As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Queima, Borba Gato!

Imagem: @lucasport01 (Jornalistas Livres).
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CARLA TEIXEIRA*

O símbolo só tem sentido se ele é referência cultural para a comunidade, do contrário, poderá ser o símbolo de poder sobre a comunidade

As derrubadas das estátuas de escravagistas durante as manifestações populares e antirracistas, ocorridas em 2020, nos Estados Unidos e na Europa, acenderam os debates sobre a legitimidade das ações que destroem símbolos e representações da violência secular contra determinados grupos da população. Aqui no Brasil, o incêndio da estátua em homenagem ao bandeirante e assassino, Borba Gato, durante as manifestações de 24J pelo Fora Bolsonaro, em São Paulo, traz novamente a oportunidade para refletir sobre os símbolos e as tradições.

Nenhum símbolo é natural, todo símbolo é cultural. O símbolo só tem sentido se ele é referência cultural para a comunidade, do contrário, poderá ser o símbolo de poder sobre a comunidade. No caso do Borba Gato, em específico, cabe a pergunta: a estátua é referência cultural para quem?

Manuel da Borba Gato foi destacado bandeirante que empreendeu inúmeras expedições para a exploração de terras durante o século XVII. Junto com seu sogro, Fernão Dias Paes Lemes, foi responsável por assassinatos, estupros e a escravidão de pretos e indígenas das regiões pelas quais passou. Ambas as figuras compõem o grupo de sertanistas denominados “Bandeirantes” que a partir do século XVI violentaram a terra e os povos da América do Sul em busca de ouro e riquezas minerais. Seus nomes figuram nas principais rodovias do estado, tendo o “Palácio dos Bandeirantes” como sede do governo de São Paulo.

Ao considerar tamanha violência histórica e secular, como um movimento revolucionário periférico, composto essencialmente por jovens, pretos e pobres, passa diante da estátua de um bandeirante e não se manifesta? Se é possível identificar em Borba Gato o símbolo do processo histórico que os coloca em situação de subalternidade – como uma origem – por que não seria legítimo questionar e destruir essa origem?

Os heróis, assim como as verdades históricas, são produtos de seu tempo que os constrói, destrói e reconstrói, num processo de manutenção, quebra e reinvenção das tradições. Durante a Revolução Francesa, em 1789, a Queda da Bastilha (construção símbolo da opressão do Antigo Regime absolutista) foi o marco que definiu a ampliação do processo revolucionário para outras regiões da França, culminando na queda da monarquia e na instalação de uma nova ordem política e social.

Aqueles que ignoram a violência diária sofrida pelos pretos, pobres e indígenas desse país talvez não compreendam as violações seculares e o consequente peso que os símbolos dessas práticas violentas possuem na vida cotidiana dos indivíduos e da coletividade a elas submetidos. A regressão autoritária preconizada pelo atual governo vem acompanhada por fortes movimentos populares de oposição, com uma agenda política voltada para o combate ao racismo, à desigualdade e toda sorte de violência física, econômica e simbólica.

Se houvesse a genuína preocupação do poder público com o bem-estar da população e a memória do país, esses símbolos – objetos de contestação popular – deveriam ser retirados dos locais públicos, enviados a museus e exposições, substituídos por monumentos que traduzam as aspirações coletivas e representem os heróis do nosso tempo.

Longe de constituir mero ato de vandalismo, o incêndio contra a estátua de Borba Gato pode ser sintoma de uma mudança em gestação na sociedade brasileira. A juventude preta e pobre que canta “fogo nos racistas” mandou um sinal a todos os violentadores, fascistas e racistas ao incendiar a estátua do bandeirante assassino escravagista. Queima, Borba Gato! Das suas cinzas faremos a revolução democrática que o Brasil e toda a América Latina almejam.

*Carla Teixeira é doutoranda em história na UFMG.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Roberto Alves Otaviano Helene Marjorie C. Marona Jean Marc Von Der Weid Ari Marcelo Solon Ronald León Núñez Igor Felippe Santos Lorenzo Vitral Elias Jabbour Gilberto Maringoni Benicio Viero Schmidt José Costa Júnior Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Martins Maria Rita Kehl José Dirceu Ronaldo Tadeu de Souza Julian Rodrigues Celso Frederico Milton Pinheiro Bento Prado Jr. Samuel Kilsztajn Berenice Bento Bruno Fabricio Alcebino da Silva Flávio R. Kothe José Geraldo Couto Priscila Figueiredo Francisco Pereira de Farias José Raimundo Trindade Roberto Noritomi Fábio Konder Comparato Lucas Fiaschetti Estevez Jorge Branco Ricardo Fabbrini Ricardo Antunes Eleonora Albano João Carlos Loebens Fernão Pessoa Ramos Jean Pierre Chauvin Atilio A. Boron Daniel Afonso da Silva Tadeu Valadares Denilson Cordeiro Antonino Infranca Fernando Nogueira da Costa Bernardo Ricupero Manuel Domingos Neto Luiz Eduardo Soares Antônio Sales Rios Neto Heraldo Campos Marcos Aurélio da Silva Chico Alencar Roberto Bueno Marilia Pacheco Fiorillo Thomas Piketty Luciano Nascimento Paulo Nogueira Batista Jr Vinício Carrilho Martinez Osvaldo Coggiola Luiz Werneck Vianna André Singer Sandra Bitencourt Henri Acselrad Eugênio Trivinho Carla Teixeira Jorge Luiz Souto Maior Sergio Amadeu da Silveira Gerson Almeida Eduardo Borges Marcus Ianoni Anselm Jappe Remy José Fontana Renato Dagnino Anderson Alves Esteves Slavoj Žižek Paulo Sérgio Pinheiro Marilena Chauí Ladislau Dowbor Alexandre de Lima Castro Tranjan Gabriel Cohn Alysson Leandro Mascaro Celso Favaretto Daniel Costa Eleutério F. S. Prado Mariarosaria Fabris Dennis Oliveira Tales Ab'Sáber Michael Löwy Leonardo Boff Afrânio Catani Ricardo Abramovay João Paulo Ayub Fonseca Mário Maestri Carlos Tautz Valério Arcary Annateresa Fabris Salem Nasser Bruno Machado Luiz Carlos Bresser-Pereira João Feres Júnior Antonio Martins Rubens Pinto Lyra José Micaelson Lacerda Morais Marcelo Módolo André Márcio Neves Soares João Adolfo Hansen Luiz Costa Lima Luiz Marques Walnice Nogueira Galvão Lincoln Secco Luís Fernando Vitagliano Chico Whitaker Luiz Bernardo Pericás Eliziário Andrade Eugênio Bucci João Sette Whitaker Ferreira Vladimir Safatle Daniel Brazil Marcelo Guimarães Lima Ricardo Musse Leonardo Avritzer Paulo Capel Narvai José Luís Fiori Valerio Arcary Caio Bugiato Luiz Renato Martins Andrew Korybko Manchetômetro Michael Roberts João Lanari Bo Alexandre de Freitas Barbosa Ronald Rocha Alexandre Aragão de Albuquerque Marcos Silva Gilberto Lopes João Carlos Salles Flávio Aguiar Boaventura de Sousa Santos Liszt Vieira Rafael R. Ioris Leonardo Sacramento Tarso Genro Dênis de Moraes Airton Paschoa Érico Andrade Vanderlei Tenório José Machado Moita Neto Francisco Fernandes Ladeira Francisco de Oliveira Barros Júnior Henry Burnett Juarez Guimarães Leda Maria Paulani Paulo Fernandes Silveira Luis Felipe Miguel Claudio Katz Yuri Martins-Fontes Armando Boito Rodrigo de Faria Kátia Gerab Baggio Everaldo de Oliveira Andrade

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada