Retratos fantasmas

James Ensor, A entrada de Cristo em Bruxelas
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ GERALDO COUTO*

Comentário sobre o novo filme de Kleber Mendonça Filho, em exibição nos cinemas

Documentário talvez não seja a melhor definição para esse híbrido de registro histórico, memórias, ensaio e ficção. Narrada em primeira pessoa pelo próprio diretor, é uma jornada que parte do apartamento em que ele viveu por quarenta anos, no bairro recifense de Setúbal/Boa Viagem, e se desenrola como um novelo, abarcando a capital pernambucana, o Brasil e o mundo.

Arqueologia urbana

De início, parece uma ágil crônica autobiográfica, que fala da mãe historiadora e sua relação com o ambiente doméstico, mas também das primeiras experiências cinematográficas, filmetes em super-8 e vídeo realizados por Kleber com o irmão e vizinhos. Ao longo das décadas, o apartamento passou por transformações e serviu de locação para diversos trabalhos do diretor, em especial para O som ao redor. Com uma desenvoltura admirável, misturando fotos antigas, home movies, trechos de seus filmes e imagens captadas atualmente, o cineasta dá àquele espaço uma vida que atravessa gerações e o conecta com a história da cidade.

Passamos então, sem trancos, para os cinemas do velho Recife, hoje extintos em sua quase totalidade: Trianon, Art Palácio, Moderno, Politeama, Veneza… Desenha-se então toda uma arqueologia urbana conectada com a história arquitetônica, social e afetiva da cidade – cujos processos gerais ocorreram de maneira semelhante em tantas outras metrópoles do mundo.

A visada é ampla, bem informada e bem documentada (inclusive com trechos de filmes realizados por outros diretores pernambucanos), enlaçando sempre o individual (o velho projecionista do Trianon, o camelô que recolhia memorabilia no lixo das distribuidoras estrangeiras para vender numa banca, etc.) ao geral: as marcas da ditadura e da censura, a presença opressiva das majors norte-americanas, a especulação imobiliária, as mudanças na cultura e nos costumes.

Nesse percurso, alguns episódios chamam especial atenção. Por exemplo, a informação de que o Art Palácio do Recife, assim como o de São Paulo, foi uma criação da produtora e distribuidora alemã UFA numa época em que o regime nazista aproveitava a leniência (ou simpatia) do governo Vargas para estender por aqui seus tentáculos ideológicos.

Cinema, religião, fantasia

A última parte do filme realça a curiosa e complexa ligação do cinema com a religião. Ficamos sabendo, por exemplo, que o venerável Cine São Luiz – último remanescente da era de ouro das grandes salas – foi construído onde antes se erguia uma igreja do tempo do império. O diretor/narrador chama a atenção para o fato de o lugar ser chamado reiteradamente de “templo do cinema”, e também para a recorrência de imagens católicas na linguagem dos cinéfilos: “Um Glauber ou um Hitchcock para assistir de joelhos”. A outra face dessa conexão é mais brutal: a transformação de antigas salas de cinema em templos evangélicos.

Tudo isso é mostrado de modo fluente, com uma câmera que perscruta os espaços e suas transformações, amparada na montagem pelos materiais mais diversos: filmes, fotos, recortes de jornal.

A locução do cineasta oscila entre o humor e uma certa melancolia. Quando, já na última parte, o tom parece se aproximar do melodrama nostálgico, há uma virada levemente cômica, numa sequência ficcional que encena uma viagem de Uber pela cidade.

É também, por assim dizer, a explicitação de um veio de cinema fantástico que vinha se insinuando ocasionalmente ao longo do documentário: a foto acidental de um espectro pelo jovem Kleber, o latido de um cachorro que já morreu, a “mutação” de uma marquise de cinema durante a digitalização de uma foto, a tampa de um scanner que se fecha sozinha etc., sem contar os próprios curtas juvenis de terror do cineasta. O título Retratos fantasmas, enfim, tem muito mais de um sentido.

Falando em títulos: o grande artista pernambucano Cícero Dias pintou nos anos 1920 um enorme painel chamado “Eu vi o mundo…ele começava no Recife”. Poderia ser um título alternativo para o belíssimo filme de Kleber Mendonça Filho.

*José Geraldo Couto é crítico de cinema. Autor, entre outros livros, de André Breton (Brasiliense).

Publicado originalmente no blog de cinema do IMS .

Referência


Retratos fantasmas
Brasil, Documentário, 2023, 93 minutos
Roteiro e direção: Kleber Mendonça Filho.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luís Fernando Vitagliano Sergio Amadeu da Silveira Francisco de Oliveira Barros Júnior Everaldo de Oliveira Andrade Maria Rita Kehl João Lanari Bo Bento Prado Jr. Fernão Pessoa Ramos Marilena Chauí Luiz Carlos Bresser-Pereira Lorenzo Vitral Fernando Nogueira da Costa Gerson Almeida Luiz Eduardo Soares Antonino Infranca Ronaldo Tadeu de Souza Annateresa Fabris José Machado Moita Neto Gilberto Maringoni Paulo Fernandes Silveira Osvaldo Coggiola Leonardo Avritzer Matheus Silveira de Souza João Carlos Salles Valerio Arcary Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Renato Martins João Feres Júnior Ladislau Dowbor Jorge Branco Leonardo Boff Lucas Fiaschetti Estevez Henry Burnett Slavoj Žižek José Geraldo Couto Manuel Domingos Neto Manchetômetro Sandra Bitencourt Airton Paschoa Daniel Brazil Marcos Silva Julian Rodrigues José Raimundo Trindade Flávio R. Kothe Mariarosaria Fabris Alexandre Aragão de Albuquerque Michael Roberts Carlos Tautz Eliziário Andrade Alexandre de Lima Castro Tranjan Marcelo Módolo Paulo Capel Narvai Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Flávio Aguiar Antônio Sales Rios Neto Dênis de Moraes Marcelo Guimarães Lima Vanderlei Tenório João Sette Whitaker Ferreira Ari Marcelo Solon Liszt Vieira Eleutério F. S. Prado Ricardo Antunes Jorge Luiz Souto Maior Plínio de Arruda Sampaio Jr. Denilson Cordeiro Luiz Marques Gilberto Lopes Daniel Afonso da Silva Leda Maria Paulani Eugênio Bucci Juarez Guimarães Andrés del Río Otaviano Helene Milton Pinheiro Michael Löwy Rafael R. Ioris Tales Ab'Sáber Armando Boito Michel Goulart da Silva Rubens Pinto Lyra José Costa Júnior Érico Andrade Ricardo Musse Berenice Bento Atilio A. Boron Kátia Gerab Baggio Jean Pierre Chauvin Andrew Korybko Thomas Piketty Tadeu Valadares Walnice Nogueira Galvão Renato Dagnino Antonio Martins Afrânio Catani Luiz Werneck Vianna Vladimir Safatle Bernardo Ricupero Heraldo Campos Chico Alencar Luis Felipe Miguel André Singer Bruno Machado Jean Marc Von Der Weid Eleonora Albano Luiz Roberto Alves Igor Felippe Santos Ronald Rocha Luciano Nascimento Celso Favaretto Luiz Bernardo Pericás Tarso Genro Elias Jabbour José Dirceu Carla Teixeira Ricardo Fabbrini Leonardo Sacramento Paulo Sérgio Pinheiro Dennis Oliveira Bruno Fabricio Alcebino da Silva André Márcio Neves Soares Valerio Arcary Claudio Katz Mário Maestri Gabriel Cohn Ronald León Núñez Daniel Costa Priscila Figueiredo Paulo Martins Yuri Martins-Fontes Salem Nasser Henri Acselrad Marjorie C. Marona Alysson Leandro Mascaro João Carlos Loebens Samuel Kilsztajn Boaventura de Sousa Santos Caio Bugiato Eduardo Borges Rodrigo de Faria Eugênio Trivinho João Adolfo Hansen Chico Whitaker Vinício Carrilho Martinez Alexandre de Freitas Barbosa Anselm Jappe Marcos Aurélio da Silva Benicio Viero Schmidt Celso Frederico Ricardo Abramovay Paulo Nogueira Batista Jr Francisco Fernandes Ladeira João Paulo Ayub Fonseca José Micaelson Lacerda Morais Marcus Ianoni Remy José Fontana Francisco Pereira de Farias Fábio Konder Comparato Lincoln Secco José Luís Fiori

NOVAS PUBLICAÇÕES