Pobres criaturas

Edvard Munch, 1920
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BRUNO FABRICIO ALCEBINO DA SILVA*

Considerações sobre o filme dirigido por Yorgos Lanthimos

O filme Pobres criaturas, dirigido por Yorgos Lanthimos, mergulha em uma narrativa surreal e provocativa que aborda a interseção entre desejo, controle e identidade revelando as profundezas da psique humana. Recebendo 11 indicações ao Oscar, através da jornada de Bella Baxter, interpretada de forma cativante por Emma Stone, o filme expõe as complexidades do amadurecimento feminino em meio a uma sociedade opressora e limitadora.

A trama se desenrola em torno de Bella, uma figura cuja singularidade transcende os limites da compreensão convencional. Ela é uma amálgama de elementos díspares, desde sua própria constituição física até suas interações sociais. Sob a manipulação meticulosa do médico Dr. Godwin Baxter (Willem Dafoe), ironicamente apelidado de God (Deus em inglês), Bella é apresentada ao mundo com um corpo modificado, uma maravilha da ciência que abriga em si o cérebro de seu próprio filho. Essa extraordinária peculiaridade física não apenas evidencia a natureza bizarra e surrealista do universo do filme, mas também serve como uma poderosa metáfora para a eterna batalha entre desejo e controle.

Ao carregar consigo o cérebro de seu filho, Bella encarna a fusão de duas existências, duas identidades distintas unidas em uma única entidade física. Essa fusão não só desafia as noções convencionais de individualidade e identidade, mas também lança luz sobre a complexa interação entre maternidade, autonomia e sacrifício. A presença do filho dentro dela não é apenas uma peculiaridade física, mas uma manifestação vívida do conflito interior de Bella entre suas próprias vontades e desejos e as expectativas impostas sobre ela pela sociedade e pelas figuras de autoridade masculina.

Assim, a metamorfose de Bella não é apenas uma transformação física, mas também uma jornada de autodescoberta e empoderamento. Sua existência transcende os limites da normalidade e da conformidade, desafiando as convenções sociais e culturais que tentam enquadrá-la em padrões predefinidos. Nesse sentido, a peculiaridade física da protagonista não é apenas uma característica estranha do enredo, mas sim um elemento central que alimenta a narrativa mais ampla do filme sobre liberdade, individualidade e a busca incessante pelo verdadeiro significado da existência.

Nesse contexto, a análise psicanalítica de Sigmund Freud e a obra Eros e Civilização de Herbert Marcuse emergem como lentes valiosas para compreender as camadas de significado presentes em Pobres criaturas. Freud, com sua teoria do inconsciente e dos impulsos primitivos, lança luz sobre a dualidade de desejos e pulsões que permeiam as ações dos personagens. Bella, em sua busca pela autonomia, confronta não apenas as restrições externas impostas por figuras como o Dr. Baxter e seu marido Alfie (Christopher Abbott), mas também os conflitos internos entre seus próprios impulsos e as expectativas sociais.

Desde os primeiros momentos do filme, somos apresentados ao embate entre desejo e controle, uma dinâmica que permeia a jornada de Bella, uma figura que encarna a luta pela autonomia em meio a um mundo que tenta restringir seus movimentos. Nesse contexto, podemos enxergar a influência da teoria freudiana sobre o conflito entre o id, o ego e o superego. Bella, com seu desejo livre e desinibido, representa o id, a parte instintiva e impulsiva da psique, enquanto figuras como Dr. Godwin Baxter e Duncan Wedderburn (Mark Ruffalo) representam o superego, impondo restrições e normas sociais à protagonista.

A relação de Bella com seu criador, Dr. Baxter, é especialmente interessante à luz das teorias freudianas. Ele não apenas a molda fisicamente, mas também tenta controlar seus desejos e experiências, refletindo o conceito de complexo de Édipo e a figura paterna como agente regulador do desejo. A constante luta de Bella contra esse controle simboliza a busca pela emancipação e pela realização dos desejos reprimidos. Essa dinâmica também explora temas abordados por Freud em O Mal-Estar na Civilização, investigando as tensões entre impulsos instintivos e as exigências sociais. A figura de Dr. Baxter, moldando o corpo de Bella, ecoa a opressão institucional, evidenciando o embate entre desejo e controle presente tanto no filme quanto na obra de Freud.

Além disso, a obra dialoga com as ideias de Herbert Marcuse sobre a sociedade repressora e a necessidade de uma revolução erótica para romper com as amarras da civilização. Em Eros e Civilização, Marcuse argumenta que a repressão dos impulsos naturais pelo sistema social resulta em uma sociedade reprimida e alienada. Em Pobres criaturas, vemos essa repressão manifestada nas tentativas de controle sobre Bella por parte dos homens em sua vida, representando as estruturas de poder que buscam subjugar os desejos individuais em prol da conformidade social.

Além disso, Herbert Marcuse oferece uma perspectiva crítica sobre a sociedade repressiva e suas estruturas de controle. O filme retrata vividamente a tentativa constante de homens como Dr. Baxter, Duncan e Alfie de subjugar e dominar Bella, refletindo os mecanismos de opressão presentes na sociedade patriarcal. A luta de Bella pela emancipação e autodeterminação é, portanto, um ato de resistência contra essas forças coercitivas.

A jornada de Bella, marcada por descobertas e confrontos com o controle externo, reflete a necessidade de uma libertação erótica, onde o desejo não seja mais reprimido, mas sim celebrado como uma força vital e criativa. A abordagem surreal e provocadora de Yorgos Lanthimos nos convida a questionar as normas estabelecidas e a buscar uma nova forma de existência, onde a liberdade individual e a expressão autêntica dos desejos sejam valorizadas.

A estética do filme, marcada pela combinação de elementos surrealistas e fantásticos, reforça a atmosfera de estranheza e alienação que permeia a jornada de Bella. A direção de arte, o figurino e a trilha sonora contribuem para criar um mundo visualmente impactante, onde o grotesco e o belo se entrelaçam de forma intrigante.

Em suma, Pobres criaturas constitui uma reflexão profunda sobre os complexos temas do desejo, controle e identidade. Ao explorar esses aspectos, a obra não só nos convida a refletir sobre o impacto da civilização sobre os indivíduos, mas também nos proporciona uma experiência cinematográfica envolvente e provocativa. No final das contas, destaca-se como uma narrativa que ultrapassa os limites do gênero, oferecendo uma visão penetrante e fascinante sobre os meandros da condição humana.

*Bruno Fabricio Alcebino da Silva é graduando em Relações Internacionais e Ciências Econômicas pela Universidade Federal do ABC (UFABC).

Referência


Pobres criaturas (Poor Things)
EUA, Reino Unido e Irlanda do Norte, 2023, 141 minutos
Direção: Yorgos Lanthimos
Elenco: Emma Stone, Willem Dafoe, Christopher Abbott, Mark Ruffalo

Bibliografia


Freud, S. (1930). O mal-estar na civilização. In Obras Completas de Sigmund Freud (Vol. XXI). Imago Editora.

Freud, S. (1900). A interpretação dos sonhos. Standard Edition, 4 e 5.

Marcuse, H. (1955). Eros e Civilização. Beacon Press.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Mariarosaria Fabris João Paulo Ayub Fonseca Carla Teixeira Paulo Nogueira Batista Jr Everaldo de Oliveira Andrade Michael Löwy Thomas Piketty Heraldo Campos Slavoj Žižek João Feres Júnior Henri Acselrad José Dirceu Ronald Rocha João Carlos Loebens Rodrigo de Faria Sergio Amadeu da Silveira Armando Boito José Luís Fiori Chico Alencar Elias Jabbour Milton Pinheiro Marcelo Guimarães Lima Luciano Nascimento Jean Pierre Chauvin Manuel Domingos Neto Marjorie C. Marona Celso Favaretto Airton Paschoa Gabriel Cohn Francisco Pereira de Farias Mário Maestri Kátia Gerab Baggio Vanderlei Tenório Boaventura de Sousa Santos Michel Goulart da Silva Francisco de Oliveira Barros Júnior Bernardo Ricupero Lincoln Secco Ronald León Núñez Luiz Roberto Alves Bruno Fabricio Alcebino da Silva Julian Rodrigues Paulo Sérgio Pinheiro Salem Nasser José Costa Júnior Flávio R. Kothe Marilia Pacheco Fiorillo Érico Andrade Valerio Arcary Anderson Alves Esteves Eleutério F. S. Prado Celso Frederico Samuel Kilsztajn Tadeu Valadares Michael Roberts Eliziário Andrade Antônio Sales Rios Neto Walnice Nogueira Galvão Bento Prado Jr. Leonardo Sacramento Fernão Pessoa Ramos José Micaelson Lacerda Morais Luiz Carlos Bresser-Pereira Ladislau Dowbor Ricardo Fabbrini Flávio Aguiar Luiz Renato Martins Dennis Oliveira Annateresa Fabris Renato Dagnino Alysson Leandro Mascaro Matheus Silveira de Souza Daniel Costa Vladimir Safatle Paulo Capel Narvai Marcelo Módolo Dênis de Moraes Marcos Silva Leonardo Boff Bruno Machado Jorge Luiz Souto Maior Henry Burnett Luís Fernando Vitagliano Gilberto Maringoni Chico Whitaker Gilberto Lopes Ricardo Antunes Francisco Fernandes Ladeira Alexandre de Freitas Barbosa João Carlos Salles João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Abramovay André Márcio Neves Soares Otaviano Helene Afrânio Catani Antonino Infranca Juarez Guimarães Andrew Korybko Vinício Carrilho Martinez Berenice Bento Leonardo Avritzer Luiz Bernardo Pericás Jean Marc Von Der Weid Luiz Marques Eugênio Trivinho Anselm Jappe Leda Maria Paulani Eleonora Albano João Adolfo Hansen Paulo Fernandes Silveira Alexandre Aragão de Albuquerque Daniel Brazil Ronaldo Tadeu de Souza Atilio A. Boron Antonio Martins Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Eduardo Soares Manchetômetro Liszt Vieira Daniel Afonso da Silva Sandra Bitencourt Claudio Katz José Raimundo Trindade Igor Felippe Santos Denilson Cordeiro José Geraldo Couto Rafael R. Ioris João Lanari Bo Ricardo Musse Gerson Almeida Yuri Martins-Fontes Maria Rita Kehl Marcus Ianoni Benicio Viero Schmidt Valerio Arcary Priscila Figueiredo Luiz Werneck Vianna Ari Marcelo Solon Eduardo Borges Fábio Konder Comparato Fernando Nogueira da Costa Marcos Aurélio da Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan Remy José Fontana Lorenzo Vitral Jorge Branco José Machado Moita Neto Plínio de Arruda Sampaio Jr. André Singer Tales Ab'Sáber Caio Bugiato Eugênio Bucci Andrés del Río Marilena Chauí Luis Felipe Miguel Paulo Martins Tarso Genro Osvaldo Coggiola Carlos Tautz Rubens Pinto Lyra

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada