Ruy Fausto: Reconstruir a dialética

Imagem: ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MICHAEL LÖWY*

Comentário sobre a edição francesa de Marx: Lógica e Política

Marx é hoje tratado “como Spinoza na época de Lessing”, como Hegel na época de Marx: como “cachorro morto”. Conforme observa Ruy Fausto no prefácio de seu livro, à moda marxista apressada dos anos 60 sucede uma nova moda antimarxista superficial: “estamos saindo de onde jamais entramos…”

Esse livro vai, portanto, à contracorrente. Não porque ele se recuse a criticar o marxismo, mas porque considera tal crítica – necessária em vários aspectos – impossível do ponto de vista teórico, caso não seja seguida a racionalidade dialética clássica (Hegel e Marx).

Os textos que compõem o livro abordam diferentes questões: a relação marxismo / humanismo (ou antropologia), a lógica dialética na crítica da economia política, os vínculos entre o “jovem” e o “velho” Marx. Apesar dessa aparente diversidade – materiais heterogêneos, sobre temas distintos, escritos em diferentes épocas -, é notável a unidade metodológica e a coerência teórica do todo. Filósofo de formação – ele ensina filosofia na Universidade de São Paulo e na Universidade de Paris VIII – Ruy Fausto utiliza um método definitivamente interdisciplinar, articulando a reflexão lógica com os temas concretos da ciência econômica e da teoria política.

O que mais se poderia dizer sobre Marx? – perguntam algumas mentes cansadas. Esquecem-se, desse modo, de que Marx (assim como Platão, Hegel e Nietzsche) é desse tipo de pensador inesgotável, que suscita, em cada época, em cada período histórico, político ou cultural, novas interpretações e novas críticas ou refutações.

A originalidade do livro de Fausto se manifesta em vários níveis:

Primeiramente, numa postura em relação ao marxismo que recusa as soluções habituais, ou seja, tanto a defesa de uma ortodoxia quanto as falsas “superações”. Essa orientação lhe permite mostrar (sobretudo a partir dos escritos de Castoriadis) que toda crítica ao Capital que não leve a sério a dialética enquanto discurso da contradição só pode fracassar, ficando aquém de Marx.

Além disso, há uma nova posição sobre o debate entre defensores e adversários do humanismo teórico (antropologia), que traça os fundamentos – através da Aufhebung desses dois polos tradicionais – para uma outra leitura da obra de Marx (dos escritos de juventude ao Capital) capaz de superar os limites do entendimento pré-dialético.

Por fim, contribui-se para a “reconstrução da dialética”, polemizando com as principais tendências do cenário filosófico atual: neomoralismo, teorias da morte humana, filosofias da irresponsabilidade, positivismo tecnocrático.

Essa reconstrução implica a redescoberta do rigor lógico dos conceitos dialéticos – a despeito da opinião predominante cada vez mais voltada para o formalismo ou o empirismo. A esse respeito, parece-me que Fausto se equivoca ao traduzir Aufhebung por “suprimir”. A crítica que ele faz do termo “subsumir” usada por Labarrière e Jurczyk em sua tradução da Ciência da Lógica é pertinente: o termo não expressa suficientemente o lado negativo do conceito hegeliano. No entanto, como ele próprio reconhece, o termo “suprimir” peca pelo oposto: não expressa o lado positivo. Infelizmente, talvez seja necessário continuar empregando uma palavra dupla – por exemplo, “superar/suprimir” – para dar conta da contradição que está no coração da lógica da Aufhebung… Como Fausto enuncia muito bem, qualquer tentativa de “esclarecer” demais o pensamento dialético hegeliano acaba falhando, pois esse pensamento não é “claro” no sentido usual da palavra (o do entendimento).

*Michael Löwy é diretor de pesquisas do Centre National de la Recherche Scientifique (França) autor, entre outros livros, de A teoria da revolução no jovem Marx (Boitempo).

Tradução: Ilan Lapyda

Publicado originalmente na revista La Quinzaine Littéraire (1º-15 junho, 1987).

Referência

Ruy Fausto. Marx: logique et politique. Préface: Jean Toussaint Desanti. Paris, Publisud, 1986 (https://amzn.to/44k2gpP).

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Heraldo Campos Jorge Branco Daniel Brazil João Carlos Salles Marcelo Guimarães Lima José Costa Júnior Mário Maestri Igor Felippe Santos André Singer Eleonora Albano Leonardo Avritzer Lincoln Secco Bruno Machado Marcus Ianoni Michel Goulart da Silva Jean Pierre Chauvin Luiz Roberto Alves Marcos Aurélio da Silva Fernão Pessoa Ramos Paulo Sérgio Pinheiro Marcos Silva Paulo Capel Narvai Ari Marcelo Solon Francisco Fernandes Ladeira Jorge Luiz Souto Maior Vinício Carrilho Martinez Walnice Nogueira Galvão Denilson Cordeiro Dennis Oliveira Ronaldo Tadeu de Souza Samuel Kilsztajn Luiz Marques Jean Marc Von Der Weid Luiz Carlos Bresser-Pereira Afrânio Catani Boaventura de Sousa Santos Anderson Alves Esteves Benicio Viero Schmidt Armando Boito Tadeu Valadares Luiz Bernardo Pericás Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ladislau Dowbor Luiz Renato Martins Tarso Genro Mariarosaria Fabris Luiz Eduardo Soares Kátia Gerab Baggio Paulo Nogueira Batista Jr Henry Burnett Marjorie C. Marona Thomas Piketty Maria Rita Kehl Caio Bugiato Alexandre Aragão de Albuquerque Matheus Silveira de Souza Eliziário Andrade Rafael R. Ioris Francisco Pereira de Farias Gerson Almeida Ricardo Antunes Marilia Pacheco Fiorillo Manuel Domingos Neto Claudio Katz Ricardo Abramovay José Micaelson Lacerda Morais Érico Andrade Leda Maria Paulani Yuri Martins-Fontes João Carlos Loebens Salem Nasser Leonardo Sacramento João Adolfo Hansen Andrew Korybko Alysson Leandro Mascaro Gilberto Maringoni Rodrigo de Faria Luís Fernando Vitagliano Manchetômetro José Dirceu Sandra Bitencourt Chico Alencar Slavoj Žižek Tales Ab'Sáber Everaldo de Oliveira Andrade Daniel Afonso da Silva Atilio A. Boron José Raimundo Trindade André Márcio Neves Soares Bento Prado Jr. Chico Whitaker Carla Teixeira João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Fabbrini Paulo Fernandes Silveira José Machado Moita Neto Milton Pinheiro Remy José Fontana Eduardo Borges Eleutério F. S. Prado Eugênio Trivinho Paulo Martins Ricardo Musse Celso Frederico Lorenzo Vitral Fernando Nogueira da Costa Priscila Figueiredo Bernardo Ricupero Marilena Chauí Vanderlei Tenório Gilberto Lopes Michael Roberts João Feres Júnior Vladimir Safatle Antônio Sales Rios Neto Annateresa Fabris Henri Acselrad Valerio Arcary Leonardo Boff Andrés del Río Sergio Amadeu da Silveira Ronald Rocha Michael Löwy José Luís Fiori José Geraldo Couto Liszt Vieira Luis Felipe Miguel Dênis de Moraes Airton Paschoa Elias Jabbour Osvaldo Coggiola Ronald León Núñez Juarez Guimarães Otaviano Helene Julian Rodrigues João Lanari Bo Eugênio Bucci Flávio Aguiar Bruno Fabricio Alcebino da Silva Alexandre de Freitas Barbosa Celso Favaretto Flávio R. Kothe Anselm Jappe Antonio Martins João Sette Whitaker Ferreira Luiz Werneck Vianna Carlos Tautz Lucas Fiaschetti Estevez Fábio Konder Comparato Berenice Bento Rubens Pinto Lyra Daniel Costa Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcelo Módolo Alexandre de Lima Castro Tranjan Valerio Arcary Antonino Infranca Renato Dagnino Luciano Nascimento Gabriel Cohn

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada