O desafio da impunidade e da banalização do inaceitável

Imagem: Cottombro
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CHICO WHITAKER*

Crimes eleitorais têm que ser julgados bem mais rapidamente que os demais

São muitos os que, no Brasil, não se conformam com a lentidão do Poder Judiciário, ao julgar conflitos entre os direitos e deveres de todos e punir quem desrespeite a Constituição e as Leis. E tal lentidão na verdade o desacredita, mesmo quando exigida pelo cuidado em ouvir as partes, visando assegurar sentenças justas. Mas se torna perigosa se levar à impunidade e à persistência das ações criminosas, pelo sentimento de que o crime compensa.

E se os que deveriam ser punidos forem agentes do Executivo ou membros do Legislativo e do próprio Judiciário, a impunidade corroerá por dentro a própria democracia, que institui esses Poderes. E mais profundamente se for associada à banalização, pela sociedade, dos crimes a exigir punição, até que sejam esquecidos pela memória coletiva. Ou seja, se a sociedade não se indignar com a impunidade. É o que explica a persistência e a expansão da corrupção no Brasil. E, mais tristemente, foi o ocorrido, diferentemente do vivido em países irmãos, com os assassinatos e torturas que marcaram indelevelmente a tomada do poder pelos militares em 1964.

Vivemos neste momento um período eleitoral, em que o povo, do qual emana todo o Poder numa democracia, já escolheu quem assumirá o Poder Legislativo e escolherá quem deve assumir o Poder Executivo por mais quatro anos. Nesses períodos a lentidão do Poder Judiciário passa a ser especialmente perigosa. Ganha especial relevância a legislação que assegura igualdade de condições nas campanhas eleitorais.

Crimes eleitorais têm que ser julgados bem mais rapidamente que os demais: a não condenação de criminosos enseja que pessoas despreparadas e corruptas, ou mal-intencionadas, assumam a representação do povo no processo legislativo ou na administração da máquina de governo. Nestes momentos a impunidade se torna uma doença fatal para a democracia, ainda mais se combinada com a banalização do inaceitável. Pode levar à postergação, sem prazo, da construção do Brasil dos nossos anseios: democrático, de justiça, solidariedade, igualdade e paz.

Estas reflexões levaram dois coletivos – reunindo cofundadores do Fórum Social Mundial e participantes das mobilizações pela participação popular na Constituinte – a redigir um Manifesto pelo fim da impunidade do atual Presidente da República (ocandeeiro.org/manifesto).

A impunidade marcou todo o mandato desse Presidente. E agora caracteriza sua campanha eleitoral, numa serie infindável de crimes eleitorais, visando influir no voto dos menos informados. E nada fazem as instituições da República que a deveriam proteger, assim como se corre o risco de uma insuficiente indignação da sociedade. Do seu lado, o Presidente e seus asseclas executam cada vez mais intensamente seus planos doentios, com uma aparente certeza dessa dupla inação frente a cada vez mais crimes eleitorais impunes. Estaríamos numa situação limite para a continuidade de nossa democracia?

Faltam poucos dias para que sejamos capazes de demonstrar que queremos encerrar o pesadelo que vivemos desde a eleição, para a presidência da República, de uma pessoa sem nenhum preparo e conhecimento nem condições mentais normais para exercer o cargo público mais decisivo de um país.

O Manifesto, dirigido aos concidadãos e concidadãs dos que o estão assinando, e aos Poderes da República que poderiam dar um basta à impunidade, pretende ser um forte grito de alerta. Que sejamos ouvidos, especialmente no STF e no TSE, para o bem do Brasil.

A associação ocandeeiro.org está organizando lives semanais sobre o tema a que se refere o título deste artigo, que merece uma reflexão de todos nós, para sermos capazes de construir um futuro para nosso país que não se esqueça do seu passado e dos erros que nele fomos cometendo. É fundamental a ação frente à impunidade e contra a naturalização e a banalização do que é inaceitável e inegociável.

*Chico Whitaker é arquiteto e ativista social. Foi vereador em São Paulo. Atualmente é consultor da Comissão Brasileira Justiça e Paz.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Leonardo Avritzer Fernando Nogueira da Costa Sergio Amadeu da Silveira Gilberto Maringoni Tales Ab'Sáber Eduardo Borges André Márcio Neves Soares Fernão Pessoa Ramos Michel Goulart da Silva Celso Favaretto Denilson Cordeiro Lincoln Secco Marilena Chauí Luiz Roberto Alves José Luís Fiori Ricardo Musse Manchetômetro Ari Marcelo Solon Elias Jabbour Chico Alencar José Raimundo Trindade Paulo Fernandes Silveira Luciano Nascimento Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Marques Daniel Costa Luiz Eduardo Soares Lucas Fiaschetti Estevez Michael Löwy João Sette Whitaker Ferreira Samuel Kilsztajn Everaldo de Oliveira Andrade Flávio R. Kothe Francisco Fernandes Ladeira Ricardo Fabbrini Paulo Capel Narvai Michael Roberts José Machado Moita Neto Airton Paschoa Kátia Gerab Baggio Bento Prado Jr. Leonardo Sacramento Vladimir Safatle Celso Frederico Jean Marc Von Der Weid Dennis Oliveira Eugênio Bucci Alexandre Aragão de Albuquerque Eugênio Trivinho Thomas Piketty Luiz Werneck Vianna Andrés del Río Renato Dagnino Ronald Rocha Dênis de Moraes Marilia Pacheco Fiorillo José Costa Júnior Ricardo Antunes Osvaldo Coggiola Rodrigo de Faria Caio Bugiato Rafael R. Ioris Mariarosaria Fabris José Micaelson Lacerda Morais Benicio Viero Schmidt Antonio Martins Armando Boito Salem Nasser Luiz Bernardo Pericás Francisco de Oliveira Barros Júnior Gabriel Cohn Bruno Fabricio Alcebino da Silva Slavoj Žižek Ricardo Abramovay Otaviano Helene Marcos Silva Henri Acselrad Leonardo Boff Francisco Pereira de Farias Flávio Aguiar Vanderlei Tenório Alexandre de Freitas Barbosa Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Renato Martins João Lanari Bo Antônio Sales Rios Neto Carla Teixeira Marcelo Módolo Marcelo Guimarães Lima João Paulo Ayub Fonseca Paulo Martins Eliziário Andrade Gerson Almeida Rubens Pinto Lyra João Adolfo Hansen Antonino Infranca Sandra Bitencourt Bernardo Ricupero Tarso Genro Walnice Nogueira Galvão Manuel Domingos Neto Andrew Korybko Marcos Aurélio da Silva Gilberto Lopes Mário Maestri Jean Pierre Chauvin Daniel Brazil Priscila Figueiredo Plínio de Arruda Sampaio Jr. André Singer Luís Fernando Vitagliano Paulo Sérgio Pinheiro Juarez Guimarães Tadeu Valadares Berenice Bento Luis Felipe Miguel João Carlos Salles Afrânio Catani Atilio A. Boron Carlos Tautz Vinício Carrilho Martinez Igor Felippe Santos Ladislau Dowbor Valerio Arcary Claudio Katz Fábio Konder Comparato Leda Maria Paulani Ronaldo Tadeu de Souza Daniel Afonso da Silva Luiz Carlos Bresser-Pereira Remy José Fontana José Dirceu Marjorie C. Marona Valerio Arcary Milton Pinheiro Annateresa Fabris Yuri Martins-Fontes José Geraldo Couto Matheus Silveira de Souza Alysson Leandro Mascaro Ronald León Núñez Érico Andrade Jorge Branco Marcus Ianoni Anderson Alves Esteves Anselm Jappe Eleonora Albano Heraldo Campos João Feres Júnior Lorenzo Vitral Eleutério F. S. Prado Liszt Vieira Henry Burnett Maria Rita Kehl Boaventura de Sousa Santos João Carlos Loebens Julian Rodrigues Bruno Machado Jorge Luiz Souto Maior Chico Whitaker

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada