As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

“São fáceis porque são pobres”

Sir John Everett Millais, Ophelia (1851–2)
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MIRMILA MUSSE*

Alguns homens não suportam a feminilidade. E por isso, nunca saberão e nem terão pistas do que é uma mulher

A insistência do discurso social em designar um modus operandi de como a mulher deve ser e se comportar existe desde sempre e em diversas culturas. As inúmeras tentativas de colocá-la na posição de objeto escancaram, por um lado, os corpos como moeda de troca, alvo de violência e assassinatos. De outro, esse discurso vela e tampona o feminino particular de cada uma.

A discussão sobre a mulher não é mais designada por uma questão biológica, já que não estamos falando de macho e fêmea. A escolha de gênero faz desaparecer essa vertente do tema e, assumir-se como mulher, deixa de ser baseada no órgão sexual.

Mas então, o que é ser mulher? Esta é uma pergunta ontológica. Tal definição é feita pela diferença, pelo negativo e não por sua suposta identidade. No dicionário, homem é definido como ser humano em geral, mamífero bípede, dotado de inteligência e linguagem. Mulher é o substantivo feminino da espécie humana. Se não é mais a biologia que a determina, não há um atributo exclusivo, uma essência universal. A identificação daquela que se nomeia “mulher” não se completa em um conjunto, em um complemento, pois o feminino experimenta no corpo, segundo a psicanálise, algo sem forma, sem palavras e sem razão.

Uma definição geral e universal não contempla o que é a mulher, mas é possível dizer sobre cada uma delas, uma a uma. O discurso patriarcal, enquanto insiste em estabelecer semblantes que determinem o que é ser mulher, também exclui sua essência. Negar a mulher, e negar a ela, parece mais fácil do que escutar sobre aquilo que escapa a ordem do saber do dicionário ou da biologia.

Sem inscrever a mulher em categorias normativas determinadas por um ideal social, a feminilidade pode ser o caminho a nos dar pistas sobre o enigma do que é ser mulher, no singular. Ser mãe, por exemplo, não diz o que é ser mulher. Em alguns casos isso pode se cruzar, mas em outros, não.

 

Ser mulher é uma exceção à normatização

É a linguagem que faz o ser existir. Inclusive aquilo que não existe tem a chance de existir quando é falado. Nesse sentido, coragem pode ser entendida como dar lugar ao que não se sabe. Escutar como cada ser humano que se identifica como mulher, constrói sua própria feminilidade, onde e como está ancorada sua existência e sua relação com o outro. Mas socialmente, parece ser mais simples negar, diminuir, violentar, objetificar ou matá-la. A cada dez minutos uma mulher é estuprada no Brasil.

Não há dualidade heteronormativa que dê conta da determinação de gênero. Primeiro, porque mesmo que haja uma identificação ao outro e um reconhecimento de si no outro, há algo da feminilidade que não diz respeito a nada pré-estabelecido. Segundo porque, mesmo que a mulher esteja inserida na mesma lógica de todos os seres humanos, ela está lá parcialmente. Por isso não é complementar a norma, mas suplementar a ela. Como diz Lacan, não se cruzam e não se completam. Disso só se sabe quando se experiencia. Apenas é.

Aquilo que não se sabe, fascina, causa desejo e curiosidade. Mas o desconhecido também causa repulsa, violência, nojo e ódio. Tomada como valor menor, a mulher é colocada na lógica universal. Tomada como livre e dona de si, em excesso. O problema é que não se trata de uma medida de valor, mas de uma borda. O limite estabelece um dentro e fora, uma totalidade para ser ou não ser. A borda parte do que não se é, para então bordear o que é. Para muitos pode ser insuportável aquilo que não entra na lógica do equilíbrio, da unidade e da uniformização. Em contrapartida, a mulher pode saber que aquilo que o discurso social promete é apenas semblante de ser.

A misoginia ainda hoje é aceita na tentativa de destruir e destituir a mulher. Muitos acreditam que caso o desejo dela seja mortificado, nada da feminilidade aparecerá. O estranhamento de si, e o horror daquilo que não se sabe nomear, toma forma no corpo da mulher, como alvo. Enquanto nela falta, é oco, vazio e objeto, o homem é aquele que sabe de si e é prudente. Para alguns deles, a mulher é apenas duas coisas: mamãe, com quem se fala, ou objeto sexual.

Alguns homens não suportam a feminilidade. E por isso, nunca saberão e nem terão pistas do que é uma mulher.

*Mirmila Musse é psicanalista e professora. Mestre em psicanálise pela Universidade de Paris-VIII (Vincennes-Saint-Denis).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Airton Paschoa Eduardo Borges André Márcio Neves Soares Igor Felippe Santos Rodrigo de Faria Flávio Aguiar Paulo Fernandes Silveira Dennis Oliveira Luiz Renato Martins Marilia Pacheco Fiorillo João Carlos Loebens Ricardo Fabbrini Anselm Jappe Vladimir Safatle José Luís Fiori Atilio A. Boron Eugênio Bucci Sergio Amadeu da Silveira Tadeu Valadares Marilena Chauí Antonio Martins Ronald Rocha Bruno Fabricio Alcebino da Silva Flávio R. Kothe Rafael R. Ioris Anderson Alves Esteves Lincoln Secco Marcos Aurélio da Silva Bernardo Ricupero Marcelo Módolo Gilberto Lopes Leda Maria Paulani Renato Dagnino Valério Arcary Carlos Tautz Armando Boito Priscila Figueiredo Salem Nasser Luiz Costa Lima Boaventura de Sousa Santos Vanderlei Tenório Ricardo Abramovay Claudio Katz Mariarosaria Fabris Luciano Nascimento João Adolfo Hansen Paulo Capel Narvai Érico Andrade Marcus Ianoni Jorge Branco Daniel Brazil Francisco Pereira de Farias João Sette Whitaker Ferreira Jean Marc Von Der Weid José Dirceu Eugênio Trivinho Rubens Pinto Lyra Celso Frederico Bento Prado Jr. Henry Burnett Valerio Arcary Maria Rita Kehl Remy José Fontana Paulo Sérgio Pinheiro Milton Pinheiro Jean Pierre Chauvin Ronaldo Tadeu de Souza Bruno Machado Marcelo Guimarães Lima Jorge Luiz Souto Maior Fernão Pessoa Ramos Celso Favaretto Ricardo Antunes Tarso Genro José Costa Júnior Eliziário Andrade Heraldo Campos Carla Teixeira Osvaldo Coggiola Slavoj Žižek Ricardo Musse Marjorie C. Marona Alexandre Aragão de Albuquerque Manuel Domingos Neto Chico Alencar Samuel Kilsztajn Vinício Carrilho Martinez Juarez Guimarães Luís Fernando Vitagliano Michael Roberts Liszt Vieira Chico Whitaker Manchetômetro Andrew Korybko Luiz Carlos Bresser-Pereira André Singer Mário Maestri Denilson Cordeiro Luiz Werneck Vianna Antonino Infranca Caio Bugiato Annateresa Fabris José Raimundo Trindade João Carlos Salles Plínio de Arruda Sampaio Jr. Gabriel Cohn Marcos Silva Francisco de Oliveira Barros Júnior João Feres Júnior Paulo Nogueira Batista Jr Tales Ab'Sáber Alexandre de Freitas Barbosa Berenice Bento Dênis de Moraes Francisco Fernandes Ladeira Elias Jabbour Antônio Sales Rios Neto Julian Rodrigues João Paulo Ayub Fonseca Roberto Noritomi Eleonora Albano José Geraldo Couto Lorenzo Vitral Afrânio Catani Luiz Roberto Alves Henri Acselrad Daniel Afonso da Silva José Machado Moita Neto Gilberto Maringoni Kátia Gerab Baggio Ladislau Dowbor Ari Marcelo Solon Luiz Marques Lucas Fiaschetti Estevez Daniel Costa Walnice Nogueira Galvão José Micaelson Lacerda Morais Michael Löwy Paulo Martins Alysson Leandro Mascaro Alexandre de Lima Castro Tranjan Benicio Viero Schmidt Leonardo Avritzer Fernando Nogueira da Costa Luiz Eduardo Soares Luiz Bernardo Pericás Luis Felipe Miguel Yuri Martins-Fontes Roberto Bueno Leonardo Sacramento Everaldo de Oliveira Andrade Ronald León Núñez Fábio Konder Comparato Gerson Almeida João Lanari Bo Eleutério F. S. Prado Sandra Bitencourt Leonardo Boff Thomas Piketty Otaviano Helene

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada