Quem tá vivo levanta a mão

“Jazz” (1954), de Yoshida Chizuko.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Comentário sobre o livro de contos de Maria Fernanda Elias Maglio

Os alemães cunharam o termo Zeitgeist para definir o espírito de uma época, lá pelo século XVIII. Hegel desenvolveu o conceito, argumentando que toda forma de arte reflete o contexto social e cultural do período em que foi criada (in Filosofia da História).

Se aplicarmos essa ideia na literatura brasileira, concluiremos que vários livros do Romantismo, Realismo ou Modernismo são exemplos bastante representativos do momento histórico em surgiram. Vistos com a devida distância crítica e cronológica, e invertendo um pouquinho o conceito, diríamos até que as obras de maior impacto ajudaram a formar o espírito de sua época.

Não é à toa que a literatura feita no Brasil neste século XXI tenha alguns traços em comum. A escrita urgente, o atropelo intencional de algumas regras gramaticais, a incorporação da fala com a “contribuição milionária de todos os erros”, a violência como praxe, a eliminação de qualquer forma de romantismo, o descrédito das instituições, a denúncia da falência do Estado e seus mecanismos de controle social, a crueza descritiva, tudo permeado por um difuso niilismo.

É claro que aqui e ali tropeçamos com autores que insistem em procedimentos realistas, modernistas ou até românticos, trabalhando em formatos “clássicos” de literatura. Cada vez mais são exceções, o que não é um juízo de valor, apenas constatação. Um realista descreveria o funcionamento de uma granada. Um modernista tentaria mimetizar a explosão. Os pós-modernos descrevem os danos causados pelos estilhaços.

Mas este modus operandi pós-tudo, fragmentado e angustiado, contém várias armadilhas. Para não cair na vala comum que nivela tentativas literárias, crônicas rasteiras e desabafos em redes sociais, é preciso destreza narrativa, imaginação e clara consciência de onde se quer chegar em termos estéticos.

Um exemplo impressionante da potência dessa nova forma de escrita é o recente livro de Maria Fernanda Elias Maglio, Quem Tá Vivo Levanta a Mão. O volume reúne 25 contos onde a autora destampa uma caixa de Pandora literária da qual não saímos ilesos. Mais do que descrições cruas, nervosas e fortemente imagéticas, a escritora oferece um leque temático que vai de refugiados cruzando o mar em embarcações precárias até o massacre do Carandiru narrado pelo ponto de vista de uma barata. Policiais, malandros, marginais, crianças perversas, pessoas alienadas agindo como marionetes num clima de pesadelo, entre a pequena classe média e a pobreza absoluta.

A riqueza da escrita de Maria Fernanda nos faz prosseguir a cada conto, por mais chocante que possa parecer. Não é uma literatura sádica, no sentido clássico da palavra, mas investigativa das nuances mais sombrias e patéticas do ser humano. É incontornável citar que a autora é defensora pública, e lida profissionalmente com pessoas pobres que estão cumprindo pena. É razoável supor que boa parte do que escuta de seus clientes se torne ingrediente de sua produção ficcional.

Mas não se trata apenas de uma relatora de desgraças, longe disso! Maria Fernanda Maglio Deixa entrever uma faísca de esperança num encontro combinado no centro de São Paulo, mostra a possibilidade do amor reencontrado numa padaria, pinta ironicamente a relação da ex-universitária que se envolve com o dono de uma vendinha.

A escrita da autora acaba se revelando terrivelmente humana em todos os momentos, mesmo que a narradora seja uma cadeira elétrica, como no conto intitulado 636. No conjunto, alterna vozes narrativas com destreza, desenvolve personagens que em poucas linhas nos prendem a atenção, e provoca reflexões sobre a miséria, a violência, o destino, o sofrimento anônimo, a maldade atávica, as perversões cotidianas. O tempora! O mores!

Impossível sair incólume da literatura de Maria Fernanda Elias Maglio.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

Referência


Maria Fernanda Elias Maglio. Quem tá vivo levanta a mão. São Paulo, editora Patuá, 2022, 230 págs (https://amzn.to/3qulI5w).


O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • João Cândido e a Revolta da Chibatarevolta da chibata 23/06/2024 Por PETRÔNIO DOMINGUES: No atual contexto, em que tanto se discute reparações do Estado à população negra, o nome de João Cândido não pode ser esquecido
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • O medo e a esperançaJoao_Carlos_Salles 24/06/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: Contra a destruição da universidade pública
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • O colapso do sionismopalestina livre 80 23/06/2024 Por ILAN PAPPÉ: Quer as pessoas acolham a ideia ou a temam, o colapso de Israel tornou-se previsível. Esta possibilidade deve informar a conversa de longo prazo sobre o futuro da região
  • Um olhar sobre a greve das federais de 2024lula haddad 20/06/2024 Por IAEL DE SOUZA: Com alguns meses de governo, comprovou-se o estelionato eleitoral de Lula, acompanhado do seu “fiel escudeiro”, o Ministro da Fazenda, Fernando Haddad
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • Retomar o caminho da esperançafim de tarde 21/06/2024 Por JUAREZ GUIMARÃES & MARILANE TEIXEIRA: Cinco iniciativas que podem permitir às esquerdas e centro-esquerdas brasileiras retomarem o diálogo com a esperança majoritária dos brasileiros
  • Manual teológico do neopentecostalismo neoliberaljesus salva 22/06/2024 Por LEONARDO SACRAMENTO: A teologia transformou-se em coaching ou fomentador da disputa entre trabalhadores no mundo do trabalho

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES