As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Cartas da Itália – III

Imagem_Marcio Costa
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUAN REMÍGIO*

Relato de um estudante brasileiro em Lecce, no sul da Itália, sobre o cotidiano local durante a pandemia do coronavírus

Subitamente lanço os olhos sobre o relógio para saber as horas: devo “descer” o lixo, lembro. À dispensa da casa atribuíram o papel de “quarto de entulho”, abrigando uma diversidade de coisas, algumas deixadas pelo proprietário que não são usadas há tempos, como cafeteira, vasilhas plásticas, panelas, balança, e até mesmo uma cama; outras como, espanadores, vassouras e pás, mais recentes e esporadicamente utilizadas. Lá também estão os quatro “baldes” destinados à coleta seletiva: orgânico (marrom), papel (azul), plástico (amarelo) e o não reciclável (cinza); metal e vidro (verde) são apenas colocas nos sacos e deixados à porta no dia da coleta. Pego o saco amarelo para levá-lo para baixo, é quarta-feira, dia do plástico. Com um lenço de papel, abro a porta do apartamento, chamo o elevador, pressiono o botão do térreo, abro a porta do prédio e o deixo na calçada. Refaço o percurso sempre com o lenço intermediando o contato da minha mão com os objetos. Ao retornar, passo direto para o banheiro da cozinha, jogo o lenço no vaso, dou descarga em seguida lavo as mãos. Meus suprimentos estão no fim, e decido ir ao supermercado no dia seguinte.

***

Acordo um pouco tarde, por volta das dez da manhã. Lembro do compromisso assumido na noite anterior e me coloco de pé. Na cozinha, esquento o leite, coloco a moka no fogo, separo dois pacotes de torrada, creme de avelã com chocolate, e preparo a mesa para o café da manhã com duas xícaras da mesma cor, uma pequena para o café outra grande para o leite. Espalho o creme em quatro torradas e devoro o primeiro pacote, suficiente para primeira refeição. Não me dando por satisfeito, espalho o creme em mais duas torradas, mastigadas e engolidas com mesma voracidade. Vejo as duas torradas restantes, volto os olhos para o que sobrou do leite, e, neste átimo, me dou conta do quanto é difícil controlar a ansiedade. Mas dessa vez consegui, penso, me levanto e deixo a mesa.

Ir ao supermercado é algo que me agrada. Gosto de cozinhar, escolher e, sobretudo aqui na Itália, experimentar, inventar e aprender receitas. Desde que as medidas mais rigorosas por conta do covid-19 foram adotadas, a rotina de todos foi afetada e a maneira de fazer as compras também. Hoje a maioria das pessoas faz compras maiores, não por temer falta de abastecimento, mas para sair menos vezes de casa na esperança de evitar contágio. Para andar nas ruas é necessário ter uma auto-certificação, principalmente para quem tem de se deslocar de casa para o trabalho. Qualquer pessoa pode ser abordada pela polícia, e ter solicitada a auto-certificação, caso esteja na rua sem motivo pode pagar multa ou até mesmo ser preso. Obviamente muitas pessoas não respeitam essas diretrizes, mas quando tu és um estrangeiro e mora do lado da “Questura” (Delegacia) não parece ser prudente desrespeitá-las. Se tu vais fazer compras no supermercado eles até dispensam o documento, mas, caso tu sejas parado, dizem para retornar para casa em seguida. A preocupação de ser contagiado ou contagiar fez com que se redobrasse atenção na limpeza, algo que certamente deixará marcas profundas.

***

Enquanto lavava as mãos, organizo mentalmente os preparativos para minha ida ao supermercado: já havia escolhido a roupa, toda escura para que na volta pudesse jogá-las todas juntas na máquina de lavar; sabão e amaciante já nos depositórios; tênis; mochila; lista de compras; duas sacolas grandes retornáveis; o “saquinho de turista” onde guardo passaporte, “permesso di soggiorno”, cartão e dinheiro; pacote de lenços; deixei minha toalha no banheiro da cozinha; preparei um balde com água sanitária e água da torneira; dentro de um frasco com borrifador, mais da mesma solução; dois panos. Me dei conta de minhas mãos vermelhas sob aquela água morna e as unhas compridas. Decidi, “vou cortar as unhas antes de sair”. Questionei a mim mesmo se aquilo não era exagero, “não”, respondi quase sem terminar a pergunta. No sofá da cozinha, com as pernas abertas, tronco ligeiramente inclinado para frente e cotovelos repousados nos joelhos, iniciei aquele ritual asséptico. Em seguida, com o braço direito alongado olhando fixamente para minhas unhas admirando o trabalho realizado, surgem, desfocados e lentamente ganhando nitidez, meus pés, dedos e unhas. As julgo compridas e as corto também. Ritual concluído, catarse alcançada, me visto e saio em direção ao “Conad” próximo da minha casa provisória.

Ao chegar me deparo com uma pequena fila, comum nesses tempos. Espero minha vez, entro, seleciono as coisas que faltam: sabão para lavar roupas e outro para lavrar louça; torradas, creme de avelã, macarrão, ragu (molho de tomate com carne), queijo, pão, carnes, maionese, cebola, tomates, nove garrafas de água e mais algumas coisas. Felizmente aceitam o cartão, coloco tudo nas bolsas e três garrafas de água na mochila as outras seis na mão e começo o trajeto de volta para casa. Tive de parar e trocar de lado sacolas e as garrafas de água algumas vezes tentando compensar o peso e mitigar o cansaço. Faltando cerca de cem metros paro pela última vez, recupero o fôlego, seguro nas alças das sacolas e vejo o quanto minhas mãos estão ressecadas, vermelhas e feridas por conta do tempo e sua lavagem frequente, “não posso esquecer de usar hidratante”, me cobro. Na calçada do prédio deixo as compras, procuro as chaves no bolso, levanto a cabeça, encaro minha imagem refletida na porta de vidro da entrada, e reprovo aqueles cabelos bagunçados e sem forma.

Giro a chave, entro, subo oito lances de escada no saguão e chamo o elevador. Chego ao meu andar, saio e me preparo para realizar o plano traçado horas antes. Abro e fecho a porta do apartamento sem tocar na maçaneta, deixo as sacolas e água na entrada; tiro os sapatos, com eles nas mãos sigo para a cozinha, abro a porta da varanda e os deixo lá; ainda na cozinha, tiro a mochila das costas, me dispo, jogo as roupas no chão, pego minha toalha e lanço tudo na máquina de lavar. Logo depois, sigo para o banheiro, inerte deixo a água quente bater no meu corpo acreditando que aquilo pode evitar um possível contágio; a temperatura elevada me traz de volta, então lavo meus cabelos e esfrego cada centímetro do meu corpo como se a força aplicada naquela ação fosse proporcional à limpeza.

Saio do banheiro, e enquanto me visto lembro do hidratante “realmente ajuda”, aceito. Seco os cabelos e vou para a cozinha limpar o que fora comprado. Borrifo a solução em tudo o que toquei, mesmo com lenço, e aquilo que não toquei, como as maçanetas da porta de entrada, e com um pano seco tudo; sem esquecer do chão onde minhas roupas ficaram alguns segundos. Levo as duas sacolas e a caixa com seis garrafas para a cozinha, deixo-as no chão ao lado da mesa e as limpo com a solução de água sanitária; repito isso com cada item das sacolas, depositando-os na mesa para, em seguida, guarda-los no armário. Lembro das três garrafas e maionese na mochila, são desinfetadas e têm o mesmo destino do restante das compras. Assim como as compras, as sacolas e mochila passam pelo mesmo processo de limpeza. Por último, volto para a sacada e limpo o sapato. Junto tudo o que foi usado e coloco no balde com água e água sanitária.

Almoço e vou para a cama descansar um pouco.

*Luan Remígio é professor da Seduc-PA, doutorando em filosofia pela Unifesp e intercambista na Universidade del Salento, Lecce, Itália

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ari Marcelo Solon João Carlos Loebens Lucas Fiaschetti Estevez Francisco Fernandes Ladeira Luiz Werneck Vianna Luiz Roberto Alves Marcelo Módolo Luiz Carlos Bresser-Pereira Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Micaelson Lacerda Morais Antonio Martins Dênis de Moraes Luciano Nascimento Caio Bugiato Flávio Aguiar Paulo Capel Narvai Luiz Renato Martins Eleutério F. S. Prado Tales Ab'Sáber Eugênio Bucci José Dirceu Armando Boito Vanderlei Tenório Paulo Sérgio Pinheiro Luis Felipe Miguel Salem Nasser Henri Acselrad Alysson Leandro Mascaro João Carlos Salles Marilena Chauí Alexandre Aragão de Albuquerque Ronald Rocha Francisco de Oliveira Barros Júnior Thomas Piketty José Geraldo Couto Anselm Jappe Leonardo Sacramento Benicio Viero Schmidt André Singer Leonardo Boff Anderson Alves Esteves Priscila Figueiredo Eduardo Borges Gabriel Cohn Manchetômetro Valerio Arcary João Paulo Ayub Fonseca Juarez Guimarães Ronaldo Tadeu de Souza Mário Maestri Daniel Afonso da Silva Fábio Konder Comparato Otaviano Helene Afrânio Catani Julian Rodrigues Gerson Almeida José Raimundo Trindade Gilberto Lopes Luiz Marques Roberto Bueno Valério Arcary Michael Löwy Rubens Pinto Lyra Boaventura de Sousa Santos Eugênio Trivinho Samuel Kilsztajn Mariarosaria Fabris Alexandre de Lima Castro Tranjan Antonino Infranca Marcelo Guimarães Lima Carlos Tautz Igor Felippe Santos José Machado Moita Neto Marcus Ianoni Lorenzo Vitral Ricardo Abramovay Ricardo Antunes Paulo Martins Lincoln Secco Paulo Fernandes Silveira João Feres Júnior André Márcio Neves Soares Rafael R. Ioris Atilio A. Boron Leda Maria Paulani José Luís Fiori João Sette Whitaker Ferreira Luiz Bernardo Pericás Jorge Branco Remy José Fontana Heraldo Campos Liszt Vieira Ricardo Musse Tadeu Valadares Walnice Nogueira Galvão Manuel Domingos Neto Ladislau Dowbor Daniel Brazil Bento Prado Jr. Airton Paschoa Francisco Pereira de Farias Jean Marc Von Der Weid Bruno Machado Érico Andrade Marcos Silva Chico Alencar Celso Favaretto Everaldo de Oliveira Andrade Renato Dagnino Roberto Noritomi Gilberto Maringoni Jean Pierre Chauvin Dennis Oliveira Flávio R. Kothe Rodrigo de Faria João Lanari Bo Marilia Pacheco Fiorillo Celso Frederico Michael Roberts Kátia Gerab Baggio Annateresa Fabris Fernando Nogueira da Costa Alexandre de Freitas Barbosa Eliziário Andrade Eleonora Albano Paulo Nogueira Batista Jr Jorge Luiz Souto Maior Daniel Costa Marjorie C. Marona Elias Jabbour Antônio Sales Rios Neto Maria Rita Kehl Bruno Fabricio Alcebino da Silva Sergio Amadeu da Silveira Osvaldo Coggiola Carla Teixeira José Costa Júnior Bernardo Ricupero Luiz Eduardo Soares Vinício Carrilho Martinez Milton Pinheiro Claudio Katz Marcos Aurélio da Silva Leonardo Avritzer Andrew Korybko Tarso Genro Ronald León Núñez Slavoj Žižek João Adolfo Hansen Henry Burnett Ricardo Fabbrini Chico Whitaker Vladimir Safatle Fernão Pessoa Ramos Berenice Bento Luís Fernando Vitagliano Denilson Cordeiro Luiz Costa Lima Yuri Martins-Fontes Sandra Bitencourt

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada