O PCO e o STF

Marcelo Guimarães Lima, Still Life Fruit, 2021.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARCELO GUIMARÃES LIMA*

A censura ao PCO interdita o debate político-ideológico

A falaciosa “equiparação dos extremos” é utilizada pelo ministro do STF, Alexandre de Moraes, para um ato grave de censura contra o pequeno e combativo, por vezes estridente, Partido da Causa Operária.[1] Afinal, as críticas contundentes do PCO à atuação do STF e do citado juiz, jamais pregaram atentados contra pessoas e instituições, nunca insuflaram a violência física contra os magistrados, como é o caso da militância, remunerada ou não, de Jair Bolsonaro e seus aliados.

No caso do PCO, trata-se de uma crítica de argumentação político-ideológica, com a qual é possível concordar ou discordar tanto na forma quanto no conteúdo, mas que exige resposta, positiva ou negativa, nos termos do debate ideológico argumentado, racional, público, se levamos a sério os valores da inteligência em geral e da liberdade de opinião e expressão na chamada democracia liberal.

Caso contrário, as grandiloquentes declarações nas atuais instituições da combalida democracia brasileira sobre os valores da liberdade, serão, ou são de fato, meras palavras destinadas a confundir e impedir a compreensão dos fatos e processos reais por detrás das máscaras ideológicas do discurso público “democrático”. Afinal, o líder da extrema direita nacional, Jair Bolsonaro, que, de modo até aqui impune, desrespeita as leis do país diariamente, seja em infrações de trânsito ou em iniciativas inconstitucionais e outras de (des)governo, também se diz defensor da “liberdade”.

Aqui podemos observar que a degradação da linguagem é característica dos tempos neoliberais que vivemos mundialmente. A ação do ministro contra o PCO pode, evidentemente, ser vista como resposta no plano do poder de fato, que nem sempre se equipara ao poder de direito, ao discurso crítico o qual, em teoria, é direito dos cidadãos.

O douto juiz Alexandre de Moraes, é autor de um livro sobre direitos humanos. Seguramente faz ideia do alcance de seus atos para o debate político na esfera pública da chamada democracia brasileira e para os chamados direitos fundamentais da cidadania, incluindo o direito da informação e expressão de ideias sobre o atual ordenamento da sociedade em seu conjunto, seus graves desequilíbrios e impasses, e as possíveis e desejáveis alternativas ao mesmo.

Caberia aqui lembrar a triste atuação do STF em seu conjunto na longa preparação e participação na deposição ilegal e injusta da presidenta Dilma Rousseff? No respaldo à malfadada e ilegal Operação Lava-jato? Na prisão ilegal, injusta, politicamente motivada de Lula? A convicta e energética participação do ministro Alexandre de Moraes no (des)governo Temer?

O governo Temer e seus aliados nas instituições e na mídia, que deixou como herança principal a crise política e a destituição de direitos dos trabalhadores, prepararam o caminho para a presidência de Jair Bolsonaro. O resultado do golpe de 2016, aprofundado em 2018, é a atual situação calamitosa do ordenamento social brasileiro, situação maquiada pela mídia hegemônica conservadora, no contexto de uma grave crise da ordem mundial, ordem sustentada pela potência dominante global, os EUA e seus parceiros da União Europeia.

O desgoverno Bolsonaro agrava em muito os efeitos da crise mundial na vida cotidiana do povo brasileiro. E não há resposta à altura da gravidade e da urgência dos problemas (pandemia, perda de direitos, perda de recursos materiais básicos, perda de soberania, corrupção, desemprego, inflação, etc.) que afetam o povo e a nação por parte das chamadas instituições democráticas.

Seguramente, o ministro Alexandre de Moraes pode se sentir pessoalmente ofendido ao ser chamado de “skinhead de toga” pelo PCO.[2] A imagem pode ser meramente ilustrativa, como alegam, ou aludir ao extremismo ideológico dos skinheads. Não deixa de ter alguma pertinência poética na economia geral do discurso ideológico de combate. Pode ser considerada algo excessiva, de extremado mau gosto, pelos cultores da justa medida estilística e discursiva.

O que não é pertinente ou razoável, é que a resposta do ministro extrapole o campo discursivo da pessoalidade, digamos assim, para o qual existem esferas jurídicas próprias, e a matéria seja enquadrada como atentado ao cargo público e à instituição. Ademais, a ação do ministro Alexandre de Moraes dá argumentos aos críticos do atual regime “pós-democrático”, vale aqui o eufemismo, implantado no Brasil com o golpe parlamentar-jurídico-mediático de 2016: para muitos, vivemos no país uma situação de “fake democracia”.

Neste momento, a prevista derrocada eleitoral de Jair Bolsonaro parece exigir da direita brasileira uma reformulação da sua estratégia de poder e da sua imagem pública comprometida pelo neofascismo militante. A ação do ministro Alexandre de Moraes surpreende como inadequada para a pretendida afirmação da “pós-democracia” brasileira no cenário interno e externo.

O PCO é um partido pequeno nos números e nos recursos. Sua prática política aguerrida e estilo contundente nas críticas, que, por vezes, para alguns extrapola a razoabilidade na forma e/ou no conteúdo e termina por perder alcance e eficácia, se desagrada a muitos, também é valorizada por outros, por gente que entende que a falta de radicalidade na compreensão e atuação em contextos críticos é na verdade o problema maior para o enfrentamento e a contestação dos inimigos do povo e da nação brasileira.

Neste particular, não é necessário ser trotskista, neo-trotskista, marxista-leninista, etc., para entender que o PCO, entre outros, cumpre um papel de apresentar perspectivas outras sobre a presente situação do país e os caminhos da superação da crise atual. Concordemos ou não, isto amplia o debate necessário. E o alcance do PCO nas redes confirma isto.

Vale lembrar igualmente que na história moderna do Brasil, a criminalização e eliminação legal e mesmo física dos partidos de esquerda foi sempre o recurso que a classe dominante utilizou em momentos críticos com o mesmo resultado: a ditadura, a tortura, o assassinato de opositores, o agravamento das crises econômicas, a fome e a miséria do povo.

A ditadura, a censura, a tortura pesam na história do país. Os nomes de políticos, generais, empresários, jornalistas, servidores do estado, etc. associados aos golpes e às ditaduras formam uma galeria da infâmia na memória nacional. Estes passam no tempo, a memória permanece.

*Marcelo Guimarães Lima é artista plástico, pesquisador, escritor e professor.

 

Notas


[1] https://www.brasil247.com/regionais/brasilia/alexandre-de-moraes-inclui-pco-no-inquerito-das-fake-news-e-bloqueia-contas-do-partido-nas-redes-sociais

[2] https://www.causaoperaria.org.br/rede/dco/politica/pco-convoca-a-esquerda-a-repudiar-ataque-gravissimo-do-stf/

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ladislau Dowbor Marcelo Módolo Gilberto Lopes Anselm Jappe Antonio Martins Ronald León Núñez Julian Rodrigues Marilena Chauí Gilberto Maringoni Francisco Fernandes Ladeira João Sette Whitaker Ferreira Samuel Kilsztajn Airton Paschoa Ricardo Antunes Walnice Nogueira Galvão Paulo Sérgio Pinheiro Yuri Martins-Fontes Marcos Silva Fernando Nogueira da Costa Paulo Capel Narvai Alexandre Aragão de Albuquerque Denilson Cordeiro José Machado Moita Neto Sergio Amadeu da Silveira João Adolfo Hansen João Feres Júnior Sandra Bitencourt Elias Jabbour Eduardo Borges Francisco de Oliveira Barros Júnior José Costa Júnior Kátia Gerab Baggio Milton Pinheiro Atilio A. Boron José Luís Fiori Vladimir Safatle Salem Nasser Celso Frederico Jorge Branco Renato Dagnino Luiz Eduardo Soares Dennis Oliveira Daniel Brazil Marcus Ianoni Flávio R. Kothe Annateresa Fabris Rubens Pinto Lyra Mário Maestri Gerson Almeida Gabriel Cohn Matheus Silveira de Souza Marjorie C. Marona Leonardo Sacramento Igor Felippe Santos Manchetômetro Dênis de Moraes Heraldo Campos Fernão Pessoa Ramos Osvaldo Coggiola José Dirceu Luiz Bernardo Pericás Érico Andrade Jorge Luiz Souto Maior Slavoj Žižek Marcos Aurélio da Silva Jean Pierre Chauvin Celso Favaretto Andrés del Río Bento Prado Jr. André Singer Eleonora Albano Vinício Carrilho Martinez Maria Rita Kehl Valerio Arcary Carla Teixeira Daniel Costa Manuel Domingos Neto Berenice Bento José Micaelson Lacerda Morais Priscila Figueiredo Afrânio Catani Thomas Piketty Paulo Fernandes Silveira Bernardo Ricupero Alysson Leandro Mascaro Michael Löwy Juarez Guimarães Lucas Fiaschetti Estevez Anderson Alves Esteves André Márcio Neves Soares Lincoln Secco Tales Ab'Sáber Bruno Machado João Lanari Bo Antonino Infranca Boaventura de Sousa Santos Antônio Sales Rios Neto Eleutério F. S. Prado Daniel Afonso da Silva Michael Roberts Otaviano Helene Marilia Pacheco Fiorillo Luis Felipe Miguel Andrew Korybko Plínio de Arruda Sampaio Jr. Fábio Konder Comparato Chico Alencar Rodrigo de Faria Marcelo Guimarães Lima Valerio Arcary Michel Goulart da Silva Caio Bugiato Ari Marcelo Solon Henry Burnett Remy José Fontana Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Carlos Bresser-Pereira Eugênio Bucci Chico Whitaker Tarso Genro Lorenzo Vitral Tadeu Valadares Ricardo Musse Francisco Pereira de Farias Eliziário Andrade Rafael R. Ioris José Raimundo Trindade Leonardo Boff José Geraldo Couto João Carlos Loebens João Carlos Salles Ronald Rocha Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Nogueira Batista Jr João Paulo Ayub Fonseca Luiz Renato Martins Jean Marc Von Der Weid Luiz Marques Mariarosaria Fabris Ricardo Fabbrini Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Werneck Vianna Benicio Viero Schmidt Leda Maria Paulani Carlos Tautz Everaldo de Oliveira Andrade Luciano Nascimento Leonardo Avritzer Vanderlei Tenório Liszt Vieira Luís Fernando Vitagliano Luiz Roberto Alves Armando Boito Claudio Katz Henri Acselrad Paulo Martins Flávio Aguiar Ricardo Abramovay Ronaldo Tadeu de Souza Eugênio Trivinho

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada