O caso Jair Messias Bolsonaro

Imagem: ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CLÁUDIO FONTELES*

Jair Messias Bolsonaro ao demitir Maurício Valeixo do cargo de Diretor-Geral da Polícia Federal fê-lo em ato ilegal, porque despido de qualquer motivação válida, antes para atender sentimento pessoal

O caso Jair Messias Bolsonaro

É assim, com o estudo de caso real, que tantas vezes com minhas e meus alunos analisávamos as questões jurídicas.

O caso Jair Messias Bolsonaro, que surge a partir de comportamento de Sergio Moro ao exonerar-se do cargo de Ministro da Justiça, e ante as razões que a tanto sublinhou, está em se saber se Jair Messias Bolsonaro interferiu ilegalmente no âmbito da Polícia Federal, ou não.

Na investigação em curso – e ao que tudo indica prestes está a findar-se – tem-se que:

1º- Jair Messias Bolsonaro, em mensagem encaminhada a Sergio Moro, via celular, diz: “Moro: você tem 27 superintendências, eu quero apenas uma, a do Rio de Janeiro”.

2º- Em nova mensagem, mandada a 23 de abril, passado, e ante publicação no site “O Antagonista” estampando que a Polícia Federal estava no encalço de deputados bolsonaristas, disse Jair Messias Bolsonaro a Sergio Moro: “Mais um motivo para troca”.

3º- O delegado federal Maurício Valeixo, então Diretor-Geral da Polícia Federal, em seu depoimento afirmou que Jair Messias Bolsonaro desde agosto de 2019 desejava trocar a chefia da Polícia Federal no Rio de Janeiro. Disse mais: que nunca pediu, formalmente, exoneração do cargo que exercia, fazendo-o Jair Messias Bolsonaro por ato próprio.

4º- Os generais Augusto Heleno, Chefe do Gabinete de Segurança Institucional, e Luiz Eduardo Ramos, Chefe da Secretaria de Governo, testemunharam que Jair Messias Bolsonaro, na reunião ministerial do passado dia 22 de março, mencionou expressamente a Polícia Federal, além de outros órgãos de inteligência, em tom crítico.

5º- O delegado federal Carlos Henrique de Oliveira, depondo por uma segunda vez, disse ter se encontrado com Jair Messias Bolsonaro, no ano passado, provavelmente em outubro ou novembro, no Palácio do Planalto, em reunião intermediada pelo delegado federal Alexandre Ramagem.

No vídeo da reunião ministerial do dia 22 de março, Jair Messias Bolsonaro diz, textual e agressivamente:

“Eu não vou esperar f. a minha família toda, de sacanagem, ou amigos meus porque eu não posso trocar alguém da segurança na ponta da linha que pertence a estrutura nossa. Vai trocar! Se não puder trocar, troca o chefe dele! Não pode trocar o chefe dele? Troca o ministro! E ponto final! Não estamos aqui prá brincadeira”. (transcrição como reproduzida pelo jornal Correio Braziliense de 23.05 – pg. 04).

Esses fatos já são bastantes a que se tenha por bem caracterizada “a fumaça do bom direito” – fumus boni iuris – que é o que se exige ao ajuizamento de toda e qualquer acusação pública – denúncia – ante o Poder Judiciário.

Com efeito, inquestionável as invectivas que culminaram, por parte de Jair Messias Bolsonaro, na consolidação de ato de sua lavra, que sacramentou a demissão de Maurício Valeixo da Direção-Geral da Polícia Federal.

Qual é a argumentação de Jair Messias Bolsonaro para pugnar pelo arquivamento da investigação e o consequente não oferecimento da denúncia?

Simplesmente, asseverar que na reunião do dia 22 de março não mencionara a Polícia Federal e que tratava, usando unicamente a palavra “segurança”, de sua segurança e de seus familiares.

Ora, os depoimentos, inclusive de seus Ministros militares, que lhe são mais chegados, desmentem objetivamente essa sua afirmação.

Aliás, na edição do dia 14 de maio, na página 03, o jornal Correio Braziliense estampa frase lacônica de Jair Messias Bolsonaro a dizer: “Ramos se equivocou”.

Referia-se, sem qualquer base, eis que apresenta mera e solta frase, ao depoimento do general Luiz Eduardo Ramos como antes aqui se realçou.

Também, e por óbvio, sua ira não se voltava ao general Augusto Heleno – inclusive há passagem no vídeo em que justifica a crítica à ABIN por carência de pessoal – dada a notória amizade e ligação estreita entre ambos.

A sobrar, na área da segurança, o Ministro Sergio Moro a quem, inclusive, dirige ostensivo olhar quando fala de: “Trocar o ministro”.

Assim apresentado o caso, juridicamente impossível assuma o Procurador-Geral da República diretriz de arquivamento.

Insisto: os dados fáticos, incontroversos, são exuberantes à caracterização do fumus boni iuris a validar a acusação pública ante o Supremo Tribunal Federal.

Inequívoca a presença do crime de prevaricação, assim tipificado no artigo 319 do Código Penal brasileiro:

Artigo 319: “Retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal”. (grifei).

Portanto, Jair Messias Bolsonaro ao demitir Maurício Valeixo do cargo de Diretor-Geral da Polícia Federal fê-lo em ato ilegal, porque despido de qualquer motivação válida, antes para atender sentimento pessoal: escudar familiares e amigos, como está, cristalino, na transcrição de sua fala na reunião ministerial.

E o ato é ilegal porque, na dicção constitucional, a Polícia Federal não é Polícia do Poder Executivo, mas, e exclusivamente, polícia judiciária, assim constituindo-se em órgão do Estado. Eis a redação do artigo 144 – §1º – inciso IV, da Constituição Federal:

Artigo 144: “A segurança pública, dever do Estado…

  • 1º A polícia federal, instituída por lei como órgão permanente, estruturada em carreira, destina-se

IV- exercer, com exclusividade, a função de polícia judiciária, da União”. (grifei).

Não cabe – como tenho ouvido aqui e acolá – tipificar-se criminalmente a conduta de Jair Messias Bolsonaro como advocacia administrativa.

O crime de advocacia administrativa, posto no artigo 321 do Código Penal brasileiro, define-se no:

“Patrocinar, direta ou indiretamente, interesse privado perante a administração pública, valendo-se da qualidade de funcionário público”.

Ora, o Presidente da República exerce “a direção superior da administração federal” nos termos do inciso II, do artigo 84, da Constituição Federal.

Portanto, o Presidente da República não necessita patrocinar interesse privado de ninguém ante a administração pública. Ele preside a administração pública federal.

E mais: aqui cogita-se da edição de ato administrativo concreto: a demissão ilegal do Diretor-Geral da Polícia Federal.

A incidência é, portanto, plena do crime de prevaricação, e não de advocacia administrativa.

Que o Procurador-Geral da República, presente o princípio reitor da atividade do Ministério Público, que é o princípio constitucional da independência funcional – §1º do artigo 122, da Constituição Federal – cumpra com o seu dever funcional e, no caso Jair Messias Bolsonaro, acuse-o ante o Supremo Tribunal Federal pelo crime de prevaricação.

*Cláudio Fonteles é Subprocurador-Geral da República aposentado. Foi Procurador Geral da República de 2003 a 2005.

Publicado originalmente no portal Brasil 247.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Bernardo Pericás Eduardo Borges Luis Felipe Miguel Kátia Gerab Baggio Jean Pierre Chauvin Gilberto Maringoni Henri Acselrad Andrés del Río Ricardo Antunes Luís Fernando Vitagliano João Adolfo Hansen Jorge Luiz Souto Maior Liszt Vieira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Werneck Vianna Marilena Chauí Caio Bugiato Julian Rodrigues Claudio Katz Thomas Piketty Manchetômetro Antonino Infranca João Paulo Ayub Fonseca João Sette Whitaker Ferreira Renato Dagnino Luiz Marques Ricardo Abramovay Lucas Fiaschetti Estevez Lorenzo Vitral Ricardo Musse Eugênio Bucci José Costa Júnior Juarez Guimarães Tadeu Valadares João Carlos Loebens Antonio Martins André Singer Flávio Aguiar Luiz Renato Martins Eugênio Trivinho Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Marjorie C. Marona Maria Rita Kehl Matheus Silveira de Souza Daniel Brazil Marcelo Guimarães Lima Paulo Sérgio Pinheiro Vladimir Safatle Marcos Aurélio da Silva Jean Marc Von Der Weid Boaventura de Sousa Santos Paulo Nogueira Batista Jr Bruno Machado Dênis de Moraes Daniel Costa Walnice Nogueira Galvão Tarso Genro Armando Boito Francisco Pereira de Farias Elias Jabbour Chico Whitaker Bento Prado Jr. Andrew Korybko José Raimundo Trindade Mário Maestri Alexandre de Freitas Barbosa Otaviano Helene Alexandre Aragão de Albuquerque Carlos Tautz Fernão Pessoa Ramos Vinício Carrilho Martinez Annateresa Fabris Ronald Rocha Benicio Viero Schmidt Rubens Pinto Lyra Celso Frederico Priscila Figueiredo Michel Goulart da Silva Rafael R. Ioris Alysson Leandro Mascaro André Márcio Neves Soares Flávio R. Kothe Paulo Capel Narvai Daniel Afonso da Silva Paulo Martins Sergio Amadeu da Silveira Salem Nasser Remy José Fontana Ladislau Dowbor Chico Alencar Eleonora Albano José Luís Fiori Alexandre de Lima Castro Tranjan Samuel Kilsztajn Luiz Carlos Bresser-Pereira Airton Paschoa Luiz Roberto Alves Leda Maria Paulani José Machado Moita Neto Berenice Bento José Geraldo Couto Valerio Arcary Leonardo Avritzer João Feres Júnior Michael Roberts Leonardo Sacramento José Micaelson Lacerda Morais Paulo Fernandes Silveira Afrânio Catani Atilio A. Boron Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eliziário Andrade Denilson Cordeiro Gerson Almeida Valerio Arcary Marcus Ianoni Luciano Nascimento Bernardo Ricupero Osvaldo Coggiola Francisco Fernandes Ladeira Tales Ab'Sáber Ronald León Núñez Vanderlei Tenório Marcelo Módolo Henry Burnett Carla Teixeira Gabriel Cohn Anselm Jappe Lincoln Secco Gilberto Lopes José Dirceu Marcos Silva Marilia Pacheco Fiorillo João Lanari Bo Manuel Domingos Neto Dennis Oliveira Celso Favaretto Leonardo Boff Fábio Konder Comparato Érico Andrade Jorge Branco Mariarosaria Fabris Heraldo Campos Fernando Nogueira da Costa Ari Marcelo Solon Igor Felippe Santos Antônio Sales Rios Neto Slavoj Žižek Milton Pinheiro Sandra Bitencourt Ricardo Fabbrini João Carlos Salles Francisco de Oliveira Barros Júnior Eleutério F. S. Prado Yuri Martins-Fontes Luiz Eduardo Soares Everaldo de Oliveira Andrade Michael Löwy Rodrigo de Faria

NOVAS PUBLICAÇÕES