As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Somos 70%?

Imagem: ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por KÁTIA GERAB BAGGIO*

Sem ilusões. A luta será árdua. Muito árdua

A despeito das inconsistências que podem existir em consultas feitas somente por telefone, o que a pesquisa Datafolha divulgada no dia 25 de junho mostrou é que não “somos 70%”, infelizmente. A pesquisa identificou que 32% avaliam Jair Bolsonaro como ótimo ou bom, 23% avaliam como regular e apenas 44% julgam o “presidente” como ruim ou péssimo (não consigo deixar de usar aspas no caso de Bolsonaro).

Sim, apenas 44%, pois esta porcentagem é baixíssima diante de um desgoverno absolutamente desastroso e predador como o de Bolsonaro. E que 23% considerem o “presidente” como regular significa que não fazem, efetivamente, oposição a Bolsonaro. Ou seja, que poderiam elegê-lo novamente.

A base fanatizada de Jair Messias provavelmente não passa de 15 ou 20% da população, o que já é muito preocupante. São os que acham Bolsonaro ótimo. Mas há outro grande problema: naquela parcela da sociedade brasileira que considera o “presidente” bom ou regular. Sendo assim, a oposição a Bolsonaro, de fato, não chega à metade da população.

É uma tragédia descomunal, em um país que tem cerca de um terço de evangélicos – a maioria constituída de frequentadores de igrejas pentecostais ou neopentecostais, isto é, fundamentalistas e obscurantistas –, sem contar o forte conservadorismo de setores do catolicismo, espiritismo, judaísmo etc.

Houve um retrocesso significativo nos últimos anos, em oposição a uma sociedade laica. Há uma religiosidade profundamente conservadora no Brasil, que empurra o país para o abismo do obscurantismo. Mudar essa tendência não será uma tarefa de curto prazo. Exigirá muita educação crítica e muita formação política consistente.

Dizer que “somos 70%” é uma frase saída de uma visão superficial da realidade, mais próxima do discurso motivacional do meio empresarial do que da análise política.

O que escrevi acima significa que eu acredito que Jair Bolsonaro vai terminar o seu mandato?

Não necessariamente, pois os absurdos desse desgoverno são incontáveis; os crimes de responsabilidade são inúmeros; as consequências sanitárias, sociais e econômicas da pandemia de Covid-19 ainda serão muito piores; e as investigações em curso poderão revelar fatos que tenham potencial para destruir grande parte do apoio que Jair M. Bolsonaro ainda tem.

Mas nada será fácil, em um país que foi contaminado pelo vírus do ódio e do obscurantismo. Um país de Malafaias, de igrejas “universais”, de Datenas, de uma parcela ultraconservadora de católicos, de milhões que votaram — sem desconhecer os fatos — em um candidato (hoje “presidente”) que defende ditadura e tortura.

Construir um país menos desigual estava sendo dificílimo. Reconstruir tudo o que está sendo destruído por esse desgoverno de neofascistas, ultraliberais e entreguistas, será muito mais.

Apesar de tudo isso, se perdermos a esperança na possibilidade da reconstrução, estaremos entregando o país ao que de pior a história brasileira já produziu: autoritários, neofascistas, obscurantistas, racistas, homofóbicos, misóginos, entreguistas e todos os que são favoráveis a um capitalismo absolutamente violento e predador.

Mas não se pode ter ilusões. A luta será árdua. Muito árdua.

* Kátia Gerab Baggio é professora de História das Américas na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Lincoln Secco Valerio Arcary Elias Jabbour Igor Felippe Santos Juarez Guimarães Annateresa Fabris Lucas Fiaschetti Estevez Marcus Ianoni Gilberto Lopes Thomas Piketty Ari Marcelo Solon Leonardo Avritzer Anderson Alves Esteves Antônio Sales Rios Neto Ricardo Abramovay Afrânio Catani Marcos Aurélio da Silva João Carlos Loebens Heraldo Campos Celso Frederico Daniel Afonso da Silva Daniel Costa Jorge Luiz Souto Maior Jorge Branco Luiz Marques Leonardo Boff Valério Arcary Jean Marc Von Der Weid Eugênio Trivinho Mário Maestri João Sette Whitaker Ferreira João Paulo Ayub Fonseca José Machado Moita Neto Luís Fernando Vitagliano José Geraldo Couto Fábio Konder Comparato Bernardo Ricupero Roberto Bueno Henri Acselrad Alysson Leandro Mascaro Maria Rita Kehl Ricardo Musse Alexandre Aragão de Albuquerque Ricardo Fabbrini Eleutério F. S. Prado Rodrigo de Faria Luiz Renato Martins Tarso Genro Tadeu Valadares Claudio Katz Daniel Brazil Chico Whitaker Eugênio Bucci Kátia Gerab Baggio Yuri Martins-Fontes Carlos Tautz Julian Rodrigues João Lanari Bo Luiz Werneck Vianna Salem Nasser Everaldo de Oliveira Andrade Érico Andrade Ronald Rocha Eduardo Borges Leda Maria Paulani Rubens Pinto Lyra Vanderlei Tenório Marilena Chauí Vinício Carrilho Martinez Marcelo Guimarães Lima Francisco Fernandes Ladeira Luis Felipe Miguel Denilson Cordeiro Rafael R. Ioris João Adolfo Hansen Manuel Domingos Neto Benicio Viero Schmidt João Carlos Salles Marjorie C. Marona Luiz Eduardo Soares Fernando Nogueira da Costa Francisco Pereira de Farias José Luís Fiori Leonardo Sacramento Slavoj Žižek Anselm Jappe Celso Favaretto Airton Paschoa Samuel Kilsztajn Fernão Pessoa Ramos Sandra Bitencourt Gilberto Maringoni José Costa Júnior Henry Burnett Paulo Nogueira Batista Jr Antonino Infranca Gerson Almeida José Raimundo Trindade Milton Pinheiro Caio Bugiato João Feres Júnior Lorenzo Vitral Otaviano Helene André Márcio Neves Soares Jean Pierre Chauvin Bruno Machado Walnice Nogueira Galvão Paulo Fernandes Silveira Dênis de Moraes Osvaldo Coggiola Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Martins José Micaelson Lacerda Morais Luiz Roberto Alves Chico Alencar Sergio Amadeu da Silveira Marilia Pacheco Fiorillo Flávio R. Kothe Eleonora Albano Luciano Nascimento Marcelo Módolo Alexandre de Freitas Barbosa Eliziário Andrade Mariarosaria Fabris Andrew Korybko Berenice Bento Luiz Bernardo Pericás Antonio Martins Boaventura de Sousa Santos Luiz Carlos Bresser-Pereira Ladislau Dowbor Paulo Sérgio Pinheiro Dennis Oliveira Bento Prado Jr. Ronaldo Tadeu de Souza Roberto Noritomi Carla Teixeira Remy José Fontana Michael Löwy Manchetômetro Tales Ab'Sáber Gabriel Cohn Luiz Costa Lima José Dirceu Paulo Capel Narvai Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marcos Silva Renato Dagnino Ricardo Antunes Michael Roberts Flávio Aguiar André Singer Priscila Figueiredo Atilio A. Boron Ronald León Núñez Bruno Fabricio Alcebino da Silva Liszt Vieira Armando Boito Vladimir Safatle Alexandre de Lima Castro Tranjan

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada