Ajuste fiscal com distribuição de renda

Imagem Ellyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Róber Iturriet Avila e João Batista Santos Conceição*

A Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) divulgada recentemente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que 36,3% dos orçamentos familiares são gastos em habitação, 18,1% em transporte e 17,5% em alimentação. A POF ainda mostra que quase 25% da renda dos mais pobres são oriundas de aposentadorias e programas sociais. Fator que retrata o quadro brasileiro, em que a redução de desigualdade de renda está mais atrelada aos benefícios previdenciários e aos gastos em saúde e educação que aos impostos diretos.

Os brasileiros que figuram entre os 10% mais pobres gastam 32% dos seus rendimentos em tributos, sendo que 28 pontos percentuais desses tributos pagos são por impostos indiretos. De outro lado, a transferência de renda não impacta apenas a distribuição de renda, mas também a atividade econômica, haja vista que a propensão a consumir dos mais pobres é maior. A cada R$ 1.000,00 transferidos dos mais ricos para os mais pobres, a variável “consumo das famílias” aumentaria em R$ 730,00.

O sistema tributário regressivo, portanto, não é prejudicial apenas para as classes baixas e médias, mas, inclusive, para a própria atividade econômica. Ao tributar a produção e o comércio, em detrimento dos rendimentos e do patrimônio, aumenta-se o custo dos bens e serviços, prejudicando o sistema produtivo como um todo.

A arrecadação brasileira de impostos diretos é inferior à média dos dezoito países da América Latina. A fatia de tributos oriundos de renda, lucro e ganhos do capital de 2016 foi superior apenas à do Paraguai e Costa Rica. Ficamos atrás de alguns países da África e da Ásia. As alíquotas máximas do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física (IRPF) brasileiras explicam esse quadro: 27,5%, desde de 1997, uma das menores mesmo entre países em desenvolvimento. Na comparação com a América Latina, a alíquota máxima desse tributo é menor do que a de Chile, Argentina, Equador, México, Venezuela, Colômbia, El Salvador, Nicarágua, Peru e Uruguai.

O segundo fator que faz reduzir a alíquota do IRPF é a isenção dos dividendos, uma verdadeira jabuticaba tributária brasileira. Vale sempre repetir que, entre os 34 países que integram a OECD, apenas a Estônia e a República Eslovaca isentavam os dividendos na pessoa física. A isenção em 1996 no Brasil tinha como objetivo amenizar os efeitos da dupla tributação de lucros e dividendos na pessoa física, o que supostamente atrairia fluxos de capitais e incentivaria investimentos no País (trickle-down), ideia já ultrapassada mesmo nas hostes do liberalismo de fronteira. Do ponto de vista jurídico, não se tratava de bitributação, os sujeitos passíveis a cobrança do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e do Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL) cobrado sobre os dividendos são diferentes. No primeiro caso, as pessoas jurídicas e, no segundo, as pessoas físicas.

A isenção dos dividendos acaba reduzindo ainda mais a alíquota, que tem por fundamento a maior contribuição das pessoas mais ricas, a qual serve também para redistribuir a renda por meio de serviços públicos. A isenção possibilita que profissionais liberais que constituem microempresas, a fim de receber um tratamento tributário menos oneroso daquele que seria dado, caso os seus rendimentos fossem contabilizados como oriundos do trabalho (como é mostrado no gráfico abaixo). Os dados mostram que os microempreendedores, profissionais liberais e autônomos somaram 7,2 milhões de declarantes, enquanto os empregados do setor privado chegaram a 8,2 milhões.

O terceiro fator que colabora para a redução da alíquota são os abatimentos com despesas privadas. As despesas médicas foram de R$ 70,2 bilhões e as de educação chegaram a R$ 21,2 bilhões. Há algumas ocupações de servidores públicos do Estado brasileiro, que, além de estarem entre as maiores médias de rendimento e de patrimônio líquido, foram também as ocupações que mais abateram despesas no IRPF. O valor das deduções dos procuradores e promotores do Ministério Público e dos membros do Poder Judiciário e do Tribunal de Contas chegaram a R$ 760 milhões. A fundamentação do IRPF é redistribuir renda através de serviços públicos e não subsidiar serviços privados e individuais.

Em relação ao conjunto de tributos incidentes no patrimônio, o imposto sobre heranças e doações é totalmente desalinhado internacionalmente. A baixa alíquota de 8%, fixada durante o governo de Fernando Collor, contribui apenas 0,4% do total da arrecadação tributária. Há outros impostos que também contribuem para a baixa participação dos impostos sobre patrimônio na arrecadação. O Brasil é um país extenso territorialmente e conformado por vastas áreas rurais, mas os dados da Receita Federal do Brasil apontam uma participação do Imposto Territorial Rural (ITR) de 0,1% na arrecadação tributária.

Outra questão é a falta de regulamentação pelo Congresso Nacional do Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF) previsto na Constituição do País desde 1988. O estudo de Antônio Freitas sinaliza que cerca de um terço dos próprios legisladores sofreriam incidência do imposto, caso houvesse IGF a partir de R$ 3 milhões.

De acordo com as declarações do IRPF do ano de 2016, 1.549 beneficiários receberam uma média de R$ 11,7 milhões de herança ou doação na forma de transferência patrimonial. Esses pagaram no máximo uma alíquota de 8%, sendo que apenas dez estados do Brasil chegam neste patamar de cobrança. Esses mesmos beneficiários declararam terem pago uma alíquota efetiva média de 0,4% no IRPF, possuindo um rendimento médio anual de R$ 21,5 milhões e um patrimônio líquido médio de R$ 67,2 milhões.

Os maiores beneficiários de heranças e doações no Brasil são produtores na exploração agropecuária, presidentes e diretores de empresa industrial. Além de pagarem uma alíquota baixa na hora de receber a herança e doação, os primeiros são os mesmos que contribuem apenas para 0,1% no ITR, enquanto os segundos são os maiores beneficiários com a isenção de dividendos.

Os recebimentos de heranças e doações revelam duas implicações para a desigualdade. A primeira é pagar baixas alíquotas no momento de receber os bens e diretos. A segunda é possuírem alto percentual isento de tributação, contribuindo proporcionalmente menos no IRPF. A combinação desses fatores sedimenta a alta concentração patrimonial no Brasil, visto a influência que as heranças e as doações exercem sobre gerações futuras e sobre as rendas ao longo da vida.

Antônio Freitas estimou que se a alíquota efetiva média do imposto sobre herança e doação no Brasil (3,7%) se igualasse à dos Estados Unidos (29%), por exemplo, a arrecadação adicional poderia chegar a R$ 31,9 bilhões anuais, passando muito dos R$ 7,3 bilhões arrecadados em 2016. Freitas também estimou alíquotas efetivas de 0,3% a 2% de IGF para o Brasil. A arrecadação seria de R$ 40,7 bilhões.

As estimativas de Sérgio Gobetti e Rodrigo Orair de tributação de dividendos nos mesmos moldes vigentes até 1995 – com alíquota linear de 15% – trariam aos cofres públicos R$ 53 bilhões. Se a tributação fosse progressiva, com as mesmas alíquotas do IRPF, a arrecadação chegaria a R$ 70 bilhões. Gobetti e Orair efetuaram estimativa de arrecadação com alíquota máxima no IRPF de 35%, como era em países como Argentina, Equador, México e Turquia em 2016. A mudança na alíquota traria um aumento de arrecadação de pelo menos R$ 90 bilhões.

Todos os casos acima elencados denotam que há sim vasto espaço para ajustar as contas pelas receitas sem aumentar a carga tributária. A maior progressividade no imposto sobre herança e doações, aumento da alíquota máxima do IRPF, instituição do imposto sobre grandes fortunas, retorno da tributação de dividendos, a revisão de deduções em educação e saúde no IRPF trariam aproximadamente R$ 324 bilhões de arrecadação. Com efeitos distributivos, sociais e também econômicos, haja vista que a redistribuição de renda teria efeito no consumo e, portanto, no crescimento econômico.

A tese de menos tributação sobre o capital em prol de mais investimentos não encontra respaldo empírico consistente. Esses modelos e os teoremas que se popularizaram a partir de 1980, têm sido questionados, inclusive, por aqueles que deram sustentação às proposições de menor progressividade tributária, como é o caso de Anthony Atkinson, Joseph Stiglitz e James Mirrlees. O comportamento do investimento privado, no Brasil, tem sido mais de complementariedade do investimento público. A série de medidas adotadas a partir dos anos 1990 não aumentaram o investimento privado, entretanto, parecem colaborar para a desigualdade de rendimentos e de patrimônio.

*Róber Iturriet Avila é professor do Departamento de Economia e Relações Internacionais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (URGS).

*João Batista Santos Conceição é graduando em ciências econômicas na Unisinos.

Esse artigo foi publicado originalmente no site Brasil Debate

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gabriel Cohn Sergio Amadeu da Silveira Paulo Martins Lorenzo Vitral Alexandre de Lima Castro Tranjan Flávio Aguiar Bernardo Ricupero Antonino Infranca Chico Whitaker Alexandre Aragão de Albuquerque Ricardo Fabbrini Bruno Machado Bento Prado Jr. Jorge Branco Antonio Martins Valerio Arcary Daniel Brazil Luiz Renato Martins Gerson Almeida Daniel Afonso da Silva Walnice Nogueira Galvão Fernão Pessoa Ramos Leonardo Boff Rubens Pinto Lyra José Raimundo Trindade Paulo Nogueira Batista Jr Ricardo Musse Michael Löwy Andrés del Río Dennis Oliveira Marcos Silva Celso Favaretto Andrew Korybko Paulo Sérgio Pinheiro Marjorie C. Marona Carla Teixeira João Feres Júnior André Márcio Neves Soares Luiz Marques Armando Boito Marcelo Módolo Mário Maestri Eleonora Albano André Singer Paulo Fernandes Silveira Francisco Pereira de Farias Ronald Rocha Luiz Carlos Bresser-Pereira Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Capel Narvai Eugênio Bucci Tadeu Valadares Elias Jabbour Manchetômetro Renato Dagnino Eduardo Borges Flávio R. Kothe Vinício Carrilho Martinez Marcos Aurélio da Silva Mariarosaria Fabris Eliziário Andrade Luiz Bernardo Pericás Marcus Ianoni Bruno Fabricio Alcebino da Silva Valerio Arcary Carlos Tautz Gilberto Lopes Salem Nasser José Micaelson Lacerda Morais Vladimir Safatle Thomas Piketty Antônio Sales Rios Neto Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marilia Pacheco Fiorillo Maria Rita Kehl Vanderlei Tenório Ronaldo Tadeu de Souza João Lanari Bo Everaldo de Oliveira Andrade Kátia Gerab Baggio Slavoj Žižek Eugênio Trivinho Eleutério F. S. Prado Marcelo Guimarães Lima Henri Acselrad José Machado Moita Neto Alysson Leandro Mascaro Marilena Chauí José Costa Júnior Jean Pierre Chauvin Leda Maria Paulani Lucas Fiaschetti Estevez Igor Felippe Santos Liszt Vieira Dênis de Moraes Luiz Eduardo Soares Berenice Bento Érico Andrade Julian Rodrigues Luciano Nascimento João Paulo Ayub Fonseca Anselm Jappe Boaventura de Sousa Santos Yuri Martins-Fontes Caio Bugiato Gilberto Maringoni Remy José Fontana Tarso Genro Afrânio Catani Osvaldo Coggiola Leonardo Sacramento Annateresa Fabris Alexandre de Freitas Barbosa Rafael R. Ioris Heraldo Campos Luiz Roberto Alves Benicio Viero Schmidt Michael Roberts Luís Fernando Vitagliano Tales Ab'Sáber Leonardo Avritzer Samuel Kilsztajn Denilson Cordeiro Celso Frederico Sandra Bitencourt Manuel Domingos Neto Jean Marc Von Der Weid Ricardo Abramovay Ricardo Antunes Rodrigo de Faria José Luís Fiori Michel Goulart da Silva Chico Alencar Claudio Katz Ari Marcelo Solon Luis Felipe Miguel Fernando Nogueira da Costa José Dirceu Fábio Konder Comparato Luiz Werneck Vianna Milton Pinheiro José Geraldo Couto Henry Burnett João Adolfo Hansen Juarez Guimarães Airton Paschoa João Carlos Salles Francisco Fernandes Ladeira Daniel Costa Lincoln Secco Ronald León Núñez Jorge Luiz Souto Maior Anderson Alves Esteves Atilio A. Boron Priscila Figueiredo Matheus Silveira de Souza João Sette Whitaker Ferreira João Carlos Loebens Ladislau Dowbor Otaviano Helene

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada