Movimentações no Congresso

Carlos Zilio, VIDA VIVIDA, 1970, caneta hidrográfica sobre papel, 47x32,5
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANDRÉ SINGER*

A saída do DEM e do MDB do bloco de apoio ao governo irá afetar a disputa pela presidência da Câmara dos Deputados

As bancadas do MDB e do DEM, somando 63 deputados, decidiram se afastar do grupo – conhecido como “blocão” – que tem apoiado sistematicamente o governo federal. O afastamento dessas bancadas não inviabiliza a atuação do governo na Câmara dos Deputados, pois ele continua contando com o apoio potencial de cerca de 200 deputados que permanecem na assim chamada “base governista”.

Esta decisão, no entanto, acarreta uma consequência de médio prazo importante, pois irá afetar a disputa pela presidência da Câmara dos Deputados, a ser realizada em fevereiro de 2021; na qual se decidirá a sucessão do atual presidente Rodrigo Maia (deputado do DEM). A presidência da Câmara dos Deputados é uma peça chave, pois o seu presidente é o único que pode autorizar um pedido de impeachment para ser encaminhado ao plenário do Congresso.

No contexto de polarização em que vivemos – mais intensa antes, no mês de junho quando a prisão do ex-PM Fabrício Queiroz fez o Presidente da República deter a ofensiva que vinha encenando desde o começo da pandemia – a eleição da presidência da Câmara será muito importante.

Essa movimentação influencia o quadro político nacional na medida em que coloca uma espécie de incerteza sobre o futuro do governo Bolsonaro. Neste momento, o governo Bolsonaro, com a aliança que fez com o Centrão conseguiu bloquear temporariamente as propostas de impeachment encaminhadas por setores democráticos da sociedade. Estes setores entendem que está em curso no Brasil uma escalada autoritária que precisa ser interrompida.

No entanto, como haverá uma disputa em fevereiro do ano que vem para a presidência da Câmara dos Deputados e pode ser eleito alguém que tenha certo grau de independência, essa questão pode se recolocar. Não é que ela vá se recolar automaticamente, porque esses dois partidos, o MDB e o DEM, tem tido uma posição bastante ambígua em relação ao governo. Mas, de todo modo tem mantido uma posição diferenciada em relação aos partidos que estão fielmente com Bolsonaro, pelo menos enquanto durar esse acordo estabelecido com o Centrão, a negociação que ofereceu cargos no governo em troca de apoio no Congresso Nacional.

*André Singer é professor titular de ciência política na USP. Autor, entre outros livros, de O lulismo em Crise (Companhia das Letras).

Texto estabelecido a partir de entrevista concedida a Gustavo Xavier, na rádio USP.

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES