As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Hegemonia burguesa e renovações hegemônicas

Imagem_Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Cleito Pereira dos Santos*

Comentário sobre o mais recente livro de Nildo Viana, uma análise das mutações da hegemonia do capital

Nildo Viana é autor de vários livros e alguns deles tematizando o pensamento de Marx ou o marxismo, tal como se pode perceber pelos títulos de algumas de suas obras: O que é marxismo? A Consciência da História – Ensaios sobre o Materialismo Histórico-Dialético; Escritos Metodológicos de Marx; A Teoria das Classes Sociais em Karl Marx; Karl Marx: A Crítica Desapiedada do Existente; A Mercantilização das Relações Sociais – Modo de Produção Capitalista e Formas Sociais Burguesas, entre outras.

Hegemonia burguesa e renovações hegemônicas aponta para uma discussão importante no campo do marxismo e que pouco se desenvolveu até os dias de hoje, que é a questão da hegemonia burguesa e suas mutações na história do desenvolvimento capitalista. O autor esclarece, logo no início, que este livro é uma continuação de outra obra, intitulada O Modo de Pensar Burguês: Episteme Burguesa e Episteme Marxista, que lanças as bases teóricas para a reflexão histórica que o autor realiza na obra agora resenhada. Na primeira obra, a discussão fundamental é a distinção entre episteme burguesa e episteme marxista, bem como a elaboração de uma teoria da episteme. O autor define como episteme um “modo de pensar”, uma forma de pensamento que é um “processo mental subjacente” e, por conseguinte, não-consciente e que domina o pensamento burguês e, inclusive, os seus opositores. Viana desenvolve a teoria dos “campos mentais” que compõem as epistemes e apresenta os que são da episteme burguesa e da marxista. A episteme gera uma cegueira ou uma clareira para a consciência da realidade. A episteme burguesa produz cegueiras, pois seus campos mentais são limitados, o campo axiomático é dominado por valores burgueses, o campo linguístico é um obstáculo para compreender a realidade, o campo analítico é marcado por limites metodológicos intransponíveis, o campo perceptivo é limitado e não permite ver o futuro, a utopia.

As características permanentes dessa episteme é o anistorismo (a recusa da história, mesmo quando falando da história, como nos casos do evolucionismo e historicismo), o reducionismo (a recusa da totalidade, mesmo quando fala dela, pois quando reconhece do todo, ele é metafísico, um modelo, ao invés do real, como ocorre com o funcionalismo e estruturalismo) e o antinomismo (as oposições que marcam o pensamento burguês, como indivíduo/sociedade; romantismo/iluminismo; racionalismo/empiricismo, para ficar em poucos exemplos). Assim, no livro precedente, Viana explicita o que é a episteme burguesa e como ela está presente em todas as ideologias burguesas e até algumas supostas concepções críticas a ela, incluindo o anarquismo e o pseudomarxismo.

No livro aqui resenhado a temática é uma continuação. E aqui funciona o processo comparativo e o foco é a historicidade. O processo comparativo remete para a história do capitalismo. A história do capitalismo, tal como o autor desenvolveu em sua outra obra, O Capitalismo na Era da Acumulação Integral, é marcado pela sucessão de regimes de acumulação. O modo de produção capitalista mantém sua essência, mas muda sua forma. Essa mudança formal, explica o autor, é marcada pela passagem de um regime de acumulação para outro. Em Hegemonia Burguesa e Renovações Hegemônicas essa tese é retomada e utilizada para explicar as mudanças culturais, através das “renovações hegemônicas”. Nesse momento o conceito de paradigma assume um papel fundamental. Um paradigma é uma forma específica assumida pela episteme burguesa. Assim, a episteme burguesa, tal como o modo de produção capitalista, mantém sua essência, mas muda de formas. A mudança formal do modo de produção capitalista se manifesta através dos regimes de acumulação e a da episteme burguesa através dos paradigmas. Isso significa que a cada regime de acumulação, um novo paradigma hegemônico emerge. Assim, a passagem de um regime de acumulação para outro significa a estruturação de uma nova hegemonia, de um novo paradigma hegemônico, que emerge no plano do que o autor chama de saber noosférico (complexo, como a ciência, filosofia, marxismo) e se espalha pela sociedade, atingindo as artes, as representações cotidianas, o mundo da cultura em sua totalidade.

O livro gira em torno da análise histórica da sucessão de regimes de acumulação e mutação paradigmática, que Viana denomina “renovações hegemônicas”. Em cada regime de acumulação, um paradigma diferente se torna hegemônico e a passagem de um para outro significa uma ampla renovação axiomática, linguística, analítica e perceptiva. O autor começa sua análise histórica com a formação da episteme burguesa, desde o renascimento, até chegar à sua consolidação com o iluminismo e o romantismo, as primeiras formas paradigmáticas da episteme burguesa, durante o regime de acumulação extensivo. A seguir, passa para os regimes de acumulação posteriores: intensivo, conjugado e integral, com uma passagem pelos “regimes de exceção”, o bélico durante o nazifascismo e o estatal durante a vigência do “socialismo real” (para o autor, “capitalismo de Estado”) e os paradigmas hegemônicos em cada um deles. O autor mostra o paradigma positivista, reprodutivista e subjetivista, bem como os que foram hegemônicos nos regimes de exceção, o organicismo durante o nazifascismo e o vanguardismo durante o leninismo e stalinismo na União Soviética.

Um dos pontos altos do livro é que isso não é feito abstratamente. As mais de 300 páginas, em formato 16/23, são recheadas de análises dos pensadores e ideologias, informações, entre outros elementos que mostram o vínculo das ideias com a realidade. A produção social das ideias, tema básico do marxismo, aparece com um alto grau de sofisticação, sem cair no determinismo e sem evitar a determinação fundamental dos fenômenos culturais, sem cair no conteudíssimo e sem, para isso, reproduzir o formalismo, que seriam, segundo o autor, “antinomias burguesas”. A emergência de uma verdadeira “política cultural” é apresentada pelo autor, que se torna fundamental a partir da Segunda Guerra Mundial, e efetivada a nível internacional pelas instituições, desde as fundações internacionais (Ford, Rockfeller e outras), passando pela CIA, até chegar as mais “inocentes”, como a UNESCO. Aliás, essa ganha destaque na sua influência na sociologia e políticas educacionais, reforçando os paradigmas hegemônicos (primeiro o reprodutivista, depois o subjetivista). Os estados nacionais são outros fortes propulsores de políticas culturais. É revelador quando o autor mostra a Fundação Rockfeller num momento financiando pesquisa eugenistas e noutro momento “antirracistas”, ou o vínculo de Henry Ford com o antijudaísmo e depois sua adoção de políticas para as “minorias”.

O livro apresenta um elemento interessante e esclarecedor que é mostrar que os oposicionistas, incluindo o que se denomina marxismo, sempre à reboque do paradigma hegemônico. Os exemplos principais para ilustrar isso é o vínculo de Althusser com o estruturalismo, ideologia correspondente ao paradigma reprodutivista, e o vínculo de supostos marxistas contemporâneos com o paradigma subjetivista, incluindo a proliferação de discussões sobre “subjetividade”, que, de forma invisível, transforma o suposto “marxismo” em sombra dos paradigmas hegemônicos e ideologias dominantes.

Cabe destaque, nesse sentido, os esclarecimentos do autor em relação à várias concepções, como no caso do paradigma organicista e do paradigma subjetivista. No caso do paradigma organicista, Viana parte do paradoxo de Herf, autor de O Modernismo Reacionário, e demonstra que não existe nada de paradoxal na relação entre irracionalismo nazista e uso da ciência e tecnologia, pois não há uma recusa total e sim uma assimilação da ciência e da tecnologia à ideia de luta pela vida. Em relação ao paradigma subjetivista, Viana esclarece que o que alguns autores afirmam que significa uma crítica e superação do sujeito como característica do pós-estruturalismo é uma má interpretação, tal como nos autores mais criticados nesse momento, Luc Ferry e Alain Renault, autores de O Pensamento 68. E esses, e outros autores, são criticados não apenas por confundir estruturalismo com pós-estruturalismo, entre outros problemas, como também pela interpretação do Maio de 1968 na França.

No caso do paradigma subjetivista, que é o mais importante por ser o contemporâneo e o que nos atinge atualmente, a análise mostra suas origens e determinações sociais, seu vínculo com as tarefas econômicas e políticas da burguesia durante o regime de acumulação integral, além de destrinchar o que perpassa as ideologias subjetivistas e sua ressonância nas artes, representações cotidianas, entre outras manifestações culturais. O pós-vanguardismo nas artes significa um empobrecimento da produção artística, tal como o pós-estruturalismo significa uma miséria na filosofia e ciências. E não deixa de ser interessante perceber que algumas concepções burguesas são abandonadas e retornam, tal como se pode ver na retomada de elementos do paradigma organicista pelo paradigma subjetivista e de ambos como paradigma romântico. E se Nietzsche foi um nome de destaque no paradigma organicista, ei-lo de volta ao sucesso no paradigma subjetivista.

Por fim, podemos dizer que é uma obra que, concorde-se ou não com ela (seja em partes ou na totalidade), ela traz inúmeras questões para reflexão. O material informativo é enorme, as reflexões sobre os paradigmas e ideologias são amplas, o vínculo histórico e social dos paradigmas com os regimes de acumulação são fundamentados. E isso, mesmo quem não é marxista, aponta para a necessidade de leitura e reflexão. Sem dúvida, a obra pode e vai incomodar não apenas os mais conservadores, mas também os mais críticos e revolucionários, pois o autor nos mostra que vivemos numa matrix cultural e que a ilusão de liberdade do “sujeito” que é divulgada contemporaneamente é uma peça na engrenagem que garante a reprodução da servidão. E disso se deduz a necessidade, já defendida por outros, da autonomia do marxismo como pensamento crítico e revolucionário vinculado ao processo de luta pela transformação radical do mundo e à classe portadora do futuro, o proletariado. E, numa época de bolhas, a leitura dessa obra é um bom início para expandir a percepção da historicidade do capitalismo e do modo de pensar burguês.

*Cleito Pereira dos Santos é professor de sociologia na UFG.

Referência

Nildo Viana. Hegemonia burguesa e renovações hegemônicas. Curitiba, CRV, 318 págs (https://amzn.to/3QSwFIK).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Vinício Carrilho Martinez Vanderlei Tenório Antonino Infranca Fábio Konder Comparato Denilson Cordeiro Jorge Luiz Souto Maior Anselm Jappe Marilena Chauí Dênis de Moraes José Costa Júnior João Paulo Ayub Fonseca José Dirceu Juarez Guimarães Luiz Bernardo Pericás Sandra Bitencourt Ari Marcelo Solon Ronald León Núñez José Micaelson Lacerda Morais Chico Whitaker Paulo Sérgio Pinheiro João Lanari Bo João Sette Whitaker Ferreira Lincoln Secco Caio Bugiato Bernardo Ricupero Jorge Branco Renato Dagnino João Adolfo Hansen Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Nogueira Batista Jr Ricardo Abramovay Bruno Machado Fernão Pessoa Ramos Luiz Roberto Alves Eleutério F. S. Prado Rodrigo de Faria Ladislau Dowbor Manuel Domingos Neto Samuel Kilsztajn Eugênio Trivinho Luiz Marques Jean Marc Von Der Weid Armando Boito Mário Maestri Henri Acselrad Daniel Afonso da Silva Eliziário Andrade Gilberto Maringoni João Carlos Salles Liszt Vieira Vladimir Safatle Leonardo Boff Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Werneck Vianna Manchetômetro Eugênio Bucci Antonio Martins Anderson Alves Esteves Eduardo Borges Alexandre Aragão de Albuquerque Mariarosaria Fabris Julian Rodrigues Alysson Leandro Mascaro José Raimundo Trindade Luís Fernando Vitagliano Francisco Fernandes Ladeira Afrânio Catani Dennis Oliveira Gilberto Lopes Elias Jabbour Luiz Costa Lima Salem Nasser Ronald Rocha Valerio Arcary Boaventura de Sousa Santos Gerson Almeida Thomas Piketty Chico Alencar Antônio Sales Rios Neto Milton Pinheiro Marcelo Módolo Francisco de Oliveira Barros Júnior Berenice Bento Carlos Tautz Igor Felippe Santos Flávio R. Kothe Priscila Figueiredo Leonardo Avritzer Remy José Fontana Bento Prado Jr. Érico Andrade Luiz Renato Martins Otaviano Helene Gabriel Cohn Annateresa Fabris Andrew Korybko Tadeu Valadares Celso Favaretto Carla Teixeira José Machado Moita Neto Ricardo Fabbrini Walnice Nogueira Galvão Daniel Brazil Valério Arcary Fernando Nogueira da Costa Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Carlos Loebens Michael Löwy Luis Felipe Miguel Airton Paschoa Michael Roberts Rafael R. Ioris Leda Maria Paulani Luciano Nascimento Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eleonora Albano Tales Ab'Sáber Henry Burnett Claudio Katz Benicio Viero Schmidt Kátia Gerab Baggio Daniel Costa Heraldo Campos Roberto Noritomi Sergio Amadeu da Silveira Marcos Silva Flávio Aguiar Ronaldo Tadeu de Souza Marcelo Guimarães Lima Everaldo de Oliveira Andrade Lorenzo Vitral Jean Pierre Chauvin André Singer Ricardo Musse Paulo Martins Celso Frederico Lucas Fiaschetti Estevez Francisco Pereira de Farias Luiz Eduardo Soares Slavoj Žižek Paulo Fernandes Silveira João Feres Júnior Leonardo Sacramento Yuri Martins-Fontes Rubens Pinto Lyra Roberto Bueno Atilio A. Boron Maria Rita Kehl Marjorie C. Marona Paulo Capel Narvai André Márcio Neves Soares Osvaldo Coggiola Marilia Pacheco Fiorillo Tarso Genro Marcos Aurélio da Silva José Luís Fiori José Geraldo Couto Ricardo Antunes Alexandre de Lima Castro Tranjan Marcus Ianoni

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada