As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Ministério Público: guardião da democracia brasileira?

Imagem Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

No Brasil, as ações de promotores e procuradores são guiadas mais por convicções individuais do que por demandas e necessidades da população

Por Fábio Kerche e Rafael Viegas*

Instituições moldam comportamentos, possuem certa estabilidade no tempo e estruturam regras formais e informais conhecidas e compartilhadas por seus membros. Instituições possuem instrumentos para incentivar certos comportamentos e desestimular outros, diminuindo a chance do acaso, garantindo certa previsibilidade, independente de quem ocupe os cargos na instituição. No tipo ideal das instituições, a opinião de seus integrantes seria secundária, já que estes se submeteriam a procedimentos e prioridades decididas pela chefia ou pelos políticos.

No mundo real, entretanto, a relação das instituições com seus membros não é tão previsível e harmoniosa. Inevitavelmente existe tensão entre interesses individuais e da direção, além de divergências com atores externos. Para que haja um alinhamento, são necessários incentivos na carreira, sanções para os desvios e mecanismos para monitoramento das atividades.

O Ministério Público no Brasil, pós Constituição de 1988, seria de tal monta livre desses incentivos institucionais que é quase o caso de pensarmos numa “não-instituição”. Prioridades e estratégias do MP, aparentemente, são dadas pelos próprios promotores e procuradores, moldadas por fatores externos à organização, como origens de classe, faculdades de direito e por outros mecanismos não formais.

Nessa perspectiva, o livro de Julita Lemgruber, Ludmila Ribeiro, Leonarda Musumeci e Thais Duarte, Ministério Público: guardião da democracia brasileira? (Fortaleza, CESec) que apresenta uma pesquisa quantitativa e qualificativa junto aos integrantes do MP, ganha importância porque a opinião dos promotores e procuradores é relativamente mais relevante do que em outras organizações estatais estruturadas hierarquicamente.

Com a nova Constituição, promotores e procuradores “passaram a ter como balizas apenas “a lei e a consciência”, tendendo as ações a guiar-se mais por convicções individuais, pela experiência adquirida em certas áreas de trabalho e pelas opções feitas durante a vida profissional do que primariamente pelas demandas e necessidades da população assistida ou por uma padronização institucional assegurada por regulamentação específica” (p. 27).

A instituição pouco hierárquica apresenta como resultado de suas práticas alta fragmentariedade, ao ponto de colocar em dúvida a noção de unidade institucional. O estágio em que o membro do MP se encontra na carreira profissional e as diferenças de perfis, inclinações ideológicas, posições políticas e expectativas individuais, foram fatores identificados como, aparentemente, decisivos para se entender as diferenças nas prioridades e nos estilos de atuação dos membros do MP. A autonomia aos agentes teria resultado num “cheque em branco” a ser “preenchido de acordo com inclinações e posicionamentos ideológicos ou idiossincráticos dos membros da instituição” (p. 14).

Dos 12.326 promotores e procuradores, a pesquisa recebeu 899 questionários preenchidos apropriadamente. Dos que responderam, a origem social com perfil “elitizado” prevaleceu. “Embora isso não seja necessariamente um empecilho à atuação em prol dos menos favorecidos, pode influir na definição dos interesses prioritários e na percepção da maioria dos promotores e procuradores acerca do seu papel na sociedade” (p. 16). Prioridades não seriam escolhidas pela instituição, por seus líderes ou por políticos eleitos, diga-se de passagem, mas selecionadas de forma individual pelo próprio promotor.

O combate à corrupção, por exemplo, é apontado por 62% como prioridade e a defesa de direitos sociais para idosos, pessoas com deficiência e relativos a gênero não passam de 10%. A maioria quer ser como Deltan Dallagnol, o procurador da Operação Lava-Jato, mesmo que a Constituição não priorize o combate à corrupção em detrimento de outras áreas ou que não haja uma decisão da sociedade nesse sentido. Como o número de promotores e procuradores é escasso, assim como o tempo, escolher um tema como prioritário significa abrir mão de outros.

As autoras poderiam ter explorado mais como a estrutura da carreira poderia criar algum tipo de política institucional decidida pelas instâncias superiores do MP. Afinal, boa parte dos promotores e procuradores, principalmente lotados em posições sensíveis, como nos órgãos do MP incumbidos do controle externo da atividade policial e combate à corrupção, não é titular, mas designada.

Essa designação funcionaria como um estímulo para se seguir uma política institucional? Outro ponto que seria passível de reflexão é se a constante migração de promotores e procuradores para ocupar cargos no Executivo estimularia um alinhamento ao governo. A autopercepção dos agentes, típicas em pesquisas de survey, pode ter escondido a potencialidade desses instrumentos.

O livro, ao manter uma tradição de ouvir a opinião de promotores e procuradores iniciada nos anos 1990 no IDESP, atualiza a visão dos membros do MP, contribuindo para mapear semelhanças e diferenças na opinião desses atores. Em uma instituição tão frouxa do ponto de vista de regras e hierarquia, e, principalmente, pouco transparente, a opinião passa a ser uma ferramenta de análise importante. O livro é peça importante para os estudiosos do Sistema de Justiça no Brasil.

*Fábio Kerche é pesquisador da Fundação Casa de Rui Barbosa.

*Rafael Viegas é pesquisador do Núcleo de Pesquisas em Sociologia Brasileira da UFPR.

Artigo publicado originalmente no site Jornal de Resenhas.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Bento Prado Jr. André Márcio Neves Soares Vladimir Safatle Leonardo Avritzer Eugênio Trivinho Annateresa Fabris José Costa Júnior Eugênio Bucci Ronald León Núñez Luís Fernando Vitagliano Fábio Konder Comparato Ricardo Musse Leonardo Sacramento Marcelo Módolo Alexandre Aragão de Albuquerque Marilena Chauí Liszt Vieira Paulo Martins Walnice Nogueira Galvão Bernardo Ricupero Paulo Capel Narvai Manchetômetro Priscila Figueiredo Carlos Tautz Daniel Brazil Ronald Rocha Gilberto Lopes Caio Bugiato Eleonora Albano Ricardo Fabbrini João Feres Júnior Marcos Aurélio da Silva João Lanari Bo Lorenzo Vitral Thomas Piketty Luiz Werneck Vianna Luiz Roberto Alves José Machado Moita Neto Samuel Kilsztajn Luiz Eduardo Soares Salem Nasser Mário Maestri Marcos Silva Claudio Katz Luiz Renato Martins Julian Rodrigues Berenice Bento Tadeu Valadares Slavoj Žižek Michael Roberts Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Geraldo Couto Celso Favaretto Daniel Afonso da Silva Lincoln Secco Sergio Amadeu da Silveira Tales Ab'Sáber Sandra Bitencourt Bruno Machado Michael Löwy Marilia Pacheco Fiorillo Jean Marc Von Der Weid Dênis de Moraes João Paulo Ayub Fonseca Luiz Bernardo Pericás Francisco de Oliveira Barros Júnior Afrânio Catani José Dirceu Rubens Pinto Lyra Jean Pierre Chauvin Flávio R. Kothe Anselm Jappe Yuri Martins-Fontes Alexandre de Freitas Barbosa Rafael R. Ioris Chico Alencar Maria Rita Kehl Carla Teixeira Kátia Gerab Baggio Boaventura de Sousa Santos Daniel Costa Andrew Korybko Otaviano Helene Tarso Genro José Luís Fiori Manuel Domingos Neto Paulo Nogueira Batista Jr Juarez Guimarães João Sette Whitaker Ferreira Antônio Sales Rios Neto Antonio Martins Luciano Nascimento Benicio Viero Schmidt Chico Whitaker Ricardo Antunes Leda Maria Paulani Alysson Leandro Mascaro Fernando Nogueira da Costa Dennis Oliveira Eliziário Andrade Fernão Pessoa Ramos Gabriel Cohn Ricardo Abramovay Valerio Arcary Paulo Fernandes Silveira André Singer Ladislau Dowbor Eleutério F. S. Prado Elias Jabbour Roberto Bueno Luiz Costa Lima Érico Andrade Airton Paschoa Antonino Infranca Ari Marcelo Solon Celso Frederico Gilberto Maringoni Luiz Carlos Bresser-Pereira Eduardo Borges Alexandre de Lima Castro Tranjan José Micaelson Lacerda Morais Leonardo Boff Heraldo Campos João Carlos Loebens Igor Felippe Santos Anderson Alves Esteves Remy José Fontana Francisco Pereira de Farias Paulo Sérgio Pinheiro Jorge Luiz Souto Maior João Carlos Salles Rodrigo de Faria Flávio Aguiar Osvaldo Coggiola Luis Felipe Miguel Denilson Cordeiro Armando Boito Henry Burnett Ronaldo Tadeu de Souza Everaldo de Oliveira Andrade Vinício Carrilho Martinez Milton Pinheiro Jorge Branco Marcelo Guimarães Lima Valério Arcary Plínio de Arruda Sampaio Jr. Henri Acselrad Atilio A. Boron José Raimundo Trindade Roberto Noritomi Marcus Ianoni Luiz Marques Francisco Fernandes Ladeira Renato Dagnino Lucas Fiaschetti Estevez João Adolfo Hansen Vanderlei Tenório Gerson Almeida Marjorie C. Marona Mariarosaria Fabris

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada