O caminho da simplicidade

Imagem_ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

Ofereço aqui um método que eu chamo “Meditação da Luz: o caminho da simplicidade”. Ele tem uma alta ancestralidade no Oriente e no Ocidente. Tem a ver com o espírito e todo o corpo humano mas em particular com o cérebro, a sede de nossa consciência e inteligência

A grande maioria está atendendo às recomendações oficiais de recolhimento social, impedindo desta forma a disseminação do covid-19.

Podem-se fazer muitas coisas nesse recolhimento forçado: uma revisão de vida; que lições tirar para o futuro; como mudar para melhor; ver um filme, etc.

Mas oferece-se também a oportunidade de fazer algum exercício de meditação. Não somente para as pessoas religiosas, mas também para aquelas que, sem ligação à alguma religião, cultivam valores como o amor, a cooperação, a empatia e a compaixão.

Ofereço aqui um método que eu chamo “Meditação da Luz: o caminho da simplicidade”. Ele tem uma alta ancestralidade no Oriente e no Ocidente. Tem a ver com o espírito e todo o corpo humano mas em particular com o cérebro, a sede de nossa consciência e inteligência.

Não é o lugar aqui para discutirmos as três sobreposições do cérebro: o reptiliano que diz respeito ao nossos movimento instintivos; o límbico, aos sentimentos, e o neo-cortical, ao raciocínio, à lógica e à linguagem.

 O cérebro humano e seus dois hemisférios

Tratemos, sucintamente, do cérebro que possui uma forma de concha com dois hemisférios:

O esquerdo que responde pela análise, pelo discurso lógico, pelos conceitos, pelos números e pelas conexões causais.

O direito responde pela síntese, pela criatividade, pela intuição, pelo lado simbólico das coisas e dos fatos e pela percepção de uma totalidade.

No meio está o corpo caloso que separa e ao mesmo tempo une os dois hemisférios.

Outro ponto importante do cérebro é o lobo frontal, sede da mente humana. Há muitas teorias sobre a relação entre cérebro e mente. Vários neurocientistas sustentam que a mente é o nome que damos à realidades intangíveis, elaboradas no cérebro, tais como a vida afetiva, o amor, a honestidade, a arte, a fé, a religião, a reverência e a experiência do numinoso e do sagrado.

A mente espiritual e o Ponto Deus no cérebro

Outro ponto a ser referido é a mente espiritual. A antropologia cultural se deu conta de que em todas as culturas surgem sempre duas constantes: a lei moral na consciência e a percepção de uma Realidade que transcende o mundo espaçotemporal e que concerne ao universo e ao sentido da vida. Repousam em alguma estrutura neuronal, mas não são neurônios. São de outra natureza até agora inexplicável. Vários neurocientistas a chamaram de mente mística (mystical mind). Prefiro uma expressão mais modesta: mente espiritual.

Aprofundando a mente espiritual outros neurocientistas e neurolinguistas chegaram a identificar o que chamaram o ponto Deus no cérebro. Constataram que sempre que o ser humano se interroga existencialmente sobre o sentido do Todo, do universo, de sua vida e pensa seriamente sobre uma Ultima Realidade, produz-se uma descomunal aceleração dos neurônios do lobo frontal. Aponta para um órgão interior de qualidade especial. Disseram que assim como temos órgãos externos, os olhos, os ouvidos, o tato temos também um órgão interno, uma vantagem de nossa evolução humana. Deram-lhe o nome de o ponto Deus no cérebro. Mediante esse órgão-ponto captamos Aquela Realidade que tudo unifica e sustenta, desde o universo estrelado, a nossa Terra e a nós mesmos: a Fonte que faz ser tudo o que é. Cada cultura dá-lhe um nome: o Grande Espírito dos indígenas, Alá, Shiva, Tao, Javé, Olorum dos nagô e nós simplesmente de Deus (que em sânscrito significa o Gerador da luz, donde vem também a palavra dia).

A natureza misteriosa da luz

Antes de nos focarmos na Meditação da Luz, cabe uma palavra sobre a natureza da luz. Ela é tida até hoje como um fenômeno tão singular para a ciência, como a física quântica e a astrofísica que preferiu-se dizer: a entendemos melhor se a consideramos uma partícula material (que pode ser barrada por uma placa de chumbo) e simultaneamente uma onda energética que percorre o universo à velocidade de 300 mil km por segundo. Biólogos chegaram a discernir que todos os organismos vivos emitem luz, os  biofótons, invisíveis a nós mas captáveis por aparelhos sofisticados. A sede desta bioluz estaria nas células de nosso DNA. Portanto, somos seres de luz Ademais a luz é um dos maiores símbolos humanos e o nome que se dá à Divindade ou a Deus como Luz infinita e eterna.

Meditação da luz: caminho oriental e ocidental

Vamos finalmente ao tema: Como é essa meditação da luz? Fundamentalmente tanto o Oriente quanto o Ocidente comungam da mesma intuição: do Infinito nos vem um raio sagrado de Luz que incide em nossa cabeça (corpo caloso), penetra todo o nosso ser (os chacras), ativa os biofótons, sana nossas feridas, nos enleva e nos transforma também em seres de luz.

Conhecido é o método budista em três passos: diante de uma vela acesa, se concentra e diz: eu estou na luz; a luz está em mim; eu sou luz. Essa luz se expande do corpo para tudo o que está ao redor, para Terra, para as galáxias mais distantes. Permite uma experiência de não dualidade: tudo é um e eu estou no Todo.

O caminho ocidental se parece com o oriental. Era praticado pelos primeiros cristãos em Alexandria no Egito que professavam ser Deus luz, Jesus, luz do mundo e o Espírito Santo,  a “Lux Beatissima”

Sigam comigo os seguintes passos: colocar-se num lugar cômodo, como ao pé da cama, ao levantar ou ao deitar ou num canto mas recolhido. Concentrar-se para abrir o corpo caloso e invocar o raio da Luz Beatíssima que provém do infinito do céu.

Esse raio de Luz sagrada, incidindo, já permite a união dos dois hemisférios do cérebro, produzindo grande equilíbrio entre razão e sentimento. Em seguida, deixe que essa Luz divina comece lentamente a penetrar todo o seu corpo: o cérebro, as vias respiratórias, os pulmões, o coração, o aparelho digestivo, os órgãos genitais, as pernas e os pés. Pare-a especialmente nas partes que estão doentes e produzem dor. Já que a Luz desceu, faça-a voltar, penetrando novamente todo o seu ser e seus órgãos.

Benefícios da meditação da luz

Antes de mais nada, começa a sentir que essa Luz divina potencia suas energias, lhe traz leveza a todo o seu ser corporal e espiritual. Dê-se um pouco de tempo, para curtir essa Energia divina que o energiza totalmente. Por fim, agradeça ao Espírito de Luz que é o Espírito Santo. Lentamente seu corpo caloso se fecha e vc sai mais espiritualizado, mais humanizado e com mais coragem para enfrentar o peso da vida.

Você pode fazer esse exercício mentalmente no ônibus, ao parar no semáforo, na fábrica, no escritório ou em qualquer tempinho que tenha no dia.

Todos os que se acostumaram a fazer esse tipo de meditação – via da simplicidade – testemunham como ficam mais resistentes na saúde, ganham mais clareza nas questões complicadas e as ideias fixas e os preconceitos os tornam mais superáveis, enfim você se torna um ser melhor e sua luz irradia sobre outros. Tente fazer essa meditação simples e verá seu valor corporal e espiritual.

*Leonardo Boff é teólogo. Autor, entre outros livros de Meditação da luz: o caminho da simplicidade (Vozes).

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Carlos Tautz Alysson Leandro Mascaro Paulo Capel Narvai Igor Felippe Santos Michael Roberts Michel Goulart da Silva Marjorie C. Marona Osvaldo Coggiola Dennis Oliveira Eduardo Borges Ronald Rocha Denilson Cordeiro Rubens Pinto Lyra Luiz Marques Gerson Almeida Henri Acselrad Érico Andrade Bruno Machado Fernando Nogueira da Costa Boaventura de Sousa Santos Bruno Fabricio Alcebino da Silva Afrânio Catani Marilia Pacheco Fiorillo Gabriel Cohn Carla Teixeira Matheus Silveira de Souza Alexandre de Freitas Barbosa André Singer Jean Marc Von Der Weid José Micaelson Lacerda Morais Marilena Chauí Sergio Amadeu da Silveira Elias Jabbour Vinício Carrilho Martinez João Feres Júnior Marcos Aurélio da Silva Paulo Sérgio Pinheiro Luciano Nascimento Rafael R. Ioris Mariarosaria Fabris Lorenzo Vitral Paulo Martins José Raimundo Trindade Fábio Konder Comparato Caio Bugiato Renato Dagnino Ari Marcelo Solon Daniel Afonso da Silva Leonardo Sacramento Eugênio Trivinho João Adolfo Hansen Flávio Aguiar Annateresa Fabris Plínio de Arruda Sampaio Jr. Yuri Martins-Fontes Leonardo Boff Paulo Nogueira Batista Jr Celso Frederico Daniel Costa Luiz Bernardo Pericás Chico Alencar Henry Burnett Leda Maria Paulani Antonino Infranca Manchetômetro Vladimir Safatle Anselm Jappe Michael Löwy Mário Maestri Jorge Branco Andrew Korybko Valerio Arcary Manuel Domingos Neto Marcelo Guimarães Lima Ricardo Fabbrini Lincoln Secco Andrés del Río Daniel Brazil Benicio Viero Schmidt José Costa Júnior Dênis de Moraes Liszt Vieira José Dirceu Atilio A. Boron Celso Favaretto Milton Pinheiro Ronald León Núñez Paulo Fernandes Silveira Tadeu Valadares José Geraldo Couto Luis Felipe Miguel Remy José Fontana Rodrigo de Faria Ricardo Abramovay João Sette Whitaker Ferreira Marcos Silva Maria Rita Kehl Vanderlei Tenório Luís Fernando Vitagliano João Lanari Bo Airton Paschoa Juarez Guimarães Sandra Bitencourt Ladislau Dowbor João Carlos Salles Chico Whitaker Gilberto Maringoni Bernardo Ricupero Luiz Renato Martins Jorge Luiz Souto Maior Heraldo Campos Walnice Nogueira Galvão Fernão Pessoa Ramos Armando Boito Anderson Alves Esteves Priscila Figueiredo Julian Rodrigues Francisco de Oliveira Barros Júnior José Machado Moita Neto João Carlos Loebens Jean Pierre Chauvin Otaviano Helene Marcus Ianoni Eleonora Albano Valerio Arcary Claudio Katz Leonardo Avritzer Flávio R. Kothe Ricardo Antunes Antonio Martins Eliziário Andrade Antônio Sales Rios Neto Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Eduardo Soares Ricardo Musse Luiz Werneck Vianna José Luís Fiori Salem Nasser Ronaldo Tadeu de Souza Thomas Piketty João Paulo Ayub Fonseca Samuel Kilsztajn Eugênio Bucci Slavoj Žižek Bento Prado Jr. Marcelo Módolo Lucas Fiaschetti Estevez Tales Ab'Sáber Alexandre de Lima Castro Tranjan Francisco Pereira de Farias Francisco Fernandes Ladeira Tarso Genro Alexandre Aragão de Albuquerque Berenice Bento Gilberto Lopes Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Roberto Alves André Márcio Neves Soares Eleutério F. S. Prado Kátia Gerab Baggio

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada