As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Quem poderá nos defender?

Imagem: João Nitsche
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DOUGLAS CARVALHO RIBEIRO*

Comentário sobre o julgamento pelo STF da possibilidade de reeleição dos presidentes da Câmara e do Senado

Previstas incialmente para o mês de fevereiro de 2021, as eleições para as Mesas Diretoras do Senado e da Câmara dos Deputados prometem ser controversas. Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Alexandre Moraes e Ricardo Lewandowski se posicionaram de forma favorável à possibilidade de reeleição dos atuais Presidentes das duas Casas Legislativas, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP). A questão é discutida no âmbito da Ação Direita de Inconstitucionalidade 6.524, ajuizada pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) em agosto de 2020

O que diz a Constituição da República sobre o tema? Vejamos o art. 54, § 4º:

“Cada uma das Casas reunir-se-á em sessões preparatórias, a partir de 1º de fevereiro, no primeiro ano da legislatura, para a posse de seus membros e eleição das respectivas Mesas, para mandato de 2 (dois) anos, vedada a recondução para o mesmo cargo na eleição imediatamente subsequente (grifo nosso).”

O que é possível extrair da leitura da norma constitucional? a) Qual órgão se reúne: o Senado Federal e a Câmara dos Deputados devem se reunir; b) Quando: Essa reunião ocorre a partir de 1º de fevereiro, no primeiro ano da legislatura; c) O objetivo: a posse de seus membros e a eleição das respectivas Mesas Diretoras; d) O tempo de mandato: 2 (dois) anos; e) Sobre a reeleição: a recondução para o mesmo cargo na eleição imediatamente subsequente é vedada.

Acusamos o Constituinte de permanecer silente sobre diversos temas relevantes, mas esse não é o caso da reeleição dos Presidentes do Senado Federal e da Câmara dos Deputados. O texto da Constituição é, sim, claro, quer gostemos de sua formulação ou não. Mudar as regras do jogo de acordo com as circunstâncias políticas e os atores envolvidos depõe contra a legitimidade do texto constitucional. Qual o motivo de continuar acreditando na força normativa de um texto que é a todo momento desacreditado por meio de interpretações que desconsideram o conteúdo literal das normas ali presentes?

Interpretar a constituição de forma a desconsiderar o conteúdo literal de suas normas é algo que, a longo prazo, se anuncia como desastroso para a democracia brasileira. O pior é quando isso ocorre com o órgão responsável por zelar a integridade do texto constitucional – o Supremo Tribunal Federal.

O Supremo Tribunal Federal declara orgulhosamente ser o “Guardião da Constituição Federal”. Como tal, deveria proteger a integridade do texto, a fim de que as normas ali estabelecidas sejam cumpridas. Nessa atividade, a interpretação é essencial, pois o direito é, em si, uma atividade interpretativa. O limite da interpretação é, contudo, o texto. Não é possível ignorar o texto da constituição quando se pretende dizer aquilo que o direito constitucional deve ser. O Constituinte definiu que, no âmbito da eleição para os membros da Mesa Diretora das casas legislativas, é vedada a reeleição. Os poderes constituídos podem até se mobilizar para alterar a norma, de acordo com o rito estabelecido na própria constituição.

Permitir a reeleição via jurisdição constitucional é atentar contra o texto constitucional e contra a sua legitimidade. Como num passe de mágica, o conteúdo da constituição é ignorado e as regras do jogo se modificam. Não é a primeira vez que isso acontece – e, infelizmente, parece não ser a última. Recordemo-nos, pois, do julgamento Habeas Corpus nº 126.292/SP, quando, atropelando a norma do art. 5º, inciso LVII (“ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado”), admitira a possibilidade de cumprimento de pena após decisão condenatória em segunda instância. A comunidade jurídica parecia não acreditar: como era possível que o texto constitucional e as garantias ali previstas fossem violadas de tal forma? “Os responsáveis por aquela decisão hão de se envergonhar, de forma que tamanho absurdo dificilmente se repetirá”, pensaram os juristas mais indignados. Aquela decisão representa, contudo, o marco inicial da predileção dessa nova forma de interpretação constitucional que, ignorando o conteúdo do texto constitucional, ameaça a já instável ordem constitucional brasileira. Em um cenário de total incerteza jurídica, corroborado por aqueles que deveriam zelar pela força normativa da Constituição, resta-nos somente perguntar: e agora, quem poderá nos defender?

*Douglas Carvalho Ribeiro, advogado, é doutorando em direito eleitoral na Universität Hamburg (Alemanha).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Leda Maria Paulani Osvaldo Coggiola Andrew Korybko Luiz Carlos Bresser-Pereira Alexandre de Freitas Barbosa Celso Frederico Luiz Renato Martins Gilberto Lopes Marcus Ianoni Caio Bugiato Roberto Bueno Lucas Fiaschetti Estevez Rafael R. Ioris Vladimir Safatle Érico Andrade José Geraldo Couto Paulo Sérgio Pinheiro Ricardo Antunes Henry Burnett João Paulo Ayub Fonseca Samuel Kilsztajn Yuri Martins-Fontes Alexandre de Lima Castro Tranjan Gerson Almeida Francisco de Oliveira Barros Júnior Valério Arcary João Sette Whitaker Ferreira Luís Fernando Vitagliano Jean Pierre Chauvin Celso Favaretto Antonio Martins Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marcelo Módolo Roberto Noritomi Remy José Fontana Juarez Guimarães Milton Pinheiro Maria Rita Kehl Flávio R. Kothe Otaviano Helene Elias Jabbour Tadeu Valadares Thomas Piketty Bruno Machado José Dirceu Carla Teixeira José Machado Moita Neto Ricardo Abramovay Julian Rodrigues André Márcio Neves Soares Tales Ab'Sáber Mário Maestri Fernando Nogueira da Costa Denilson Cordeiro Marcos Silva Dennis Oliveira Eugênio Trivinho Jorge Luiz Souto Maior Walnice Nogueira Galvão Antônio Sales Rios Neto Afrânio Catani Annateresa Fabris Eugênio Bucci João Carlos Salles Anselm Jappe Heraldo Campos Marjorie C. Marona Mariarosaria Fabris Francisco Pereira de Farias Ronald Rocha Marcos Aurélio da Silva Tarso Genro Eduardo Borges Luiz Werneck Vianna Jorge Branco Kátia Gerab Baggio Marcelo Guimarães Lima Valerio Arcary Alysson Leandro Mascaro Manuel Domingos Neto Paulo Capel Narvai Rubens Pinto Lyra Luis Felipe Miguel José Raimundo Trindade Paulo Fernandes Silveira Marilia Pacheco Fiorillo Daniel Brazil Marilena Chauí Leonardo Avritzer Vanderlei Tenório Eleutério F. S. Prado Boaventura de Sousa Santos Ari Marcelo Solon Salem Nasser Jean Marc Von Der Weid Michael Löwy Chico Whitaker Lorenzo Vitral Gabriel Cohn Sandra Bitencourt Anderson Alves Esteves Slavoj Žižek Fernão Pessoa Ramos Bernardo Ricupero Gilberto Maringoni Igor Felippe Santos Luiz Eduardo Soares Rodrigo de Faria Leonardo Boff Daniel Afonso da Silva Lincoln Secco Vinício Carrilho Martinez Fábio Konder Comparato Ladislau Dowbor Bento Prado Jr. Plínio de Arruda Sampaio Jr. Claudio Katz Henri Acselrad Atilio A. Boron Daniel Costa Ricardo Fabbrini Ronaldo Tadeu de Souza João Feres Júnior Ricardo Musse Flávio Aguiar José Costa Júnior Luiz Bernardo Pericás Liszt Vieira Luiz Marques José Luís Fiori Luciano Nascimento João Lanari Bo Ronald León Núñez Eleonora Albano Airton Paschoa Carlos Tautz Luiz Roberto Alves Paulo Martins Paulo Nogueira Batista Jr Benicio Viero Schmidt Francisco Fernandes Ladeira André Singer Alexandre Aragão de Albuquerque Armando Boito Dênis de Moraes Luiz Costa Lima José Micaelson Lacerda Morais Michael Roberts Antonino Infranca Leonardo Sacramento João Adolfo Hansen João Carlos Loebens Everaldo de Oliveira Andrade Sergio Amadeu da Silveira Eliziário Andrade Renato Dagnino Berenice Bento Priscila Figueiredo Manchetômetro Chico Alencar

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada