As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O contexto da ocupação israelense

Soldados israelenses na Gaza destroçada / Reprodução Telegram
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ILAN PAPPE*

A des-historicização do que está acontecendo ajuda Israel a seguir políticas genocidas em Gaza.

Em 24 de outubro, uma declaração do Secretário-Geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, causou uma forte reação de Israel. Ao se dirigir ao Conselho de Segurança da ONU, o chefe da ONU disse que, embora condenasse com veemência o massacre cometido pelo Hamas em 7 de outubro, queria lembrar ao mundo que ele não ocorreu em um vácuo. Ele explicou que não se pode dissociar nossa preocupação com a tragédia que ocorreu naquele dia e os 56 anos de ocupação israelense de territórios.

O governo israelense não demorou a condenar a declaração. Autoridades israelenses exigiram a renúncia de Antonio Guterres, alegando que ele apoiou o Hamas e justificou o massacre. A mídia israelense se juntou ao movimento, afirmando, entre outras coisas, que o chefe da ONU “demonstrou um grau impressionante de falência moral”.

Essa reação sugere que um novo tipo de alegação de antissemitismo pode estar surgindo. Até 7 de outubro, Israel pressionava para que a definição de antissemitismo fosse ampliada para incluir críticas ao Estado israelense e questionamentos sobre a base moral do sionismo. Agora, contextualizar e historicizar o que está acontecendo também pode provocar acusação de antissemitismo.

A des-historicização desses eventos ajuda Israel e os governos do Ocidente a adotar políticas que eles evitavam no passado devido a considerações éticas, táticas ou estratégicas.

Assim, o ataque de 7 de outubro é usado por Israel como pretexto para praticar políticas genocidas na Faixa de Gaza. É também um pretexto para os Estados Unidos tentarem reafirmar sua presença no Oriente Médio. E é um pretexto para alguns países europeus violarem e limitarem as liberdades democráticas em nome de uma nova “guerra contra o terror”.

Contudo, há vários contextos históricos para a situação atual em Israel-Palestina que não podem ser ignorados. O contexto histórico mais amplo remonta a meados do século XIX, quando o cristianismo evangélico no Ocidente transformou a ideia do “retorno dos judeus” em um imperativo religioso milenar e defendeu o estabelecimento de um Estado judeu na Palestina como parte do caminho que levaria à ressurreição dos mortos, ao retorno do Messias e ao fim dos tempos.

A teologia tornou-se política no final do século XIX e nos anos que antecederam a Primeira Guerra Mundial por dois motivos. Em primeiro lugar, ela serviu aos interesses daqueles que, na Grã-Bretanha, desejavam desmantelar o Império otomano e incorporar parte dele ao Império britânico. Em segundo lugar, repercutiu entre os membros da aristocracia britânica, tanto judeus quanto cristãos, que se encantaram com a ideia do sionismo como uma panaceia para o problema do antissemitismo na Europa Central e Oriental, que havia produzido uma onda indesejada de imigração judaica para a Grã-Bretanha.

Quando esses dois interesses se fundiram, eles levaram o governo britânico a emitir a famosa – ou infame – Declaração de Balfour em 1917.

Os pensadores e ativistas judeus que redefiniram o judaísmo como nacionalismo esperavam que essa definição protegesse as comunidades judaicas do perigo existencial na Europa, focando na Palestina como o espaço almejado para o “renascimento da nação judaica”.

No processo, o projeto cultural e intelectual sionista transformou-se em um projeto de colonização por povoamento, cujo objetivo era judaizar a Palestina histórica, desconsiderando o fato de que ela era habitada por uma população nativa.

Por sua vez, a sociedade palestina, bastante pastoril naquela época e em seu estágio inicial de modernização e construção de uma identidade nacional, produziu seu próprio movimento anticolonial. Sua primeira ação significativa contra o projeto de colonização sionista ocorreu com a Revolta de al-Buraq, em 1929, e não cessou desde então.

Outro contexto histórico relevante para a crise atual é a limpeza étnica da Palestina em 1948, que incluiu a expulsão forçada de palestinos para a Faixa de Gaza a partir de vilarejos em cujas ruínas foram construídos alguns dos assentamentos israelenses atacados em 7 de outubro. Esses palestinos desenraizados faziam parte dos 750.000 palestinos que perderam suas casas e se converteram em refugiados.

Essa limpeza étnica foi percebida pelo mundo, mas não foi condenada. Como resultado, Israel continuou a recorrer à limpeza étnica como parte de seu esforço para garantir o controle total da Palestina histórica com o menor número possível de palestinos nativos. Isso incluiu a expulsão de 300.000 palestinos durante e após a guerra de 1967 e a expulsão de mais de 600.000 da Cisjordânia, de Jerusalém e da Faixa de Gaza desde então.

Há também o contexto da ocupação israelense da Cisjordânia e de Gaza. Nos últimos 50 anos, as forças de ocupação impuseram uma punição coletiva contínua aos palestinos nesses territórios, expondo-os à perseguição constante dos colonos e das forças de segurança israelenses, e prendendo centenas de milhares deles.

Desde a eleição do atual governo fundamentalista messiânico israelense em novembro de 2022, todas essas políticas severas atingiram níveis sem precedentes. O número de palestinos mortos, feridos e presos na Cisjordânia ocupada disparou. Ainda por cima, as políticas do governo israelense em relação aos locais sagrados cristãos e muçulmanos em Jerusalém se tornaram ainda mais agressivas.

Por fim, há também o contexto histórico do cerco de 16 anos a Gaza, onde quase metade da população é composta por crianças. Em 2018, a ONU já estava alertando que a Faixa de Gaza se tornaria um lugar impróprio para humanos até 2020.

É importante lembrar que o cerco foi imposto em resposta às eleições democráticas vencidas pelo Hamas após a retirada israelense unilateral de Gaza. Ainda mais importante é retroceder à década de 1990, quando a Faixa de Gaza foi cercada por arame farpado e desconectada da Cisjordânia ocupada e de Jerusalém Oriental após os Acordos de Oslo.

O isolamento de Gaza, a cerca ao seu redor e o aumento da judaização da Cisjordânia foram uma indicação clara de que, aos olhos dos israelenses, Oslo significava uma ocupação por outros meios, não um caminho para a paz genuína.

Israel controlava os pontos de entrada e saída do gueto de Gaza, monitorando até mesmo o tipo de alimento que entrava, às vezes limitando-o a um determinado número de calorias. O Hamas reagiu a esse cerco debilitante lançando foguetes em áreas civis de Israel.

O governo israelense alegava que esses ataques eram motivados pelo desejo ideológico do movimento de matar judeus – uma nova forma de nazismo – desconsiderando tanto o contexto da Nakba quanto o cerco desumano e bárbaro imposto a dois milhões de pessoas e a opressão de seus compatriotas em outras partes da Palestina histórica.

O Hamas, em muitos aspectos, foi o único grupo palestino que se comprometeu a retaliar ou responder a essas políticas. No entanto, a maneira como ele decidiu reagir pode levar à sua própria ruína, pelo menos na Faixa de Gaza, e também pode fornecer um pretexto para uma maior opressão do povo palestino.

A selvageria de seu ataque não pode ser justificada de forma alguma, mas isso não significa que não possa ser explicada e contextualizada. Por mais terrível que tenha sido, a má notícia é que não se trata de um evento que mude o jogo, apesar do enorme custo humano de ambos os lados. O que isso significa para o futuro?

Israel permanecerá um Estado estabelecido por um movimento de ocupação colonial, que continuará a influenciar seu DNA político e a determinar sua natureza ideológica. Isso significa que, apesar de seu autorretrato como a única democracia do Oriente Médio, ele continuará sendo uma democracia apenas para seus cidadãos judeus.

A luta interna em Israel entre o que se pode chamar de Estado da Judeia – o Estado colonizador que deseja que Israel seja mais teocrático e racista – e o Estado de Israel – que deseja manter o status quo – que movimentou Israel até 7 de outubro, entrará em erupção novamente. De fato, já há sinais de seu retorno.

Israel continuará a ser um Estado de apartheid – conforme declarado por várias organizações de direitos humanos – independentemente do desenrolar da situação em Gaza. Os palestinos não desaparecerão e continuarão sua luta pela libertação, com muitas sociedades civis a seu lado, ao mesmo tempo em que seus governos apoiam Israel e lhe concedem uma imunidade excepcional.

A saída continua a mesma: uma mudança de regime em Israel que traga direitos iguais para todos, do rio ao mar, e permita o retorno dos refugiados palestinos. Caso contrário, o ciclo de derramamento de sangue não terá fim.

*Ilan Pappe é historiador e diretor do Centro Europeu de Estudos da Palestina da Universidade de Exeter. Autor, entre outros livros, de Dez mitos sobre Israel (Ed. Tabla).

Tradução: Pedro Paulo Zahluth Bastos.

Publicado originalmente no site da Rede Al-jazeera.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Afrânio Catani Maria Rita Kehl Osvaldo Coggiola Flávio R. Kothe Rubens Pinto Lyra Tales Ab'Sáber Bento Prado Jr. Carla Teixeira Henri Acselrad Tarso Genro Salem Nasser Alexandre de Freitas Barbosa Ronald Rocha Jean Pierre Chauvin Thomas Piketty Priscila Figueiredo Antônio Sales Rios Neto João Feres Júnior Fábio Konder Comparato Vinício Carrilho Martinez Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Bernardo Pericás Andrew Korybko Manuel Domingos Neto Tadeu Valadares Jean Marc Von Der Weid Eleutério F. S. Prado André Singer Rafael R. Ioris Ricardo Antunes Claudio Katz Eliziário Andrade Berenice Bento Walnice Nogueira Galvão Ladislau Dowbor Daniel Brazil Eduardo Borges Luiz Marques Francisco Fernandes Ladeira José Micaelson Lacerda Morais Leonardo Sacramento Luciano Nascimento Marcelo Módolo Celso Favaretto Alexandre Aragão de Albuquerque Dennis Oliveira Celso Frederico Antonino Infranca Valerio Arcary Denilson Cordeiro Ricardo Musse José Geraldo Couto Marcos Silva Paulo Fernandes Silveira João Carlos Loebens João Adolfo Hansen Manchetômetro Francisco Pereira de Farias Anderson Alves Esteves José Luís Fiori Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Werneck Vianna Caio Bugiato Chico Whitaker Eugênio Bucci José Raimundo Trindade Gerson Almeida Roberto Bueno André Márcio Neves Soares Dênis de Moraes Anselm Jappe Antonio Martins Chico Alencar Remy José Fontana Annateresa Fabris Marcelo Guimarães Lima Gabriel Cohn Slavoj Žižek Valério Arcary José Machado Moita Neto Boaventura de Sousa Santos Daniel Costa Mariarosaria Fabris Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Costa Lima Ronald León Núñez Everaldo de Oliveira Andrade Leonardo Avritzer Otaviano Helene Kátia Gerab Baggio Heraldo Campos Lucas Fiaschetti Estevez Igor Felippe Santos Eugênio Trivinho Renato Dagnino Ricardo Abramovay João Carlos Salles Ari Marcelo Solon Luís Fernando Vitagliano Fernando Nogueira da Costa Roberto Noritomi Rodrigo de Faria Lorenzo Vitral Atilio A. Boron João Sette Whitaker Ferreira Mário Maestri Michael Löwy Érico Andrade Gilberto Lopes Bruno Machado Armando Boito Airton Paschoa Henry Burnett Daniel Afonso da Silva Luiz Eduardo Soares Marcos Aurélio da Silva Vladimir Safatle Vanderlei Tenório Alexandre de Lima Castro Tranjan Marcus Ianoni Sergio Amadeu da Silveira Eleonora Albano Elias Jabbour João Paulo Ayub Fonseca Samuel Kilsztajn Lincoln Secco Paulo Martins Luis Felipe Miguel Gilberto Maringoni Paulo Capel Narvai Marilena Chauí Ricardo Fabbrini Luiz Roberto Alves Juarez Guimarães João Lanari Bo Julian Rodrigues Benicio Viero Schmidt José Dirceu Jorge Branco Fernão Pessoa Ramos Ronaldo Tadeu de Souza Leonardo Boff Bernardo Ricupero Sandra Bitencourt Bruno Fabricio Alcebino da Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Flávio Aguiar Yuri Martins-Fontes Luiz Renato Martins Paulo Nogueira Batista Jr Leda Maria Paulani Alysson Leandro Mascaro José Costa Júnior Liszt Vieira Marilia Pacheco Fiorillo Marjorie C. Marona Jorge Luiz Souto Maior Milton Pinheiro Michael Roberts Carlos Tautz

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada