8 de janeiro – a guerra contra o Brasil moderno

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JORGE BRANCO*

A tentativa de golpe foi antes de mais nada uma batalha contra o Brasil que evoluiu, uma tentativa de retroceder ao tempo passado

O início do século XXI está marcado por uma “descoberta” desconcertante. O que o senso democrático médio, aí incluído a maioria do próprio campo político de esquerda, considerava ou imaginava superado e que ninguém sonharia ou atrever-se-ia a defender ou propagar, passou a ser dito, publicado, defendido e principalmente, ouvido em público. Com cada vez mais intensidade.

A defesa da ditadura, da tortura, do golpe de 1964, da extinção de direitos sociais e a apologia à violência, ao racismo, à misoginia e à violência sexual passaram a ser manifestações emergentes que conferiam sentido e senso grupal a uma visão de mundo e a uma ideologia. O reacionarismo e os elementos neofascistas deram sentido a uma explicação desajustada ao mundo moderno e com nítido viés destruidor e revanchista. Uma explicação que transformou o processo civilizatório e o caminho tortuoso da construção da igualdade em responsáveis pelos desajustes provocados pelo neoliberalismo. Investidor fundamental dessa ascensão fascista.

Uma intentona golpista, eficaz como a de março de 1964 ou fracassada como a do General Frota em 1975, não se dá como fato isolado. A tentativa de golpe político resulta de um processo de desconstituição ideológica e até moral das bases de um bloco social e de um governo.

As investigações a respeito da tentativa de golpe de 08 de janeiro, levadas a cabo nestes 12 meses, sejam elas da CPI, da PF ou de jornalistas acurados, foram revelando que se tratou de uma ação coordenada, baseada em condições políticas e sociais que foram sendo construídas desde o impeachment fraudulento de 2016. Contudo, essas condições foram volumosamente ampliadas durante o governo de Jair Bolsonaro. A intentona golpista de 08 de janeiro foi meticulosamente preparada por Jair Bolsonaro e seu núcleo mais próximo durante os quatro anos de seu governo.

Este grande campo de extrema direita, reacionário, liderado pelo governo de Jair Bolsonaro, mobilizou-se em torno da narrativa de que as conquistas de caráter progressista seriam um projeto de destruição dos valores e, em última instância, da própria sociedade brasileira, que estaria sendo vítima de uma ruína moral. Uma campanha de verdadeiro terror articulado por uma operação densa nas redes digitais e por veículos de comunicação sobre o que poderia acontecer se o que consideravam como “esquerda” conquistasse o poder.

Dia 08 de janeiro de 2023 foi um dia infame. Ali se achincalharam, por uma vanguarda de indivíduos crentes dos maiores disparates ideológicos e sustentados por frações de classes empresariais dispostas a eliminar todos os obstáculos à sua economia de rapina, os símbolos da frágil democracia brasileira. O alvo, contudo, eram os avanços progressistas que claudicantemente foram sendo conquistados ao longo da democracia.

O alvo das depredações e da violência eram os direitos trabalhistas, a emancipação das mulheres, a igualdade étnica, o orgulho LGBTQUIA+, os sindicatos, as organizações sociais por direitos, enfim o que há de moderno na sociedade atrasada. A tentativa de golpe foi antes de mais nada uma batalha contra o Brasil que evoluiu, uma tentativa de retroceder ao tempo passado. A reação à democracia, à esquerda e aos movimentos sociais é, no fundamental, uma reação à ideia de um mundo igualitário.

*Jorge Branco é doutorando em ciência política na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).


Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ari Marcelo Solon Alexandre de Freitas Barbosa João Sette Whitaker Ferreira José Luís Fiori Ricardo Abramovay Yuri Martins-Fontes Celso Frederico José Geraldo Couto Samuel Kilsztajn João Paulo Ayub Fonseca Plínio de Arruda Sampaio Jr. Carla Teixeira Luiz Eduardo Soares Ronald Rocha Sergio Amadeu da Silveira Daniel Afonso da Silva Andrew Korybko Marcos Aurélio da Silva Tales Ab'Sáber Alysson Leandro Mascaro Leda Maria Paulani Érico Andrade Michel Goulart da Silva João Lanari Bo Eleonora Albano Chico Whitaker Jorge Branco Marcus Ianoni Everaldo de Oliveira Andrade Francisco Fernandes Ladeira Dennis Oliveira Bento Prado Jr. Leonardo Avritzer Lorenzo Vitral Thomas Piketty Slavoj Žižek Claudio Katz João Carlos Salles Marcos Silva Sandra Bitencourt Fábio Konder Comparato Eduardo Borges Paulo Martins Fernão Pessoa Ramos Bruno Machado Julian Rodrigues José Raimundo Trindade Liszt Vieira José Micaelson Lacerda Morais Bernardo Ricupero Airton Paschoa Manuel Domingos Neto Luis Felipe Miguel Manchetômetro Vinício Carrilho Martinez Annateresa Fabris Alexandre de Lima Castro Tranjan Mário Maestri Henry Burnett Francisco de Oliveira Barros Júnior Tarso Genro Antônio Sales Rios Neto Priscila Figueiredo André Márcio Neves Soares Paulo Fernandes Silveira Ricardo Antunes Heraldo Campos José Costa Júnior Otaviano Helene Marcelo Módolo Flávio Aguiar Juarez Guimarães Eugênio Bucci Paulo Nogueira Batista Jr Elias Jabbour Carlos Tautz Denilson Cordeiro André Singer Jean Marc Von Der Weid Ronaldo Tadeu de Souza Salem Nasser Marilena Chauí Luiz Roberto Alves Gerson Almeida Ladislau Dowbor Marilia Pacheco Fiorillo Eugênio Trivinho Luiz Renato Martins José Dirceu Luiz Werneck Vianna Atilio A. Boron Gilberto Lopes Chico Alencar Gilberto Maringoni Lincoln Secco Ricardo Fabbrini Valerio Arcary Luiz Bernardo Pericás Eleutério F. S. Prado João Carlos Loebens Matheus Silveira de Souza Luiz Marques Igor Felippe Santos Mariarosaria Fabris Celso Favaretto Jorge Luiz Souto Maior Vanderlei Tenório João Adolfo Hansen Alexandre Aragão de Albuquerque Michael Roberts Jean Pierre Chauvin Berenice Bento Valerio Arcary Walnice Nogueira Galvão Anselm Jappe Flávio R. Kothe Tadeu Valadares Renato Dagnino Daniel Costa José Machado Moita Neto Luciano Nascimento Kátia Gerab Baggio Antonino Infranca Ricardo Musse Paulo Capel Narvai Marcelo Guimarães Lima Leonardo Sacramento Bruno Fabricio Alcebino da Silva Henri Acselrad Rafael R. Ioris Lucas Fiaschetti Estevez Gabriel Cohn Rubens Pinto Lyra Maria Rita Kehl Milton Pinheiro Caio Bugiato Ronald León Núñez Francisco Pereira de Farias Afrânio Catani Vladimir Safatle Luiz Carlos Bresser-Pereira Daniel Brazil Osvaldo Coggiola Leonardo Boff Paulo Sérgio Pinheiro Benicio Viero Schmidt Antonio Martins Boaventura de Sousa Santos Andrés del Río Michael Löwy Fernando Nogueira da Costa Marjorie C. Marona João Feres Júnior Rodrigo de Faria Eliziário Andrade Armando Boito Luís Fernando Vitagliano Remy José Fontana Dênis de Moraes Alexandre de Oliveira Torres Carrasco

NOVAS PUBLICAÇÕES