As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Sociedade administrada – a produção do medo

Leon Zack, Quadro, 1952.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Os homens não temem mais os animais selvagens ou as forças míticas da natureza, mas temem as potências aniquiladoras da sociedade

O progresso técnico e científico, que foi capaz de apaziguar as forças da natureza, tornando a vida mais confortável para os homens, não foi capaz de criar as condições objetivas para a felicidade humana. A civilização não foi capaz de cultivar sua própria humanidade. Ao contrário, a civilização se tornou uma nova forma de selvageria, tornou-se uma segunda natureza. Hoje, os homens não temem mais os animais selvagens ou as forças míticas da natureza, mas temem as potências aniquiladoras da sociedade.

O medo da fome, da miséria, da violência, do desemprego, da criminalidade e da exclusão social substituiu o medo do selvagem das forças naturais. Para usufruir dos benefícios da sociedade, o homem moderno teve que racionalizar sua ação para sobreviver. Ele foi forçado a regredir seus instintos a estágios antropologicamente mais primitivos. Essa condição regressiva é imanente às sociedades modernas. É fundamental para a manutenção do modo de produção capitalista.

No homem primitivo, o Ego se desenvolveu por causa do medo da morte diante das forças destrutivas da natureza. Já no homem moderno, o Ego se desenvolve por causa do medo das forças aniquiladoras da sociedade. É pelo mesmo instinto de autoconservação que o Ego se forma. Tal como o selvagem mimetizava as forças míticas da natureza para sobreviver, o homem moderno mimetiza as forças opressoras da realidade. O indivíduo imita as formas de comportamento e padrões de pensamento e conduta socialmente exigidos, identificando com o existente. Como ser agressivo de si mesmo, ele mobiliza todas as suas forças e todo seu pensamento para ganhar a vida.

Como avalia Horkheimer (2002, p. 146): “Através da repetição e imitação das circunstâncias que o rodeiam, da adaptação a todos os grupos poderosos a que eventualmente pertença, da transformação de si mesmo de um ser humano em um membro da organização, do sacrifício de suas potencialidades em proveito da capacidade de adaptar-se e conquistar influência em tais organizações, ele consegue sobreviver. A sua sobrevivência se cumpre pelo mais antigo dos meios biológicos de sobrevivência, isto é, o mimetismo.”

A produção do medo como forma de dominação é característica de uma sociedade que se tornou administrada. Adorno e Horkheimer em Dialética do Esclarecimento mostraram que essa forma de sociedade surgiu com o avanço da técnica, com o advento do capitalismo monopolista. A sociedade administrada se define como uma forma de dominação social calcadas na racionalidade técnica, econômica e administrativa, onde os indivíduos são transformados em objetos de organização, controle e planejamento em larga escala.

A partir desse aparato a sociedade capitalista foi capaz de desenvolver formas de consciência, padrões de comportamento e atitudes que predispõem os indivíduos a aceitar e interiorizar seus mandamentos. Nessa forma de sociedade, a consciência se forma no contexto de uma realidade totalmente reificada. Os indivíduos ao reduzirem sua vida ao trabalho, ao consumo e aos entretenimentos idiotizados da indústria cultural, deixaram que seu pensamento e imaginação fossem modelados pela produção de mercadorias. Como observa Adorno (1995, p. 43), “se a pessoas querem viver em sociedade, nada lhe resta senão se adaptar à situação existente, se conformar; precisam abrir mão daquela subjetividade autônoma a que remete a ideia de democracia.”

Em um aforismo de Mínima Moralia, Devagar e Sempre, Adorno fala sobre a pressa dos indivíduos nas ruas dos grandes centros urbanos. Ele vê nessa pressa traços mnemônico de épocas passadas. Essa correria do dia a dia nas grandes cidades parece o antigo medo do selvagem ao fugir de um predador na selva. Hoje, mesmo que o homem tenha dominado as forças da natureza e desfrute de uma grande segurança na civilização, ele ainda teme a sua aniquilação.

Por este motivo, está sempre correndo para cumprir seus compromissos: “Houve tempo em que se corria de perigos que não admitiam descanso, e inadvertidamente ainda o demonstra quem corre atrás do ônibus. A ordenação do tráfego não mais precisa preocupar-se com animais selvagens, mas não chegou a pacificar a corrida […] Torna-se visível a verdade de que não se está seguro da segurança, que estamos condenados a fugir das potências desenfreadas da vida” (ADORNO, 2008a, p. 158).

O grande objetivo da produção do medo na sociedade administrada foi tornar os indivíduos cada vez mais adaptados e eficientes. O crescimento individual deve se transformar em eficiência padronizada. Em um mundo dominado pelas mercadorias, o indivíduo também se torna uma mercadoria. Ele se esforça para obter conhecimentos, competências e habilidades para se tornar uma mercadoria cada vez melhor. Seu sucesso depende cada vez mais de sua capacidade de adaptação às pressões que a sociedade exerce sobre ele. Segundo Marcuse (1999, p.78), “essa eficiência se caracteriza pelo fato de que o desempenho individual é motivado, guiado e medido por padrões externos ao indivíduo, padrões que  dizem respeito a tarefas e funções predeterminadas. […] O indivíduo eficiente é aquele cujo desempenho consiste numa ação somente enquanto seja a reação adequada às demandas objetivas do aparato.”

O preço que o homem pagou pela sua adaptação às exigências da sociedade foi sua autorrenúncia. Ele renunciou à sua individualidade, à sua autonomia e à sua autoconsciência. As suas qualidades ativas e as relações estabelecidas com a sociedade se tornaram passivas, fixas e automáticas. Como observa Goldman (2008, p. 139):“Em tal sociedade, a consciência tende, com efeito, a tornar-se um simples reflexo, a perder toda função ativa, à medida que o processo de reificação – consequência inevitável de uma economia mercantil – se estende e penetra no âmago de todos os setores não econômicos do pensamento e da afetividade.”

Ao tornar o sentimento de medo um instrumento para administrar os sujeitos, o mundo industrial capitalista se confronta diante deles como algo absoluto e esmagador. O resultado disso foi que os indivíduos foram transformados em átomos sociais isolados, não conscientes da totalidade que os oprime. Quando o todo se dissolve no indivíduo, ele desaparece e torna-se mero objeto social. Cada um é transformado em um modelo da gigantesca maquinaria econômica.

Como aponta Adorno (2008b, p. 103): “Um traço essencial dessa sociedade é que seus elementos individuais são apresentados, ainda que de modo derivado e a seguir até mesmo anulado, como relativamente iguais, dotados com a mesma razão, como se fossem átomos desprovidos de qualidades, definidos propriamente apenas por meio de sua razão de autoconservação, mas não estruturado sem um sentido estamental e natural.”

O que caracteriza a sociedade administrada é que sua organização social continua sendo heterônoma, isto é, nenhuma pessoa pode existir na sociedade capitalista realmente conforme suas próprias determinações. Na medida em que o mundo se nivelou pela forma da mercadoria, o ego ajustado à realidade aprendeu a ordem e a subordinação por meio do aparato econômico que a tudo engloba. Desse modo, “os fenômenos da alienação baseiam-se na estrutura social.” (ADORNO, 1995, p. 148).

A adaptação, o conformismo, a ausência de autorreflexão, o comportamento convencional são características dessa sociedade. Em razão disso, para Adorno e Horkheimer (1985, p. 41), “é exatamente o progresso bem-sucedido que é culpado de produzir seu próprio oposto. A maldição do progresso irrefreável é a irrefreável regressão”.

*Michel Aires de Souza Dias é doutor em educação pela Universidade de São Paulo (USP).

 

Referências


ADORNO, Theodor. Minima Moralia: reflexões da vida lesada. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2008.

ADORNO, Theodor. Introdução à sociologia. São Paulo: Editora UNESP, 2008.

ADORNO, Theodor. Educação e Emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

ADORNO, Theodor; HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

GOLDMANN, Lucien. A reificação das relações sociais. In: FORACCHI, Marialice; MARTINS, José (Orgs.). Sociologia e sociedade. Rio de Janeiro: LTC, 2008, p. 137-146.

HORKHEIMER, Max. Eclipse da Razão. São Paulo: Unesp, 2017.

MARCUSE, Herbert. Algumas Implicações Sociais da Tecnologia Moderna. In: Tecnologia, Guerra e Fascismo, São Paulo: Editora Unesp, 1999. p. 71-104.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
André Singer Luiz Werneck Vianna Luiz Renato Martins Francisco Pereira de Farias Eleutério F. S. Prado Luiz Bernardo Pericás Jean Pierre Chauvin Michael Löwy Marcus Ianoni Benicio Viero Schmidt Valério Arcary Vanderlei Tenório Leda Maria Paulani Denilson Cordeiro Henry Burnett Ronald León Núñez Jorge Branco Rubens Pinto Lyra Marilena Chauí Anselm Jappe Leonardo Avritzer Luiz Roberto Alves Lincoln Secco Alexandre de Freitas Barbosa Claudio Katz João Sette Whitaker Ferreira Mariarosaria Fabris José Luís Fiori Celso Frederico Marcelo Módolo Michael Roberts José Micaelson Lacerda Morais Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Costa Lima José Costa Júnior Manuel Domingos Neto Ronaldo Tadeu de Souza Alexandre de Lima Castro Tranjan Eugênio Trivinho Slavoj Žižek Alysson Leandro Mascaro Priscila Figueiredo Luiz Marques Roberto Noritomi Ricardo Abramovay Luis Felipe Miguel Daniel Brazil José Geraldo Couto Airton Paschoa Henri Acselrad Rodrigo de Faria Julian Rodrigues Fábio Konder Comparato Bernardo Ricupero Marcelo Guimarães Lima Everaldo de Oliveira Andrade Gerson Almeida Dênis de Moraes Francisco de Oliveira Barros Júnior João Adolfo Hansen Bento Prado Jr. André Márcio Neves Soares Kátia Gerab Baggio Luiz Carlos Bresser-Pereira Ricardo Antunes Salem Nasser Eugênio Bucci Elias Jabbour Tadeu Valadares Érico Andrade Dennis Oliveira José Machado Moita Neto Andrew Korybko Marcos Aurélio da Silva Rafael R. Ioris Jorge Luiz Souto Maior Renato Dagnino Sergio Amadeu da Silveira Paulo Sérgio Pinheiro Manchetômetro Ari Marcelo Solon Boaventura de Sousa Santos Tales Ab'Sáber Luís Fernando Vitagliano Juarez Guimarães Heraldo Campos Sandra Bitencourt Ricardo Musse Vladimir Safatle João Carlos Loebens Caio Bugiato Flávio Aguiar Armando Boito Samuel Kilsztajn Marcos Silva José Raimundo Trindade Otaviano Helene Chico Alencar João Carlos Salles Daniel Costa Antônio Sales Rios Neto Afrânio Catani Paulo Capel Narvai Eliziário Andrade Lucas Fiaschetti Estevez Paulo Fernandes Silveira Paulo Martins Paulo Nogueira Batista Jr Antonino Infranca Marilia Pacheco Fiorillo Anderson Alves Esteves Yuri Martins-Fontes Roberto Bueno João Feres Júnior Vinício Carrilho Martinez Antonio Martins José Dirceu Berenice Bento Gilberto Lopes Gilberto Maringoni Francisco Fernandes Ladeira Fernão Pessoa Ramos Marjorie C. Marona Milton Pinheiro Mário Maestri Flávio R. Kothe Lorenzo Vitral Osvaldo Coggiola Celso Favaretto Fernando Nogueira da Costa Eleonora Albano Maria Rita Kehl Bruno Fabricio Alcebino da Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Chico Whitaker Ladislau Dowbor Leonardo Sacramento João Lanari Bo Eduardo Borges Ricardo Fabbrini Leonardo Boff Bruno Machado Liszt Vieira Thomas Piketty Jean Marc Von Der Weid Tarso Genro Walnice Nogueira Galvão Carlos Tautz Valerio Arcary Igor Felippe Santos Carla Teixeira Luiz Eduardo Soares João Paulo Ayub Fonseca Ronald Rocha Annateresa Fabris Remy José Fontana Daniel Afonso da Silva Luciano Nascimento Atilio A. Boron Gabriel Cohn

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada