As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Noel Nutels

Imagem: Antonio Lizárraga
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Comentário sobre o médico e antropólogo, objeto do documentárioO Índio Cor de Rosa contra a Fera invisível: a Peleja de Noel Nutels

“Os índios vem tentando pacificar os civilizados há 500 anos. Até hoje não conseguiram”.

Uma das mais emblemáticas figuras da luta em defesa dos indígenas brasileiros é, sem dúvida, Noel Nutels. O “Índio cor-de-rosa”, como bem o definiu o escritor Orígenes Lessa, foi uma personalidade fascinante, um judeu emigrado da Ucrânia que veio menino para Recife, onde cresceu e formou-se em Medicina.

Nutels faz parte de um seleto grupo de “médicos intérpretes do Brasil” (1), profissionais que mergulharam profundamente nos problemas nacionais buscando soluções que envolvessem toda a sociedade, indo a campo, enfrentando governantes e ditadores, criando novos métodos e abordagens, propondo uma visão humanista das questões de saúde. Ombreia-se com gente do calibre de Nísia da Silveira, Carlos Chagas, Vital Brazil, Oswaldo Cruz e Sérgio Arouca, entre outros.

Em 1943, Nutels integrou a primeira expedição Roncador-Xingu como médico oficial e esta missão mudou para sempre a sua vida. Companheiro de jornadas dos irmãos Villas-Boas, passou a defender os povos indígenas em todas as instâncias, enquanto organizava ações para a erradicação de doenças levadas pela “civilização” e, principalmente, da tuberculose. Em 1951 tornou-se médico do SPI, Serviço de Proteção ao Índio (entidade que antecedeu a Funai), que chegou a dirigir entre 63 e 64. Em 1957 criou no ministério da Saúde o Susa, Serviço de Unidades Sanitárias Aéreas, que atuava na região amazônica.

Mais que uma vida onde combateu o bom combate, a personalidade fascinante de Nutels ganhou a admiração de intelectuais, artistas e políticos. Além do romance biográfico de Origenes Lessa (2), o sanitarista também motivou a inspiração do escritor gaúcho Moacyr Scliar, médico, humanista e judeu como ele (3).

Nem conseguimos imaginar o que Noel Nutels estaria pensando se vivesse no Brasil de 2020. A única certeza é que não se conformaria com a política genocida do governo neomilitar, e iria à luta. São de atualidade impressionante as suas palavras em depoimento à CPI do Índio, em 1968 – plena ditadura – na Câmara dos Deputados: “A essa hora alguém está matando um índio. É a cobiça da terra, é a cobiça do subsolo, é a cobiça das riquezas naturais. É um vício de estrutura econômica. Enquanto terra for mercadoria e objeto de especulação vai se matar índio. A quem interessa o crime?”.

Mas a batalha pela causa indigenista e pela memória dos verdadeiros heróis desse país ganha esta semana uma importante contribuição. Estreia no festival Olhar de Cinema o documentário O Índio Cor de Rosa contra a Fera invisível: a Peleja de Noel Nutels (4). Fruto de um edital da Fiocruz de 2018, os jovens realizadores souberam aproveitar com inteligência as dezenas de horas filmadas pelo próprio Nutels durante seu trabalho de campo. A linha condutora é o próprio depoimento à CPI de Brasília, único registro conhecido da própria voz do protagonista.

O filme chega às nossas telas embalado por seu sucesso internacional. Três prêmios no Festival de Biarritz, incluindo o de escolha do público, e Melhor Documentário Iberoamericano no Festival Internacional de Cinema de Buenos Aires. Produzido pela Banda Filmes e dirigido por Tiago Carvalho, o filme tem as primeiras exibições marcadas para os dias 9 e 13 de outubro, no portal do festival (https://olhardecinema.com.br/), o Festival Internacional de Cinema de Curitiba.

O bom Nutels, cineasta amador e documentarista dono de linguagem e ritmo próprios, demonstra nas imagens que deixou um olhar atento e respeitoso sobre as comunidades indígenas. Bonachão, muitas vezes deixou-se fotografar só de calção no meio dos índios, sempre com seu inseparável cachimbo. Que este documentário motive os jovens a conhecer melhor a questão indígena, os problemas de saúde que afetam os mais vulneráveis, e reverenciar os que lutaram a vida inteira para melhorar o mundo em que viveram. E, principalmente, que provoque a indignação pública contra os descalabros do atual dos atuais detentores do poder, aliados à sanha centenária de fazendeiros e mineradores.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

 

Notas


(1)Médicos intérpretes do Brasil (Hucitec, 2015). Coletânea organizada por Gilberto Hochman e Nísia Trindade de Lima.

(2) O Índio Cor de Rosa – Evocação de Noel Nutels (Codecri, 1980)

(3) A Majestade do Xingu (Cia. Das Letras, 2009)

(4) Trailer: https://www.youtube.com/watch?v=1CuXCzCTYMw&ab

 

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Martins Denilson Cordeiro João Feres Júnior Ricardo Antunes José Geraldo Couto Julian Rodrigues Leonardo Boff Walnice Nogueira Galvão Luiz Renato Martins Marcelo Guimarães Lima João Lanari Bo Rubens Pinto Lyra Osvaldo Coggiola Luiz Costa Lima Slavoj Žižek Yuri Martins-Fontes Eleutério F. S. Prado Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Capel Narvai Chico Alencar Bruno Machado Ronald León Núñez Roberto Bueno Thomas Piketty Alexandre de Freitas Barbosa Bento Prado Jr. Eliziário Andrade Luís Fernando Vitagliano Marilena Chauí José Machado Moita Neto Marcelo Módolo Lorenzo Vitral Kátia Gerab Baggio Antônio Sales Rios Neto Alexandre Aragão de Albuquerque José Micaelson Lacerda Morais Lucas Fiaschetti Estevez Armando Boito Berenice Bento Heraldo Campos Ronald Rocha Otaviano Helene Michael Roberts Ricardo Fabbrini Vanderlei Tenório José Costa Júnior Luis Felipe Miguel Paulo Fernandes Silveira Atilio A. Boron Paulo Nogueira Batista Jr Eugênio Trivinho Manchetômetro Priscila Figueiredo Celso Favaretto Marcos Silva Flávio Aguiar Igor Felippe Santos Fernão Pessoa Ramos Carlos Tautz Mariarosaria Fabris Marjorie C. Marona Dennis Oliveira Remy José Fontana Luiz Werneck Vianna Marilia Pacheco Fiorillo Luciano Nascimento Sandra Bitencourt Vinício Carrilho Martinez Valério Arcary Caio Bugiato João Paulo Ayub Fonseca Luiz Roberto Alves Daniel Afonso da Silva Jorge Branco Ronaldo Tadeu de Souza Francisco Pereira de Farias Milton Pinheiro Roberto Noritomi Claudio Katz André Márcio Neves Soares Andrew Korybko Francisco de Oliveira Barros Júnior Liszt Vieira Jean Marc Von Der Weid Carla Teixeira Fábio Konder Comparato Dênis de Moraes Henry Burnett Plínio de Arruda Sampaio Jr. Gerson Almeida Luiz Marques Henri Acselrad Marcos Aurélio da Silva Anderson Alves Esteves Airton Paschoa Annateresa Fabris Lincoln Secco Chico Whitaker Elias Jabbour Érico Andrade Gabriel Cohn Jorge Luiz Souto Maior Ari Marcelo Solon Ricardo Musse Luiz Bernardo Pericás José Luís Fiori Benicio Viero Schmidt Eugênio Bucci Antonino Infranca Francisco Fernandes Ladeira Boaventura de Sousa Santos Leda Maria Paulani Bernardo Ricupero Juarez Guimarães João Carlos Salles Leonardo Avritzer Valerio Arcary Sergio Amadeu da Silveira Samuel Kilsztajn Tales Ab'Sáber Alysson Leandro Mascaro Bruno Fabricio Alcebino da Silva Vladimir Safatle Leonardo Sacramento Rafael R. Ioris João Carlos Loebens Eduardo Borges André Singer Daniel Brazil Manuel Domingos Neto Gilberto Lopes Antonio Martins Salem Nasser Ladislau Dowbor Tadeu Valadares Paulo Sérgio Pinheiro Anselm Jappe Daniel Costa Marcus Ianoni João Sette Whitaker Ferreira Luiz Eduardo Soares Fernando Nogueira da Costa Renato Dagnino José Dirceu Jean Pierre Chauvin João Adolfo Hansen José Raimundo Trindade Afrânio Catani Flávio R. Kothe Maria Rita Kehl Luiz Carlos Bresser-Pereira Tarso Genro Mário Maestri Gilberto Maringoni Celso Frederico Everaldo de Oliveira Andrade Eleonora Albano Ricardo Abramovay Rodrigo de Faria Michael Löwy

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada