As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O espírito da liberdade

Imagem: David Kouakou
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ MARQUES*

A desespiritualização é produto da “reificação”, que converte a relação entre pessoas numa relação entre coisas e corrói o espaço público

Christian Dunker, em Reinvenção da intimidade, considera “a perda da unidade do espírito uma forma de sofrimento”. A espiritualidade concorre para a unificação simbólica da família, do povo, da nação e da formação social-econômica. Os tópicos se encaixam no conceito de Zeitgeist (espírito do tempo), formulado por Johann Gottfried Herder, no século XVIII, ao designar o clima intelectual e cultural de uma época para abranger o conjunto significativo de manifestações socioindividuais.

Eugênio Bucci, no artigo “Divertimento e espírito artificial” – postado no site A Terra é Redonda – ensaia uma fenomenologia social da erosão espiritual, antes vocacionada à liberdade, que “se pulverizaria em individualidades infinitas” mediadas pela imagem e pela técnica. O entretenimento industrializado sintetiza a artificialização do espírito. A impressão pessimista chegaria até os movimentos sociais.

Mobilizações em prol da agenda dos trabalhadores no 1° de Maio, negros em repúdio à violência policial, mulheres na denúncia aos feminicídios e grupos LGBTs na afirmação do orgulho gay nas ruas emprestam, amiúde, a aparência contraditória ao conteúdo. A forma espetáculo da dialética de superação dos oprimidos sugere cooptação, às vezes, na perspectiva da Escola de Frankfurt. Muito porque Theodor Adorno tardou em amainar as críticas à arte cinematográfica e em admitir, nos anos 1960, o potencial emancipatório do cinema. Nem Charlie Chaplin escapou dessa bipolaridade.

A desespiritualização é produto da “reificação”, que converte a relação entre pessoas numa relação entre coisas. Na Miséria da filosofia, ao criticar economistas que faziam da quantidade de trabalho a única medida do valor, Karl Marx escreve: “Não se deve dizer que a hora de trabalho de um homem vale como a hora de outro homem, mas sim que um homem de uma hora vale como outro de uma hora. O tempo é tudo, o homem não vale nada; é no máximo cristalização do tempo”. A coisificação nasceu em Manchester; hoje, além do mundo do labor, figura nos padrões americanizados de lazer.

Georg Lukács, em História e consciência de classe, aprofunda a discussão sobre a universalização da mercadoria e a mercantilização de tudo e todos. O traço distintivo da totalidade capitalista, no plano objetivo e subjetivo, é a crescente atomização dos indivíduos. A teoria da reificação permite uma compreensão da passagem da “infraestrutura” à “superestrutura” da sociedade. O demônio não rouba almas a ninguém, exceto nos templos pentecostais. O capitalismo, sim, pega, mata e come.

 

Os cúmplices da barbárie

“O sentimento romântico de degradação, o spleen impressionista e a apatia pós-moderna são exemplos de sentimentos de dissolução do espírito”, observa Christian Dunker. Uma “depressão” enuncia o fracasso na corrida meritocrática, na fase neoliberal. Uma dedicação estafante à profissão de sucesso exprime a “mania”. Os primeiros são desprezados; os segundos são transformados em ícones do empreendedorismo. A moeda anímica é a mesma, com faces patológicas opostas. O atual espírito do tempo adéqua o sintoma maníaco à gramática da normalidade, na acepção dos yuppies.

Aquilo que sinalizava um compromisso ético com a liberdade em priscas eras, ora se expressa com o critério de rentabilidade e desempenho nos balanços das empresas e nos relatos de pacientes do campo Psi. No último decênio, a clivagem contábil deu a tônica nos governos da burguesia e se refletiu no sofrimento dos mais sensíveis, qual os poetas. Os ressentidos que ascenderam ao poder não rejeitam as desigualdades, mas o seu lugar na hierarquia da ordem social. O ódio que destilam dirige-se aos corajosos lutadores por direitos para romper a tradição de dominação e subordinação.

Entre nós, a governança fascista fez a apologia da liberdade para espelhar o interesse das finanças, a liberalização do trabalho, o extrativismo em terras indígenas e a reacionária primarização da nação pelo agronegócio para exportar commodities, não manufaturados. A ideologia do laissez-faire econômico orientou o simulacro de rebeldia nas pregações antidemocráticas, que inflamavam a horda robótica de viciados em redes sociais e fake news. A liberdade foi expulsa do bem comum.

Prova-o a rachadinha das multas de um milhão de reais, em São Paulo, pelas transgressões aos protocolos da saúde na pandemia, para propagar a estratégia criminosa e vil da “imunidade de rebanho”. A servidão voluntária ao tirano negacionista é um escárnio para com as crianças órfãs, dado o descaso com a vacinação viral e o isolamento social. Apesar dos suspeitos R$ 17 milhões arrecadados, o inelegível não liquidou a dívida – sonegar sempre soube. Como vulgar estelionatário, guardou para si a feria milionária numa atitude tão ilegal, quanto imoral. O montante do dinheiro devia atender uma ação pública, não o genocida. Corações envenenados endossam a desfaçatez.

A perda do espírito em escala internacional emergiu há quarenta anos, com os primeiros passos do neoliberalismo para conquistar a hegemonia. No “patropi” deu as caras em 1989, com a eleição de Fernando Collor – e a adesão escandalosamente militante do patriarca da Rede Globo. No mesmo período, veio à luz o Consenso de Washington com o mandamento dos ajustes fiscais antissociais, as privatizações, o arrocho salarial do funcionalismo e o desmonte impiedoso dos serviços públicos. Com Jair Bolsonaro e o Chicago boy Paulo Guedes, a destruição do espírito levou ao paroxismo.

 

Salvar os espaços públicos

“Os indivíduos se comportam na base do ‘significado’ que advém das interações sociais”, lê-se no Dicionário do pensamento social do século XX. O significado da “interação” é, um, elaborado em ambientes policlassistas; e é, outro, em ambientes monoclassistas onde compartilha-se valores semelhantes: renda, consumo, visão de futuro. A pluralidade é a apólice de seguro da democracia. O arianismo de classe, etnia, gênero, condição sexual ou credo religioso é uma pedagogia opressora.

Na França, a experiência em zonas para concentrar árabes, africanos ou asiáticos se revelou um desastre. Implicou na guetificação étnica, bloqueou a integração sociocultural e estigmatizou os imigrantes. A extrema direita explora o erro. A opção arquitetônica não fomentou uma identidade nacional, senão que estimulou a eclosão de conflitos inter-raciais. No Brasil, o divisor tem um perfil de classe e cor, na periferia urbana ou no condomínio fechado que surgiu na ditadura militar, em 1973. A origem do bunker de classe média é sintomática. Representou um recolhimento intramuros da “gente de bem” para não ver o mal (prisão arbitrária, tortura, censura) do “milagre econômico”. Christian Dunker inclui a ideia escapista no rol da “patologia do individualismo à brasileira”.

Para Michael Sandel, painelista da 17° temporada do Fronteiras do Pensamento: “Precisamos apoiar os espaços públicos que juntam pessoas de origens diversas. A ida ao estádio trazia a experiência da mistura de classes. Alguns assentos custavam mais caros, mas o ingresso era acessível. Em termos metafóricos, quando chovia todos se molhavam. A conjuntura mudou. Agora, renda baixa não entra. Já não é verdade que, quando chove, todos se molham”. Os “camarotes” untam a aristocracia da velha “casa grande”, à parte da paixão popular, e o viés colonialista (racista) e patriarcal (sexista).

Socialmente, os rolezinhos nos shopping centers – transcorrem em locais republicanos, em tese, embora reservas de “distinção social” na ausência dos títulos nobiliárquicos. Rolés nas “cavernas modernas” (José Saramago), denunciam a aversão aos pobres (aporofobia) e a proibição do direito de ir e vir em uma sociedade segregacionista. Politicamente, a participação na esfera pública do Plano Plurianual Participativo, do governo Lula, oportuniza a deliberação de políticas cidadãs. A mídia corporativa faz vistas grossas para não legitimar as novas ágoras de interação ativa e criativa. O propósito do governo federal é reforçar o “princípio esperança” do povo, na órbita pública.

Nota triste. A cidade cantada em versos por Mario Quintana e sede do Fórum Social Mundial, Porto Alegre, por ora é administrada do jeito mais predatório na terra brasilis. O prefeito (MDB) – quem viu, quem vê – tem por vocação o extermínio. Autorizou o corte de centenas de árvores no Parque Harmonia para fazer estacionamento e avança com um projeto de repasse de estruturas do Parque Farroupilha (Redenção) à iniciativa privada, por trinta longos anos. Injetou a necropolítica do capitalismo, na natureza. Temeu efeitos conscientizadores do convívio plural nos espaços públicos verdes. Governante que não governa, entrega o controle do patrimônio ambiental ao lucro imediato da iniciativa privada. Só falta a fogueira para queimar o espírito da liberdade e, junto, da igualdade.

*Luiz Marques é professor de ciência política na UFRGS. Foi secretário estadual de cultura do Rio Grande do Sul no governo Olívio Dutra.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marilia Pacheco Fiorillo Gilberto Lopes Luiz Costa Lima Celso Frederico Fernando Nogueira da Costa Jorge Luiz Souto Maior Valerio Arcary Érico Andrade Bruno Machado Luiz Roberto Alves Marcos Aurélio da Silva José Costa Júnior Rodrigo de Faria Julian Rodrigues Tales Ab'Sáber Carlos Tautz Fábio Konder Comparato Caio Bugiato Carla Teixeira Maria Rita Kehl Luiz Carlos Bresser-Pereira Gilberto Maringoni Paulo Fernandes Silveira Sandra Bitencourt Gabriel Cohn Lorenzo Vitral Tarso Genro Annateresa Fabris Marcelo Guimarães Lima Ronaldo Tadeu de Souza Mário Maestri Sergio Amadeu da Silveira João Carlos Salles Anselm Jappe Francisco Fernandes Ladeira Milton Pinheiro Valério Arcary Roberto Noritomi Eugênio Trivinho José Micaelson Lacerda Morais Antonino Infranca João Sette Whitaker Ferreira Lucas Fiaschetti Estevez Afrânio Catani Celso Favaretto Vinício Carrilho Martinez Plínio de Arruda Sampaio Jr. Eleutério F. S. Prado Luiz Werneck Vianna Michael Löwy Thomas Piketty João Lanari Bo Tadeu Valadares Jorge Branco Manuel Domingos Neto Paulo Nogueira Batista Jr Leonardo Boff Ricardo Antunes Benicio Viero Schmidt Luis Felipe Miguel Ricardo Abramovay Rafael R. Ioris Bernardo Ricupero Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcelo Módolo Marcus Ianoni Slavoj Žižek Liszt Vieira Boaventura de Sousa Santos Dennis Oliveira Andrew Korybko Claudio Katz Henri Acselrad Mariarosaria Fabris Jean Pierre Chauvin Francisco Pereira de Farias Eliziário Andrade Otaviano Helene Marilena Chauí Henry Burnett Leda Maria Paulani Flávio R. Kothe Alexandre Aragão de Albuquerque José Raimundo Trindade André Singer Eleonora Albano Airton Paschoa Daniel Brazil Eduardo Borges Eugênio Bucci Luís Fernando Vitagliano Priscila Figueiredo Marjorie C. Marona Daniel Costa José Luís Fiori Heraldo Campos Manchetômetro Luciano Nascimento Fernão Pessoa Ramos Walnice Nogueira Galvão José Machado Moita Neto Luiz Bernardo Pericás Salem Nasser Alexandre de Freitas Barbosa Daniel Afonso da Silva Atilio A. Boron Alysson Leandro Mascaro Luiz Eduardo Soares João Adolfo Hansen Armando Boito Leonardo Sacramento Bento Prado Jr. Igor Felippe Santos Renato Dagnino Berenice Bento Luiz Renato Martins João Paulo Ayub Fonseca Elias Jabbour Yuri Martins-Fontes Luiz Marques Bruno Fabricio Alcebino da Silva Osvaldo Coggiola Remy José Fontana Ricardo Musse Roberto Bueno Paulo Martins Juarez Guimarães Vanderlei Tenório Ari Marcelo Solon Alexandre de Lima Castro Tranjan Chico Whitaker Flávio Aguiar Paulo Capel Narvai Ronald Rocha Denilson Cordeiro Antonio Martins João Feres Júnior Dênis de Moraes Ronald León Núñez Ricardo Fabbrini Anderson Alves Esteves Chico Alencar Leonardo Avritzer André Márcio Neves Soares Marcos Silva Kátia Gerab Baggio Lincoln Secco Antônio Sales Rios Neto Samuel Kilsztajn Michael Roberts Ladislau Dowbor Gerson Almeida Rubens Pinto Lyra José Dirceu Jean Marc Von Der Weid José Geraldo Couto Paulo Sérgio Pinheiro Vladimir Safatle Everaldo de Oliveira Andrade João Carlos Loebens

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada