Nas noites gélidas de Curitiba

Banksy, Walled Off Hotel, Box Set, 2017
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por VILMAR DEBONA*

Poema homenagem à cachorra do acampamento Lula Livre

 

Quando nas noites gélidas de Curitiba pensamos em desistir,
Tu estavas lá conosco, mesmo que trêmula, firme.
Quando juraram que tudo tinha acabado, fostes a última a ir.
E depois descobrimos que, ao fim, ficastes.

Teimosa, não te apavorastes em meio à grande noite que nos impuseram.
Atravessastes altiva e esperta a “canaleta” do Santa Cândida
Aquela armadilha de concreto da república infame
Feita só para grandes objetos motorizados, capazes de esmagar qualquer ânimo.

Não sabemos de onde surgistes, apenas que alguém desistiu de ti numa noite fria.
Mas parece mesmo que fostes feita para teimar
Pois fostes te juntar àquele grupelho perseguido em que, porém, ainda se ria
E com elas e eles fizestes o que mais sabes: gritastes por quase 600 dias sem cansar

Com aquela teimosia, qual gente humilhada que nem a maior agrura cansa
Acabastes reconhecendo teu pai, que é também tua mãe: a Esperança.
L de tantas Lutas, Líder de tantas causas, quando ela foi desencarcerada
Quanta carícia represada para afagar o açoite, sem desejo de vingança.

Em meio ao pandemônio trancada, decerto avaliastes em quem a fome mais dói
Se em ti abandonada ou nela humilhada
Ambas filhas da injustiça de quem tudo destrói
Sobreviventes à sorte da violência armada.

Na casa da Esperança, com olhar esguio sobre tua poltrona
Vistes na TV o mal insólito da mentira desposar a ignorância nefasta.
Era um homem feito monstro. Dizia não ser coveiro e com o vírus pegava carona
Vociferando tudo o que com o bem contrasta.

Queriam matar-te, negra Resistência?
Com os ossos da fila desolada?
Com a alegria maligna por cima de cada cova escrachada?
Com o ministro passando boiada?

Mas o poeta avisou que a tristeza tem sempre uma Esperança
E o dia de ser menos triste anunciava
Qual estrela feita criança
Que a compaixão por todos os seres ainda pairava.

Amada Resistência, depois de tudo, vou te pedir um favor:
Que em 1º de janeiro subas a rampa, ao lado da Esperança,
Altiva como quando atravessastes a “canaleta” do pavor
Para habitar o Palácio em nome de todas as criaturas, como aquelas da Amazônia que ainda balança.

No poder dessa terra massacrada, grites pelos seres calados de todas as espécies
Faças barulho aos imobilizados por tanto ódio e às esmagadas por toda dor,
E de vez em quando não deixes de dar umas lambidas na Esperança
Que é para lembrá-la do nosso carinho, que no fundo é todo amor.

*Vilmar Debona é professor de filosofia na Universidade Federal de Santa Catarina.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Osvaldo Coggiola Elias Jabbour Priscila Figueiredo Heraldo Campos Érico Andrade Carlos Tautz Milton Pinheiro Eduardo Borges Francisco Fernandes Ladeira Rafael R. Ioris José Costa Júnior Tarso Genro Leonardo Avritzer Ricardo Abramovay Atilio A. Boron Alexandre de Lima Castro Tranjan Caio Bugiato Ronald Rocha José Micaelson Lacerda Morais Liszt Vieira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Antonio Martins Vladimir Safatle Gabriel Cohn Ladislau Dowbor Leda Maria Paulani Luiz Renato Martins Fernão Pessoa Ramos Francisco Pereira de Farias Eleutério F. S. Prado Manuel Domingos Neto Andrew Korybko Alexandre de Freitas Barbosa Thomas Piketty Manchetômetro Lincoln Secco Ricardo Musse Vanderlei Tenório Maria Rita Kehl Paulo Capel Narvai Marilia Pacheco Fiorillo Gerson Almeida João Carlos Loebens Luiz Roberto Alves Celso Frederico André Márcio Neves Soares João Paulo Ayub Fonseca Alysson Leandro Mascaro Daniel Costa José Geraldo Couto Gilberto Lopes Dênis de Moraes Antonino Infranca Gilberto Maringoni Claudio Katz Francisco de Oliveira Barros Júnior Jorge Branco Leonardo Boff Paulo Sérgio Pinheiro Flávio R. Kothe Eugênio Trivinho Bruno Fabricio Alcebino da Silva Igor Felippe Santos Salem Nasser José Dirceu Michel Goulart da Silva Jean Marc Von Der Weid Daniel Brazil Henry Burnett Kátia Gerab Baggio Marcelo Módolo Lorenzo Vitral Rubens Pinto Lyra José Luís Fiori Boaventura de Sousa Santos Yuri Martins-Fontes Alexandre Aragão de Albuquerque Andrés del Río Daniel Afonso da Silva Luiz Marques André Singer Fábio Konder Comparato Luís Fernando Vitagliano Everaldo de Oliveira Andrade Carla Teixeira Antônio Sales Rios Neto Luiz Carlos Bresser-Pereira Marilena Chauí João Carlos Salles Valerio Arcary Paulo Fernandes Silveira João Sette Whitaker Ferreira Marjorie C. Marona Berenice Bento José Machado Moita Neto Juarez Guimarães Marcus Ianoni Leonardo Sacramento Chico Alencar Valerio Arcary Rodrigo de Faria Bernardo Ricupero Remy José Fontana Eliziário Andrade Michael Löwy Sandra Bitencourt Benicio Viero Schmidt Matheus Silveira de Souza Walnice Nogueira Galvão Tadeu Valadares Armando Boito Vinício Carrilho Martinez Ronaldo Tadeu de Souza João Feres Júnior Luciano Nascimento Afrânio Catani Luiz Eduardo Soares Annateresa Fabris Otaviano Helene Luis Felipe Miguel Luiz Werneck Vianna Luiz Bernardo Pericás Eugênio Bucci Marcos Silva João Adolfo Hansen Flávio Aguiar Samuel Kilsztajn Sergio Amadeu da Silveira Marcos Aurélio da Silva Denilson Cordeiro João Lanari Bo Ari Marcelo Solon Jorge Luiz Souto Maior Ricardo Antunes Tales Ab'Sáber Fernando Nogueira da Costa Lucas Fiaschetti Estevez Paulo Martins José Raimundo Trindade Michael Roberts Mariarosaria Fabris Mário Maestri Renato Dagnino Bento Prado Jr. Ronald León Núñez Paulo Nogueira Batista Jr Bruno Machado Chico Whitaker Henri Acselrad Dennis Oliveira Marcelo Guimarães Lima Ricardo Fabbrini Jean Pierre Chauvin Anselm Jappe Slavoj Žižek Eleonora Albano Julian Rodrigues Airton Paschoa Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Celso Favaretto

NOVAS PUBLICAÇÕES