O golpe e sua derivação

Imagem: Manifesto Coletivo
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIS FELIPE MIGUEL*

Ao nominar o golpe de 2016, Lula dá importante passo para redemocratização

A direita se enfureceu com as referências de Lula ao golpe de 2016.

Um obscuro deputado bolsonarista viu nisso motivo para ingressar com um pedido de impeachment do presidente. O chefe da debilitada e envelhecida ala jovem do neofascismo brasileiro (o MBL), Kim Kataguiri, acionou a Advocacia Geral da União (AGU) contra Lula por “desinformação”.

Factoides baratos, mas que ganham espaço desproporcional na grande imprensa. Editoriais e colunistas também esbravejam contra Lula, pelo crime de ter chamado a deposição de Dilma Rousseff pelo nome.

O argumento sempre é que o impeachment é um instrumento previsto na Constituição, logo seu uso é legítimo. A questão, porém, é se este instrumento foi acionado de forma adequada.

Rubens Casara explica de forma didática: “Cheque é uma ordem de pagamento. Cheque ‘sem fundos’, porém, é um golpe. Impeachment é um instrumento de controle do poder. Impeachment sem ‘crime de responsabilidade’, porém, é golpe. Não se trata de uma questão ‘ideológica’, mas técnica”.

Em 2016, Dilma Rousseff foi retirada do cargo com base em pretextos frágeis, que não configuram, de forma nenhuma, crime de responsabilidade. Até Michel Temer, em sucessivos atos falhos, já chamou o episódio de “golpe”.

Um golpe ocorre quando partes do aparelho de Estado decidem mudar unilateralmente as regras do jogo, em seu próprio benefício. Foi o que ocorreu em 2016. Como costuma ocorrer nos “golpes de novo tipo”, as Forças Armadas tiveram papel discreto – embora fossem ganhando maior protagonismo em seus desdobramentos.

E não se tratou de uma intervenção pontual, destinada a retirar uma governante indesejada por alguns, o que já seria ilegal. Foi o momento fundador de um amplo realinhamento político e de implantação de um projeto político que, submetido às regras vigentes, havia sido repetidas vezes derrotado nas urnas.

A ruptura de 2016 levou à implantação de um projeto que não tinha respaldo popular. Portanto, mesmo que se afirme que é o impeachment não foi golpe (e foi), fica claro que ao menos ele foi usado para se desferir um golpe.

É importante marcar isso para deixar claro que o bolsonarismo é apenas a metástase de um projeto de retração democrática que o precede e o transcende.

Ao chamar o golpe de 2016 por seu verdadeiro nome, Lula mostra que sabe que o principal desafio da reconstrução democrática é reincorporar o campo popular como interlocutor legítimo do debate político. Foi isso que o golpe e sua derivação, o bolsonarismo, tentaram impedir.

*Luis Felipe Miguel é professor do Instituto de Ciência Política da UnB. Autor, entre outros livros, de Democracia na periferia capitalista: impasses do Brasil (Autêntica).

Publicado originalmente no jornal GGN .

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como 

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • Carta de Berlim — a guerra e o velho diaboFlávio Aguiar 2024 16/07/2024 Por FLÁVIO AGUIAR: Há um cheiro de queimado no ar de Berlim. E não há nenhum Wald (bosque) em chamas, apesar do calor estival. O cheiro de queimado vem mesmo da sede do governo Federal
  • A disputa de Taiwan e a inovação tecnológica na ChinaChina Flag 20/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A China já é hoje a líder mundial em 37 das 44 tecnologias consideradas mais importantes para o desenvolvimento econômico e militar do futuro
  • A produção ensaística de Ailton Krenakcultura gotas transp 11/07/2024 Por FILIPE DE FREITAS GONÇALVES: Ao radicalizar sua crítica ao capitalismo, Krenak esquece de que o que está levando o mundo a seu fim é o sistema econômico e social em que vivemos e não nossa separação da natureza
  • A radicalidade da vida estéticacultura 04 20/07/2024 Por AMANDA DE ALMEIDA ROMÃO: O sentido da vida para Contardo Calligaris
  • Um ciclo interminávelpalestina rua gente 16/07/2024 Por BRUNO HUBERMAN: A esquerda sionista ataca a luta palestina por descolonização
  • Antígona na sala de aulalivros e leitura 17/07/2024 Por GABRIELA BRUSCHINI GRECCA: O tempo presente tem se mostrado cada vez mais essencial para retomarmos o contato com as tragédias gregas
  • Depois do neoliberalismoELEUTERIO2 18/07/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: A incapacidade de pensar o capitalismo como um sistema social formado por relações sociais estruturantes

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES