Em destaque – V

Imagem_ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BENICIO VIERO SCHMIDT*

Comentários sobre acontecimentos recentes

1. Iniciou-se uma discussão acerca das possibilidades de implantação efetiva da lei do Marco Legal de Saneamento. Ela foi aprovada com estardalhaço no Senado Federal com mais de sessenta votos na semana passada e enviada à sanção do Presidente da República. Certamente será sancionada, mas os problemas que advêm da interpretação desse marco são imensos. A nova lei, por exemplo, erige como instituição reguladora a Agência Nacional de Águas, cuja presidente-diretora alega que não tem quadro sequer para dar conta dos problemas atuais.

Imagine o Brasil inteiro sendo regulado por ditos e editos da Agência Nacional de Águas, sendo que a própria presidente alega que não há condições de fazer isso. Quando se lê com atenção as condições de suspensão das licitações já ocorridas e que vigoram por trinta anos complica-se mais ainda o papel da Agência Nacional de Águas. Em suma, a lei é muito boa, mas sua implantação será muito difícil no curto e no médio prazo.

2. Dados recentes confirmam que em São Paulo especificamente aumentou a violência da Polícia Militar. Trata-se de uma situação semelhante aos Estados Unidos onde se presenciou recentemente práticas de violência aberta da polícia contra a população. Destaco aí dois pontos. Primeiro um problema óbvio de desobediência, que se deve quem sabe à falta de hierarquia, de controle interno da PM, de insubordinação de fato. Suspeita-se que as polícias militares, especialmente a de São Paulo, estejam totalmente alinhadas a situações subterrâneas que sustentam o governo Bolsonaro nessa área. É necessário acompanhar com atenção essa situação, porque insubordinação e desobediência da Polícia Militar ao seu governador significam que alguém outro é o superior ou o inspirador.

3. No que tange à Presidência da República, convém observar que flancos jurídicos foram abertos e dificilmente serão fechados sem muita dor, sem muito pânico. Tanto no TSE (a questão das fake news, cuja regulamentação está sendo votada no Congresso Nacional), como no STF (aquilo que diz respeito aos comportamentos nada democráticos das forças que apoiam o governo). Os flancos são abertos e são reforçados pela presença eventual de Queiroz na prisão e pela busca policial pelo paradeiro da sua esposa, Márcia, por todo o território nacional.

O que virá daí, não se sabe. De qualquer forma, parece evidente que apesar do governo ter bloqueado parcialmente a possibilidade de impeachment no Congresso (pois conta agora com os 206 votos dos alinhados com o apoio do Centrão), é visível que alguns ônus serão inevitáveis e daí pode se esperar muita coisa. O impeachment via Congresso Nacional torna-se difícil, mas situações a serem causadas pelo comportamento do STF especialmente são desconhecidas.

4. Ressalte-se, por fim, que a pressão internacional contra o Brasil por parte de consumidores e importadores internacionais de commodities agrícolas se fez sentir novamente. Alguns dentre os principais grupos de importadores fizeram um pronunciamento bastante virulento.

*Benicio Viero Schmidt é professor aposentado de sociologia na UnB. Autor, entre outros livros, de O Estado e a política urbana no Brasil (LP&M).

 

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • O negacionismo ambiental e a inundação de Porto Alegreporto alegre aeroporto alagado 14/05/2024 Por CARLOS ATÍLIO TODESCHINI: Porto Alegre tem o melhor sistema de proteção contra cheias do Brasil. É considerado um “minissistema holandês”. Por que esse sistema falhou em sua função de evitar que a cidade fosse alagada?
  • A mão de OzaJoao_Carlos_Salles 14/05/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: O dever do Estado brasileiro e a universidade contratada
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES