Fragmentos XIV

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por AIRTON PASCHOA*

Quatro peças curtas

Amor romântico

Atendia por Monique e arrastava todos os erres e erros que a gente pudesse imaginar. Possuía a frescura quente das madrugadas da roça e fazia pensar em tudo que contrariava a Civilização. Sombra, água fresca… e filhos, tantos que vivia emprenhada e morria cedo. Desgostoso, a gente se internava no puteiro e fazia política revolucionária. Vereador, prefeito, caudilho e escaldado, mandava erguer, no largo da matriz, devidamente coberto pela moral e os bons costumes, um busto em honra da Primeira Dama, padroeira da cidade. Então, champanha em punho, a gente discursava de olhos vermelhos e lá do alto, só a gente vendo, Monique abria as pernas sobre nós. Num repente esperado, a fanfarra acossando, quebrava-lhe a garrafa na cabeça.

 

Apendicite

Tinha sinais que existia longe de mim, em qualquer buraco negro do cosmos. Um amigo, uma notícia, e onde há fumaça, cinza deve haver. Levamos um bom pedaço da vida juntos. Mais que juntos, grudados. Não cansava de me dizer que era sua vida, dependurada em meu braço, e com tanta convicção ou persuasão que fui naturalmente inchando, inchando, até a crise de apêndice e me ver de novo largado no hospital. De novo porque já ocorrera o mesmo há cinco décadas. Mas aí tinha desculpa a senhora minha genitora, Deus a chamara. Ela não, o diabo a chamasse! Não digo que sofri propriamente, mas não há negar certo peso na altura do braço, certa ausência quase palpável. Daí por que optei pela bengala, que me serve de apoio e a que também sirvo de cabide quando necessito manusear as duas mãos. Dei-lhe por comodidade o mesmo nome da dissoluta e estou certo em não recear novo desaforo. Onde a largo, estaca, e não costumo deixá-la muito longe de mim. Às vezes passo-lhe a mão na cabeça e, se disser que quase chega a curvá-la de agradecida, sei que não vão acreditar. Eu também não acreditava até casar com ela. Fê é a esposa perfeita. Além do cafuné ou de me coçar as costas e, sem um ai, os dedos dos pés, ai! com dedinhos tão roliços! já consegue a distância me apanhar os chinelos. E dia haverá, não duvido, dia haverá que, em a encontrando, à pérfida xará, não medirá esforços em fazê-la sentir toda a fúria de nossa justa ira. Tão certo mas tão certo como um dia depois do outro, uma bengalada depois da outra…

 

Kiki

Dois pombinhos, dois biquinhos a bebericar do céu o que Deus dava. E o Criador não regateou, deu-lhes de vez o paraíso terrestre, o éter que inspira, o azul que inebria, a linfa que do sol consola, o odor que do botão trescala, o pomo que da copa discorda, a filomela que das aves canora, a candura que das feras et caterva, o Éden em cascata, em suma, e sem cascavel. E por tais nuvens nefelibataram os dois sempre tão unidos que, sentenciara o Senhor, não nasceram um para o outro, nasceram um do outro. E assim se fez. A que altura do trabalho se cansaram, ou se deram por satisfeitos, em caso tão sublime de xifopagia edenista, é fonte de especulação. O que não se especula é o nome por extenso, Valquíria e Quirino, e o hipocorístico, por extensão, Ki & Ki.

Que lograram, que legaram, nunca se soube. Não cantaram, não pintaram, não bordaram, não escreveram nem pregaram… a não ser a lápide infame: “Aqui jaz Kiki”. O diabo que os… perdão, que o… amém: O – parta!

 

Moção em prol da tolerância

Senhor presidente, onde desovar o sêmen sedicioso hoje o homem honesto e devoto da rês pública? Frequentar república de amigos duvidosos se prova temerário. Comparecer a churrascarias humanas fere os mais elementares princípios do decoro republicano. Descer a palhoças, suspeitamos que não o fazem nem as autoridades sanitárias.

O remoçamento geral, senhor presidente, o remoçamento dos homens, dos costumes, da Nação, não se logra, via de regra, senão cutucando, perdão, cultivando a boa tradição da terra. Noutras palavras, globalização tem limite, presidente, e quem no-lo dá é a casa de tolerância!

Em vista do exposto, apelamos para Vossa Excelência no sentido de envidar esforços totais, orçamentários e totalitários, a fim de prover o corpo social, de cabo a rabo, desta bela estância que um dia possuiu o pau-brasil — BORDÉIS DECENTES, logradouros apropriados ao livre e suserano (sem prejuízo do suberânus, Excelência, outrossim gostoso) exercício do poder com ph, senhor presidente, prática esta que se deve pautar pelo respeito à mais primeva e veneranda instituição do copulismo nacional, a saber, a insinuação… arte de tocar os sinos, se me é lícita a licenciosidade poética, sem escancarar a capela. Isto porque o nu e a ação em si, Excelência, podem ficar perfeitamente bem, trancada a porta e destrancada a pauta, por conta de nossos valorosos compatriotas.

Faço saber, a quem interessar possa política pública teúda e manteúda, que atos contínuos fui chamado a Brasília pra assumir a pasta de Relações Interiores, a fim de disseminar fundão adentro, até chegarmos à renda mínima, o programa de distribuição de rendas.

*Airton Paschoa é escritor, autor, entre outros livros, de Ver Navios (Nankin).

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Berenice Bento Otaviano Helene Antonio Martins Ricardo Abramovay Eugênio Trivinho Lucas Fiaschetti Estevez Manchetômetro Ronald León Núñez Rodrigo de Faria Gabriel Cohn Francisco Pereira de Farias Mariarosaria Fabris Igor Felippe Santos Denilson Cordeiro Michael Löwy Gilberto Maringoni Valerio Arcary Tadeu Valadares Kátia Gerab Baggio Flávio R. Kothe Lorenzo Vitral Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Nogueira Batista Jr Tarso Genro Mário Maestri Luiz Werneck Vianna Ricardo Fabbrini Eleutério F. S. Prado Airton Paschoa Marcos Silva Alexandre de Freitas Barbosa Heraldo Campos Alysson Leandro Mascaro Marjorie C. Marona Luiz Marques Francisco Fernandes Ladeira Marilia Pacheco Fiorillo Boaventura de Sousa Santos Julian Rodrigues Leda Maria Paulani Henry Burnett Marcelo Guimarães Lima Caio Bugiato Ronaldo Tadeu de Souza Henri Acselrad Marilena Chauí Atilio A. Boron Sergio Amadeu da Silveira Tales Ab'Sáber Ronald Rocha Carlos Tautz Annateresa Fabris Renato Dagnino Michel Goulart da Silva Jorge Branco Bernardo Ricupero Jean Pierre Chauvin José Costa Júnior Jorge Luiz Souto Maior Remy José Fontana Eduardo Borges Thomas Piketty Carla Teixeira Rubens Pinto Lyra Bruno Fabricio Alcebino da Silva Elias Jabbour José Geraldo Couto Paulo Capel Narvai André Márcio Neves Soares José Raimundo Trindade Luciano Nascimento Ricardo Antunes Leonardo Avritzer Luiz Renato Martins José Micaelson Lacerda Morais José Machado Moita Neto Luiz Roberto Alves Érico Andrade José Dirceu Luiz Carlos Bresser-Pereira Antonino Infranca Gilberto Lopes Alexandre de Lima Castro Tranjan Lincoln Secco Priscila Figueiredo Daniel Brazil Antônio Sales Rios Neto Luís Fernando Vitagliano Fábio Konder Comparato Anselm Jappe André Singer Osvaldo Coggiola Celso Favaretto Leonardo Sacramento Afrânio Catani Dênis de Moraes Luis Felipe Miguel Everaldo de Oliveira Andrade Matheus Silveira de Souza João Adolfo Hansen Bento Prado Jr. Vinício Carrilho Martinez João Carlos Loebens Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Andrés del Río Fernão Pessoa Ramos João Paulo Ayub Fonseca Michael Roberts Celso Frederico Ladislau Dowbor Flávio Aguiar Luiz Eduardo Soares Fernando Nogueira da Costa Eliziário Andrade Manuel Domingos Neto Maria Rita Kehl Marcus Ianoni Jean Marc Von Der Weid Juarez Guimarães Rafael R. Ioris Benicio Viero Schmidt Armando Boito Francisco de Oliveira Barros Júnior Daniel Afonso da Silva Vanderlei Tenório Chico Alencar Sandra Bitencourt João Carlos Salles Dennis Oliveira Ari Marcelo Solon Claudio Katz Leonardo Boff Daniel Costa João Lanari Bo Yuri Martins-Fontes Salem Nasser Bruno Machado João Sette Whitaker Ferreira Vladimir Safatle Milton Pinheiro Eugênio Bucci Andrew Korybko Luiz Bernardo Pericás Paulo Martins Slavoj Žižek Liszt Vieira Alexandre Aragão de Albuquerque Eleonora Albano Marcelo Módolo José Luís Fiori Valerio Arcary Walnice Nogueira Galvão Paulo Fernandes Silveira Samuel Kilsztajn João Feres Júnior Paulo Sérgio Pinheiro Gerson Almeida Chico Whitaker Ricardo Musse Marcos Aurélio da Silva

NOVAS PUBLICAÇÕES