Por que chamar de fascismo importa

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por SCOTT GILBERT*

Mais especialistas estão, agora, debatendo se Trump é um fascista, se o que estamos assistindo agora é fascismo, se é, de fato, o momento de usar a palavra com inicial F

Eu só fui saber que minha mãe e Anne Frank eram colegas de infância quando eu trouxe para casa o Diário de Anne Frank, na sétima série. Naquele dia, minha mãe me mostrou uma foto de sua infância com ela, sua prima Ellen, e Anne e Margot Frank.

Foi um raro vislumbre do passado de minha mãe. Ela nunca conversou sobre crescer na Alemanha e na Holanda ocupada, sobre a guerra, sobre viver escondida, sobre o Holocausto. Ela recusou-se a falar alemão até conosco, seus dois filhos.

Mais tarde eu descobri que, em 1960, minha mãe tornou-se a primeira pessoa de sua geração a processar o governo Alemão demandando reparações. Seu advogado foi Robert Kempner, que sobreviveu a um campo Nazista e tornou-se conselheiro-chefe assistente dos Estado Unidos durante o Tribunal Militar Internacional em Nuremberg. O julgamento arrastou-se por catorze anos antes do caso ser rejeitado por falta de fundos legais. Apenas depois de sua morte eu pude ler as transcrições descrevendo suas cicatrizes físicas e psicológicas e pude começar a entender por que ela nunca saía de casa, mesmo quando eu ganhava prêmios no colégio.

Alguns argumentaram que o povo Alemão não sabia ou entendia o que acontecia ao seu redor. Pode ser que isso seja verdade, apesar de que os sinais estavam lá desde o princípio. Havia, essencialmente, uma recusa a ver o que acontecia em sua frente, e um fracasso de liderança moral em momentos-chave quando o regime poderia ter sido interrompido. Diferentes facções políticas — comunistas, socialistas, a União Judaica, o movimento trabalhista — falharam em trabalhar de forma conjunta para por fim ao programa nazista de “Tornar a Alemanha Toda Novamente” por mais que todos eles, em certa medida, reconhecessem o perigo. Eles não perceberam que chegaria um momento em que a porta seria violentamente fechada contra qualquer chance de impedi-lo.

Hoje assistimos à mesma espiral de eventos sob o programa “Torne a América Grande Novamente” de Donald Trump — programa de ódio e intolerância, rasgando as normas do estado de direito enquanto crianças como Darlyn Cristabel Cordova-Valle morrem em campos de concentração na fronteira ou enquanto manifestantes são assassinados nas ruas de Kenosha, WI, pela auto-proclamada milícia nacionalista branca. Tudo isso avançou de maneira significativa nos últimos meses: Trump negando a ciência da pandemia enquanto 181.000 pessoas morriam; grupos federais paramilitares sem insígnias perseguindo manifestantes em vans não identificadas, e forças similares se disseminando para outras cidades; manobras para sabotar ou cancelar o núcleo da democracia: as eleições.

Mais especialistas estão, agora, debatendo se Trump é um fascista, se o que estamos assistindo agora é fascismo, se é, de fato, o momento de usar a palavra com inicial F. Especialistas políticos dizem que Trump está performando fascismo, usando táticas fascistas, agindo como um ditador, ou acenando à sua base, mas ainda se recusam a dizer abertamente que Trump é um fascista ou a chamar o regime que ele montou de fascista. Alguns dizem que isso não é fascismo porque ainda temos um Estado bi-partidário; porque a Gestapo não está batendo na porta de todos; porque ainda há algum semblante de liberdade; porque Trump não começou uma nova guerra, apesar de suas ameaças belicosas.

Se esse é o critério para rotular um regime de fascista, então os nazistas também não eram fascistas quando eles chegaram ao poder. Mas eles eram. Você não pode julgar se um regime é fascista por seus retrocessos ou pelo que ele ainda não fez. Você olha para o que Trump fez. Você olha para o que ele disse e promete fazer. Você olha para os objetivos de seu regime e para a direção que ele nos está levando.

Logo antes de sua morte, minha mãe foi entrevistada pela fundação Shoah de Steven Spielberg. Ela descreveu o avanço — uma mudança da lei e um decreto aqui e ali; de repente ela não podia mais ir à sua padaria preferida. Depois, ela assistiu ao diretor de sua escola levar um tiro por recusar-se a hastear a bandeira nazista. Então, chegou o dia em que ela não podia mais ver sua amiga Anne Frank.

Eu penso em minha mãe e em Anne Frank à mesa de jantar, com nossa família, celebrando o sucesso de seus netos se o povo alemão tivesse expulsado os nazistas antes que fosse tarde demais.

Por que é tão importante dizer que é fascismo? Porque se nós, enquanto povo, reconhecermos abertamente a terrível verdade, nós então poderemos começar a agir para impedir que esse regime fascista assuma seu poder antes que seja tarde demais. Se o povo alemão tivesse sabido o que sabemos, e tivesse tido a chance de remover Hitler e o partido nazista com protestos firmes e não-violentos, eles não deveriam tê-la aproveitado? Eles não deveriam ter se recusado a aceitar o que já estava acontecendo?

Essa é a questão à qual nos confrontamos agora. Se não somos capazes de assumir a verdade, esse não é um debate mas um chamado ao delírio em massa. Quantas Anne Frank ou Darlyn Cristabel Cordova-Valles ou Joseph Rosenbaums estaremos permitindo, quantas vidas estaremos sacrificando, se não rompermos com a ilusão imediatamente?

*Scott Gilbert é médico e ativista da organização RefuseFascism.org.

Tradução: Daniel Pavan

Publicado originalmente no portal CounterPunch.

 

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Andes x Proifes — a disputa no sindicalismo docentegreve educação 28/05/2024 Por VALTER LÚCIO DE OLIVEIRA: O sindicato sai enfraquecido quando sua direção parte do princípio de que as únicas posições verdadeiramente esclarecidas e legítimas são aquelas que respaldam a suas orientações
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • O bolsonarismo pode voltar ao poder?Valério Arcary 24/05/2024 Por VALERIO ARCARY: O lulismo, ou lealdade política à experiência dos governos liderados pelo PT, permitiu conquistar o apoio entre os muito pobres. Mas a esquerda, embora mantenha posições, perdeu a hegemonia sobre sua base social de massas original.
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • Realizando a filosofia — Marx, Lukács e a Escola de…toca discos 25/05/2024 Por ANDREW FEENBERG: A filosofia da práxis é significativa hoje como a tentativa mais desenvolvida dentro do marxismo de refletir sobre as consequências da racionalização da sociedade sob o capitalismo
  • O legado de uma década perdidaRenato Janine Ribeiro 22/05/2024 Por RENATO JANINE RIBEIRO: A esquerda é inteiramente representativa do senso comum de nossa sociedade – tudo de bom que acontece, e tudo de ruim, é só do Presidente
  • O agonizante fim do sionismodistante 22/05/2024 Por SAMUEL KILSZTAJN: O judaísmo não pode ser protegido por furiosos militares israelenses, pois tudo o que os militares fazem é semear tristeza e colher ódio
  • Guaíba – rio ou lago?Rio Guaíba 24/05/2024 Por JOÃO HÉLIO FERREIRA PES: É importante definir juridicamente se o Guaíba é rio ou lago para fins de uma eficaz implantação das políticas públicas de proteção de suas margens
  • Tensões da composição policlassistaMike Chai 27/05/2024 Por ANDERSON ALVES ESTEVES: Greve nos Institutos e Universidades federais desnuda a frente amplíssima
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES