A força histórica dos pobres e oprimidos

Imagem: Margerretta
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

Temos que ouvir os pobres que antes de ler as letras, leem mundo com acerto

A mim sempre me impressionou uma pequena história relatada no livro do Eclesiastes do Primeiro Testamento (ou o Antigo). O Eclesiastes se assume como sendo o sábio rei Salomão. Seria o que chamaríamos hoje um acadêmico ou um professor universitário (em hebraico Qohelet). É conhecido pela expressão “vaidade, pura vaidade; tudo é vaidade” (1,2). Algumas traduções modernas traduzem: “ilusão, pura ilusão; tudo é ilusão”.

Todo o livro é uma busca incansável pela felicidade, mas se confronta com a morte inevitável que torna todas as buscas ilusões, puras ilusões. Nem por isso deixa de ser temente a Deus e ético ao se indignar face às opressões: “quantas são as lágrimas dos oprimidos sem ninguém que os console quando estão sob o poder dos opressores… feliz é aquele que não chegou a nascer porque não viu a maldade que se comete debaixo do sol” (4,1.3).

A pequena história reza assim: “Havia uma cidade de poucos habitantes. Um rei poderoso marchou sobre ela, cercou-a e levantou contra ela grandes rampas de ataque. Havia na cidade um homem pobre, porém sábio, que poderia ter salvo a cidade com sua sabedoria. Mas ninguém se lembrou daquele homem pobre. A sabedoria do pobre é desprezada e suas palavras nunca são ouvidas” (9,14-16).

Essa constatação me reporta à teologia latino-americana da libertação. É uma teologia cujo eixo articulador é a opção não excludente pelos pobres e por sua libertação. Ela confere centralidade aos pobres como está no evangelho do Jesus histórico: “felizes os pobres porque de vós é o Reino de Deus” (Lucas 6, 20). Mas há algo de inédito na Teologia da Libertação que supera o assistencialismo e o paternalismo tradicionais que faziam caridade para com os pobres mas os deixavam em sua situação de pobres.

A Teologia da Libertação acrescentou algo singular: reconhecer a força história dos pobres. Eles começaram a se conscientizar de que sua pobreza não é querida por Deus, nem é natural, mas consequência de forças sociais e políticas que os exploram para se enriquecerem às custas deles, fazendo-os assim pobres. Então não são simplesmente pobres, são oprimidos. Contra toda opressão vale a libertação. Conscientizados deste fato e organizados, constituem-se forças sociais, capazes, junto com outras forças, de mudarem a sociedade para que seja melhor, não tão injusta, opressora e desigual.

Os cristãos se inspiraram na tradição do Êxodo (“ouvi o clamor de meu povo oprimido, desci para libertá-lo”, Ex 3,7), naquela dos profetas que contra os opressores dos pobres e das viúvas denunciavam as elites dominantes e os reis (Isaías, Amós, Oséias, Jeremias), fazendo Deus dizer: “quero misericórdia e não sacrifícios; procurai o direito, corrigi o opressor, julgai a causa do órfão e defendei a viúva” (Isaías, 1,17). Mas principalmente na prática do Jesus histórico que claramente estava sempre do lado da vida sofrida, especialmente dos pobres, dos doentes, dos marginalizados, das mulheres, curando e exercendo uma prática verdadeiramente libertadora dos padecimentos humanos. Anunciava-lhes o projeto de Deus, uma revolução absoluta: um Reino de amor, de paz, de perdão, de compaixão e também de domínio sobre a natureza rebelada.

Esta é a base da teologia da libertação. Marx não foi nem pai nem padrinho deste tipo de teologia, como muitos ainda hoje a acusam. Mas se fundamenta na tradição profética e da prática do Jesus histórico. Não esqueçamos que ele foi julgado, condenado e erguido numa cruz pelos religiosos no tempo, associados ao poder político romano. Por causa da liberdade que se tomava face às leis opressoras e a uma imagem de um Deus vingador. Tudo colocou sob o crivo do amor e da misericórdia Se não servia ao amor e não levava à misericórdia rompia com costumes e tradições que oneravam a vida de todo um povo.

A Teologia da Libertação deu um voto de confiança nos pobres, considerando-os protagonistas de sua própria libertação e atores na sociedade como a nossa que cria mais e mais pobres e vergonhosamente os despreza e relega à marginalidade. Ela se funda sobre exploração das pessoas, sobre competição e não sobre a solidariedade e sobre depredação irresponsável da natureza.

A experiência que fizemos é exatamente aquela contada no livro do Eclesiastes: os pobres são sábios, nos ensinam, pois seu saber é de experiências realizadas; fazemos uma troca de saberes, entre o nosso científico e o deles experiencial e assim somamos forças. Descobrimos que quando se organizam em comunidades, em movimentos, e como cidadãos participam de partidos que buscam a justiça social, revelam sua capacidade de pressão e até de impor transformações sociais. Mas quem dos políticos nos parlamentos, quais os poucos governos que os escutam e atendem a suas reivindicações? Geralmente só contam quando há eleições para seduzi-los para seus projetos, geralmente, fictícios.

Conto, não sem certo constrangimento, o que ocorreu comigo. O grande filósofo e jurista Norberto Bobbio da Universidade “degli Studii” de Turim quis honrar a Teologia da Libertação, concedendo-me o título de “doutor honoris causa” em política. Setores do Vaticano e o Cardeal de Turim fizeram forte pressão para que esse evento não acontecesse, o que irritou sobremaneira o filósofo-jurista Norberto Bobbio. O evento aconteceu com a presença dele, já velhinho e adoentado. No diploma universitário se dizia: “A personalidade do franciscano Leonardo Boff se destaca seja na pesquisa em ciências políticas e teológicas, seja no empenho ético e social. Seus escritos e sua reflexão, altamente originais e movidos por paixão cívica, estão no centro de um debate político e eclesiástico fervoroso no mundo contemporâneo”. No dia 27 de novembro de 1990 me foi concedido o referido título.

Noberto Bobbio ficou tão impressionado com a aula magistral que dei, como agradecimento ao título, que comentou: “Nós, da esquerda, devíamos esperar de um teólogo para nos lembrar que os pobres são sujeitos da história” (cf. M. Losano, Norberto Bobbio:uma biografia cultural,Unesp, p. 460-463).

Para mim era a confirmação da verdade da história do Eclesiastes: temos que ouvir os pobres (por causa deles me honraram com o título) que antes de ler as letras, leem mundo com acerto. Sem a sabedoria deles e dos povos originários não salvaremos nossas sociedades e também não evitaremos as catástrofes de nossa civilização.

*Leonardo Boff é teólogo, filósofo e escritor. Autor, entre outros livros, de A busca da justa medida: como equilibrar o planeta Terra (Vozes Nobilis). [https://amzn.to/3SLFBPP]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Érico Andrade Tales Ab'Sáber Fernando Nogueira da Costa Daniel Brazil Ricardo Musse Luiz Renato Martins Dennis Oliveira Gabriel Cohn Daniel Costa Marcos Aurélio da Silva Michael Löwy Julian Rodrigues Benicio Viero Schmidt Igor Felippe Santos Eugênio Trivinho Chico Whitaker Annateresa Fabris Matheus Silveira de Souza Alexandre Aragão de Albuquerque Celso Favaretto Vinício Carrilho Martinez Rodrigo de Faria Antônio Sales Rios Neto Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Bernardo Pericás Salem Nasser Thomas Piketty Tarso Genro Samuel Kilsztajn Michael Roberts Remy José Fontana Juarez Guimarães Flávio R. Kothe Dênis de Moraes Lorenzo Vitral Bernardo Ricupero José Dirceu Francisco de Oliveira Barros Júnior Andrew Korybko João Adolfo Hansen Marcos Silva Vladimir Safatle Eliziário Andrade Ari Marcelo Solon Jorge Branco Elias Jabbour Paulo Nogueira Batista Jr Otaviano Helene Marcelo Módolo Gilberto Maringoni Henri Acselrad Flávio Aguiar Luiz Eduardo Soares Luiz Roberto Alves Denilson Cordeiro Fernão Pessoa Ramos Francisco Pereira de Farias Kátia Gerab Baggio Osvaldo Coggiola Fábio Konder Comparato Ronaldo Tadeu de Souza Valerio Arcary Luciano Nascimento Mariarosaria Fabris José Machado Moita Neto Slavoj Žižek Ricardo Fabbrini Francisco Fernandes Ladeira Leonardo Avritzer Manuel Domingos Neto Heraldo Campos Carla Teixeira Sergio Amadeu da Silveira Lincoln Secco Ricardo Abramovay Vanderlei Tenório Bento Prado Jr. Luiz Werneck Vianna Daniel Afonso da Silva Leonardo Sacramento Berenice Bento Luis Felipe Miguel Eduardo Borges Antonio Martins Paulo Capel Narvai Gerson Almeida Yuri Martins-Fontes Andrés del Río Renato Dagnino Leda Maria Paulani Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Feres Júnior José Micaelson Lacerda Morais Alysson Leandro Mascaro Luiz Carlos Bresser-Pereira Priscila Figueiredo Ricardo Antunes Jean Marc Von Der Weid José Raimundo Trindade Antonino Infranca Eleonora Albano Ladislau Dowbor Ronald León Núñez Milton Pinheiro Ronald Rocha Leonardo Boff João Sette Whitaker Ferreira Luís Fernando Vitagliano Marcelo Guimarães Lima Everaldo de Oliveira Andrade Rubens Pinto Lyra João Paulo Ayub Fonseca Paulo Sérgio Pinheiro João Lanari Bo Bruno Machado André Márcio Neves Soares Eugênio Bucci Liszt Vieira Walnice Nogueira Galvão Atilio A. Boron Michel Goulart da Silva Jean Pierre Chauvin Paulo Martins Mário Maestri Lucas Fiaschetti Estevez Boaventura de Sousa Santos Alexandre de Freitas Barbosa José Luís Fiori Armando Boito Valerio Arcary Marcus Ianoni Tadeu Valadares Eleutério F. S. Prado Marilena Chauí José Geraldo Couto João Carlos Salles Maria Rita Kehl Jorge Luiz Souto Maior Caio Bugiato João Carlos Loebens Airton Paschoa Paulo Fernandes Silveira Carlos Tautz Claudio Katz Luiz Marques Sandra Bitencourt Rafael R. Ioris Bruno Fabricio Alcebino da Silva Anselm Jappe Marjorie C. Marona Marilia Pacheco Fiorillo Afrânio Catani Gilberto Lopes André Singer Manchetômetro Chico Alencar Henry Burnett José Costa Júnior Celso Frederico Alexandre de Oliveira Torres Carrasco

NOVAS PUBLICAÇÕES