Fórum Social Mundial – morte e ressurreição?

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LISZT VIEIRA*

O Fórum Social Mundial tem pela frente um espaço a ocupar, batalhas a serem travadas, com agendas atualizadas, e não mais apenas um fórum que recusa a ação política em nome do debate

1.

O Fórum Social Mundial (FSM) nasceu como uma iniciativa para se contrapor ao Fórum Econômico de Davos, na Suíça, que reúne governantes e empresários, representantes da elite dominante no mundo e seu catecismo neoliberal. A primeira reunião do Fórum Social Mundial foi realizada em Porto Alegre, no ano de 2001, e contou com a participação de ONGs e movimentos sociais de várias partes do mundo, num total de 20 mil pessoas, de 117 países.

Depois do notável sucesso das reuniões em Porto Alegre, o Fórum Social Mundial começou a sofrer um processo de esvaziamento. As reuniões posteriores do Fórum Social Mundial, realizadas em diversos países, não tiveram o mesmo sucesso, e sua principal palavra de ordem “Um outro mundo é possível” começou a se enfraquecer, e a nova categoria política surgida nas reuniões iniciais do Fórum Social Mundial, o “altermondismo”, começou a perder força.

O excelente artigo de Mario Osava, publicado no portal Fórum 21, sob o título “Destacada agenda da diversidade, o Fórum Social Mundial busca se revitalizar” mostra os locais e datas das reuniões do Fórum Social Mundial, e analisa seu processo de esvaziamento e a tentativa atual de revitalização.

2.

Gostaria aqui de discutir dois fatores que, a meu ver, ajudam a explicar o processo de esvaziamento do Fórum Social Mundial, que guarda certa semelhança com o esvaziamento sofrido pelos partidos políticos junto à população em geral. Em primeiro lugar, já houve quem afirmasse que o Fórum Social Mundial não atualizou sua agenda, ficou preso a uma agenda tradicional da esquerda que não entusiasma a juventude e perdeu apoio na classe trabalhadora. Um bom exemplo é a agenda identitária que surgiu de forma isolada, isto é, a defesa dos direitos das mulheres, dos negros, dos homossexuais, dos povos indígenas, não se articulou num projeto que unificasse essas legítimas lutas por direitos num programa político.

Pior ainda, muitos setores da esquerda rejeitaram essas lutas porque desviariam o foco da luta de classes, e com isso se isolaram das lutas concretas do movimento feminista, negro, homossexual e indígenas. Num país de origem escravocrata, paternalista, machista, colonial, rejeitar essas lutas em nome de um dogma político só poderia mesmo levar à perda de apoio sofrida pelos partidos e entidades. Com isso, as lutas chamadas pejorativamente de “identitárias” permaneceram isoladas entre si e afastadas das lideranças políticas tradicionais, sejam partidárias ou de entidades.

Outro exemplo é a recusa em priorizar a questão ecológica como fundamental numa agenda política para o século XXI.  A impressão é que as lideranças políticas de partidos e entidades – com exceções, é claro – engoliram a questão ambiental de má vontade, sem articular com o núcleo central de suas preocupações políticas. O conceito de sustentabilidade traz em si uma dimensão política, social, econômica e cultural, além da dimensão ambiental, mas o termo sustentabilidade, quando usado, é geralmente utilizado apenas como enfeite retórico.

O segundo fator que explicaria o esvaziamento do Fórum Social Mundial diz respeito a uma decisão de seus fundadores que definiram o caráter não decisório do Fórum. As decisões caberiam aos grupos, partidos e movimentos participantes do Fórum Social Mundial, mas sua direção não deveria tomar nenhuma decisão. Isso teve a grande vantagem de evitar luta interna e eventuais dissidências, mas, a médio e longo prazo, contribuiu para o esvaziamento do Fórum Social Mundial.

Uma entidade que abre espaço para discussões, mas não decide nada, perde atração e não mobiliza organizações e movimentos que, além das discussões, querem agir, unindo teoria à prática. E agir em função das prioridades e metas que escolheram, nem sempre priorizadas pela direção do Fórum Social Mundial. Isso exige um trabalho constante e necessário de costura política.

Na agenda “altermondista” internacional, um bom exemplo é a denúncia do tamanho do gasto militar no mundo em 2023, o maior desde a Segunda Guerra Mundial. Os EUA, sozinhos, foram responsáveis por 41% de toda a despesa militar mundial. A Rússia gastou um terço do seu orçamento com gastos de defesa (G1, 15/2/2024). E o Relógio do Juízo Final, criado para alertar sobre a destruição da humanidade por uma guerra nuclear, passou de 7 minutos para meia noite, quando foi criado, para os atuais 90 segundos para meia noite, que seria o cataclisma. Mas esses perigos são vistos como algo distante, assim como o risco de destruição da humanidade pela devastação dos recursos naturais e pelas mudanças climáticas que há décadas vêm sendo denunciadas pelos cientistas e ambientalistas de todo o mundo.

O novo encontro do Fórum Social Mundial em Katmandu, no Nepal, de 15 a 19/2/2024, pretende retomar e renovar a energia que no passado moveu os altermondistas no sentido de articular internacionalmente um projeto político baseado na esperança de que “outro mundo é possível”.

Com o enfraquecimento, em muitos países, do neoliberalismo, cujo fracasso não pode mais ser escamoteado, e com muitos Estados debilitados por décadas de ofensiva neoliberal, abre-se espaço para uma atuação mais enérgica e efetiva da sociedade civil, empunhando suas antigas bandeiras de cidadania mundial. Um exemplo importante foi a mobilização, em todo o mundo, da sociedade civil contra o genocídio dos palestinos pelo Governo de Israel.

O Fórum Social Mundial tem pela frente um espaço a ocupar, batalhas a serem travadas, combates que requerem lideranças dinâmicas, com agendas atualizadas, e não mais apenas um fórum que recusa a ação política em nome do debate.

*Liszt Vieira é professor de sociologia aposentado da PUC-Rio. Foi deputado (PT-RJ) e coordenador do Fórum Global da Conferência Rio 92. Autor, entre outros livros, de A democracia reage (Garamond). [https://amzn.to/3sQ7Qn3]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Michel Goulart da Silva Claudio Katz Francisco Pereira de Farias Rubens Pinto Lyra João Carlos Loebens Valerio Arcary Osvaldo Coggiola Lincoln Secco Marcos Silva José Costa Júnior Everaldo de Oliveira Andrade Afrânio Catani Leonardo Sacramento Luiz Marques Atilio A. Boron Leonardo Boff Tarso Genro Ronaldo Tadeu de Souza Valerio Arcary Renato Dagnino Anderson Alves Esteves Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Fernandes Silveira Ronald León Núñez Michael Löwy Dennis Oliveira Luiz Eduardo Soares Carla Teixeira Gabriel Cohn João Carlos Salles Liszt Vieira Ricardo Fabbrini Antonino Infranca Luiz Roberto Alves Jorge Luiz Souto Maior André Márcio Neves Soares Daniel Afonso da Silva Anselm Jappe Carlos Tautz Jean Marc Von Der Weid Paulo Martins Celso Favaretto Eugênio Trivinho Fábio Konder Comparato Heraldo Campos Denilson Cordeiro Luís Fernando Vitagliano Fernão Pessoa Ramos Francisco de Oliveira Barros Júnior Ronald Rocha Ladislau Dowbor Lucas Fiaschetti Estevez Marcus Ianoni Gilberto Maringoni Luiz Renato Martins João Feres Júnior José Raimundo Trindade Marilena Chauí José Luís Fiori Chico Alencar Tales Ab'Sáber Henri Acselrad Marcelo Módolo Milton Pinheiro Remy José Fontana Fernando Nogueira da Costa Otaviano Helene Andrés del Río Manuel Domingos Neto Ricardo Antunes Leonardo Avritzer José Machado Moita Neto Berenice Bento Elias Jabbour Luis Felipe Miguel Sergio Amadeu da Silveira Marcos Aurélio da Silva Juarez Guimarães Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Capel Narvai Ricardo Musse Vanderlei Tenório Daniel Brazil Mariarosaria Fabris Vladimir Safatle Salem Nasser Yuri Martins-Fontes Kátia Gerab Baggio Eduardo Borges Antônio Sales Rios Neto Matheus Silveira de Souza Antonio Martins Marcelo Guimarães Lima Boaventura de Sousa Santos Bento Prado Jr. Vinício Carrilho Martinez Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Sérgio Pinheiro João Lanari Bo Bruno Machado Eugênio Bucci João Paulo Ayub Fonseca José Geraldo Couto Armando Boito Francisco Fernandes Ladeira Jorge Branco Tadeu Valadares Leda Maria Paulani Alexandre de Freitas Barbosa Daniel Costa Caio Bugiato Manchetômetro Marjorie C. Marona Lorenzo Vitral Gerson Almeida Dênis de Moraes João Adolfo Hansen Annateresa Fabris André Singer Maria Rita Kehl Mário Maestri Eleonora Albano Igor Felippe Santos Ricardo Abramovay Slavoj Žižek Jean Pierre Chauvin Michael Roberts Celso Frederico Ari Marcelo Solon Thomas Piketty Priscila Figueiredo José Dirceu Eliziário Andrade Henry Burnett Luiz Carlos Bresser-Pereira Bernardo Ricupero Sandra Bitencourt Érico Andrade José Micaelson Lacerda Morais Andrew Korybko Benicio Viero Schmidt Luiz Bernardo Pericás Walnice Nogueira Galvão Alysson Leandro Mascaro Flávio R. Kothe Rafael R. Ioris João Sette Whitaker Ferreira Flávio Aguiar Paulo Nogueira Batista Jr Julian Rodrigues Luiz Werneck Vianna Rodrigo de Faria Marilia Pacheco Fiorillo Alexandre Aragão de Albuquerque Luciano Nascimento Gilberto Lopes Chico Whitaker Airton Paschoa Samuel Kilsztajn Eleutério F. S. Prado

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada