Recado da Argentina – como ganhar uma eleição

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LISZT VIEIRA*

A Argentina é presa fácil para qualquer demagogo de extrema direita. Já vimos esse filme no Brasil

A Argentina tem a maior inflação do G-20 em 2023. A taxa acumulada de janeiro a outubro foi de 120%. Em 12 meses, atingiu 142,7%. A quantidade de pessoas vivendo na pobreza aumentou e ultrapassou os 40% da população no primeiro semestre de 2023, conforme levantamento do Instituto Nacional de Estatísticas e Censo (Indec), órgão ligado ao Ministério da Economia. Atualmente, 9,3% da população vive abaixo da linha de pobreza, em situação de indigência, quando as pessoas não têm rendimentos suficientes para cobrir os gastos alimentares básicos.

Diante desse quadro, a maioria quer mudança. De nada adianta dizer que a mudança pode ser para pior. A palavra mudança, em geral, traz uma carga valorativa de esperança. Essa carga positiva de valor ajuda a explicar, por exemplo, porque a expressão “mudança climática” nunca assustou ninguém, pelo menos até há pouco. Teria sido melhor usar a palavra “crise” em vez de mudança, mas a psicologia não é o forte dos cientistas climáticos. Nessa situação atual de crise dramática, a Argentina é presa fácil para qualquer demagogo de extrema direita. Já vimos esse filme no Brasil.

O candidato “antissistema” recebeu 55,7% dos votos, ganhou em 21 das 24 províncias. É o presidente melhor eleito desde o retorno da democracia em 1983. A regra de ouro para ganhar a eleição é dizer em alto e bom som que é contra o sistema. A grande maioria da população não sabe bem o que é o “sistema”, mas ela entende que isso significa mudança, e ela quer mudar porque vive mal na atual situação. Assim, o candidato não precisa perder tempo com programa de governo ou projetos elaborados, basta meia dúzia de palavras chaves, a começar pela crítica ao sistema, é claro.

Há muitas explicações para isso. Uma das principais, a meu ver, é a crise da chamada democracia representativa ou, se preferirem, da democracia burguesa. Afinal, o “sistema” aprendeu a manipular as eleições por vários mecanismos, entre eles usando os meios de comunicação de massa e, mais recentemente, dominando as redes sociais na internet com robôs disparando fake news para milhões de pessoas. Com isso, a maioria da população não percebe os prejuízos que sofre com a política neoliberal dominante e enxerga seu inimigo no gasto público do Estado.

A proposta de corte das despesas públicas em nome do “déficit zero” ou “equilíbrio fiscal” visa enfraquecer o Estado, torná-lo Estado Mínimo, para mais facilmente canalizar os recursos públicos para o mercado. Claro que isso não é explicado e dito dessa forma. Mais fácil é atacar os gastos públicos impopulares, como os salários elevados dos parlamentares, dos juízes, ou da corrupção que, em todos os governos, aparece nas licitações públicas. Há muitos outros argumentos com roupagens técnicas, mas no fundo trata-se de reduzir o peso do Estado para mais facilmente destinar os recursos públicos para os bancos e todo o mercado financeiro.

Há muitas décadas atrás, quem fazia o discurso contra o “sistema” era a esquerda, atacando a democracia burguesa. Quando chegou ao poder, a esquerda implantou políticas sociais importantes, mas foi obrigada a fazer acordos em nome da governabilidade. O atual governo Lula é um bom exemplo. Com um Congresso dominado pela direita, faz acordos e nomeia para ocupar altos cargos no aparelho de Estado políticos de direita que, em ano eleitoral, irão apoiar candidatos de direita contra os candidatos apoiados pelo governo que os nomeou.

As concessões não se resumem a nomear políticos fisiológicos do Centrão. O governo, por meio de seu Ministro da Economia, faz concessões à tese neoliberal do déficit zero para agradar o mercado financeiro e a mídia defensora de seus interesses.

Apesar das diferenças entre a Argentina e o nosso país, a vitória de Javier Milei na eleição argentina acendeu o sinal amarelo para o Brasil. Não há dúvida de que se trata de um importante reforço para o avanço da extrema direita no mundo. Orbán na Hungria, Erdogan na Turquia, Bolsonaro no Brasil, Trump nos EUA – que, apesar de processado, já supera Joe Biden nas pesquisas – Modi na Índia, Zelenski na Ucrânia, Meloni na Itália e a extrema direita fora do poder, mas avançando em vários países da Europa, serão pontos de apoio a Javier Milei na Argentina. Talvez até Vladimir Putin, com seu sonho de autocrata czarista.

Na Europa, é preocupante o fortalecimento da ultradireita. No caso da França, por exemplo, o Partido Comunista teve 2% dos votos na última eleição e o Front National, 22%. É sabido que muitos eleitores do PC hoje votam na extrema direita. O mesmo ocorreu com os manifestantes dos “Coletes Amarelos” (Gilets Jaunes): começaram protestando contra a taxa ecológica ao combustível fóssil porque aumentaria o preço da gasolina, terminaram quase todos votando no Front National de extrema direita.

A eleição de Javier Milei se explica em boa parte pelo desgaste do peronismo, e pela crise econômica que não conseguiu debelar. Um engenheiro diria que o peronismo sofreu uma espécie de “fadiga de material”. Apesar das diferenças em relação ao clima político da eleição de Jair Bolsonaro em 2018, o discurso alucinado de Javier Milei tem muitos pontos em comum com o discurso tresloucado de Jair Bolsonaro.

Ambos acusam a esquerda, a democracia e, direta ou indiretamente, apontam para a ditadura como solução. No caso da Argentina, porém, Javier Milei terá mais dificuldades para governar, por ter minoria no Parlamento e também pela inexistência de Centrão ou de bancada evangélica de apoio. Já há analistas políticos vaticinando que, face a uma oposição agressiva, se Javier Milei cumprir o que prometeu e cortar serviços públicos, não vai terminar o mandato.

No caso do Brasil, o enfraquecimento do presidencialismo face ao semiparlamentarismo em ascensão, com a direita ocupando cargos de alto escalão no aparelho de Estado, bem como as concessões ao mercado e sua mídia em termos de déficit zero e equilíbrio fiscal, apontam para um futuro incerto e preocupante. Com Jair Bolsonaro inelegível, o bolsonarismo está procurando um novo líder para ocupar seu espaço político que não deve ficar muito tempo vazio.

*Liszt Vieira é professor de sociologia aposentado da PUC-Rio. Foi deputado (PT-RJ) e coordenador do Fórum Global da Conferência Rio 92. Autor, entre outros livros, de A democracia reage (Garamond). [https://amzn.to/3sQ7Qn3]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Andes x Proifes — a disputa no sindicalismo docentegreve educação 28/05/2024 Por VALTER LÚCIO DE OLIVEIRA: O sindicato sai enfraquecido quando sua direção parte do princípio de que as únicas posições verdadeiramente esclarecidas e legítimas são aquelas que respaldam a suas orientações
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • O bolsonarismo pode voltar ao poder?Valério Arcary 24/05/2024 Por VALERIO ARCARY: O lulismo, ou lealdade política à experiência dos governos liderados pelo PT, permitiu conquistar o apoio entre os muito pobres. Mas a esquerda, embora mantenha posições, perdeu a hegemonia sobre sua base social de massas original.
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • Um alvo perfeitocultura Poemas 27/05/2024 Por ANTÔNIO DAVID: Considerações sobre o ataque de Jair Bolsonaro a Marília Moschkovich
  • Realizando a filosofia — Marx, Lukács e a Escola de…toca discos 25/05/2024 Por ANDREW FEENBERG: A filosofia da práxis é significativa hoje como a tentativa mais desenvolvida dentro do marxismo de refletir sobre as consequências da racionalização da sociedade sob o capitalismo
  • O legado de uma década perdidaRenato Janine Ribeiro 22/05/2024 Por RENATO JANINE RIBEIRO: A esquerda é inteiramente representativa do senso comum de nossa sociedade – tudo de bom que acontece, e tudo de ruim, é só do Presidente
  • O agonizante fim do sionismodistante 22/05/2024 Por SAMUEL KILSZTAJN: O judaísmo não pode ser protegido por furiosos militares israelenses, pois tudo o que os militares fazem é semear tristeza e colher ódio
  • Guaíba – rio ou lago?Rio Guaíba 24/05/2024 Por JOÃO HÉLIO FERREIRA PES: É importante definir juridicamente se o Guaíba é rio ou lago para fins de uma eficaz implantação das políticas públicas de proteção de suas margens
  • Financeirização — crise, estagnação e desigualdadeCarlos-Vainer 28/05/2024 Por CARLOS VAINER: Considerações sobre o livro recém-lançado, organizado por Lena Lavinas, Norberto Montani Martins, Guilherme Leite Gonçalves e Elisa Van Waeynberge

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES