As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Mensagem ao povo brasileiro

Imagem: Alexey Demidov
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL*

Documento aprovado na 59ª. Assembleia Geral da CNBB

“A esperança não decepciona” (Rm 5,5).

Guiados pelo Espírito Santo e impulsionados pela Ressurreição do Senhor, unidos ao Papa Francisco, nós, bispos católicos, em comunhão e unidade, reunidos para a primeira etapa da 59ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB, de modo online e com a representação de diversos organismos eclesiais, dirigimos ao povo brasileiro uma mensagem de fé, esperança e corajoso compromisso com a vida e o Brasil.

Enche o nosso coração de alegria perceber a explosão de solidariedade, que tem marcado todo o País na luta pela superação do flagelo sanitário e social da COVID-19. A partilha de alimentos, bens e espaços, a assistência a pessoas solitárias e a dedicação incansável dos profissionais de saúde são apenas alguns exemplos de incontáveis ações solidárias. Gestores de saúde e agentes públicos, diante de um cenário de medo e insegurança, foram incansáveis e resilientes. O Sistema Único de Saúde-SUS mostrou sua fundamental importância e eficácia para a proteção social dos brasileiros. A consciência lúcida da necessidade dos cuidados sanitários e da vacinação em massa venceu a negação de soluções apresentadas pela ciência. Contudo, não nos esquecemos da morte de mais de 660.000 pessoas e nos solidarizamos com as famílias que perderam seus entes queridos, trazendo ambas em nossas preces.

Agradecemos ainda, de modo particular às famílias e outros agentes educativos, que não se descuidaram da educação das crianças, adolescentes, jovens e adultos, apesar de todas as dificuldades. Com certeza, a pandemia teria consequências ainda mais devastadoras, se não fosse a atuação das famílias, educadores e pessoas de boa vontade, espírito solidário e abnegado. A Campanha da Fraternidade 2022 nos interpela a continuar a luta pela educação integral, inclusiva e de qualidade.

A grave crise sanitária encontrou o nosso país envolto numa complexa e sistêmica crise ética, econômica, social e política, que já nos desafiava bem antes da pandemia, escancarando a desigualdade estrutural enraizada na sociedade brasileira. A COVID-19, antes de ser responsável, acentuou todas essas crises, potencializando-as, especialmente na vida dos mais pobres e marginalizados.

O quadro atual é gravíssimo. O Brasil não vai bem! A fome e a insegurança alimentar são um escândalo para o País, segundo maior exportador de alimentos no mundo, já castigado pela alta taxa de desemprego e informalidade. Assistimos estarrecidos, mas não inertes, os criminosos descuidos com a Terra, nossa casa comum. Num sistema voraz de “exploração e degradação” notam-se a dilapidação dos ecossistemas, o desrespeito com os direitos dos povos indígenas, quilombolas e ribeirinhos, a perseguição e criminalização de líderes socioambientais, a precarização das ações de combate aos crimes contra o meio ambiente e projetos parlamentares desastrosos contra a casa comum.

Tudo isso desemboca numa violência latente, explícita e crescente em nossa sociedade. A crueldade das guerras, que assistimos pelos meios de comunicação, pode nos deixar anestesiados e desapercebidos do clima de tensão e violência em que vivemos no campo e nas cidades. A liberação e o avanço da mineração em terras indígenas e em outros territórios, a flexibilização da posse e do porte de armas, a legalização do jogo de azar, o feminicídio e a repulsa aos pobres, não contribuem para a civilização do amor e ferem a fraternidade universal.

Diante deste cenário esperamos que os governantes promovam grandes e urgentes mudanças, em harmonia com os poderes da República, atendo-se aos princípios e aos valores da Constituição de 1988, já tão desfigurada por meio de Projetos de Emendas Constitucionais. Não se permita a perda de direitos dos trabalhadores e dos pobres, grande maioria da população brasileira. A lógica do confronto que ameaça o estado democrático de direito e suas instituições, transforma adversários em inimigos, desmonta conquistas e direitos consolidados, fomenta o ódio nas redes sociais, deteriora o tecido social e desvia o foco dos desafios fundamentais a serem enfrentados.

Nesse contexto, iremos este ano às urnas. O cenário é de incertezas e radicalismos, mas, potencialmente carregado de esperança. Nossas escolhas para o Executivo e o Legislativo determinarão o projeto de nação que desejamos. Urge o exercício da cidadania, com consciente participação política, capaz de promover a “boa política”, como nos diz o Papa Francisco. Necessitamos de uma política salutar, que não se submeta à economia, mas seja capaz de reformar as instituições, coordená-las e dotá-las de bons procedimentos, como as conquistas da Lei da Ficha Limpa, Lei Complementar 135 de 2010, que afasta do pleito eleitoral candidatos condenados em decisões colegiadas, e da Lei 9.840 de 1999, que criminaliza a compra de votos. Não existe alternativa no campo democrático fora da política com a ativa participação no processo eleitoral.

Tentativas de ruptura da ordem institucional, hoje propagadas abertamente, buscam colocar em xeque a lisura do processo eleitoral e a conquista irrevogável do voto. Tumultuar o processo político, fomentar o caos e estimular ações autoritárias não são, em definitivo, projeto de interesse do povo brasileiro. Reiteramos nosso apoio às Instituições da República, particularmente aos servidores públicos, que se dedicam em garantir a transparência e a integridade das eleições.

Duas ameaças merecem atenção especial. A primeira é a manipulação religiosa, protagonizada tanto por alguns políticos como por alguns religiosos, que coloca em prática um projeto de poder sem afinidade com os valores do Evangelho de Jesus Cristo. A autonomia e independência do poder civil em relação ao religioso são valores adquiridos e reconhecidos pela Igreja e fazem parte do patrimônio da civilização ocidental.

A segunda é a disseminação das fake news, que através da mentira e do ódio, falseia a realidade. Carregando em si o perigoso potencial de manipular consciências, elas modificam a vontade popular, afrontam a democracia e viabilizam, fraudulentamente, projetos orquestrados de poder. É fundamental um compromisso autêntico com a verdade e o respeito aos resultados nas eleições. A democracia brasileira, ainda em construção, não pode ser colocada em risco.

Conclamamos toda a sociedade brasileira a participar das eleições e a votar com consciência e responsabilidade, escolhendo projetos representados por candidatos e candidatas comprometidos com a defesa integral da vida, defendendo-a em todas as suas etapas, desde a concepção até a morte natural. Que também não negligenciem os direitos humanos e sociais, e nossa casa comum onde a vida se desenvolve. Todos os cristãos somos chamados a preocuparmo-nos com a construção de um mundo melhor, por meio do diálogo e da cultura do encontro, na luta pela justiça e pela paz.

Agradecemos os muitos gestos de solidariedade de nossas comunidades, por ocasião da pandemia e dos desastres ambientais. Encorajamos as organizações e os movimentos sociais a continuarem se unindo em mutirão pela vida, especialmente por terra, teto e trabalho. Convidamos a todos, irmãos e irmãs, particularmente a juventude, a deixarem-se guiar pela esperança e pelo desejo de uma sociedade justa e fraterna. Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, obtenha de Deus as bênçãos para todos nós.

*Conferência Nacional dos Bispos do Brasil é o órgão que reúne os bispos católicos do Brasil.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Feres Júnior Jorge Branco Luiz Eduardo Soares Luiz Costa Lima Lincoln Secco Francisco Pereira de Farias Daniel Costa Vladimir Safatle Heraldo Campos Francisco Fernandes Ladeira Celso Frederico Alysson Leandro Mascaro José Micaelson Lacerda Morais Ladislau Dowbor Leda Maria Paulani Carlos Tautz João Adolfo Hansen Marcus Ianoni João Sette Whitaker Ferreira Gerson Almeida Chico Alencar Vinício Carrilho Martinez Elias Jabbour Paulo Capel Narvai Julian Rodrigues Rubens Pinto Lyra Walnice Nogueira Galvão Roberto Noritomi Luiz Carlos Bresser-Pereira Flávio R. Kothe Osvaldo Coggiola Otaviano Helene Vanderlei Tenório Paulo Martins Ricardo Musse Gilberto Maringoni João Carlos Loebens Marcelo Módolo Rafael R. Ioris Eduardo Borges Eugênio Trivinho Antonino Infranca Lorenzo Vitral Lucas Fiaschetti Estevez Marilena Chauí Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luciano Nascimento Érico Andrade Ronald León Núñez André Márcio Neves Soares Armando Boito Luís Fernando Vitagliano Marjorie C. Marona João Carlos Salles Mariarosaria Fabris Priscila Figueiredo Chico Whitaker Igor Felippe Santos Claudio Katz Marilia Pacheco Fiorillo Denilson Cordeiro Afrânio Catani Leonardo Sacramento Jean Pierre Chauvin Ricardo Abramovay Henry Burnett Michael Löwy Luiz Werneck Vianna Tadeu Valadares Fernão Pessoa Ramos Ricardo Antunes Marcos Aurélio da Silva Henri Acselrad Ronald Rocha Luis Felipe Miguel Juarez Guimarães Jorge Luiz Souto Maior Alexandre Aragão de Albuquerque Thomas Piketty Mário Maestri Fernando Nogueira da Costa Slavoj Žižek Berenice Bento Alexandre de Freitas Barbosa Valério Arcary José Raimundo Trindade Renato Dagnino Bruno Machado Annateresa Fabris Yuri Martins-Fontes Luiz Roberto Alves João Lanari Bo Maria Rita Kehl Gilberto Lopes Rodrigo de Faria Roberto Bueno José Machado Moita Neto Manchetômetro Marcos Silva Anderson Alves Esteves Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Renato Martins Salem Nasser Sandra Bitencourt Tarso Genro Eleonora Albano Ari Marcelo Solon Remy José Fontana Flávio Aguiar Anselm Jappe Paulo Fernandes Silveira Daniel Brazil Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ronaldo Tadeu de Souza Sergio Amadeu da Silveira Atilio A. Boron Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Bernardo Pericás Tales Ab'Sáber Benicio Viero Schmidt Celso Favaretto Kátia Gerab Baggio Andrew Korybko José Dirceu Eliziário Andrade Dennis Oliveira Caio Bugiato Boaventura de Sousa Santos José Geraldo Couto Paulo Sérgio Pinheiro José Costa Júnior Antônio Sales Rios Neto André Singer Eugênio Bucci Leonardo Boff Valerio Arcary Gabriel Cohn Ricardo Fabbrini José Luís Fiori Leonardo Avritzer Jean Marc Von Der Weid Dênis de Moraes Manuel Domingos Neto Liszt Vieira Bernardo Ricupero Marcelo Guimarães Lima Paulo Nogueira Batista Jr Bento Prado Jr. Airton Paschoa Michael Roberts Eleutério F. S. Prado João Paulo Ayub Fonseca Samuel Kilsztajn Luiz Marques Milton Pinheiro Antonio Martins Everaldo de Oliveira Andrade Carla Teixeira Fábio Konder Comparato Daniel Afonso da Silva

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada