Quem são os eleitores de Jair Bolsonaro?

Carla Barchini, Autorretrato VIIII, 2019, Telhas de cimento, 20 cm3
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LISZT VIEIRA*

A maioria é composta por conservadores que introjetaram os valores da sociedade patriarcal, ignorados durante muito tempo pela esquerda como assunto secundário

Durante muito tempo, boa parte da esquerda rejeitava qualquer tema que se afastasse do que então se entendia por luta de classes, vista apenas numa chave economicista. Assim, as lutas feministas, antirracistas e anti-homofóbicas eram rejeitadas como “pautas identitárias” que enfraqueciam a luta revolucionária do proletariado contra a burguesia. E a questão indígena não era percebida como problema social, e sim como uma questão puramente ambiental. O índio era visto como natureza.

Essa visão equivocada afastou os partidos e organizações políticas da esquerda de setores sociais que lutavam por seus direitos contra a opressão de que eram vítimas. Mas a esquerda tradicional não via opressão social e cultural, só via a exploração econômica dos trabalhadores. Com isso, se afastou de uma agenda crítica da sociedade patriarcal e não enfrentou na luta política os valores conservadores.

Lembrei disso para explicar, por outro ângulo, os 51 milhões de votos recebidos por Jair Bolsonaro no primeiro turno. Entre esses votos, temos os neoliberais que consideram o teto de gastos como questão de princípio, os militares reacionários – a grande maioria – os evangélicos e católicos de direita, e os que são ideologicamente fascistas. Mas esse contingente está longe de ser a maioria.

A grande maioria dos eleitores de B. é constituída por conservadores que rejeitam, assustados, o empoderamento das mulheres que não aceitam mais o seu papel tradicional como mãe de família e dona de casa. Nostálgicos da Casa Grande e da Senzala, ficam intimidados com a luta dos negros pela igualdade e verdadeiramente escandalizados com a luta dos gays (LGBTQIA+) pelo reconhecimento de seus direitos. Por exemplo, casamento entre pessoas do mesmo sexo é visto como algo vergonhoso. Além disso, associam desmatamento a progresso.

No eleitorado de B. não existem apenas interesses econômicos do empresariado capitalista, interesses corporativos dos militares, ou interesses de uma grande massa de evangélicos ludibriados em sua boa-fé por pastores corruptos. A grande maioria é composta por conservadores que introjetaram os valores da sociedade patriarcal, ignorados durante muito tempo pela esquerda como assunto secundário, fora do foco da luta de classes.

Esse grande contingente de eleitores conservadores não pode ser classificado de fascista. Mas não se deve ignorar que eles apoiariam uma ditadura fascista que levantasse bem alto o lema “Deus, Pátria e Família”. São, antes de tudo, conservadores que se identificam com os governantes que, mesmo de forma hipócrita, anunciam aos quatro ventos seus valores retrógrados como política oficial. Por exemplo, defendem a vida desde a concepção, mas não defendem as crianças que morrem de fome ou vítimas de “balas perdidas” nas favelas.

Esse eleitorado conservador transforma seu líder em mito e apoiaria uma ditadura de natureza fascista. Quer um governo forte para impedir as mudanças sociais, principalmente na esfera comportamental. O fascismo italiano e o nazismo alemão servem de modelo, ressalvadas as diferenças e as adaptações necessárias. Mas as palavras de ordem, como “Brasil Acima de Tudo”, “Deus, Pátria e Família”, “O Trabalho Liberta”, “Uma Nação, Um Povo, Um Líder” e outras, o gestual, os passeios de motocicleta, muita coisa é copiada diretamente do nazi-fascismo europeu.

Os conservadores detestam a liberdade. Precisam de um chefe autoritário para dar ordens, estão ansiosos por obedecer. Combatem a mudança, principalmente no que se refere a valores morais. Esse substrato do bolsonarismo terá de ser atacado de forma permanente, mesmo correndo o risco de romper depois a atual frente democrática anti-fascista de apoio a Lula. As lutas das desprezadas “questões identitárias” terão de ser travadas em articulação com as lutas econômicas da classe trabalhadora e com a luta pela redução da desigualdade social.

O que está hoje em questão não é uma disputa eleitoral “normal” entre dois candidatos, como a imprensa gosta de apresentar. Há um confronto entre democracia e ditadura dentro das próprias instituições, como o episódio surrealista do Roberto Jefferson demonstrou. Já estamos convivendo com medidas de um Estado de exceção. O presidente cometeu dezenas de crimes e nem processado foi, tamanha a cumplicidade criminosa das instituições de controle. O que está em jogo é a sobrevivência da democracia em luta contra a ditadura que, com o apoio dos conservadores, certamente seria implantada com a vitória do candidato hoje no poder.

Após a provável vitória de Lula, por margem mais apertada do que imaginávamos, a luta contra os valores conservadores da sociedade patriarcal será inadiável. Teremos de articular essas lutas “identitárias” com as lutas econômicas dos trabalhadores. Na linguagem da filósofa norte-americana Nancy Fraser, trata-se de articular o “reconhecimento” com a “redistribuição”, que não podem mais andar separados.

*Liszt Vieira é professor de sociologia aposentado da PUC-Rio. Foi deputado (PT-RJ) e Coordenador do Fórum Global da Conferência Rio 92. Autor, entre outros livros, de A democracia reage (Garamond).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gilberto Maringoni José Raimundo Trindade Luiz Roberto Alves Leonardo Sacramento Michel Goulart da Silva Dennis Oliveira Michael Löwy Everaldo de Oliveira Andrade Jorge Luiz Souto Maior Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Celso Favaretto Valerio Arcary Eleonora Albano Eduardo Borges Carlos Tautz João Lanari Bo João Feres Júnior Paulo Nogueira Batista Jr Marcos Aurélio da Silva Alexandre Aragão de Albuquerque José Luís Fiori Mariarosaria Fabris Julian Rodrigues Vladimir Safatle Marcelo Guimarães Lima Andrés del Río José Costa Júnior Henry Burnett Ronald León Núñez Marilia Pacheco Fiorillo Slavoj Žižek Marcus Ianoni Eugênio Trivinho Chico Alencar Marcos Silva Anselm Jappe João Carlos Salles Francisco Pereira de Farias Michael Roberts Ari Marcelo Solon José Geraldo Couto Tarso Genro Claudio Katz Rubens Pinto Lyra Tadeu Valadares Afrânio Catani Igor Felippe Santos André Márcio Neves Soares Sandra Bitencourt Ricardo Antunes Rodrigo de Faria Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Renato Martins Carla Teixeira Armando Boito Tales Ab'Sáber Andrew Korybko Renato Dagnino Rafael R. Ioris Luiz Carlos Bresser-Pereira Heraldo Campos José Machado Moita Neto Eliziário Andrade João Paulo Ayub Fonseca Paulo Martins Antônio Sales Rios Neto Valerio Arcary Ronald Rocha Mário Maestri José Micaelson Lacerda Morais Marilena Chauí Bento Prado Jr. Luiz Werneck Vianna Ladislau Dowbor Flávio R. Kothe Henri Acselrad Alysson Leandro Mascaro Luiz Marques Jorge Branco Paulo Fernandes Silveira Manchetômetro Yuri Martins-Fontes Ricardo Abramovay João Carlos Loebens Walnice Nogueira Galvão Luiz Eduardo Soares Gilberto Lopes Paulo Sérgio Pinheiro Benicio Viero Schmidt Osvaldo Coggiola Boaventura de Sousa Santos Jean Marc Von Der Weid Leonardo Avritzer Érico Andrade Lorenzo Vitral Daniel Costa Luiz Bernardo Pericás Berenice Bento Daniel Afonso da Silva Celso Frederico Bernardo Ricupero Bruno Fabricio Alcebino da Silva Juarez Guimarães Fernando Nogueira da Costa Vinício Carrilho Martinez Fábio Konder Comparato Daniel Brazil Milton Pinheiro Flávio Aguiar Remy José Fontana Luís Fernando Vitagliano Caio Bugiato Fernão Pessoa Ramos Annateresa Fabris Leonardo Boff Dênis de Moraes Luis Felipe Miguel Marjorie C. Marona Eleutério F. S. Prado Marcelo Módolo Atilio A. Boron Lincoln Secco Alexandre de Freitas Barbosa Francisco Fernandes Ladeira Matheus Silveira de Souza Luciano Nascimento Priscila Figueiredo Eugênio Bucci Vanderlei Tenório Samuel Kilsztajn Alexandre de Lima Castro Tranjan André Singer Chico Whitaker Otaviano Helene Francisco de Oliveira Barros Júnior Ricardo Musse Gabriel Cohn Plínio de Arruda Sampaio Jr. Bruno Machado Antonio Martins Liszt Vieira Sergio Amadeu da Silveira João Sette Whitaker Ferreira Ronaldo Tadeu de Souza Denilson Cordeiro Paulo Capel Narvai Maria Rita Kehl Thomas Piketty Antonino Infranca Elias Jabbour Ricardo Fabbrini Manuel Domingos Neto Jean Pierre Chauvin Airton Paschoa Leda Maria Paulani Kátia Gerab Baggio Salem Nasser José Dirceu João Adolfo Hansen Gerson Almeida

NOVAS PUBLICAÇÕES