As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Um outro desenho urbano

Imagem: Mike Chai
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RICARDO ABRAMOVAY*

A restrição à publicidade de carros na França e a possibilidade de uma nova cidade mais compacta, conectada e integrada

As montadoras ficaram indignadas com a decisão do governo francês de tratar a publicidade de automóveis de forma semelhante a de cigarros. A partir de março de 2022, os anunciantes terão que lembrar ao público que bicicletas, caminhadas, compartilhamento de veículos e transportes públicos são melhores do que o uso individual do carro. E, em 2028, a propaganda de SUV será simplesmente proibida, por decisão do parlamento.

A orientação governamental francesa é coerente com a política da cidade de quinze minutos, ou seja, com a ideia de que as infraestruturas de mobilidade deveriam permitir que os deslocamentos cotidianos das pessoas não ocupassem mais que quinze minutos de seu tempo. É a resposta a um dos mais importantes paradoxos contemporâneos: o automóvel individual, símbolo da liberdade, dos espaços amplos percorridos em pouco tempo, converteu-se em seu contrário, em sinônimo de congestionamento, paralisia, desperdício de recursos materiais e um dos mais neurotizantes ícones da vida moderna. A violência verbal e gestual a que os indivíduos são propensos dentro de seus carros é muito mais rara quando se deslocam a pé ou de bicicleta…

Faz parte deste paradoxo o fato de que, na esmagadora maioria das cidades dos países em desenvolvimento os proprietários de veículos individuais ocupam a maior parte do espaço de circulação e desfrutam de investimentos públicos voltados a melhorar o trânsito, com resultados próximos aos de quem enxuga gelo.

Daí a importância da “desmobilidade”, neologismo vindo da França no início dos anos 2000 e que ganhou ainda maior projeção com a intensificação do teletrabalho na pandemia. Como mostra Julien Damon, um de seus mais importantes estudiosos, “desmobilidade” não é paralisia. É, antes de tudo, a capacidade de evitar os deslocamentos penosos. Trata-se de reduzir as viagens longas e sofridas a que sobretudo os mais pobres estão sujeitos — e aumentar aquelas feitas por opção e em condições dignas.

Mas a “desmobilidade” enfrenta obstáculos notáveis. Estes obstáculos são um bom exemplo das dificuldades ligadas à própria luta contra a crise climática. A distribuição das pessoas e das atividades (econômicas, culturais, de lazer) nas cidades é muito diversificada. Há cidades caracterizadas por densidade populacional nas áreas onde se concentram as atividades e os serviços e onde a meta de deslocamentos rápidos pode ser atingida a um custo relativamente baixo. Em geral, são cidades que, durante o século 20, construíram redes densas de transportes coletivos e onde atividades comerciais e residências não estão rigidamente separadas. Estas cidades aproximam-se daquilo que preconiza a agência da ONU especializada neste tema, o Habitat: cidades compactas, conectadas e integradas.

Há outras cujo desenho urbano vai na direção contrária – e onde o transporte por coletivos movidos a diesel ou gasolina, percorrendo longas distâncias e enfrentando congestionamento, é o que domina parte significativa dos deslocamentos.

Um estudo recente do Centre for Cities compara a mobilidade em aglomerações urbanas britânicas com o que prevalece no restante da Europa. Nas cidades do continente, 67% das pessoas chegam dos subúrbios ao centro em no máximo 30 minutos. Nas cidades britânicas abordadas no estudo, este total não vai além de 40%. Isso não se deve a superfícies maiores ocupadas pelas cidades britânicas quando comparadas às do restante da Europa, mas sim ao fato de que no continente mais gente mora em áreas centrais e perto dos transportes coletivos.

A ineficiência da rede britânica de transportes (em função dos padrões dispersos de ocupação de seus territórios urbanos) tem um custo anual de £23,1 bilhões (R$ 165 bilhões). Este custo deriva basicamente do fato de que a distância dos grandes centros reduz o acesso das pessoas aos melhores empregos e diminui os efeitos positivos das aglomerações e, portanto, da produtividade e do desempenho da economia. Roma e Manchester, por exemplo, têm o mesmo tamanho, mas, pelos cálculos do Centre for Cities, Roma é 55% mais produtiva que Manchester — em grande parte, pela diferença no tempo de acesso aos centros onde estão situados os empregos e os serviços mais importantes.

A mensagem do estudo é que não basta eletrificar a frota de veículos. Trânsito entupido e longas distâncias com veículos elétricos (ou a movidos a etanol) é melhor que com automóvel a gasolina ou diesel. O mais importante, porém, é valorizar as áreas próximas às estações de transportes coletivos e, sobretudo, impedir o esvaziamento populacional dos grandes centros.

Claro que este é um tema que envolve as prefeituras, mas, ao mesmo tempo, tem uma dimensão nacional decisiva. Programas como o Minha Casa Minha Vida (que, como mostra Leão Serva, era chamado por Jaime Lerner de “Minha Casa, Minha Vida, Meu Fim do Mundo”) ampliam os “custos de morar longe”, como foi largamente demonstrado pelos trabalhos do Instituto Escolhas.

Reocupar os centros, impor sanções tributárias pesadas a imóveis vagos aí situados, estimular formas diversificadas de uso nestas áreas pela convivência de residências com comércio, centros culturais, atrações gastronômicas e artísticas são formas de luta contra o apartheid territorial de nossas cidades. É uma das mais emblemáticas expressões da ideia de que o desenvolvimento sustentável, mais do que soluções tecnológicas (sem dúvida, importantes) supõe e abre amplas oportunidades de reorganização social.

Cidades compactas, conectadas e integradas, onde todos tenham acesso rápido ao trabalho, aos serviços, à cultura, à socialização construtiva e ao lazer é a tradução, para a vida urbana, da urgência contida na ideia de justiça ambiental. Por maior que seja a importância do carro elétrico, é a “desmobilidade” que vai melhorar a vida urbana e contribuir à redução das desigualdades.

*Ricardo Abramovay é professor sênior do Instituto de Energia e Ambiente da USP. Autor, entre outros livros, de Amazônia: por uma economia do conhecimento da natureza (Elefante/Terceira Via).

Publicado originalmente no portal UOL.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Feres Júnior Julian Rodrigues Roberto Bueno Gerson Almeida Ari Marcelo Solon Luiz Costa Lima Marcos Aurélio da Silva Boaventura de Sousa Santos Luiz Renato Martins Flávio R. Kothe Marcelo Guimarães Lima Afrânio Catani Annateresa Fabris Sandra Bitencourt Slavoj Žižek Ricardo Musse Milton Pinheiro Anderson Alves Esteves Luiz Marques Benicio Viero Schmidt André Singer Daniel Brazil Jorge Luiz Souto Maior Eleutério F. S. Prado Paulo Sérgio Pinheiro Rodrigo de Faria Roberto Noritomi Valerio Arcary Lorenzo Vitral Ronaldo Tadeu de Souza Jean Marc Von Der Weid Thomas Piketty Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Roberto Alves Airton Paschoa Jean Pierre Chauvin Mariarosaria Fabris Igor Felippe Santos Otaviano Helene Vanderlei Tenório Dênis de Moraes Chico Whitaker Sergio Amadeu da Silveira Samuel Kilsztajn Maria Rita Kehl Paulo Capel Narvai Alexandre de Freitas Barbosa Luciano Nascimento Francisco Fernandes Ladeira Eliziário Andrade Marcus Ianoni Luiz Eduardo Soares Alexandre de Lima Castro Tranjan João Carlos Loebens Alexandre Aragão de Albuquerque Francisco Pereira de Farias Bento Prado Jr. Plínio de Arruda Sampaio Jr. Salem Nasser Paulo Nogueira Batista Jr Daniel Afonso da Silva Jorge Branco João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Antunes Lincoln Secco Gilberto Lopes Luís Fernando Vitagliano Everaldo de Oliveira Andrade José Micaelson Lacerda Morais Luiz Bernardo Pericás Renato Dagnino Marilia Pacheco Fiorillo Marcos Silva Antonino Infranca Andrew Korybko Marilena Chauí Celso Favaretto Fábio Konder Comparato José Luís Fiori Paulo Fernandes Silveira Luis Felipe Miguel João Adolfo Hansen Osvaldo Coggiola Fernando Nogueira da Costa Priscila Figueiredo Ricardo Fabbrini Ricardo Abramovay Anselm Jappe Michael Löwy Fernão Pessoa Ramos João Lanari Bo Remy José Fontana Leda Maria Paulani Michael Roberts Marcelo Módolo Flávio Aguiar José Geraldo Couto Henry Burnett Luiz Carlos Bresser-Pereira Atilio A. Boron Mário Maestri Armando Boito Heraldo Campos Eugênio Trivinho Eugênio Bucci Claudio Katz Marjorie C. Marona Antonio Martins Leonardo Boff Tales Ab'Sáber Berenice Bento Elias Jabbour Dennis Oliveira Érico Andrade Carlos Tautz Carla Teixeira Vinício Carrilho Martinez Walnice Nogueira Galvão Daniel Costa Bruno Machado Leonardo Avritzer Tarso Genro Alysson Leandro Mascaro Gabriel Cohn Ronald Rocha Juarez Guimarães Lucas Fiaschetti Estevez José Machado Moita Neto Leonardo Sacramento Eleonora Albano Ladislau Dowbor Valério Arcary José Dirceu Tadeu Valadares Eduardo Borges João Sette Whitaker Ferreira Bernardo Ricupero Ronald León Núñez José Raimundo Trindade André Márcio Neves Soares Manuel Domingos Neto Manchetômetro Liszt Vieira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Werneck Vianna Antônio Sales Rios Neto Celso Frederico Vladimir Safatle Henri Acselrad José Costa Júnior Rubens Pinto Lyra Paulo Martins Chico Alencar Kátia Gerab Baggio João Carlos Salles Rafael R. Ioris Caio Bugiato Denilson Cordeiro Yuri Martins-Fontes Gilberto Maringoni

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada