As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A suspensão da política

Imagem: Khoa Võ
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARCELLO MUSTO*

O governo dos “especialistas” está destruindo a democracia

Entre os muitos tópicos a que Karl Marx dedicou seu interesse, um dos menos conhecidos é sua crítica ao chamado “governo técnico” – ou seja, governos liderados por supostos “especialistas” não filiados a partidos políticos. Como colaborador do New York Tribune, um dos jornais de maior circulação de seu tempo, Marx observou os desenvolvimentos institucionais que levaram a um dos primeiros governos deste tipo na história: o gabinete do Conde de Aberdeen na Grã-Bretanha, de dezembro de 1852 a janeiro de 1855.

Os relatos de Marx destacaram-se por sua perspicácia e sarcasmo. O jornal The Times celebrou estes eventos como um sinal de que a Grã-Bretanha estava no início de uma época “em que o espírito partidário deve voar da terra, e o gênio, a experiência, a indústria e o patriotismo devem ser as únicas qualificações para o cargo”. O diário londrino apelou aos “homens de todos os tipos de opinião” para que apoiassem o novo governo pois “seus princípios exigem aprovação e apoio universal”.

Argumentos semelhantes foram utilizados em fevereiro de 2021, quando Mario Draghi se tornou o primeiro-ministro da Itália. O alarde em torno de Draghi, que tinha sido presidente do Banco da Itália de 2006 a 2011 e presidente do Banco Central Europeu de 2011 a 2019, era parecido com o do The Times em 1852. Todos os órgãos de imprensa conservadores e liberais, incluindo os da esquerda moderada, uniram-se numa cruzada contra os partidos políticos irresponsáveis e a favor do “salvador” Draghi. Com sua demissão na quinta-feira, o experimento chegou novamente ao fim.

No artigo de 1853 “A superannuated administration: prospect of the coalition ministry”, Karl Marx escarneceu do ponto de vista do The Times. O que o maior jornal britânico encontrou de tão moderno e cativante foi, para ele, pura farsa. Quando The Times anunciou “um ministério composto inteiramente de personagens novas, jovens e promissoras”, Marx ponderou que “o mundo certamente não ficará um pouco confuso ao saber que a nova era na história da Grã-Bretanha será inaugurada por octogenários, burocratas que serviram a quase todas as administrações desde o final do século passado, duas vezes mortos de velhice e exaustão e ressuscitados apenas para uma existência artificial”.

Juntamente com os juízos sobre indivíduos, havia outros, de maior interesse, relativos às suas políticas: “Temos a promessa de desaparecimento total da guerra partidária, até dos próprios partidos”, observou Marx. “Qual o significado de The Times?”

Infelizmente a questão é muito atual hoje em dia, num mundo onde o domínio do capital sobre o trabalho se tornou tão feroz como em meados do século XIX. A separação entre economia e política, que diferencia o capitalismo dos modos de produção anteriores, atingiu um ponto elevado. A economia não só domina a política, estabelecendo sua agenda e moldando suas decisões, mas está fora da sua jurisdição e controle democrático – a ponto de uma mudança de governo já não alterar as direções da política econômica e social. Elas devem ser imutáveis.

 

“Imperativos” econômicos

Nos últimos trinta anos, os poderes de decisão passaram da esfera política para a esfera econômica. As opções políticas partidárias foram transformadas em imperativos econômicos que disfarçam um projeto altamente político e reacionário por trás de uma máscara ideológica de expertise apolítica. Este desvio de partes da esfera política para a economia, como um domínio separado impermeável à mudança, envolve a mais grave ameaça à democracia em nosso tempo. Os parlamentos nacionais, já esvaziados de valor representativo por sistemas eleitorais enviesados e revisões autoritárias da relação entre executivo e legislativo, encontram seus poderes retirados e transferidos para o “mercado”.

As classificações da Standard & Poor’s, o índice de Wall Street e o spread das transações – estes megafetiches da sociedade contemporânea – têm um peso incomparavelmente maior do que a vontade do povo. Na melhor das hipóteses, os governos podem “intervir” na economia (por vezes, as classes dirigentes precisam mitigar a anarquia destrutiva do capitalismo e suas crises violentas), mas não podem questionar suas regras e escolhas fundamentais.

De fevereiro de 2021 até sua demissão na quinta-feira passada, Mario Draghi foi um representante proeminente desta política. Durante dezessete meses, ele liderou uma coalizão muito ampla incluindo o centrista Partido Democrático, seu inimigo de longa data Silvio Berlusconi, os populistas do Movimento Cinco Estrelas e a Lega, de Matteo Salvini, de extrema direita. Por trás da fachada do termo “governo técnico” – ou como dizem, o “governo dos melhores” – podemos ver uma suspensão da política.

Este fenômeno não é novo na Itália. Desde o fim da Primeira República, no início dos anos 1990, houve numerosos governos com liderança “técnica” ou sem representantes de partidos políticos. Estes incluem o governo de Carlo Azeglio Ciampi, anteriormente presidente do Banco da Itália por quinze anos, de 1979 a 1993 (e posteriormente eleito para o cargo de presidente da Itália de 1999 a 2006); o governo de Lamberto Dini, ex-diretor-geral do Banco da Itália, após uma longa carreira no Fundo Monetário Internacional, em 1995-96; e o governo de Mario Monti, ex-comissário europeu de concorrência, com experiência anterior relevante na Comissão Trilateral do Grupo Rockefeller, no comitê diretor do Grupo Bilderberg e como conselheiro internacional da Goldman Sachs, de 2011 a 2013.

Nos últimos anos, argumenta-se que novas eleições não deveriam ser realizadas após uma crise política; a política deveria entregar o controle total à economia. Num artigo de abril de 1853, “Achievements of the ministry”, Karl Marx escreveu que “o ministério de coalizão [“técnica”] representa impotência no poder político”. Os governos já não discutem qual a orientação econômica a seguir. Agora as orientações econômicas dominantes provocam o nascimento dos governos.

Na Europa, nos últimos anos, o mantra neoliberal tem repetido que para restaurar a “confiança” do mercado era necessário avançar rapidamente na via das “reformas estruturais” – uma expressão agora usada como sinônimo de devastação social: em outras palavras, cortes salariais, ataques aos direitos dos trabalhadores sobre a contratação e a demissão, aumento da idade de aposentadoria e privatização em larga escala. Os novos “governos técnicos”, liderados por indivíduos com histórico em algumas das instituições econômicas mais responsáveis pelas crises econômicas, enveredaram por este caminho – afirmando fazê-lo “para o bem do país” e “para o bem-estar das gerações futuras”. Além disso, os poderes econômicos e os principais meios de comunicação tentaram silenciar qualquer pessoa que tenha levantado uma voz discordante.

Na sequência de sua demissão, Mario Draghi já não será mais o primeiro-ministro da Itália. Sua maioria implodiu devido às políticas demasiado divergentes dos partidos que o apoiaram, e a Itália terá eleições antecipadas em 25 de setembro. Para que a esquerda não desapareça, ela também deve ter a coragem de propor as políticas radicais necessárias para abordar as questões contemporâneas mais urgentes, começando pela crise ecológica. As últimas pessoas que poderiam levar a cabo um programa de transformação social e redistribuição da riqueza são os “técnicos” – na verdade, figuras bem políticas – como o banqueiro central Mario Draghi. Sua ausência não será sentida.

*Marcello Musto é professor de sociologia na York University (Canadá). Autor, entre outros livros, de O velho Marx – uma biografia intelectual de seus últimos anos (Boitempo).

Tradução: Fernando Lima das Neves.

Publicado originalmente em Jacobin Magazine

 

 

O site A Terra é redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Manchetômetro Chico Whitaker Antonino Infranca Luiz Werneck Vianna Dênis de Moraes José Geraldo Couto Igor Felippe Santos Ricardo Fabbrini José Micaelson Lacerda Morais Paulo Capel Narvai Fernando Nogueira da Costa Otaviano Helene Luiz Marques Caio Bugiato Berenice Bento Bernardo Ricupero Annateresa Fabris Luís Fernando Vitagliano Marjorie C. Marona João Paulo Ayub Fonseca Priscila Figueiredo João Adolfo Hansen Ricardo Abramovay Plínio de Arruda Sampaio Jr. Claudio Katz Jorge Luiz Souto Maior Tadeu Valadares Juarez Guimarães Bruno Fabricio Alcebino da Silva Alysson Leandro Mascaro João Lanari Bo Gerson Almeida Luiz Eduardo Soares Salem Nasser Walnice Nogueira Galvão Paulo Sérgio Pinheiro Denilson Cordeiro Slavoj Žižek Luiz Bernardo Pericás Celso Favaretto Michael Löwy Remy José Fontana Gilberto Maringoni Renato Dagnino Rafael R. Ioris João Carlos Salles Liszt Vieira Atilio A. Boron Érico Andrade Samuel Kilsztajn André Singer Eleutério F. S. Prado Leonardo Boff Marilena Chauí Lorenzo Vitral Francisco Pereira de Farias Anderson Alves Esteves Milton Pinheiro Henri Acselrad Eugênio Bucci Heraldo Campos Paulo Nogueira Batista Jr Anselm Jappe Ronaldo Tadeu de Souza Daniel Costa Ari Marcelo Solon Carla Teixeira Leda Maria Paulani Paulo Martins João Sette Whitaker Ferreira Rodrigo de Faria Luiz Roberto Alves Marcus Ianoni Marcelo Módolo Luciano Nascimento Jorge Branco Flávio Aguiar Alexandre Aragão de Albuquerque José Machado Moita Neto Valério Arcary Marcos Aurélio da Silva Armando Boito Lincoln Secco Benicio Viero Schmidt Manuel Domingos Neto Bento Prado Jr. Gabriel Cohn Ricardo Musse Antônio Sales Rios Neto Jean Marc Von Der Weid Vanderlei Tenório Luiz Carlos Bresser-Pereira Carlos Tautz Leonardo Sacramento Rubens Pinto Lyra André Márcio Neves Soares Francisco de Oliveira Barros Júnior Chico Alencar Everaldo de Oliveira Andrade Eugênio Trivinho Antonio Martins Leonardo Avritzer Alexandre de Freitas Barbosa Francisco Fernandes Ladeira Michael Roberts Airton Paschoa José Costa Júnior Flávio R. Kothe Roberto Bueno Marcos Silva Sandra Bitencourt Roberto Noritomi Bruno Machado Ladislau Dowbor Thomas Piketty Sergio Amadeu da Silveira Osvaldo Coggiola Ronald Rocha Vinício Carrilho Martinez Eduardo Borges José Luís Fiori Marilia Pacheco Fiorillo Fábio Konder Comparato Daniel Brazil Afrânio Catani Tarso Genro Lucas Fiaschetti Estevez Vladimir Safatle Boaventura de Sousa Santos Fernão Pessoa Ramos Luiz Renato Martins Luis Felipe Miguel Ricardo Antunes Luiz Costa Lima Julian Rodrigues Henry Burnett Alexandre de Lima Castro Tranjan Yuri Martins-Fontes Valerio Arcary Mário Maestri Marcelo Guimarães Lima Elias Jabbour Gilberto Lopes Daniel Afonso da Silva Maria Rita Kehl João Feres Júnior Tales Ab'Sáber Eliziário Andrade Mariarosaria Fabris Celso Frederico Kátia Gerab Baggio Jean Pierre Chauvin João Carlos Loebens Eleonora Albano Andrew Korybko José Dirceu Paulo Fernandes Silveira Ronald León Núñez José Raimundo Trindade Dennis Oliveira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada