Peronismo, lulismo e eleições na Argentina

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por VALERIO ARCARY*

A longa vida do peronismo e o futuro da esquerda na etapa pós-Lula

                                                 É quando faz escuro que vemos as estrelas
                                                                        Provérbio popular português

1.

Sergio Massa irá disputar o segundo turno, no próximo 19 de novembro, contra Javier Milei, o candidato que unificará a direita e a extrema-direita. O que estará em jogo é de máxima gravidade. A Argentina vive um “impasse” histórico.
O país menos desigual e com o padrão médio de vida mais elevado do Cone Sul entrou em uma longa estagnação, ou até regressão de “latino-americanização”. A decadência histórica, nos seus vais e vens, não foi interrompida. Este impasse remete a uma relação estrutural de forças entre as classes. O grande ajuste que a burguesia argentina persegue há décadas, para poder disputar investimentos estrangeiros, favorecer as exportações, aumentar os níveis das reservas de dólares, e estabilizar a moeda, exige uma redução do “custo Argentina”: (a) o salário médio teria que ser nivelado pelos salários médios brasileiros ou, pelo menos, paulistas; (b) as políticas públicas de transferência de renda, seja por distribuição direta de dinheiro, seja pelos subsídios que barateiam as tarifas públicas teriam que ser suspensos ou diminuídas, drasticamente; (c) as privatizações teriam que ser retomadas para sustentar os planos de expansão de mineração e grandes obras públicas; (d) a força social de choque dos sindicatos e movimentos populares teria que ser neutralizada. É possível um ajuste desta natureza sem uma derrota histórica da classe trabalhadora? É possível sem uma mudança de regime político e uma ameaça às liberdades democráticas? O pesadelo do que foi a ditadura militar de Videla e Galtieri ainda atormenta a memória da geração mais adulta. Desconsiderando outras diferenças, como o papel da educação e da saúde pública, Sergio Massa representa um projeto gradualista de ajuste. Milei representa um projeto de choque. O desafio da esquerda argentina, que subestimou o perigo da extrema-direita, é compreender que, até novembro, não é possível lutar contra os dois ao mesmo tempo. A denúncia de Massa pela esquerda, nas próximas quatro semanas, mesmo quando muito justa, favorece Milei.     

2.   

A longevidade da influência do peronismo é um dos temas centrais, mais instigantes, mas, também, perturbadores da história contemporânea da Argentina. Por que o peronismo sobreviveu? Não é possível compreender a longevidade do peronismo sem sublinhar que se apoia em uma das classes trabalhadoras mais ativas do mundo, sindicalmente, muito combativa, mas, politicamente, órfã de uma representação independente. O peronismo assume o espaço de centro-esquerda, mas não é o PT da Argentina. O peronismo é um nacionalismo burguês progressista, contemporâneo do falecido getulismo no Brasil, que foi deslocado pelo PT e pelo lulismo, unindo diversas e, aparentemente, “incompatíveis” correntes, desde reacionários, neoliberais, e social-democratas até socialistas, como o movimento político que mantém maior influência nas camadas populares e recolhe, eleitoralmente, a maioria dos votos da classe trabalhadora. Talvez, porque a classe trabalhadora argentina foi aquela que, historicamente, obteve mais conquistas entre os países dependentes. Portanto, aquelas na qual as ilusões reformistas de regulação do capitalismo são mais poderosas. O peronismo é forte porque a esquerda é fraca, mas isso é um argumento circular, não explica nada. Nem o partido comunista, nem o socialista conseguiram ir além da marginalidade, muito em função de graves erros políticos, em distintas oportunidades. Paradoxalmente, ao lado da Bolívia e da França, a Argentina é o país onde o trotskismo teve no passado, e mantém até hoje, maior audiência.

3.

No Brasil, comparativamente, o varguismo não sobreviveu. O suicídio de Getúlio, em 1954, provocou uma explosão de fúria popular, inverteu a relação social de forças, e conseguiu adiar por dez anos o golpe de Estado para 1964. Peron foi derrubado do governo pelo golpe gorila de 1955, mas sua autoridade sobre o movimento sindical e as camadas populares se manteve intacta, até 1973, quando voltou do exílio, e foi eleito presidente. Faleceu no ano seguinte, mas o peronismo sobreviveu à sua morte, e voltou ao poder em 1989 com Carlos Menem. A experiência histórica não tinha sido superada e, ainda em 2003, se reinventou como kirchnerismo e governou até 2015. Voltou a vencer as eleições em 2019 com Alberto Fernandez e Cristina, confirmando imensa resiliência. No Brasil, em 1979, quando as lutas operárias, estudantis e populares mudaram a relação social de forças, a liderança que expressava a continuidade da corrente varguista, Leonel Brizola, teve que competir com o PT pela representação dos trabalhadores e, depois de dez anos, foi derrotada, quando foi Lula que chegou ao segundo turno contra Collor, por uma diferença inferior a 1%, um “acidente eleitoral”.

4.

A longa vida do peronismo passou por seis etapas: (a) o momento nacional-desenvolvimentista, durante o primeiro mandato do general Péron e Evita, quando se apoiou nos sindicatos para contrabalançar o peso do setor agro exportador, fortalecer a industrialização e expansão do mercado interno; (b) o momento da resistência, quando manteve sua influência depois do golpe de 1955 até 1973, porque as conquistas sociais da primeira década do pós-guerra permaneceram vivas na memória social da classe trabalhadora durante as ditaduras militares, e porque a oposição reconheceu Péron no exílio como o líder do movimento; (c) o momento contrarrevolucionário, entre 1975/76, quando da posse de Isabelita e o “bruxo” de extrema-direita Lopez Rega, que acabaram abrindo o caminho para o golpe de 1976; (d) o momento heroico, quando a ditadura militar de 1976/82 realizou um genocídio, provocou um trauma histórico, e conduziu o país para uma derrota militar na guerra das Malvinas, deixando o peronismo como a direção das classes populares; (e) o momento neoliberal, quando reposicionou-se como partido de centro-direita com Menem, depois da restauração capitalista e o fim da URSS, e a dolarização nos anos noventa; (f) o momento “reformista” quando reinventou-se como kirchnerismo entre 2003/15 e conseguiu conter a onda de mobilização popular com concessões, após a situação pré-revolucionária de 2002, e estabilizou o regime.

5.

Qual será o futuro da esquerda na etapa pós-Lula?O lulismo terá uma sobrevida depois de Lula, como o peronismo sem Perón? A longa vida do PT passou, também, por seis etapas: (a) o momento classista heroico da fundação do PT ao calor da onda de greves entre 1978/81 até às eleições de 1989;  (b) o momento institucionalização, ou plena integração como um partido do regime, entre o apoio à posse de Itamar Franco em 1992, depois do impeachment de Collor, e a vitória eleitoral de 2002, quando se consolidou como o maior partido de oposição nacional; (c) o momento lulista dos dois mandatos, entre 2003 e 2010, quando a influência pessoal de Lula decolou, e passou a ser, qualitativamente, maior do que o petismo; (d) o momento dilmista, entre 2010 e 2016, quando Lula acaba aceitando, contrariado, a disputa da reeleição, uma fase neodesenvolvimentistas que termina com o deslocamento da burguesia para a oposição e, finalmente, para o golpe; (e) o momento heroico, a prisão de Lula durante um ano e meio, a resistência durante sete anos de acumulação de derrotas que culminaram com a eleição de Bolsonaro; (f) o momento atual, aberto pela estreita vitória da eleição de Lula contra Bolsonaro em 2022.   

6.

O PT já demonstrou ter imensa resiliência, mas pode manter a influência de massas do lulismo dos últimos quarenta anos, sem Lula? Dependerá, pelo menos, de quatro fatores: (a) a economia não pode parar de crescer, mesmo que lentamente, porque a estagnação, ou pior, uma contração ameaçará a ampla coligação com os partidos burgueses, e a governabilidade; (b) não bastará o crescimento, o governo Lula precisa responder, até 2026, às demandas populares mais agudas, alimentando a esperança de que é possível, através de uma estratégia reformista, melhorar a vida; (c) a corrente neofascista deverá ser derrotada, e sua audiência em parcelas da classe trabalhadoras do sudeste e sul do país terá que refluir; (d) uma liderança do PT precisará emergir, superando as disputas pessoais pelo poder, e se afirmar com capacidade de construir coesão interna. Uma transição mais lenta, segura e controlada poderia ser feita, se Lula puder concorrer em 2026 e vencer. Mas será abrupta, convulsiva e, provavelmente, com danos irreparáveis, se for feita sem Lula. A única certeza é que a esquerda vai se dividir, porque haverá luta devastadora dentro do PT, disputas internas no PSol e no PCdoB e, provavelmente, mais momentos “vulcânicos”, como a divisão da Consulta Popular e do PCB, na esquerda radical.

7.

Ainda é cedo para prever o desenho dos campos, mas há algumas hipóteses mais prováveis, em função dos posicionamentos atuais. O PT interrompeu a dinâmica de crise que vinha acumulando desde 2013, e recuperou autoridade, em função do golpe institucional contra Dilma Rousseff, e do impacto de sete anos de derrotas acumuladas. Atingiu o seu ápice em 2022 com o agigantamento de Lula ao sair da prisão liderando a campanha contra Bolsonaro. Mas não conseguiu fechar, totalmente, o flanco à sua esquerda. A relocalização do PSol, que assumiu liderança nos movimentos feminista e negro, indígena e LGBT, estudantil e popular, e o protagonismo do MTST projetaram Boulos, que chegou ao segundo turno em São Paulo em 2020 e, conquistando mais de um milhão de votos em 2022, se afirmou como a segunda liderança popular mais influente do país, emparelhando ou até superando Haddad, que tinha substituído Lula na eleição contra Bolsonaro em 2018. Ninguém pode prever qual será o desfecho do governo Lula. Manterá os índices de aprovação atuais, acima de 50%, irá se fortalecer ou enfraquecer? A resposta depende de muitos fatores, por hoje imprevisíveis, o que recomenda um saudável “empirismo leninista”. Mas a disputa da prefeitura de São Paulo em 2024 será a mãe de todas as batalhas futuras. Se Boulos sair reforçado, qualitativamente, por uma vitória, muda a relação de forças dentro da esquerda, e o PT sairá, inescapavelmente, diminuído, mesmo tendo apoiado o Psol desde o primeiro turno. Mas ainda terá, talvez, a “carta” Lula o que pode atrasar a reorganização pela esquerda do PT, e um papel maior de Boulos.

8.

Não é possível antecipar o cenário das presidenciais de 2026, diante de incógnitas chaves. Lula terá condições de disputar a reeleição? Bolsonaro poderá ser candidato? A extrema-direita sem Bolsonaro conseguirá preservar o grau de influência que conquistou? O Brasil conseguirá manter o crescimento, caminhará para estagnação ou até recessão, em função da retração do mercado mundial? Qual o desenlace das duas guerras atuais, na Ucrânia em Gaza, e seus impactos? Qual o desfecho das eleições nos EUA? Entretanto, se o contexto de 2022 se repetir, e considerando as dificuldades imensas que o governo Lula irá enfrentar nos próximos anos, a hipótese mais provável é que a eleição será muito difícil, e a maioria da base social da esquerda se posicionará em estratégia defensiva, como na Argentina agora. Se viesse a ser assim, o PT ganharia tempo histórico, mesmo que desmoronando por dentro. Mas, são muitos contrafactuais, e há outras hipóteses. Ainda é cedo para saber se o PT terá sete vidas.

*Valerio Arcary é professor de história aposentado do IFSP. Autor, entre outros livros, de Ninguém disse que seria fácil (Boitempo). [https://amzn.to/3OWSRAc]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Daniel Costa Henry Burnett Alysson Leandro Mascaro Elias Jabbour Kátia Gerab Baggio Bruno Machado Paulo Sérgio Pinheiro Celso Frederico Michael Löwy Carla Teixeira Marcus Ianoni João Paulo Ayub Fonseca Atilio A. Boron José Geraldo Couto João Sette Whitaker Ferreira Benicio Viero Schmidt Antônio Sales Rios Neto Michael Roberts Chico Whitaker Francisco Pereira de Farias José Luís Fiori Gilberto Maringoni Sandra Bitencourt Tadeu Valadares Eduardo Borges João Carlos Loebens Vinício Carrilho Martinez Dennis Oliveira José Raimundo Trindade Jorge Branco Marcos Silva Marcos Aurélio da Silva João Carlos Salles Paulo Fernandes Silveira Antonio Martins Bento Prado Jr. Paulo Martins Ricardo Musse Lucas Fiaschetti Estevez Ricardo Fabbrini Luiz Marques Ronald León Núñez Alexandre de Lima Castro Tranjan Anselm Jappe Berenice Bento Paulo Capel Narvai Everaldo de Oliveira Andrade Eugênio Bucci Luiz Bernardo Pericás Jorge Luiz Souto Maior Boaventura de Sousa Santos Eliziário Andrade Lincoln Secco Leonardo Avritzer Ricardo Abramovay José Costa Júnior Andrés del Río Chico Alencar Jean Marc Von Der Weid Ronald Rocha Jean Pierre Chauvin Leonardo Boff Marjorie C. Marona Afrânio Catani Leda Maria Paulani Luis Felipe Miguel Caio Bugiato Priscila Figueiredo Renato Dagnino Thomas Piketty Luís Fernando Vitagliano Milton Pinheiro Annateresa Fabris Flávio R. Kothe Slavoj Žižek Fernando Nogueira da Costa Gabriel Cohn Marcelo Módolo Marilena Chauí Daniel Afonso da Silva Ari Marcelo Solon Alexandre Aragão de Albuquerque Eleutério F. S. Prado Sergio Amadeu da Silveira Ricardo Antunes Julian Rodrigues Mário Maestri Luiz Carlos Bresser-Pereira João Adolfo Hansen Mariarosaria Fabris Luiz Roberto Alves Ladislau Dowbor Rafael R. Ioris Salem Nasser Dênis de Moraes Luciano Nascimento Matheus Silveira de Souza Luiz Eduardo Soares Lorenzo Vitral Armando Boito Heraldo Campos Antonino Infranca Andrew Korybko Igor Felippe Santos José Dirceu Alexandre de Freitas Barbosa Celso Favaretto Airton Paschoa Gerson Almeida Paulo Nogueira Batista Jr André Singer Samuel Kilsztajn Rodrigo de Faria Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Lanari Bo Henri Acselrad Vladimir Safatle Leonardo Sacramento Marcelo Guimarães Lima Bernardo Ricupero Otaviano Helene Luiz Werneck Vianna Rubens Pinto Lyra Francisco de Oliveira Barros Júnior Bruno Fabricio Alcebino da Silva Carlos Tautz Juarez Guimarães Fernão Pessoa Ramos Érico Andrade José Machado Moita Neto Francisco Fernandes Ladeira Michel Goulart da Silva Eleonora Albano Tales Ab'Sáber Manchetômetro Fábio Konder Comparato Flávio Aguiar Walnice Nogueira Galvão Ronaldo Tadeu de Souza Valerio Arcary Daniel Brazil João Feres Júnior Claudio Katz Liszt Vieira Marilia Pacheco Fiorillo Remy José Fontana Vanderlei Tenório Maria Rita Kehl Yuri Martins-Fontes Gilberto Lopes Eugênio Trivinho Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Valerio Arcary André Márcio Neves Soares Tarso Genro Osvaldo Coggiola José Micaelson Lacerda Morais Manuel Domingos Neto Luiz Renato Martins Denilson Cordeiro

NOVAS PUBLICAÇÕES