Miséria da informação

Joseph Mallord William Turner, Um furacão no deserto (The Simoom), c.1830–2,
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ARTHUR COELHO BEZERRA

Trecho da introdução, selecionado pelo autor, do livro recém-lançado

1.

Tomado por seu valor de face, o ecossistema informacional de nossos dias parece ser algo revolucionário, com suas telas brilhantes, suas conexões invisíveis, seus sensores oniscientes e sua velocidade instantânea de comunicação e processamento de dados.

O inovador aparato tecnológico, dotado de avançadas técnicas de organização algorítmica e representação digital da informação, se mostra capaz de trazer mais previsibilidade sobre o resultado de ações humanas, antecipar fenômenos da natureza, aumentar a eficiência de processos produtivos, ampliar potencialidades artísticas e científicas e mitigar riscos inerentes ao planejamento das mais diferentes atividades da vida, garantindo agilidade, conforto, eficácia e segurança.

Um exame mais detalhado das atuais formas dominantes de produção, circulação e consumo de informação, no entanto, revela um grande número de dilemas éticos, resultantes das contradições que se escondem sob a fina epiderme de vidro e plástico dos aparelhos que metade da população mundial carrega no bolso.

Dentre essas contradições, temos a conexão ampliada que estimula o isolamento individual; a rede social que fragmenta a esfera pública; a inteligência artificial que hipertrofia a estupidez humana; o aprendizado de máquinas que promove a ignorância de pessoas; a memória computacional que forja a amnésia cerebral; a aceleração tecnológica que aniquila o tempo livre; a flexibilização do trabalho que leva trabalhadores ao sobretrabalho; a liberdade de expressão que dá aso ao discurso de ódio; o acesso à informação que é eclipsado pelo obscurantismo negacionista; a sociedade da hiperinformação que inaugura a era da desinformação.

Todas essas contradições, que serão abordadas ao longo deste livro, estão relacionadas a um fato histórico determinante: o advento de um novo regime de informação no século XXI, no qual novas formas de produção, circulação e consumo de informação se encontram submetidas às velhas relações sociais do modo de produção capitalista, hoje metamorfoseado em sua versão digital. Trata-se de um regime que, dialeticamente, conduz à miséria da informação.

O palco principal desse novo regime de informação é a internet, uma rede de interconexão descentralizada que permite a circulação de dados digitais através de dispositivos eletrônicos sem fio. Desenvolvida em âmbito militar durante a Guerra Fria, a rede passa a ser utilizada, a partir dos anos 1970, por universidades e centros de pesquisa norte-americanos para fins de comunicação científica, e ganha contornos mundiais no apagar das luzes do século XX, quando se torna o ponto de convergência de um antigo ente abstrato, que assume feições místicas na sociedade capitalista: o mercado.

Em 1995, quando a rede de computadores já havia se expandido para a Europa, Austrália e Ásia, e timidamente aportava na África e na América Latina (o marco emblemático da internet brasileira acontece na Eco 92, no Rio de Janeiro), todas as restrições sobre o uso da internet para o tráfego comercial nos Estados Unidos são removidas, e o ambiente online torna-se livre – no sentido liberal do termo – para ser economicamente explorado em sua plenitude.

Desde então, novos produtos, novos serviços, novas formas de mediação e classificação da informação e novos processos de produção, circulação e consumo de mercadorias vêm sendo criados como resultados de uma série de disrupções tecnológicas, termo en vogue utilizado para se referir a avanços na tecnologia que promovem mudanças radicais na economia, na política, na cultura, na ciência e na vida social em geral. No bojo da sociedade capitalista, as disrupções tecnológicas são mormente capitaneadas por empresas comerciais, gerenciadas conforme os interesses econômicos de seus proprietários e acionistas.

2.

Nos lugares e circunstâncias do tempo histórico em que vigora a forma social capitalista, o traço central do regime de informação dominante é a subsunção dos modos de produção, circulação e consumo de informação aos imperativos de valorização do capital. Vem daí a profusão de expressões na literatura científica das últimas décadas, tais como capitalismo digital, capitalismo informacional, capitalismo cognitivo, capitalismo de plataforma, capitalismo 24/7, capitalismo dadocêntrico ou capitalismo de vigilância.

Abstraindo-se as diferentes (e por vezes antagônicas) perspectivas teóricas que sustentam cada um desses termos, o que se nota é uma grande variedade de predicados que fazem referência ao mesmo sujeito histórico suprassensível, o capital, que ao longo dos últimos cinco séculos assumiu formas mercantis, industriais e financeiras, hoje conjuntamente atuantes na chamada “era digital”.

É verdade, diz o filósofo Luciano Floridi, que a tecnologia tem ajudado a humanidade a demarcar períodos de sua história, como vemos nas chamadas Idade da Pedra ou Idade do Ferro.  Ao fazê-lo, porém, é preciso evitar cair no instrumentalismo raso que incensa as inovações tecnológicas da era digital, e prestar atenção nas determinações políticas e econômicas que conformam o modo de produção informacional dominante. Somente assim conseguiremos estabelecer uma crítica emancipatória da tecnologia, que leve em conta o papel preponderante das corporações da internet na arquitetura fluida do capitalismo global contemporâneo.

Seguindo nessa direção, a primeira determinação a ser destacada vem do reconhecimento de que a informação, advinda dos dados e metadados que são produzidos pelas pessoas no uso cotidiano das redes digitais, tanto no trabalho quanto no lazer, é hoje imprescindível para os modelos de negócios dos maiores conglomerados multinacionais de tecnologia, cuja concentração de poder econômico seria inimaginável para os padrões do século passado.

Tal império é construído à revelia das múltiplas implicações negativas que seus novos modos de produção e circulação da informação trazem para a sociabilidade, a cultura, a segurança, a economia, a participação política e a saúde dos indivíduos.

Basta pensarmos, por exemplo, em problemas que ganharam destaque nos últimos anos, como os casos de depressão, ansiedade e vício em internet (especialmente em jogos eletrônicos e redes sociais), a constituição de bolhas informacionais que cultivam o ódio, o sexismo e o racismo algorítmico, a circulação massiva de desinformação e negacionismo científico e ambiental e demais fatores que corrompem a integridade da informação, interferem em eleições de relevância internacional, estimulam o descrédito da ciência e da imprensa, prejudicam o combate a pandemias, propagam a intolerância religiosa e dificultam a defesa da biodiversidade.

Somam-se a esses flagelos todas as formas correntes de exploração da força de trabalho, principal pilar da sociedade capitalista, a base sobre a qual se ergue a superestrutura do atual regime de informação, com seu arcabouço jurídico permeável à precarização do trabalho e sua política neocolonial que desafia soberanias nacionais e explora minérios e mentes no Sul global, ambos recursos essenciais para o funcionamento de uma rede que está perto de consumir 20% de toda a energia do planeta.

Todos esses fatores exigem das ciências humanas e sociais, e particularmente dos estudos críticos em informação, a produção de diagnósticos que não se limitem a descrever o regime de informação em sua aparência, mas que também denunciem a essência dos mecanismos de exploração, de opressão e de controle social que impedem que o atual regime seja melhor do que de fato é.

*Arthur Coelho Bezerra é professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação do IBICT-UFRJ.

Referência

Arthur Coelho Bezerra. Miséria da informação: dilemas éticos da era digital. Rio de Janeiro, Editora Garamond, 2024, 140 págs. [https://amzn.to/3L7p7Of]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • O filósofo e o comediantefranklin de matos 08/07/2024 Por BENTO PRADO JR.: Prefácio do livro de Franklin de Matos – uma homenagem dos editores do site ao filósofo e professor da USP, falecido ontem
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • A noite em que a Revolução Francesa morreuater 0406 01/07/2024 Por MARTÍN MARTINELLI: Prefácio do livro de Guadi Calvo
  • O Trabalhismo venceu, mas não é um partido de esquerdamaçã mpodre 07/07/2024 Por KEN LOACH: O líder trabalhista Keir Starmer não é um moderado, não é um centrista, mas sim um político de direita, intransigente e orientado para o livre mercado
  • Hospitais federais do Rio de JaneiroPaulo Capel Narvai 11/07/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: A descentralização dos Hospitais federais do Rio não deve ser combatida nem saudada, ela é uma necessidade
  • A lição francesaandré kaysel 10/07/2024 Por ANDRÉ KAYSEL: Não há como derrotar a extrema direita sem a esquerda
  • O balcãohomem caminhando preto e branco 08/07/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: Neoliberalismo na universidade pública
  • Nordeste — um novo cenáriovermelho ddddddddddd 10/07/2024 Por JOSÉ DIRCEU: O Nordeste passará a ser visto como exemplo para o Brasil, da mesma forma que escolas públicas do Ceará são referência em qualidade de ensino
  • Episódios stalinistas no Brasilfotos antigas 14/07/2024 Por ANGELA MENDES DE ALMEIDA: Uma história costurada com inverdades, mas que, muito tempo depois, acabaram por sair à luz do dia
  • A produção ensaística de Ailton Krenakcultura gotas transp 11/07/2024 Por FILIPE DE FREITAS GONÇALVES: Ao radicalizar sua crítica ao capitalismo, Krenak esquece de que o que está levando o mundo a seu fim é o sistema econômico e social em que vivemos e não nossa separação da natureza

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES