As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Quem vai fazer a chuva parar?

Imagem: Kartick Chandra Pyne
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por AFRÂNIO CATANI*

Comentário sobre o livro de Robert Stone

O nova-iorquino Robert Stone (1937-2015) recebeu em 1967 o prêmio Faulkner por seu primeiro romance, A Hall of Mirrors, além de uma Houghfon Mifflin Literacy Fellowship. O livro se transformou em filme em 1970 (Direção: Stuart Rosenberg), estrelado por Paul Newman e Joanne Woodward. Quem vai fazer a chuva parar? (Who’ll Stop the Rain?), 1974, foi também adaptado para o cinema – direção: Karel Reisz, com Nick Nolte, Tuesday Weld e Michael Moriarty (1978). Ativo participante da contracultura nos anos 1960, tendo vivido em Nova Orleans e em San Francisco, Robert Stone escreveu ainda A Flag for Sunrise (1981), Children of Light (1986), Outerbridge Reach (1992) e Damascus Gate (1998).

Robert Stone foi várias vezes finalista dos Prêmios Pulitzer do PEN/Faulkner, do National Book Award for Fiction, além de contemplado com várias outras láureas e bolsas (John Dos Passos Prize for Literature; American Academy and Institute of Arts; Mildred and Harold Strauss Living Award; National Endowment for the Humanities), além de ser presidente do Conselho de Administração da Fundação PEN/Faulkner durante mais de 30 anos.

Em 1971 viajou ao Vietnã como correspondente de um jornal britânico, INK. Essa experiência serviu de inspiração para seu livro Dog Soldier. Autor de oito romances, duas coletâneas de histórias e  um livro de memórias, além de ter sido, durante quatro anos, marinheiro.

Quem vai fazer a chuva parar ? tem como matéria prima a loucura coletiva que assolou os Estados Unidos durante a guerra do Vietnã, encerrada em 1973. O romance explora, numa linguagem ágil, a corrupção e a maluquice que se espalhou pelo país, aprisionado de certo modo pela droga e com um grande contingente de jovens que preferem fazer outras viagens a ter de enfrentar a dura realidade daquele momento.

A ação tem início em Saigon, quando o jornalista John Converse adquire de uma estadunidense lá radicada três quilos de heroína pura para ser comercializada nos Estados Unidos. Raymond Hicks, amigo do jornalista, transporta a droga até Berkeley, Califórnia, onde Marge, mulher de John, se encarregaria de vender a heroína. As coisas caminham bem até Hicks e Marge se encontrarem; em seguida, tem início a perseguição: os dois conseguem fugir de agentes federais corruptos e John é detido. No deserto do Novo México a trama se resolve.

Parte da crítica dos Estados Unidos se empolgou com o romance de Robert Stone, chegando alguns a compará-lo a Joseph Conrad (1857-1924) pela habilidade que ambos têm de “ligar à ação rápida e selvagem a sóbria vaga de suas causas últimas” (Jerry Brooks, The Sunday Times). Bem, talvez Jerry Brooks tenha se empolgado demais em seu juízo. Entretanto, devo salientar, o livro de Robert Stone é excelente, adota um tom irônico extremamente corrosivo com relação aos EUA do final dos anos 1960 e início dos 1970, explorando com felicidade a relação que se estabelece entre a guerra do Vietnã, a contracultura e a droga.

Quando Quem vai fazer a chuva parar? foi editado, o país ainda estava com o Vietnã entalado na garganta, tendo dificuldade para digeri-lo. Passadas várias décadas, o pesadelo se dissipou, a sociedade norte-americana absorveu o golpe e o romance perdeu algo de sua força original. Certamente, os mais jovens talvez não curtam sua leitura ao som de Jimi Hendrix ou Janis Joplin, como sugeriu Geraldo Galvão Ferraz na apresentação. Entretanto, os leitores de qualquer idade com certeza irão lê-lo como se aprecia um romance de qualidade, movimentado e bem tramado, independentemente de suas vigorosas conotações políticas e sociais.

*Afrânio Catani é professor titular aposentado da Faculdade de Educação da USP e, atualmente, professor sênior na mesma instituição. Professor visitante na UERJ, campus de Duque de Caxias.

Versão modificada de artigo publicado no extinto suplemento “Cultura” do jornal O Estado de S. Paulo, em 9 de abril de 1988.

 

Referência


Robert Stone. Quem vai fazer a chuva parar? Tradução: Joaquim Palácios. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ricardo Antunes Paulo Nogueira Batista Jr Anselm Jappe Fernando Nogueira da Costa Rafael R. Ioris Everaldo de Oliveira Andrade Julian Rodrigues Tales Ab'Sáber Alexandre de Freitas Barbosa Alexandre de Lima Castro Tranjan Rodrigo de Faria Carla Teixeira Ronaldo Tadeu de Souza Annateresa Fabris Benicio Viero Schmidt Manchetômetro Marcos Aurélio da Silva Salem Nasser Luciano Nascimento Bruno Machado Bernardo Ricupero Paulo Martins Tarso Genro Eliziário Andrade Marjorie C. Marona Dennis Oliveira Antonino Infranca Alexandre Aragão de Albuquerque José Raimundo Trindade Milton Pinheiro Francisco Fernandes Ladeira Michael Löwy Kátia Gerab Baggio Lorenzo Vitral Luís Fernando Vitagliano Lincoln Secco Celso Favaretto João Feres Júnior Berenice Bento Francisco de Oliveira Barros Júnior Daniel Brazil Mário Maestri Chico Whitaker Luiz Marques Leonardo Boff Renato Dagnino João Paulo Ayub Fonseca Sandra Bitencourt Marcelo Módolo Dênis de Moraes Ricardo Abramovay Samuel Kilsztajn Valerio Arcary Luiz Eduardo Soares Daniel Afonso da Silva João Lanari Bo Yuri Martins-Fontes Leda Maria Paulani Gilberto Lopes Sergio Amadeu da Silveira Walnice Nogueira Galvão José Micaelson Lacerda Morais Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Luís Fiori Gabriel Cohn Daniel Costa Michael Roberts Denilson Cordeiro Érico Andrade Fábio Konder Comparato Anderson Alves Esteves Jean Marc Von Der Weid Henri Acselrad Osvaldo Coggiola José Machado Moita Neto Luiz Costa Lima Elias Jabbour Priscila Figueiredo Lucas Fiaschetti Estevez João Sette Whitaker Ferreira Heraldo Campos Vladimir Safatle Andrew Korybko Paulo Sérgio Pinheiro André Márcio Neves Soares Manuel Domingos Neto Flávio Aguiar Eduardo Borges Mariarosaria Fabris Marcus Ianoni Ronald Rocha Otaviano Helene Remy José Fontana Claudio Katz Vanderlei Tenório Boaventura de Sousa Santos João Carlos Loebens Valério Arcary Henry Burnett André Singer Marcos Silva Thomas Piketty Ladislau Dowbor Luiz Renato Martins Bento Prado Jr. Juarez Guimarães Eugênio Bucci Eleutério F. S. Prado Marilia Pacheco Fiorillo Paulo Capel Narvai Roberto Noritomi Jorge Branco Maria Rita Kehl Ricardo Musse Leonardo Sacramento Vinício Carrilho Martinez Igor Felippe Santos Luis Felipe Miguel Caio Bugiato Atilio A. Boron Ronald León Núñez Antônio Sales Rios Neto Fernão Pessoa Ramos Celso Frederico José Costa Júnior Eleonora Albano João Adolfo Hansen Afrânio Catani Antonio Martins Airton Paschoa Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Carlos Salles Tadeu Valadares Jorge Luiz Souto Maior Luiz Roberto Alves Chico Alencar Luiz Werneck Vianna Flávio R. Kothe Francisco Pereira de Farias Luiz Bernardo Pericás Marcelo Guimarães Lima José Geraldo Couto Paulo Fernandes Silveira Rubens Pinto Lyra Jean Pierre Chauvin Alysson Leandro Mascaro José Dirceu Luiz Carlos Bresser-Pereira Ari Marcelo Solon Slavoj Žižek Marilena Chauí Gilberto Maringoni Liszt Vieira Roberto Bueno Gerson Almeida Carlos Tautz Ricardo Fabbrini Eugênio Trivinho Armando Boito Leonardo Avritzer

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada