As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Isto se chama genocídio

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Michael Löwy*

O neofascista Bolsonaro diante da pandemia

Um dos fenômenos mais inquietantes dos últimos anos é a espetacular ascensão, no mundo inteiro, de governos de extrema direita, autoritários e reacionários, em alguns casos com traços neofascistas: Shinzo Abe (Japão), Modi (Índia), Trump (USA), Orban (Hungria) e Bolsonaro (Brasil) são os exemplos mais conhecidos. Não é surpreendente que vários deles reagiram à pandemia do coronavírus de forma absurda, negando ou subestimando dramaticamente o perigo.

Foi o caso de Donald Trump nas primeiras semanas, e de seu discípulo inglês, Boris Johnson, que chegou a propor que se deixasse o conjunto da população se infectar com o vírus, para assim “imunizar coletivamente” toda a nação – claro, com o custo de algumas centenas de milhares de mortes… Mas diante da crise, os dois tiveram de recuar, no caso de Boris Johnson, sendo ele mesmo gravemente atingido.

O caso do Brasil torna-se assim especial, porque o personagem do Palácio da Alvorada persiste em sua atitude “negacionista”, caracterizando o coronavírus como uma “gripezinha”, definição que merece entrar nos anais, não da medicina, mas da loucura política. Mas esta loucura tem sua lógica, que é a do “neofascismo”.

O neofascismo não é a repetição do fascismo dos anos 1930: é um fenômeno novo, com características do século 21. Por exemplo, não toma a forma de uma ditadura policial, respeita algumas formas democráticas: eleições, pluralismo partidário, liberdade de imprensa, existência de um Parlamento, etc. Naturalmente, trata, na medida do possível, de limitar ao máximo estas liberdades democráticas, com medidas autoritárias e repressivas. Tampouco se apoia em tropas de choque armadas, como o eram as SA alemãs ou o Fascio italiano.

Isto vale também para Bolsonaro: ele não é nem Hitler nem Mussolini, e não tem nem mesmo como referência a versão brasileira do fascismo nos anos 1930, o integralismo de Plínio Salgado. Enquanto que o fascismo clássico propugnava a intervenção massiva do Estado na economia, o neofascismo de Bolsonaro é totalmente identificado com o neoliberalismo, e tem por objetivo impor uma política socioeconômica favorável à oligarquia, sem nenhuma das pretensões “sociais” do fascismo antigo.

Um dos resultados desta versão fundamentalista do neoliberalismo é o desmantelamento do sistema de saúde pública brasileira (SUS), já bastante fragilizado pelas políticas de governos anteriores. Nestas condições, a crise sanitária decorrente da disseminação do coronavírus pode ter consequências trágicas, sobretudo para as camadas mais pobres da população.

Outra característica própria ao neofascismo brasileiro é que, apesar de sua retórica ultranacionalista e patrioteira, ele é completamente subordinado ao imperialismo americano, do ponto de vista econômico, diplomático, político e militar. Isto se manifestou também na reação ao coronavírus, quando se viu Bolsonaro e seus ministros imitar Donald Trump, culpando os chineses pela epidemia.

O que Bolsonaro tem em comum com o fascismo clássico é o autoritarismo, a preferência por formas ditatoriais de governo, o culto do Chefe (“Mito”) Salvador da Pátria, o ódio a esquerda e ao movimento operário. Mas não consegue organizar um partido de massas, nem tropas de choque uniformizas. Tampouco tem condições, por enquanto, de estabelecer uma ditadura fascista, um Estado totalitário, fechando o Parlamento e colocando fora da lei sindicatos e partidos de oposição.

O autoritarismo de Bolsonaro se manifesta no seu “tratamento” da pandemia, tentando impor, contra o Congresso, os governos estaduais e seus próprios ministros uma política cega de recusa das medidas sanitárias mínimas, indispensáveis para tentar limitar as dramáticas consequências da crise (confinamento, etc). Sua atitude tem também traços de social-darwinismo (típico do fascismo): a sobrevivência dos mais fortes. Se milhares de pessoas vulneráveis – idosos, pessoas de saúde frágil – virem a falecer, é o preço a pagar, afinal, “o Brasil não pode parar!”.

Um aspecto específico do neofascismo bolsonarista é seu o obscurantismo, o desprezo pela ciência, em aliança com seus apoiadores incondicionais, os setores mais retrógrados do neopentecostalismo “evangélico”. Esta atitude, digna do terraplanismo, não tem equivalente em outros regimes autoritários, mesmo aqueles que têm como ideologia o fundamentalismo religioso como é o caso do Irã. Max Weber distinguia religião, baseada em princípios éticos, e magia, a crença nos poderes sobrenaturais do sacerdote. No caso de Bolsonaro e seus amigos pastores neopentecostais (Malafala, Edir Macedo, etc) se trata mesmo de magia ou de superstição: parar a epidemia com “orações” e “jejuns”…

Embora Bolsonaro não tenha conseguido impor o conjunto de seu programa mortífero, uma parte dele – por exemplo, um relaxamento do confinamento – talvez se imponha, por meio de imprevisíveis negociações do presidente com seus ministros, militares ou civis.

Apesar do comportamento delirante do sinistro personagem atualmente instalado no Palácio da Alvorada, e da ameaça que ele representa para a saúde publica, uma parcela importante da população brasileira ainda o apoia, em maior ou menor medida. Segundo sondagens recentes, só 17% dos eleitores que votaram nele se mostram arrependidos de seu voto.

O combate da esquerda e das forças populares brasileiras contra o neofascismo ainda esta no começo; será preciso mais do que alguns simpáticos protestos de caçarolas para derrotar esta formação política teratológica. Certo, mais cedo ou mais tarde o povo brasileiro vai se libertar deste pesadelo neofascista. Mas qual será o preço a pagar, até lá?

Post Scriptum: Em 20 de abril Bolsonaro fez uma declaração significativa. Disse que cerca de “70% da população vai ser contaminada pelo Covid-19, isto é inevitável”. Claro, seguindo a lógica da “imunização de grupo” (proposta inicial de Trump e Boris Johnson, depois abandonada), isto talvez pudesse acontecer. Mas só seria “inevitável” se Bolsonaro conseguisse impor sua política de recusa das medidas de confinamento: “o Brasil não pode parar”.

Quais seriam as consequências? A taxa de mortalidade do Covid 19 no Brasil atualmente é de 7% das pessoas contaminadas. Um pequeno cálculo aritmético levaria à seguinte conclusão: (1) Se 70% da população brasileira fosse contaminada seriam 140 milhões de pessoas. (2) 7% de mortalidade de 140 milhões dá uns 10 milhões. (3) Se Bolsonaro conseguisse impor sua orientação, o resultado seriam dez milhões de brasileiros mortos.

Isto se chama, na linguagem penal internacional, genocídio. Por um crime equivalente, vários dignitários nazistas foram condenados à forca pelo Tribunal de Nuremberg.

*Michael Löwy é diretor de pesquisas, na França, do Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ronald Rocha Roberto Bueno Slavoj Žižek José Micaelson Lacerda Morais Andrew Korybko Jean Pierre Chauvin Kátia Gerab Baggio Caio Bugiato Michael Roberts Marcus Ianoni Paulo Capel Narvai João Sette Whitaker Ferreira Chico Whitaker Antonino Infranca Antonio Martins Atilio A. Boron Lorenzo Vitral Remy José Fontana Paulo Martins Annateresa Fabris Alexandre de Lima Castro Tranjan Leonardo Avritzer André Singer Fernando Nogueira da Costa Eugênio Bucci Dênis de Moraes Carlos Tautz Francisco Fernandes Ladeira Francisco de Oliveira Barros Júnior Plínio de Arruda Sampaio Jr. Sandra Bitencourt Eduardo Borges João Lanari Bo Tadeu Valadares Jorge Branco Samuel Kilsztajn Luiz Roberto Alves Benicio Viero Schmidt Luiz Costa Lima Bruno Fabricio Alcebino da Silva Julian Rodrigues Thomas Piketty Chico Alencar Gilberto Maringoni José Machado Moita Neto Everaldo de Oliveira Andrade Ari Marcelo Solon Vladimir Safatle José Geraldo Couto Walnice Nogueira Galvão Gerson Almeida Flávio R. Kothe Rafael R. Ioris Dennis Oliveira Otaviano Helene Gabriel Cohn Armando Boito Celso Favaretto Osvaldo Coggiola Manuel Domingos Neto Ricardo Fabbrini Yuri Martins-Fontes Manchetômetro Celso Frederico Valerio Arcary Juarez Guimarães Lincoln Secco João Carlos Loebens Valério Arcary Priscila Figueiredo Bento Prado Jr. Paulo Fernandes Silveira Eleonora Albano Liszt Vieira Carla Teixeira João Feres Júnior Luis Felipe Miguel Luiz Bernardo Pericás Jorge Luiz Souto Maior Daniel Afonso da Silva Denilson Cordeiro Afrânio Catani José Dirceu Antônio Sales Rios Neto Francisco Pereira de Farias Paulo Nogueira Batista Jr Eliziário Andrade Alysson Leandro Mascaro Anderson Alves Esteves Tarso Genro Luiz Eduardo Soares Henri Acselrad Berenice Bento Ricardo Abramovay Alexandre Aragão de Albuquerque João Paulo Ayub Fonseca Luiz Carlos Bresser-Pereira Elias Jabbour Vanderlei Tenório Mariarosaria Fabris Fernão Pessoa Ramos Henry Burnett Lucas Fiaschetti Estevez Rodrigo de Faria Michael Löwy Luiz Renato Martins Daniel Brazil André Márcio Neves Soares Heraldo Campos Rubens Pinto Lyra José Luís Fiori Leonardo Sacramento Ladislau Dowbor Renato Dagnino Claudio Katz Marcelo Guimarães Lima Marcos Aurélio da Silva Luciano Nascimento José Costa Júnior Ricardo Musse João Carlos Salles Ricardo Antunes Igor Felippe Santos Marjorie C. Marona Vinício Carrilho Martinez Alexandre de Freitas Barbosa Gilberto Lopes Paulo Sérgio Pinheiro Marilena Chauí Boaventura de Sousa Santos Ronald León Núñez Roberto Noritomi Eleutério F. S. Prado Luiz Werneck Vianna José Raimundo Trindade Leonardo Boff Airton Paschoa Bernardo Ricupero Marilia Pacheco Fiorillo Leda Maria Paulani João Adolfo Hansen Maria Rita Kehl Bruno Machado Eugênio Trivinho Luiz Marques Flávio Aguiar Fábio Konder Comparato Milton Pinheiro Salem Nasser Daniel Costa Luís Fernando Vitagliano Jean Marc Von Der Weid Tales Ab'Sáber Érico Andrade Mário Maestri Sergio Amadeu da Silveira Marcos Silva Ronaldo Tadeu de Souza Anselm Jappe Marcelo Módolo

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada