O conformista

Imagem: Zachary DeBottis
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOÃO LANARI BO*

Comentário sobre o filme dirigido por Bernardo Bertolucci

Fascismo: das palavras que a cultura política do século XX forjou, essa é sem dúvida uma das mais contundentes, carregada de significações e acusticamente poderosa. A etimologia confirma a contundência: o termo é derivado do latim fasces, feixe de varas amarradas em volta de um machado, símbolo do poder conferido aos magistrados na Roma antiga de flagelar e decapitar cidadãos desobedientes.

Hoje, associamos o fascismo à filosofia política que exalta a nação e a raça acima do indivíduo e que defende, no limite, governos autocráticos e centralizados, liderados por ditadores propensos à supressão forçada da oposição. No século XXI, a palavra (e o conceito) se atualizaram no ambiente digital das redes sociais, e passaram também a designar comportamentos e ações que estão à nossa volta: seu uso político, que ganhou com Mussolini e sua turma expressão institucional lá pelos idos de 1919, na Itália, retornou com força total.

O cinema, em particular o italiano, aventurou-se pelos meandros da psique fascista com destreza, sobretudo nos anos produtivos de 1950 a 70, quando era, nas palavras de Martin Scorcese, um dos melhores, senão o melhor, cinema do mundo. O conformista, que Bernardo Bertolucci realizou em 1970, é uma das joias dessa cinematografia: composições impressionantes de luz, sombra e linhas diagonais, aliadas a um exuberante design de produção que recria a arquitetura e as artes decorativas da Itália fascista, resultam numa conexão entre a mentalidade que produziu esse mundo e a interioridade do personagem que nele habita, o conformista. Um homem que queria ser um fascista anônimo e perfeito: para enfatizar esse ambiente mental, é preciso contê-lo em espaços singularmente fascistas, construídos por composições exemplarmente fascistas.

Baseado no livro de 1951 de Alberto Moravia, O conformista é quase um filme de gângsteres – Orson Welles dizia que o fascismo era o gangsterismo na política. Marcello Clerici (Jean-Louis Trintignant, num de seus melhores papéis), é a âncora que narra os acontecimentos, passados e futuros, como num fluxo de consciência. Em flashbacks cronologicamente erráticos, grandes saltos de uma cena para outra, muitos deles irrealistas ou oníricos, refazemos a formação do caráter fascista que distingue o personagem.

Ainda pré-adolescente teve um encontro traumático com o motorista da família, Lino (Pierre Clementi), que o seduz e termina sendo morto pelas mãos de Marcelo: culpa e repugnância. Um casamento oportuno e emocionalmente vazio com Giulia (Stefania Sandrelli) se segue, até que recebe a incumbência de matar seu antigo mentor, Professor Quadri (Enzo Tarascio).

O Professor, que vive exilado em Paris, foi seu orientador na tese que escreveu sobre a alegoria da caverna de Platão – presos que conheceram apenas as sombras na parede, sombras que são a verdadeira versão da realidade. A menção da tese pelo Professor dá ensejo a Vittorio Storaro de produzir um dos melhores momentos fotográficos do filme – que é, claro, pleno de enquadramentos rigorosos e imprevistos, reflexos e tons saturados, sobretudo azuis e vermelhos, capturando a insegurança e o terror que se instalam na alma dos transeuntes.

Marcello torna-se obsessivo com a esposa de Quadri, Anna (Dominique Sanda): os detalhes exatos da missão só se revelam lentamente, causando infelicidade a Marcello. Sua consciência é espacial: trafegamos entre os vastos vazios dos prédios fascistas-modernistas, um hospital psiquiátrico ao ar livre onde seu pai está internado e um salão de baile lotado de dançarinos parisienses, onde sua esposa dança de rosto colado com sua amante.

Todo esse imaginário é pontuado pela visão a um só tempo freudiana e marxista de Bernardo Bertolucci: o fascismo é matriz histórica de pulsões libidinais e violentas, atomizadas na prática dos indivíduos que a exercem, institucionalmente ou não, como Marcello – mesmo que ele tenha passado a vida escondendo a identidade na fachada anódina de um perfeito conformista, comportando-se da maneira menos aberrante possível, em uma palavra, normal.

Para o público brasileiro, um instante especial: uma breve e fugaz aparição de Joel Barcelos, ator emblemático do Cinema Novo, no grupo de pupilos do Professor Quadri. O conformista é um filme sobre a passagem do tempo e a força do destino, mas, como ressalta seu diretor, não converge para uma catarse positivada, como nas tragédias gregas: em lugar do destino, sobressai o inconsciente histórico de Marcello. Perto do fim, ele olha para sua filha pequena e em seguida entra na Roma devastada que ajudou a criar.

*João Lanari Bo é professor de cinema da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília (UnB).

Referência


O conformista
Itália\França\Alemanha, 1970, 107 minutos
Direção: Bernardo Bertolucci
Roteiro: Alberto Moravia, Bernardo Bertolucci
Fotografia: Vittorio Storaro
Elenco: Jean-Louis Trintignant, Pierre Clementi, Stefania Sandrelli, Enzo Tarascio, Dominique Sanda.

Disponível na plataforma MUBI, em cópia restaurada

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eduardo Borges Luiz Bernardo Pericás Gabriel Cohn Kátia Gerab Baggio Boaventura de Sousa Santos Marjorie C. Marona Rafael R. Ioris Marilena Chauí Mário Maestri Jorge Branco Ronald León Núñez Caio Bugiato Ricardo Abramovay Paulo Martins Leonardo Sacramento Eleonora Albano Paulo Sérgio Pinheiro Luciano Nascimento Francisco Pereira de Farias Chico Alencar Jean Pierre Chauvin Walnice Nogueira Galvão João Carlos Loebens Celso Frederico Julian Rodrigues Paulo Fernandes Silveira Annateresa Fabris Samuel Kilsztajn Eliziário Andrade Sandra Bitencourt Henry Burnett Leda Maria Paulani Flávio Aguiar Gerson Almeida Michael Löwy Daniel Costa Maria Rita Kehl Manuel Domingos Neto Sergio Amadeu da Silveira João Carlos Salles Eugênio Trivinho Érico Andrade Anderson Alves Esteves Luiz Carlos Bresser-Pereira Denilson Cordeiro João Sette Whitaker Ferreira Vinício Carrilho Martinez Ronald Rocha Priscila Figueiredo Liszt Vieira Fernando Nogueira da Costa Eleutério F. S. Prado Lincoln Secco Bento Prado Jr. Luis Felipe Miguel Rubens Pinto Lyra Salem Nasser Andrés del Río José Machado Moita Neto Everaldo de Oliveira Andrade Leonardo Boff Lorenzo Vitral Alexandre de Lima Castro Tranjan João Adolfo Hansen Daniel Brazil André Singer Vanderlei Tenório José Geraldo Couto José Costa Júnior Slavoj Žižek Manchetômetro Luís Fernando Vitagliano Ricardo Musse Ricardo Fabbrini Fernão Pessoa Ramos José Dirceu Luiz Werneck Vianna Ronaldo Tadeu de Souza Henri Acselrad Claudio Katz Plínio de Arruda Sampaio Jr. Dennis Oliveira Yuri Martins-Fontes Marilia Pacheco Fiorillo Ricardo Antunes Chico Whitaker Michel Goulart da Silva Bruno Machado Andrew Korybko Benicio Viero Schmidt Valerio Arcary Marcelo Módolo Marcus Ianoni Antônio Sales Rios Neto Mariarosaria Fabris Luiz Marques Renato Dagnino Eugênio Bucci André Márcio Neves Soares Jean Marc Von Der Weid Berenice Bento Thomas Piketty João Feres Júnior Tadeu Valadares Remy José Fontana José Raimundo Trindade Jorge Luiz Souto Maior João Lanari Bo Carla Teixeira Igor Felippe Santos Otaviano Helene Atilio A. Boron Bernardo Ricupero Milton Pinheiro Michael Roberts Anselm Jappe Juarez Guimarães Alexandre de Freitas Barbosa Marcelo Guimarães Lima Ari Marcelo Solon Tarso Genro Gilberto Lopes Gilberto Maringoni José Luís Fiori Armando Boito Dênis de Moraes Airton Paschoa Luiz Renato Martins José Micaelson Lacerda Morais Elias Jabbour Francisco de Oliveira Barros Júnior Daniel Afonso da Silva Leonardo Avritzer Rodrigo de Faria Tales Ab'Sáber Bruno Fabricio Alcebino da Silva Antonio Martins Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Roberto Alves Valerio Arcary Osvaldo Coggiola Fábio Konder Comparato Alexandre Aragão de Albuquerque João Paulo Ayub Fonseca Celso Favaretto Paulo Nogueira Batista Jr Carlos Tautz Alysson Leandro Mascaro Marcos Silva Marcos Aurélio da Silva Francisco Fernandes Ladeira Heraldo Campos Afrânio Catani Luiz Eduardo Soares Paulo Capel Narvai Matheus Silveira de Souza Antonino Infranca Vladimir Safatle Flávio R. Kothe Ladislau Dowbor

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada