As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Julgamento de contas eleitorais

Imagem: Thelma Lessa da Fonseca
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DOUGLAS CARVALHO RIBEIRO*

Contas aprovadas com ressalvas: legitimidade eleitoral em xeque?

Os esforços da regulação jurídica do financiamento de partidos políticos e candidatos, considerada em muitos países uma espécie de “legislação interminável”, baseiam-se em um ímpeto moralizante da política.

Dito de outra forma, espera-se que a correta aplicação dos limites e procedimentos estabelecidos no âmbito da legislação tenham o condão de afastar o abuso do poder econômico na competição eleitoral assim como garantir, no seio da esfera pública, uma reserva de legitimidade dos partidos políticos e seus agentes por meio da transparência de seus livros contábeis.

Deve-se ressaltar que ambos os aspectos mencionados tornam-se bastante sensíveis em anos eleitorais, pois é nesse momento que as atenções do público em geral voltam-se à competição em torno dos diversos cargos políticos em disputa.

Da prestação ao julgamento de contas eleitorais

Especificamente no que tange ao julgamento de contas eleitorais de candidatos a cargos eletivos e partidos políticos, o procedimento, que é regulado tanto pela Lei nº 9.504/97 assim como por diversas resoluções do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), baseia-se nas informações prestadas virtualmente pelos candidatos por meio do Sistema de Prestação de Contas Eleitorais – SPCE. Os documentos digitalizados são, então, incluídos automaticamente no Processo Judicial Eletrônico (PJe) e os autos digitais são remetidos ao órgão responsável por realizar a análise técnico-contábil.

As informações prestadas pelos candidatos são sistematizadas e publicadas após o prazo final de apresentação das contas eleitorais, de forma que qualquer candidato, partido, coligação ou o Ministério Público podem apresentar impugnação à prestação de contas em até três dias, contados a partir da publicação do edital. Não havendo impugnação, será elaborado o chamado relatório preliminar de contas, ocasião em que o órgão técnico da Justiça Eleitoral poderá determinar diligências específicas para o saneamento de eventuais incompletudes ou inconsistências no âmbito das contas prestadas pelo candidato ou partido político.

A análise técnico-contábil termina com a elaboração do relatório conclusivo de prestação de contas, que será posteriormente enviado para o Ministério Público para a emissão de parecer no prazo de dois dias. Após o posicionamento do Ministério Público, a Justiça Eleitoral manifesta-se sobre a regularidade das contas prestadas, julgando pela aprovação, aprovação com ressalvas, desaprovação ou não prestação das contas.

Na falta de tempo hábil…

O art. 30, § 1º da Lei nº 9.504/97 estabelece que a decisão que julgar as contas dos candidatos eleitos deve ser publicada em até três dias antes da diplomação. Isso significa que, em consonância com art. 29, § 2º da referida lei, não há diplomação sem o respectivo julgamento das contas. Já as prestações de contas dos candidatos não eleitos serão apreciadas em momento posterior.

Nesse aspecto, as eleições municipais de 2020 representarão um desafio à capacidade técnica da Justiça Eleitoral. Como destacou João Andrade Neto, houve um incremento de 45 mil candidatos em relação às eleições de 2016, o que necessariamente implica em um aumento do volume de contas a serem analisadas e julgadas. Isso se somaria a todo o esforço operacional de manutenção do calendário eleitoral em meio ao caos sanitário gerado pela pandemia.

Há de se temer que, em meio ao imenso volume de trabalho e com a falta de tempo hábil, a solução intermediária expressa pela aprovação de contas com ressalvas torne-se corriqueira. Introduzida no ordenamento jurídico pela Lei nº 12.034/2009, a aprovação com ressalvas pode ocorrer mesmo com a presença de erros materiais nas contas prestadas por partidos ou candidatos.

Segundo a jurisprudência do TSE, incidem nessa hipótese pequenos valores materiais ou erros que não impedem a afirmação no sentido da lisura das contas prestadas. Até mesmo em situações envolvendo doações vedadas pela lei eleitoral, tem-se optado pela aprovação das contas com ressalvas. Valendo-se dessa cláusula polivalente – como afirmou o ministro do STF Marco Aurélio – a ausência de tempo hábil ou a insuficiência de pessoal para a análise de um grande volume de contas deixa de ser um impeditivo para o cumprimento dos prazos estabelecidos pela legislação eleitoral.

Apesar da previsão normativa e o assentamento jurisprudencial de tal prática, resta saber se o artifício criado não prejudica a finalidade que justifica a regulação jurídica do financiamento da política, qual seja, a garantia da lisura do processo eleitoral.

*Douglas Carvalho Ribeiro é doutorando em Direito na Universität Hamburg (Alemanha).

Publicado originalmente no Observatório das Eleições 2020 do Instituto da Democracia e Democratização da Comunicação (INCT/IDDC)

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Flávio R. Kothe Milton Pinheiro Eugênio Trivinho Lucas Fiaschetti Estevez Manuel Domingos Neto José Raimundo Trindade Eleonora Albano Antônio Sales Rios Neto Annateresa Fabris Eugênio Bucci Caio Bugiato Michael Roberts Otaviano Helene Andrew Korybko Luciano Nascimento Celso Favaretto José Micaelson Lacerda Morais Vinício Carrilho Martinez Airton Paschoa Lorenzo Vitral Renato Dagnino Luís Fernando Vitagliano Leonardo Boff Eliziário Andrade Luiz Carlos Bresser-Pereira Carla Teixeira Alexandre de Freitas Barbosa João Lanari Bo Roberto Bueno Leonardo Sacramento Ari Marcelo Solon Benicio Viero Schmidt Dennis Oliveira Francisco de Oliveira Barros Júnior José Luís Fiori Ronald Rocha Elias Jabbour Bernardo Ricupero Henry Burnett Ronaldo Tadeu de Souza Vanderlei Tenório Gerson Almeida Gabriel Cohn Chico Whitaker Ricardo Fabbrini José Geraldo Couto Paulo Nogueira Batista Jr Marjorie C. Marona Fernão Pessoa Ramos Igor Felippe Santos Henri Acselrad Luiz Renato Martins Paulo Sérgio Pinheiro Rodrigo de Faria Kátia Gerab Baggio Thomas Piketty Lincoln Secco Ricardo Musse Luiz Werneck Vianna Liszt Vieira Slavoj Žižek Walnice Nogueira Galvão Alysson Leandro Mascaro Luiz Marques Sergio Amadeu da Silveira Tarso Genro Marcos Silva Eduardo Borges Jean Marc Von Der Weid Berenice Bento Fernando Nogueira da Costa Antonio Martins Paulo Capel Narvai Marcelo Guimarães Lima Daniel Afonso da Silva Luis Felipe Miguel Armando Boito André Singer Priscila Figueiredo Leda Maria Paulani Marilia Pacheco Fiorillo Rubens Pinto Lyra Sandra Bitencourt Marcelo Módolo Leonardo Avritzer João Paulo Ayub Fonseca Antonino Infranca João Adolfo Hansen Daniel Brazil Roberto Noritomi João Sette Whitaker Ferreira João Carlos Loebens Eleutério F. S. Prado Julian Rodrigues Valério Arcary Vladimir Safatle Jorge Luiz Souto Maior João Feres Júnior José Dirceu Remy José Fontana André Márcio Neves Soares Luiz Bernardo Pericás Bruno Machado Osvaldo Coggiola Atilio A. Boron Manchetômetro Ricardo Abramovay Fábio Konder Comparato Heraldo Campos Mário Maestri Bento Prado Jr. Luiz Costa Lima Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jean Pierre Chauvin Anselm Jappe Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Roberto Alves Michael Löwy Jorge Branco João Carlos Salles Samuel Kilsztajn Marcus Ianoni Plínio de Arruda Sampaio Jr. Claudio Katz Rafael R. Ioris Marcos Aurélio da Silva Francisco Pereira de Farias Anderson Alves Esteves Francisco Fernandes Ladeira Mariarosaria Fabris Flávio Aguiar Alexandre de Lima Castro Tranjan Ronald León Núñez Afrânio Catani Carlos Tautz José Costa Júnior Maria Rita Kehl Gilberto Maringoni Daniel Costa Dênis de Moraes Boaventura de Sousa Santos Denilson Cordeiro Tales Ab'Sáber José Machado Moita Neto Gilberto Lopes Luiz Eduardo Soares Marilena Chauí Yuri Martins-Fontes Paulo Fernandes Silveira Juarez Guimarães Chico Alencar Valerio Arcary Ricardo Antunes Salem Nasser Everaldo de Oliveira Andrade Érico Andrade Celso Frederico Paulo Martins Ladislau Dowbor Tadeu Valadares

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada