As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A influência de Bolsonaro

Imagem: Valéria Possos
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por HELENA MARTINS*

Como a polarização afeta o consumo de informação política

A polarização causada por Jair Bolsonaro identificada na pesquisa “A Cara da Democracia: Eleições 2020” também é visível quanto o assunto é a mídia. De acordo com o levantamento, os entrevistados que avaliam o governo Bolsonaro como ótimo ou bom apontaram as seguintes emissoras como o seu principal meio de informação sobre política na TV aberta: Record (52%), Bandeirantes (45%), SBT (42%). A Globo aparece depois, com apenas 24%.

Os números não coincidem com a média da audiência. O Mídia Dados 2019, do Grupo de Mídia de São Paulo, registra que as emissoras mais assistidas na TV aberta são: Globo (36%), Record (15%), SBT (15%) e Bandeirantes (3%). Outras (Record News, TV Brasil, TV Câmara, TV Justiça, TV Senado, para citar algumas) somam 29%, dado que expressa dispersão da audiência, ainda que o controle da maior parte dela por parte dos maiores grupos se mantenha.

A mudança parece mostrar que as campanhas de Bolsonaro contra o Grupo Globo, que incluiu ameaça de cassar a concessão após reportagem do Jornal Nacional mencionar o nome de  Bolsonaro entre os citados na investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, e sua aproximação com Record e SBT, TVs que o beneficiam desde o período eleitoral de 2018 e que têm sido agraciadas com mais verbas publicitárias, têm surtido efeito. Não deixa de ser irônica a situação, já que a Globo teve papel determinante na construção do sentimento antipolítica e no golpe que levou ao afastamento da presidenta Dilma Rousseff em 2016, como já demonstrei em outras ocasiões.

Analisando a pesquisa do INCT (Instituto da Democracia e da Democratização da Comunicação), vemos que as opções da audiência vão migrando de acordo com a avaliação do governo. Entre os que o consideram regular, a Globo aproxima-se da liderança que efetivamente possui, com 33%. Ainda assim, os três outros grupos com maior projeção registram patamares expressivos: SBT (32%), Bandeirantes (31%) e Record (29%). Outras emissoras também foram apontadas com destaque pelo eleitorado, o que confirma a dispersão para outros canais.

Já entre os que consideram o governo Bolsonaro ruim ou péssimo, a fonte de informação sobre política na TV aberta preponderante é a Globo (43%), seguida com maior intervalo pelas demais: SBT (26%), Bandeirantes (23%) e Record (20%).

O índice de confiança da pesquisa é de 95% e a margem de erro é de 2,2 pontos para os dados nacionais. Já nos resultados regionais a margem de erro varia. Ao todo, foram consultadas duas mil pessoas entre os dias 24 de outubro e 3 de novembro.

Os dados são importantes porque, como também mostra a pesquisa, os noticiários da TV aberta seguem apontados como o principal meio de informação sobre a política (36%). Em segundo lugar, está o buscador da Google (10%), seguido de blogs de internet (10%) e Facebook (8%). O WhatsApp, que tem sido o foco das preocupações com desinformação desde 2018, aparece com 2%, atrás inclusive do Instagram, com 3%. Isso não deve nos levar a menosprezar o papel das redes sociais, mas sim notar a permanência da importância da TV, que inclusive acaba pautando a conversação nas demais plataformas. Para dar um exemplo, cerca de 80% do que se escreve no Twitter deriva de conteúdos televisivos.

Como tem sido apontado neste Observatório, dificilmente essa dinâmica de polarização, com amplo apoio a Bolsonaro, apesar de tudo, se refletirá com a mesma força nos votos. As eleições municipais têm dinâmicas mais particulares e, no caso destas, também pesa a situação da pandemia e a avaliação da atuação de governadores e prefeitos no combate a covid-19. Não obstante, os dados são interessantes para notarmos que a influência de Bolsonaro, expressão maior da extrema direita no Brasil, não é superficial. Ela tem modificado efetivamente a cultura, inclusive o consumo dos meios de comunicação, instituições centrais para a formação das identidades, valores, gostos e para o próprio debate democrático.

*Helena Martins, professora da Universidade Federal do Ceará (UFC), é jornalista e integrante do Intervozes.

Publicado originalmente no Observatório das Eleições 2020 do Instituto da Democracia e Democratização da Comunicação (INCT/IDDC).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Annateresa Fabris Luiz Roberto Alves Paulo Capel Narvai Elias Jabbour Lucas Fiaschetti Estevez Atilio A. Boron Vanderlei Tenório Juarez Guimarães Luiz Werneck Vianna João Adolfo Hansen Samuel Kilsztajn Mariarosaria Fabris Gilberto Maringoni Daniel Brazil Henri Acselrad Igor Felippe Santos Paulo Sérgio Pinheiro Alysson Leandro Mascaro José Dirceu Marcelo Guimarães Lima Antonio Martins Plínio de Arruda Sampaio Jr. André Márcio Neves Soares Luiz Costa Lima Bruno Machado Leonardo Boff Daniel Costa Gilberto Lopes Carlos Tautz João Carlos Salles Rodrigo de Faria Armando Boito Alexandre Aragão de Albuquerque Otaviano Helene Leonardo Avritzer Leonardo Sacramento Luis Felipe Miguel João Feres Júnior Sergio Amadeu da Silveira Ronald León Núñez Manuel Domingos Neto Marcos Aurélio da Silva Marcus Ianoni Chico Whitaker Luiz Renato Martins Fernão Pessoa Ramos Roberto Bueno Luiz Marques Lincoln Secco Dennis Oliveira Ronald Rocha André Singer Paulo Nogueira Batista Jr Bernardo Ricupero Eliziário Andrade Afrânio Catani Lorenzo Vitral Eleonora Albano Jorge Branco Anselm Jappe Berenice Bento Tadeu Valadares Claudio Katz Paulo Fernandes Silveira Michael Löwy Vladimir Safatle Jorge Luiz Souto Maior Ladislau Dowbor Renato Dagnino Antônio Sales Rios Neto José Raimundo Trindade Salem Nasser Liszt Vieira Marjorie C. Marona Carla Teixeira Ricardo Abramovay Anderson Alves Esteves Fábio Konder Comparato Benicio Viero Schmidt Michael Roberts Paulo Martins José Costa Júnior Ricardo Musse Leda Maria Paulani Osvaldo Coggiola Luiz Eduardo Soares João Sette Whitaker Ferreira Jean Marc Von Der Weid Julian Rodrigues Luciano Nascimento João Lanari Bo Celso Favaretto Alexandre de Lima Castro Tranjan Francisco Pereira de Farias Vinício Carrilho Martinez Boaventura de Sousa Santos Luiz Carlos Bresser-Pereira Francisco de Oliveira Barros Júnior Eduardo Borges José Geraldo Couto João Carlos Loebens Remy José Fontana Chico Alencar Caio Bugiato Daniel Afonso da Silva Slavoj Žižek Flávio Aguiar Celso Frederico Rubens Pinto Lyra Heraldo Campos Milton Pinheiro Marilena Chauí Ari Marcelo Solon Andrew Korybko Marcelo Módolo Ricardo Antunes Priscila Figueiredo Fernando Nogueira da Costa Mário Maestri Walnice Nogueira Galvão Airton Paschoa Tarso Genro Eleutério F. S. Prado Rafael R. Ioris Flávio R. Kothe Luiz Bernardo Pericás Francisco Fernandes Ladeira José Machado Moita Neto José Micaelson Lacerda Morais Alexandre de Freitas Barbosa Tales Ab'Sáber Valerio Arcary Dênis de Moraes Bento Prado Jr. Ronaldo Tadeu de Souza Henry Burnett Luís Fernando Vitagliano Gabriel Cohn Sandra Bitencourt Eugênio Bucci Yuri Martins-Fontes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Thomas Piketty Valério Arcary Roberto Noritomi José Luís Fiori Maria Rita Kehl Eugênio Trivinho Denilson Cordeiro Jean Pierre Chauvin Kátia Gerab Baggio Marilia Pacheco Fiorillo Manchetômetro Ricardo Fabbrini Antonino Infranca Érico Andrade Everaldo de Oliveira Andrade João Paulo Ayub Fonseca Marcos Silva Gerson Almeida

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada