Literatura e resistência

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FERREIRA GULLAR*

Comentário sobre o livro de Alfredo Bosi

Embora este livro de Alfredo Bosi não tenha sido escrito, ao que tudo indica, segundo um plano preestabelecido, creio que mantém uma peculiar unidade e, talvez mesmo por não seguir um plano, oferece-nos uma leitura ainda mais abrangente, rica de reflexões, ilações e descobertas.

O livro obedece a uma metodologia de leitura que vai do geral ao particular, do passado à atualidade e, com isso, nos ensina como as questões que envolvem literatura e ideologia, história e criação individual, estão na base mesma de nossa formação cultural.

No século XIX, os conceitos de nação e progresso, decorrentes da ascensão da burguesia, estavam presentes, a partir de certo momento, nas literaturas da Europa, mas em países como o Brasil, onde não havia burguesia, ganharam coloração específica e um peso maior: revelavam nossa carência e implicavam nossa afirmação como povo. Isto agravou a necessidade de submeter-se a apreciação da obra literária às exigências ideológicas do nacionalismo e de entender-se o processo literário não como a história das obras e sim como simples momentos de um processo evolutivo.

Bosi nos mostra como isto ocorre e de que modo a valorização dos fatores formais e as novas concepções estéticas tornaram insustentável a subestimação por parte dos teóricos, da autonomia da criação artística propriamente dita. Os primeiros passos neste sentido foram dados, no Brasil, por pensadores surgidos com o modernismo, como Mário de Andrade e Tristão de Athayde, cuja reflexão se amplia e aprofunda, mais tarde, com Otto Maria Carpeaux, Antonio Candido e, acrescento eu, o próprio Alfredo Bosi.

Coerente com sua tese de que o fundamental da história da literatura é a obra como criação individualizada, dedica-se à análise de alguns livros em que exemplarmente se manifesta a atitude de resistência do autor em face das forças que negam o humanismo, como a opressão e a discriminação racial ou social. Também aqui parte da precedência histórica, ao focalizar primeiramente O reino deste mundo, obra em que o padre Antônio Vieira resiste às acusações do Santo Ofício e reafirma a profecia do advento do Quinto Império.

Passa daí ao Uraguai, de Basílio da Gama, autor que é levado, contraditoriamente, a defender o extermínio dos índios pelo colonizador ao mesmo tempo que condena o colonialismo. Em O emparedado, de Cruz e Sousa, constata o inconformismo com a discriminação do negro, tido pela pseudociência da época como biologicamente inferior ao branco. Essa discriminação assume caráter mais evidentemente social no romance Isaías Caminha, do mulato Lima Barreto.

Já nas Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos, na década de 1950, a resistência ganha a forma de testemunho dos arbítrios da ditadura Vargas contra o direito de pensar e agir politicamente. É um momento em que ela se expressa não apenas no tema mas também na própria escrita, no estilo literário. Bosi amplia a discussão do problema ao mergulhar na “era dos extremos” – a época atual – quando alguns pretendem apresentar a obra literária, já não como criação primeira e sim como mera citação ou pastiche – o que ele refuta.

Não seria possível, numa simples “orelha”, tentar resumir a riqueza de conhecimento e ideias que este livro contém. Por isso mesmo, só me resta apontar ao público o único caminho possível para usufruí-la: lê-lo.

*Ferreira Gullar (1930-2016) foi escritor, poeta e dramaturgo. Autor, entre outros livros, de Poema sujo (Companhia das Letras).

Referência


Alfredo Bosi. Literatura e resistência. São Paulo, Companhia das Letras, 2002, 304 págs.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Érico Andrade Celso Frederico Michael Roberts Manchetômetro João Lanari Bo Paulo Martins Julian Rodrigues Eleutério F. S. Prado Fernando Nogueira da Costa Luiz Eduardo Soares Tales Ab'Sáber Mariarosaria Fabris Daniel Brazil Atilio A. Boron José Costa Júnior Chico Whitaker Flávio R. Kothe José Luís Fiori Gabriel Cohn João Sette Whitaker Ferreira José Raimundo Trindade Eugênio Trivinho Luiz Carlos Bresser-Pereira Bento Prado Jr. Remy José Fontana Claudio Katz Alexandre Aragão de Albuquerque Kátia Gerab Baggio Rubens Pinto Lyra João Carlos Loebens José Micaelson Lacerda Morais Bernardo Ricupero Plínio de Arruda Sampaio Jr. Benicio Viero Schmidt Paulo Nogueira Batista Jr Tarso Genro Liszt Vieira Luis Felipe Miguel Sergio Amadeu da Silveira Celso Favaretto Luís Fernando Vitagliano Leonardo Boff Heraldo Campos Leda Maria Paulani Luiz Bernardo Pericás Anderson Alves Esteves Alexandre de Freitas Barbosa Henry Burnett Vanderlei Tenório José Geraldo Couto Fernão Pessoa Ramos Gilberto Maringoni Ronald León Núñez Paulo Fernandes Silveira Gerson Almeida Alysson Leandro Mascaro João Feres Júnior Manuel Domingos Neto Mário Maestri Gilberto Lopes Lorenzo Vitral Valerio Arcary Henri Acselrad Everaldo de Oliveira Andrade Eliziário Andrade Boaventura de Sousa Santos Otaviano Helene Eleonora Albano Francisco de Oliveira Barros Júnior João Adolfo Hansen Ricardo Fabbrini Marcos Silva Paulo Sérgio Pinheiro Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marcelo Guimarães Lima Rodrigo de Faria Antonio Martins Leonardo Sacramento Airton Paschoa Marcelo Módolo Chico Alencar Daniel Costa João Carlos Salles Paulo Capel Narvai Armando Boito Marcus Ianoni Rafael R. Ioris Denilson Cordeiro Michel Goulart da Silva Carla Teixeira Osvaldo Coggiola Thomas Piketty Maria Rita Kehl Tadeu Valadares Dennis Oliveira Luiz Marques Antônio Sales Rios Neto Ricardo Musse Fábio Konder Comparato Luiz Roberto Alves Ricardo Antunes Luiz Renato Martins Vladimir Safatle Jorge Luiz Souto Maior Sandra Bitencourt Yuri Martins-Fontes João Paulo Ayub Fonseca Anselm Jappe Ronaldo Tadeu de Souza André Márcio Neves Soares Milton Pinheiro Matheus Silveira de Souza Marilena Chauí Walnice Nogueira Galvão Salem Nasser Ronald Rocha Annateresa Fabris Francisco Pereira de Farias Antonino Infranca José Machado Moita Neto Lincoln Secco Flávio Aguiar Jean Pierre Chauvin Valerio Arcary Igor Felippe Santos Elias Jabbour Bruno Machado Samuel Kilsztajn Luiz Werneck Vianna Michael Löwy Leonardo Avritzer Marilia Pacheco Fiorillo Eduardo Borges José Dirceu Berenice Bento Daniel Afonso da Silva Ricardo Abramovay Andrew Korybko Slavoj Žižek Vinício Carrilho Martinez Juarez Guimarães Ladislau Dowbor Afrânio Catani André Singer Carlos Tautz Caio Bugiato Ari Marcelo Solon Andrés del Río Lucas Fiaschetti Estevez Dênis de Moraes Renato Dagnino Jean Marc Von Der Weid Eugênio Bucci Marjorie C. Marona Alexandre de Lima Castro Tranjan Marcos Aurélio da Silva Priscila Figueiredo Luciano Nascimento Francisco Fernandes Ladeira Jorge Branco

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada