulo: Cortez; Campinas: Editora da Unicamp, 1993, p. 204.

[vi] Ver os primeiros minutos da entrevista concedida pelo ministro ao Canal do Instituto Unibanco. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=2SUL3BLYXUA

[vii] Freitas, Luiz Carlos de. Os “novos evangelizadores”. Avaliação Educacional (03/01/2019). Disponível em: https://avaliacaoeducacional.com/2019/01/03/os-novos-evangelizadores/

[viii] Ver “Ministro da Educação diz priorizar amigos de pastores…”. Rede Brasil Atual (22/03/2022). Disponível em: https://www.redebrasilatual.com.br/politica/2022/03/ministro-educacao-pastores-pedido-bolsonaro/

[ix] Freitas, “Os novos evangelizadores”.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Samuel Kilsztajn Dênis de Moraes Ari Marcelo Solon Boaventura de Sousa Santos Leonardo Sacramento Anderson Alves Esteves Jean Pierre Chauvin Juarez Guimarães Ricardo Abramovay João Paulo Ayub Fonseca André Singer Mariarosaria Fabris Paulo Sérgio Pinheiro José Dirceu Yuri Martins-Fontes Elias Jabbour Celso Frederico Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Carlos Bresser-Pereira Bento Prado Jr. Roberto Bueno Ronaldo Tadeu de Souza Renato Dagnino Dennis Oliveira Ricardo Musse Rubens Pinto Lyra Heraldo Campos José Geraldo Couto Benicio Viero Schmidt Vinício Carrilho Martinez Vladimir Safatle Fábio Konder Comparato Antonio Martins Flávio Aguiar Bruno Fabricio Alcebino da Silva Henri Acselrad Marcos Silva Francisco Pereira de Farias Marilena Chauí Berenice Bento Valério Arcary Denilson Cordeiro Marjorie C. Marona Caio Bugiato Sandra Bitencourt Ronald León Núñez Otaviano Helene Ronald Rocha Flávio R. Kothe Jorge Luiz Souto Maior Celso Favaretto Anselm Jappe Fernando Nogueira da Costa Lincoln Secco Ricardo Fabbrini João Sette Whitaker Ferreira Igor Felippe Santos Marcelo Guimarães Lima Michael Roberts Alexandre de Freitas Barbosa Armando Boito Jean Marc Von Der Weid João Lanari Bo Gabriel Cohn José Costa Júnior Paulo Martins Julian Rodrigues Gilberto Maringoni Paulo Fernandes Silveira Tadeu Valadares Mário Maestri Alysson Leandro Mascaro Lorenzo Vitral Eliziário Andrade Carlos Tautz Luís Fernando Vitagliano Ladislau Dowbor Michael Löwy Osvaldo Coggiola Daniel Brazil Chico Alencar Leda Maria Paulani Salem Nasser Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Roberto Alves Antonino Infranca Leonardo Boff Remy José Fontana Gerson Almeida Airton Paschoa Francisco Fernandes Ladeira Luciano Nascimento Paulo Nogueira Batista Jr Afrânio Catani João Carlos Loebens Marilia Pacheco Fiorillo Daniel Afonso da Silva Marcus Ianoni Chico Whitaker Eugênio Bucci Eleonora Albano Kátia Gerab Baggio Atilio A. Boron Luiz Marques Daniel Costa Manchetômetro Tarso Genro Érico Andrade Priscila Figueiredo Henry Burnett José Machado Moita Neto Bernardo Ricupero João Carlos Salles Walnice Nogueira Galvão Eugênio Trivinho José Luís Fiori Valerio Arcary Gilberto Lopes João Adolfo Hansen Vanderlei Tenório Sergio Amadeu da Silveira Claudio Katz Milton Pinheiro José Micaelson Lacerda Morais Luiz Renato Martins Francisco de Oliveira Barros Júnior Liszt Vieira Rafael R. Ioris Luiz Werneck Vianna Alexandre de Lima Castro Tranjan Maria Rita Kehl Eleutério F. S. Prado Luiz Eduardo Soares Slavoj Žižek Ricardo Antunes Roberto Noritomi Andrew Korybko Paulo Capel Narvai José Raimundo Trindade Marcelo Módolo Eduardo Borges Luiz Bernardo Pericás Marcos Aurélio da Silva Rodrigo de Faria Jorge Branco Bruno Machado João Feres Júnior Carla Teixeira Leonardo Avritzer André Márcio Neves Soares Luis Felipe Miguel Antônio Sales Rios Neto Fernão Pessoa Ramos Tales Ab'Sáber Manuel Domingos Neto Alexandre Aragão de Albuquerque Thomas Piketty Plínio de Arruda Sampaio Jr. Annateresa Fabris Luiz Costa Lima

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada