O Inominável

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ARLENICE ALMEIDA DA SILVA*

Comentário sobre o livro de Samuel Beckett

A partir do final da Primeira Guerra mundial surgem em obras e na reflexão estética os temas do mutismo e da impossibilidade de narrar. Nessa direção, com O inominável, de 1949, Beckett também encerra a sua trilogia do pós-guerra radicalizando os impasses narrativos assumidos em Molloy, de 1947 e Malone morre, de 1948, levando o romance moderno a um beco sem saída. Em entrevista de 1956, diz Beckett, “O inominável desemboca em uma desintegração completa: Nada de ‘eu’, nada de ‘ter’, nada de ‘ser’. Nada de nominativo, nada de acusativo, nada de verbo. Não há meio de ir adiante”.

O primeiro equívoco, contudo, seria afirmar que o assunto da obra é o “nada” alinhando-a, assim, às estéticas do silêncio ou do absurdo. Esta posição seria compreensível, pois o leitor depara-se com uma voz indefinida à qual não corresponde nenhuma determinação pronominal, tampouco enredo, personagens ou memória. Mas aqui, diferentemente, há uma voz esquiva e aflita que quer se safar, desacelerar, parar de falar, mas, num movimento circular irrefreável ou repõe as mesmas perguntas e suspeitas, ou recaí em grunhidos. Esse modo de enunciação parece indiciar o gesto cauteloso do narrador precavido, que, como nos romance anteriores, duplicava as personagens em busca de rastros de identidade.

Em O inominável – com Mohood e Worms – esta expectativa é definitivamente frustrada, pois a voz em desorganização não estabiliza nenhum referente. Não há acordo possível, portanto, entre obra e leitor: reduzida ao ato elementar da fala, a voz ora é apenas um olho que chora, ora um corpo em desmaterialização, voz-boca-buraco-olho-ovo-pote, que em virulência, brada: “bando de porcos, me fazem dizer sempre a mesma coisa”.

Beckett efetua, assim, uma das mais espantosas inflexões no romance. Se os artistas modernos sustentavam a autonomia da obra, rompendo com qualquer noção de imitação, posto que a palavra não indicava um suposto real, mas era o próprio real; em Beckett a palavra está sempre sob suspeita, pois a nomeação é imobilização: “catequese”. A linguagem não é abertura polissêmica para um campo de possíveis, mas é uma armadilha para capturar objetos, apossando-se deles. Ele assume os preceitos racionalistas como os de Hamann de que “sem a palavra, não há razão, nem mundo”, ou de Herder de que “a linguagem é o critério da razão”, virando-os do avesso: a palavra é, nele, sempre arbitrária, pois é a “língua morta dos vivos”.

A palavra não muda o mundo, ela não é expressão de uma subjetividade, nem comunicação intersubjetiva; tampouco espaço de negociação nos “jogos de linguagem,” abertos e plurais. Ao insurgir-se tanto contra a dimensão cognitivo-semântica da linguagem, como contra a dimensão comunicativo-pragmática, Beckett acirra a dissonância entre os meios linguisticos e seus usos. Como código ou convenção, a linguagem sedimentada fatalmente adere às regras: “tudo de que falo, com que falo, é deles que vem (…), ter colado em mim uma linguagem da qual imaginam que nunca poderei me servir sem me confessar de sua tribo, a bela astúcia”.

Apesar de afirmar em tom de boutade: “nunca leio os filósofos, nunca entendo nada do que eles escrevem”, em O inominável Beckett, em chave irônica e negativa, provoca boa parte da filosofia ocidental moderna. Em tom de síntese, desmobiliza, uma a uma, as idéias de representação, racionalidade, consciência e verdade. A voz recusa representar e ser representada, zombando de todas as tentativas de objetivação; imobilizando, assim, tanto o sujeito e o objeto, como as relações entre eles, isto é, os fundamentos do racionalismo moderno e das filosofias da linguagem. Com ferocidade, O inominável neutraliza a idéia de natureza humana: “Qual é a verdade da consciência, pergunta Beckett, que não sabemos mais o que é isso que chamávamos de humano, que isso que não se sabe o que é, não se move e fala?”

A imobilidade de um sujeito que não pode agir desmonta na raiz a catequese do livre jogo entre as faculdades, que, desde as estéticas de Kant e Schiller, anunciavam um campo neutro de julgamento – um grau zero da representação –; suspensão  por meio da qual o humano seria reconhecido como filho de natureza e devoto da liberdade. Beckett radicaliza o destempero da personagem de Memórias do subsolo, de Dostoiévski, que já dava um basta às pretensões edificantes das noções de belo e do sublime.

Astuto, contudo, Beckett não cai na armadilha de colocar à prova seus argumentos. Em O inominável não se articula nenhuma contraprova psicológica, transcendental, ou semiótica, pois “não há nada que possa servir de ponto de partida”.  O acerto de contas se dá no campo ficcional, ironicamente, pela desconstrução da linguagem, ou seja, demonstrando exaustivamente por meio das palavras, como elas são sempre inadequadas, imprecisas ou falsas.

Se a ironia romântica fazia do jogo de inversões um ir e vir entre os opostos para preservar a consciência dos contrários, a ironia em Beckett realiza um movimento anterior de esquiva, destruição e auto-aniquilamento. Não afirmar nada, nem negar, nem deixar nada afirmar-se, para não ser capturado. Não se trata aqui da “apoteose da palavra como em Joyce”, diz Beckett, em carta de 1937, no qual malabarismos associativos brincam com a opacidade das palavras, “inventando obscuridades.” Beckett afasta-se destes procedimentos, em nome de uma “poética da indigência” que assume a falha e impede toda positivação.

Como bem mostra João Adolfo Hansen no prefácio da edição brasileira, Beckett atinge a história nessas eliminações da voz. Como matéria manuseada, à voz que está no meio, entre o dentro e o fora, entre o crânio e o mundo, só resta falar, “continuar a tagarelice aterrorizada dos condenados ao silêncio”. Recusando, contudo, todas as determinações, conceitos e os pretensos sentidos, impedindo que a voz se torne universal; esvaziá-la, até torná-la estéril, entulho do fracasso histórico do sensus communis, e do linguistic turn: para Beckett, verso e reverso de uma vida historicamente danificada.

“Cavar na linguagem um buraco atrás do outro, até que aquilo que está à espreita, por trás, comece a atravessar”, diz Beckett, em 1937. Não aceitar, assim, o silêncio do sujeito morto, designando-o como sem voz, mas, inversamente, arrancar seus gemidos do fluxo do discurso inútil, por meio do rumor da língua, provocando estrondos, pois o silêncio é “débil murmúrio”, “antes de entrar em um longo coma”, no “impensável indizível”, que não separa forma e vida. “Falar enquanto o silêncio se espessa.”

*Arlenice Almeida da Silva é professora de filosofia na Unifesp.

Referência

Samuel Beckett. O Inominável. Tradução: Ana Helena Souza. São Paulo, Editora Globo, 208 págs (https://amzn.to/3KLxpeS).

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Feres Júnior João Sette Whitaker Ferreira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Caio Bugiato Vladimir Safatle Julian Rodrigues Lincoln Secco Ladislau Dowbor Jorge Branco Eduardo Borges Slavoj Žižek Marcus Ianoni Heraldo Campos Chico Alencar Paulo Martins Luís Fernando Vitagliano Fábio Konder Comparato Michel Goulart da Silva Jean Marc Von Der Weid Atilio A. Boron Paulo Sérgio Pinheiro Alexandre de Freitas Barbosa Francisco de Oliveira Barros Júnior Otaviano Helene Carla Teixeira Matheus Silveira de Souza Fernão Pessoa Ramos Érico Andrade João Lanari Bo Henry Burnett Leonardo Sacramento Michael Löwy Marilia Pacheco Fiorillo Milton Pinheiro Rubens Pinto Lyra Ricardo Musse Luiz Roberto Alves Luiz Marques Manchetômetro Tarso Genro Bruno Fabricio Alcebino da Silva Renato Dagnino Flávio Aguiar Andrés del Río Marcos Aurélio da Silva Daniel Costa Rafael R. Ioris Valerio Arcary Berenice Bento Leda Maria Paulani Annateresa Fabris Anselm Jappe Lorenzo Vitral Flávio R. Kothe Alysson Leandro Mascaro Antônio Sales Rios Neto Walnice Nogueira Galvão João Carlos Loebens Marilena Chauí Marjorie C. Marona André Márcio Neves Soares Rodrigo de Faria Leonardo Boff Tadeu Valadares Mário Maestri Igor Felippe Santos Afrânio Catani Vanderlei Tenório Thomas Piketty Daniel Afonso da Silva Armando Boito Valerio Arcary Samuel Kilsztajn Luiz Werneck Vianna João Carlos Salles Eugênio Bucci Claudio Katz José Costa Júnior Manuel Domingos Neto André Singer Maria Rita Kehl José Micaelson Lacerda Morais Tales Ab'Sáber Francisco Fernandes Ladeira José Machado Moita Neto Sergio Amadeu da Silveira Bernardo Ricupero Marcelo Guimarães Lima Ronald Rocha Salem Nasser Denilson Cordeiro Michael Roberts Eleonora Albano Celso Favaretto João Paulo Ayub Fonseca José Raimundo Trindade Marcelo Módolo Elias Jabbour Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Bernardo Pericás Lucas Fiaschetti Estevez Andrew Korybko Paulo Capel Narvai Benicio Viero Schmidt Jorge Luiz Souto Maior Kátia Gerab Baggio Paulo Fernandes Silveira Fernando Nogueira da Costa Leonardo Avritzer Henri Acselrad Celso Frederico Ronaldo Tadeu de Souza Liszt Vieira Yuri Martins-Fontes Carlos Tautz Ricardo Antunes Gilberto Lopes Sandra Bitencourt Eugênio Trivinho Ricardo Abramovay Ari Marcelo Solon Luciano Nascimento Luiz Renato Martins Antonino Infranca Bruno Machado Bento Prado Jr. Remy José Fontana Gabriel Cohn Luis Felipe Miguel Dennis Oliveira Chico Whitaker Luiz Carlos Bresser-Pereira Mariarosaria Fabris Ricardo Fabbrini Dênis de Moraes Eliziário Andrade Ronald León Núñez Vinício Carrilho Martinez Everaldo de Oliveira Andrade Gilberto Maringoni Marcos Silva Alexandre Aragão de Albuquerque Eleutério F. S. Prado José Luís Fiori Osvaldo Coggiola Priscila Figueiredo Airton Paschoa Gerson Almeida José Geraldo Couto Luiz Eduardo Soares João Adolfo Hansen Juarez Guimarães Alexandre de Lima Castro Tranjan Alexandre de Oliveira Torres Carrasco José Dirceu Antonio Martins Francisco Pereira de Farias Jean Pierre Chauvin Daniel Brazil Boaventura de Sousa Santos

NOVAS PUBLICAÇÕES